Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Dois Sportings dentro do Sporting

transferir.jpg

 

Breve resumo da semana leonina que passou.

 

1

No Sporting das competições reais:

 

- Sporting conquista a Taça de Portugal em basquetebol, derrotando na final o FC Porto. Há 40 anos que não vencíamos este título na modalidade, reintroduzida em 2019 ao nível dos escalões seniores masculinos.

- Sporting sagra-se campeão nacional de futebol de praia, recuperando o título que nos fugia desde 2016 e quebrando o domínio que o Braga vinha exercendo nesta modalidade nas últimas três épocas.

- Sporting vence a Fonte do Bastardo por 3-0 na quinta jornada do campeonato nacional de voleibol.

- Sporting vence o Póvoa Andebol Clube fora de casa, por 33-23, na sexta jornada do campeonato nacional de andebol.

- Sporting goleia o Ouriense fora de casa, por 9-1, na terceira jornada do campeonato nacional de futebol feminino.

- Sporting vence por 3-0 o Vilacondense, na quarta jornada do campeonato nacional de voleibol feminino.

- Sporting goleia por 8-2 o Fundão, na terceira jornada do campeonato nacional de futsal.

- Sporting derrota fora de casa, por 73-53, o Galitos, do Barreiro, na jornada inaugural do campeonato nacional de basquetebol.

- Sporting vence por 5-3 o Vilafranquense, na terceira jornada do campeonato nacional de hóquei em patins feminino.

- Sporting empata 1-1 no pavilhão da Luz, no clássico de hóquei em patins correspondente à terceira jornada da modalidade. O golo de Matías Platero que daria a vitória leonina contra o Benfica foi invalidado: erro grosseiro do árbitro. A bola «ultrapassou mesmo a linha de baliza», como ontem assinalou a jornalista Marina Alves, na crónica do jogo no Record

 

2

No Sporting das competições virtuais:

 

- Carlos Vieira, ex-número dois de Bruno de Carvalho, critica Rúben Amorim por «não indicar aos jogadores para serem mais agressivos», propõe que os actuais dirigentes se submetam a uma «moção de confiança» e acredita ter um «papel relevante» na vida do Sporting, confessando em declarações à Rádio Renascença que ambiciona «ser membro do Conselho Fiscal» de uma futura direcção.

- Paulo Lopo anuncia intenção de candidatar-se à presidência do Sporting. «Quando houver eleições, estarei disponível, caso os sportinguistas achem que serei fundamental para o Sporting CP devido à qualidade de gestão que fui apresentando ao longo destes tempos, acumulada com o conhecimento adquirido no futebol», afirma o ex-presidente da SAD do Leixões, em entrevista ao Record.

- Augusto Inácio admite apresentar uma candidatura ao cargo de presidente do Sporting. «É um assunto que estou a ponderar. Estou a pensar seriamente. Há pessoas que têm falado comigo para realmente eu avançar», declarou o antigo treinador e ex-director desportivo leonino em entrevista à Rádio Renascença. Inácio considera que os sportinguistas «estão a ser traídos» por Frederico Varandas.

- Grupo de sócios anuncia entrega de requerimentos ao presidente da Mesa da Assembleia Geral do Sporting para a realização de duas assembleias gerais: uma destinada à destituição dos actuais corpos sociais e outra visando a reintegração, como «sócios de pleno direito», dos antigos dirigentes Bruno de Carvalho e Alexandre Godinho.

- «Reino do leão a ferro e fogo», titula a Renascença, citando outro grupo de sócios do Sporting que reclama a destituição imediata do presidente da MAG. Este grupo dirigiu ao Tribunal Central Cível de Lisboa uma providência cautelar para suspender a assembleia geral já realizada e fez uma participação disciplinar contra Rogério Alves «por violação flagrante dos estatutos».

- Dias Ferreira anuncia ter «um plano para salvar» a SAD leonina de cair em mãos exteriores ao clube. Em declarações concedidas ao canal televisivo do jornal A Bola, o ex-vice-presidente e ex-presidente da MAG acusou o Conselho Directivo de «violar os estatutos» ao atribuir nomes de glórias do clube às portas de Alvalade. Sobre o futebol, disparou: «O Sporting não tem equipa.»

- Schelotto, ex-defesa leonino, revela ter interposto uma acção contra o Sporting no Tribunal Arbitral do Desporto, em Lausana, alegando ter sido «coagido a abdicar de verbas a que tinha direito», por contrato, quando se transferiu de Alvalade para o Brighton, em Inglaterra. 

O que alguns vão dizendo

Disse Dias Ferreira n´"A Bola" de Sábado:

"Há muito que tinha percebido, e não deixei de o escrever, que era difícil dar o salto de uma afirmação façam o que quiserem para uma acusação moral dos crimes praticados em Alcochete naquela fatídica tarde. Foi uma afirmação irresponsável e leviana, que poderia redundar - e redundou - num acto criminoso. A responsabilização criminal, porém, é mais exigente, e não pode haver dúvidas entre causa e efeito, entre uma afirmação irresponsável e uma responsabilidade pela autoria moral. Mas o ex-presidente e ex-sócio do Sporting devia perceber que nem toda a gente gosta de atitudes e comportamentos destes. Devia ter percebido que a legitimidade de 90% dos votos não implica dizer para uns sócios façam o que quiserem e, para outros, eu faço que quero. A maioria não aceitou nem que uns façam ou fizessem o que queriam, nem que que o presidente fizesse o que lhe apetecia. Por isso o destituiu e depois o expulsou".

Disse Ricardo Quaresma  n´"A Bola" de hoje:

"...Depois claro, clubes e dirigentes que criaram um monstro que lhes escapou ao controlo e que têm de continuar a alimentar para não se virar contra eles. Pense, caro leitor: quem foi o único presidente que sofreu por parte das claques o tratamento violento que dedicam a jogadores e treinadores quando as coisas correm mal? Frederico Varandas. Porque foi o único, até agora, com coragem para os enfrentar a sério, tirando-lhes privilégios absurdos e até, questionáveis. E é no fundo essa a grande questão a que temos de responder antes de tudo o resto: as claques interessam a quem?"

Disse a Juveleo depois do empate em Guimarães onde entrámos em campo com cinco jovens da formação, dois em estreia absoluta:

"Resumindo o jogo de ontem, temos mais do mesmo, uma equipa, sem vontade, sem garra, sem alma e sem perspectiva de melhorias."

Já Bruno de Carvalho disse muita coisa numa entrevista via Net a um rapaz qualquer que vive na Holanda, nomeadamente mais ou menos o seguinte:

"1. Que o acordo do Jesus com o Vieira no final de 2017 lhe tirou o sono por muito tempo, não o despediu a seguir, do que muito se arrepende, e foi tudo uma guerra surda a partir daí. A pior decisão da vida dele foi ter ido contratar o Jorge Jesus.

2. Que a seguir ao jogo com o Paços de Ferreira não queria por os pés em Alvalade de novo, foi forçado e forçou-se a si mesmo a voltar. O estádio tinha deixado de ser a casa dele. 

3. Que tinha posto as claques na ordem. O Sporting pagava e as multas eram debitadas às claques."

Disse Nuno Saraiva ontem aqui no blogue:

"...Ou seja, isto é que é a falta de militância que sempre existiu no nosso Clube, e sobre a qual tantas vezes falei enquanto servi o Sporting. Este comportamento é a contradição absoluta dos que passam a vida a encher a boca com o chavão da militância no Clube, mas que depois são militantes de tudo menos do Sporting Clube de Portugal.

Isto é o paradoxo completo dos que passam a vida a encher a boca com os chavões da “defesa dos superiores interesses do Sporting” ou de que “ninguém está acima do Sporting”, mas que depois colocam agendas pessoais e individuais acima do Sporting Clube de Portugal."

Enfim muita coisa para ler e reflectir.

SL

Ler Dias Ferreira (2)

 

«Aquele que deveria ser o timoneiro [do Sporting] anda confuso e à deriva, perdendo a cada dia os seus companheiros de viagem, e depois de se tornar refém do treinador mostra-se agora rendido ao mesmo treinador.»

 

«É inconcebível que o timoneiro de uma das maiores instituições nacionais e internacionais se sinta subjugado ou vencido (para esquecer o humilhado) relativamente ao treinador.»

 

«No clube, os estatutos, que necessitam de alteração como se precisa de oxigénio para sobreviver, está a solução para uma mudança de vida, que tem de ser gradual, mas decisiva. Mas necessitam da aprovação de três quartos dos sócios presentes na assembleia geral, nos termos da lei e dos estatutos. E neste momento, por razões internas e externas, não há condições para fazer assembleias gerais.»

 

«Preconizo uma alteração dos estatutos por forma a introduzir a possibilidade de ser introduzido o referendo e o voto electrónico. Assim, em votações sobre matérias importantes, como são as estatutárias, todos os sócios, onde quer que estivessem, podiam votar e teríamos a certeza que o deliberado representava a decisão de todos os sócios do Sporting Clube de Portugal e não apenas a vontade de três quartos dos sócios presentes numa assembleia geral em Lisboa.»

 

Excertos de um artigo de opinião de José Dias Ferreira, publicado hoje no jornal A Bola

Ler Dias Ferreira

 

«A hora é para encontrar soluções concretas e imediatas, porque os sócios e adeptos do Sporting Clube de Portugal começam a ficar impregnados de corrosivos desinteresse e cepticismo.»

 

«Não é mais tempo para lutas inglórias e passageiras, para discussões acaloradas, mas sem sentido, para ataques e destruições.»

 

«O Sporting necessita de um rumo em diversos aspectos, designadamente, no que respeita à governance (estatutos) do clube da SAD e à sustentabilidade desta, com foco na composição do capital.»

 

«O debate que importa está lançado, e é de ideias e não de pessoas, sendo que as únicas em causa são as pessoas colectivas Sporting Clube de Portugal e a sua sociedade anónima desportiva e os seus superiores interesses.»

 

Excertos de um artigo de opinião de José Dias Ferreira, publicado hoje no jornal A Bola

Que verdade, José Eduardo?

Quando comecei a escrever nesta referência da blogosfera leonina, pensei numa linha condutora que me propus a seguir sempre que escrevesse um texto. Um dos itens dessa linha era evitar referências diretas a terceiros.

Infelizmente, ao ler a frase de José Eduardo "Liderança não quer dizer nada. Está a esconder-se a verdade aos sportinguistas", não resisti e senti-me forçado a quebrar essa regra (pela segunda vez).

Realmente, a liderança à terceira jornada não quer dizer grande coisa. Mas quer dizer qualquer coisa. A primeira coisa que quer dizer é que até ao momento perdemos menos pontos que os demais dezassete clubes do nosso campeonato. Também quer dizer que alguns que profetizavam a desgraça não estavam tão certos como acreditavam estar no alto da sua torre de marfim.

O Sporting vive-se em todos os  estratos sociais. Vive-se nas mais variadas casas. E quando o Bruno Fernandes guiou magicamente a bola para o acrobático encosto de Raphinha, a grande maioria gritou golo e pensou "em primeiro". Infelizmente, alguns engoliram em seco e pensaram "isto estraga-me os planos".

Gerir uma associação desportiva deve ser algo muito complicado. Em Portugal é sinónimo de se ver a vida toda exposta em jornais, blogues e televisões. É também sinónimo de insultos diários e difamações constantes. Mas é ainda mais complicado quando a associação desportiva se chama Sporting Clube de Portugal. É que há sempre alguém a fazer exercícios de aquecimento na esperança de entrar a seguir.

Nas passadas semanas tivemos Ricciardi e Dias Ferreira, hoje temos José Eduardo. Os argumentos são sempre os mesmos. São vazios e assentes no preconceito. O termo "estagiário" não vem por acaso, é baseado na relativa juventude da equipa que compõe o Conselho Diretivo e tem por objetivo desacreditar pessoas criando um estigma.

Há tanta crítica construtiva que se pode fazer, há tanta maneira de ajudar o Clube a ser maior a cada dia que passa. Porque é que se escolhe sempre esta política de terra queimada onde se tenta destruir o clube quando não está lá alguém que não é nosso amigo?

É como nas relações, não é por destruirmos a auto-estima d@ noss@ parceir@ que garantimos que fique connosco para sempre. Era tão bom que os Sportinguistas, principalmente os "notáveis", percebessem isso.

 

Primeiro abutre no céu

José Eduardo, vocalista da banda Ricciardi, já veio dar as suas calorosas palavras de alento para o bem do clube.

"O clube foi atingido por uma catástrofe enorme a vários níveis. A partir desse momento não se conseguiu reorganizar... nem vai conseguir. O clube está completamente fraturado. É muito difícil unir esforços em torno da equipa quando toda a gente tem opinião sobre tudo. Depois começam as dúvidas e quando os resultados não aparecem os responsáveis entram em stress e quando isto acontece não tomas as melhores decisões. Por isso, o Sporting está aqui num beco sem saída. Vem aí um jogo com o Sp. Braga fundamental e caso o Sporting não obtenha um resultado positivo, creio que estaremos perante uma crise de grandes dimensões"

Valha-nos José Eduardo, eterno otimista, para motivar os sócios e adeptos. Agora sim podemos encarar o futuro com mais esperança.

Ainda hoje, também Dias Ferreira escolheu vir apoiar incondicionalmente o Sporting com as seguintes declarações.

 

"Foi uma entrada em falso, mas – ao que parece – é normal. É aceite com naturalidade. O presidente diz que não está preocupado e eu, eventualmente criticado quando digo que estou, é melhor dizer que estamos tranquilos. Quando o Sporting leva 5-0 no primeiro jogo oficial e faz a pré-época que fez porque é que tenho de ficar preocupado?"

Uma pena que o adepto Dias Ferreira ainda não tenha explicado ao eterno candidato Dias Ferreira como se comportar.

Frankenstein e os seis candidatos

Victor Frankenstein teria o sábado facilitado caso fosse um sócio do Sporting com as quotas em dia.

 

Bastar-lhe-ia criar a meio da noite um candidato com a cultura de campeão de João Benedito, a proximidade do futebol de Frederico Varandas, a experiência acumulada de Dias Ferreira, os milhões de euros de Rui Jorge Rego, as credenciais de empresário de Tavares Pereira e a capacidade de atrair adversários (internos e externos) de José Maria Ricciardi. Estes e outros pontos fortes reunidos na mesma criatura, formada de retalhos de todos quantos disseram presente na hora de suceder a Bruno de Carvalho.

 

Mas nenhum sócio do Sporting com as quotas em dia terá ausência de moral, conhecimento científico e vontade de acrescentar trabalho à Polícia Judiciária bastantes para perpetrar os crimes necessários para seguir a imaginação da escritora Mary Shelley. Resta-lhes, por isso, escolher o candidato que mais se aproxime daquilo que consideram necessário para o futuro do clube, pousando na balança de precisão personalidade, programa eleitoral e equipa de cada um dos seis.

 

A acreditar nas últimas sondagens, acima de dois em cada três sócios inclinam-se para votar em João Benedito ou Frederico Varandas. Ambos têm grandes qualidades e entusiasmo, ambos são alvos fáceis devido à idade e inexperiência na liderança do clube, tal como Bruno de Carvalho era um alvo fácil aquando da eleição para o primeiro mandato. Mas em nenhum dos dois se reconhece a volatilidade (digamos assim) que se revelou o vício intrínseco do presidente destituído.

 

Tirando os respectivos núcleos duros de fiéis, todos os sócios do Sporting com as quotas em dia serão forçados a dar um salto de fé no próximo sábado. Depois caberá ao vencedor garantir que, ao contrário da criatura de Frankenstein, não acabará perseguido por uma multidão com forquilhas e archotes.

 

P.S. - Um enorme obrigado ao Pedro Correia pelo convite para regressar a este blogue. Extensível a todos os outros que o escrevem e aos que o lêem.

Inaceitável

 

1. José Maria Ricciardi recusou ontem debater com Dias Ferreira no canal do nosso clube. Alegando encontrar-se no Algarve em acções de campanha. Acontece que menos de meia hora depois comparecia na Sporting TV para debater com João Benedito, como o Mister do Café documenta de cronómetro em riste. 

É um comportamento inaceitável de um concorrente à presidência do Sporting. Um insulto a Dias Ferreira, que devia merecer o respeito de todos os adversários internos. E um insulto também à inteligência de todos os sportinguistas.

 

2. Fernando Tavares Pereira, talvez o mais desconhecido dos sete candidatos à liderança leonina, recusou debates a dois com os seus oponentes. Tenho visto gabar a "humildade" deste candidato - até neste blogue. Pois eu só vejo arrogância e soberba nesta recusa. Quem evita discutir ideias com companheiros de clube, que moral teria mais tarde para exigir debates com adversários no espaço público?

Jesuiticamente, o empresário de Tábua diz hoje, em entrevista ao Record, que decidiu baldar-se aos debates por "não trazerem nada de novo". Rica pedagogia democrática, digna de um aparente nostálgico da ditadura. Admira-me que ainda receba elogios. Mas há gostos para tudo.

 

Debate Ferreira-Madeira: algumas frases

Dias Ferreira:

  • «Você quer pôr Peseiro como adjunto do Ranieri?»
  • «Se o Pedro Madeira Rodrigues fosse o único candidato à presidência do Sporting, o José Peseiro já tinha feito as malas, de certeza absoluta.»
  • «Seria de um cinismo e de uma hipocrisia eu estar aqui a dizer que o José Peseiro é o meu treinador ideal.»
  • «De todos os candidatos, quem melhor conhece o clube é evidente que sou eu. O meu currículo fala por mim.»
  • «Para a formação, espero contratar o professor Tomaz Morais.»
  • «O Sporting só tem de fazer uma coisa: ir buscar os melhores. Porque nós temos direito aos melhores.»
  • «[Muitas vezes] gastamos muito dinheiro com os que não são melhores nem são piores: são maus. Ou incompetentes.»
  • «O projecto das academias, estas e as internacionais, é a menina dos olhos do meu programa. Sonho há muitos anos que tenhamos uma escola de cultura sportinguista.»
  • «A formação tem de ser a grande aposta do Sporting.»
  • «Agradeço o apoio do doutor Carlos Vieira. (...) Toda a gente lhe atribui a maior competência. Foi uma coisa que me satisfez, o apoio que ele me deu.»

 

Madeira Rodrigues:

  • «É muito mais aquilo que nos une do que aquilo que nos divide.»
  • «Depois deste excessivo protagonismo de Bruno de Carvalho, queremos um presidente discreto. Quem deve falar, no fim dos jogos, é o treinador e os jogadores.»
  • «De todos os candidatos, sou o único que tem treinador para os próximos três anos. Quando perguntam aos outros sobre Peseiro... "ah, vamos lá ver... vai depender dos resultados..."»
  • «Não vejo Peseiro como treinador principal para o nosso clube.»
  • «Vamos fazer uma revolução dentro da academia porque perdemos muito terreno para os rivais nos últimos tempos. (...) Em termos de gestão, o Sporting tem de dar uma grande volta.»
  • «Não gosto de dizer bem dos nossos rivais, mas trabalhei com Domingos Soares Oliveira e o Sporting precisa de fazer a revolução que ele fez no nosso clube rival.»
  • «O Sporting, em Portugal, foi o primeiro a ter uma claque. Foi o primeiro a ter a SAD. Foi o primeiro a ter a academia. Foi o primeiro a fazer a gamebox. Tem a ver com a nossa natureza - sermos inovadores, sermos arrojados.»
  • «O doutor Dias Ferreira nasceu em 1947, como o meu pai, e eu nasci em 1971 e tenho 47 anos. Acredito que estou na altura certa para ser presidente do Sporting. Tenho maturidade, tenho experiência, tenho a garra.»
  • «Tenho todo o respeito pelos ex-atletas do Sporting, mas a grande força do Sporting somos nós, os sócios e os adeptos normais.»
  • «Eu gostava de ter 100% do capital da SAD.»

O frente-a-frente realizou-se esta noite, na Sporting TV

Debate Ferreira-Varandas: algumas frases

Dias Ferreira:

  • «Bem-vindo à luta pela verdade desportiva. Você [Varandas] tem andado um bocado calado sobre este aspecto.»
  • «Eu ando no Sporting, ligado ao dirigismo desportivo, aos mesmos anos que você tem de idade.»
  • «Uma das grandes apostas nossas é o projecto das academias - a da academia da formação junto com uma academia das modalidades e junto com uma escola que consiga fazer a conciliação do desporto com a instrução.»
  • «O nosso investimento numa academia das modalidades não é um custo: é um investimento, que terá o seu retorno forçosamente.se as coisas forem bem conseguidas.»
  • «O Sporting não pode ser nunca um conflito de gerações.»
  • «Você nunca foi dirigente. Eu acho que é uma desvantagem.»
  • «Você tem a mania de que é treinador. E às vezes até penso que você quer é ser treinador e não presidente.»
  • «Só posso prometer muito trabalho e muita dedicação.»

 

Frederico Varandas:

  • «A Comissão de Gestão não foi feliz ao aceitar o convite para estar presente na tribuna [da Luz]. O Sporting Clube de Portugal deve ter relações institucionais com todos os clubes. (...) Mas penso que, primeiro, esse rival tem de arrumar a casa. E não houve tempo para o rival arrumar a casa e sentarmo-nos já na tribuna.»
  • «Conheço o futebol português e não conheço só o balneário. Conheço a realidade dos presidentes, conheço a realidade dos directores desportivos, conheço bem a parte das reuniões da Liga. Estou por dentro.»
  • «Ser líder é saber rodear-se das pessoas certas nas áreas que não se domina melhor.»
  • «A minha força não está em mim. Eu sou o rosto. A minha força está nas pessoas que me rodeiam. Pessoas apaixonadas, pessoas com energia, pessoas com força, pessoas com competência.»
  • «Comigo o Sporting vai ser limpo e vou exigir que os meus adversários joguem limpo.»
  • «Não vai haver desinvestimento nas modalidades.»
  • «Vamos em 2019/2020 partir para o básquete. Já tivemos reunião com a Federação de Básquete. Há todo o interesse na Federação em ter o Sporting, que é um histórico na modalidade.»
  • «Se a minha equipa vencer, vai haver quase sempre treino à porta aberta.»

 

O frente-a-frente realizou-se esta noite, na Sporting TV

Candidatos - DIAS FERREIRA

Desafiei alguns dos meus amigos que estão espalhados nas mais variadas candidaturas à presidência do nosso clube para enviarem o curriculum dos candidatos.

 

Pretendo dar a conhecer o percurso dos candidatos no intuito de facilitar a melhor escolha aos sportinguistas.

 

O primeiro candidato é José Eugénio Dias Ferreira que nasceu a 17 de Abril de 1947 na freguesia de Santa Isabel, concelho de Lisboa.

 

Atendendo ao vasto e brilhante curriculum profissional e académico do candidato, selecionei apenas parte que está diretamente relacionado com a área desportiva.

 

É sócio do Sporting Clube de Portugal desde 27/2/1963 tendo atualmente o nº 2229, detentor de Emblema de Ouro e membro do Grupo dos Cinquentenários.

 

Em 1980 iniciou a sua atividade no Sporting Clube de Portugal como membro do Gabinete Jurídico.

 

Em 11/8/1980 tomou posse do cargo de Vice-Presidente da Direção (presidida por João Rocha) para o Secretariado Geral do Sporting Clube de Portugal, iniciando assim o seu percurso de dirigente desportivo.

 

1984 – 1986: Foi eleito Vice-Presidente da Direção do Sporting Clube de Portugal (presidida por João Rocha), com o pelouro das relações exteriores, adquirindo larga experiência da vida associativa, federativa e, sobretudo, um grande relacionamento com todos os Presidentes dos principais clubes que criaram o chamado “Movimento dos Presidentes” que mais tarde dariam origem à Associação Nacional de Clubes e à Confederação Portuguesa de Clubes de Futebol e que, mais tarde ainda, se viriam a fundir na atual Liga Portuguesa de Futebol Profissional. Participou ativamente em todas as iniciativas então tomadas: policiamento, totobola, bingo, televisão, fisco etc...

 

1986-1988: Foi mais uma vez eleito Vice-Presidente da Direção do Sporting Clube de Portugal, agora sob a presidência do Dr. Amado de Freitas, tendo ficado de novo com o pelouro das relações exteriores, e assumindo na parte final do mandato a chefia do Departamento de Futebol.

 

Foi membro do Conselho de Administração da Sociedade Gestora de Participações Sociais (SGPS) do SCP e desde 1980 a 1988, membro do Conselho Leonino, por inerência.

 

Em 1996 participou ativamente na reforma dos estatutos do Sporting Clube de Portugal, tendo, após a sua aprovação, sido eleito membro do Conselho Leonino, onde permaneceu até que se demitiu, em Outubro de 2005.

 

2009 – 2011: Presidente, por inerência, do Conselho Leonino

 

2011 – 2013: Membro, por inerência do Conselho Leonino

 

Presidente da Assembleia Geral do Sporting Clube de Portugal de Junho de 2009 a Março de 2011.

 

No final do ano de 1989 foi admitido como membro do Grupo Stromp, tendo sido, no biénio de 1991-1992, designado pelos fundadores, então ainda vivos, como Presidente da Comissão Diretiva do grupo.

 

É associado e fundador dos “Leões de Portugal”, Associação de Solidariedade Sportinguista IPSS, tendo sido membro do seu Conselho Social.

 

Foi alvo de Homenagens por parte dos Núcleos do Sporting Clube de Portugal, designadamente:

 

  1. Em 7 de Junho de 1997, pelo Núcleo Sportinguista da Área de Boston, com sede em Summerville, Maassachussetts “pelos inúmeros serviços prestados e pelo grande apoio dado ao Sporting Clube de Portugal e pela sua honrosa presença no 5º Aniversário do Núcleo Sportinguista da Nova Inglaterra”.
  2. Em 5 de Julho de 1997, pelo Núcleo Sportinguista de Sanfins do Douro por ocasião do primeiro aniversário.
  3. A 13 de Dezembro de 1997, pelo Núcleo Sportinguista de Frauenfeld, por ocasião do 2º aniversário deste.
  4. Em 11 e Julho de 1998, pelo Núcleo Sportinguista de Torres Vedras com a atribuição do “Prémio Agostinho”.
  5. Em 13 de Novembro de 1999, pelo Núcleo Sportinguista de Soure por ocasião do 6 Aniversário deste.
  6. Em 26/11/2004, pelos sportinguistas da região de Leiria com a atribuição do prémio “Rugidos do Leão”.
  7. Em Outubro de 2005, pelo Núcleo Sportinguista de Tires com a atribuição de “Prémio Jesus Correia” – Dedicação.
  8. Em 6 de Novembro de 2005, pelo Núcleo Sportinguista da Pedrulha, “pelo seu empenho e dedicação à causa leonina”
  9. Em 05/12/2009 pelo Núcleo de Sportinguistas do Vale de S. Joaquim, na Califórnia.
  10. Em 11/06/2016 pelo Núcleo do Sporting Clube de Portugal de Estarreja

 

De 1982 a 1984 foi Presidente da Direção do Mem-Martins Sport Clube, tendo sido eleito em 1990 Presidente da Assembleia Geral, tendo sido reeleito para mandatos sucessivos até Abril de 2006.

 

2013 – Eleito de novo Presidente da Assembleia Geral

 

1988 – Membro da Comissão Organizadora do Congresso da Federação Portuguesa de Futebol, realizado em Troia entre 9 e 12 de Junho de 1988.

 

Foi, no início dos anos 90, Presidente - Adjunto da Associação de Futebol de Lisboa.

 

Foi Presidente da Liga Portuguesa de Futebol Não Profissional.

 

De 1982 a 1984 foi Presidente do Conselho Jurisdicional da Federação Portuguesa de Basquetebol e integrou a Comissão Consultiva do 6º Campeonato Mundial de Juniores Masculinos de Basquetebol.

 

Foi Presidente do Comité de Auditoria da Liga de Clubes de Basquetebol.

 

Em 1986 foi indicado por unanimidade de todos os clubes componentes da Associação Nacional dos Clubes de Futebol seu representante no “Grupo de Trabalho para o Desporto Profissional” criado por Sua Excelência o Ministro da Educação e Cultura, Prof. João de Deus Pinheiro, para elaboração do projeto de Lei de Bases do Sistema Desportivo.

 

Foi Conselheiro do Conselho Nacional do Desporto, durante dois mandatos.

 

Em 14 de Fevereiro de 2012, aceitando o convite do Senhor Secretário de Estado do Desporto e Juventude, foi designado Embaixador para a Ética no Desporto

 

É Presidente do Special Olympics Portugal

 

Foi membro da Associação Espanhola de Direito Desportivo

 

É membro fundador (sócio nº 1) da Associação Portuguesa de Direito Desportivo.

 

Lecionou no 1º Curso Pós-Graduação de Direito Desportivo da Universidade Lusíada e, no ano letivo de 1999/2000, a disciplina de Legislação e Direito Desportivo num curso para dirigentes desportivos, organizado pela Universidade Autónoma.

 

Mestre em Direito Desportivo pela Universidade de Lérida (Espanha).

 

Tem participado, no âmbito do desporto e do direito desportivo em diversos congressos, colóquios e conferências, designadamente:

 

  1. Entre 18 e 23 de Abril de 1994 frequentou o curso “A Propriedade Industrial e os Direitos de Autor “organizado pela Universidade Lusíada com a colaboração da Ordem dos Advogados.
  2. Em Março/Abril de 1998 participou no ciclo de conferências organizado pelo Jornal de Notícias e o Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol subordinado ao tema “O Futebol Português: Que Presente, Que Futuro? “Modelo de Organização Sistemática Desportiva e Sociedades anónimas desportivas.
  3. Em 12/03/1997 participou como orador num colóquio organizado pela Associação de Estudantes da Universidade Portucalense subordinado ao tema “Sociedades Desportivas – Que futuro? “
  4. Em 17/02/1998 foi orador convidado numa conferência subordinada ao tema “Direito Desportivo”, organizado pela Associação Europeia de Estudantes de Direito” e a Universidade Católica Portuguesa.
  5. Entre 15 e 30 de Abril de 1999 frequentou o “Seminário sobre Direito Desportivo” organizado pela Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa.
  6. Em 16/04/1999 participou como orador no colóquio organizado pela Associação de Estudantes de Direito da Universidade do Minho subordinado ao tema “A Marca e o Desporto “.
  7. Em 30/04/1999 participou num colóquio subordinado ao tema “Sociedades Desportivas: a solução para o desporto profissional? “Organizado pela Câmara Municipal de Leiria.
  8. Em 26/06/1999 participou nas I Jornadas “Francisco Stromp”, comentando o tema apresentado pelo Dr. Silva Resende “Futebol que Futuro?”, na perspetiva “Clubes/Seleções - choque de interesses”.
  9. Participou como orador no “Fórum Sporting 2000 “e no painel subordinado ao tema “Sporting, que Modelo de Clube “.
  10. Em 07/03/2001 participou a convite da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa no debate acerca das possíveis implicações da “Lei Bosman II “.
  11. Participou no Congresso Internacional de Direito do Desporto subordinado ao tema “O Desporto na Europa das Regiões”, realizado em Madrid nos dias 8, 9 e 10 de Março de 2001.
  12. Em 25/05/2001 participou num colóquio - debate sobre “A Justiça Desportiva” organizado pela Comissão Disciplinar da Liga Portuguesa de Futebol Profissional.
  13. Em 14/09/2001 participou num colóquio - debate sobre “A Difamação e a Injúria no Direito Desportivo” organizado pela Comissão Disciplinar da Liga Portuguesa de Futebol Profissional.
  14. Em 09/11/2001 participou num colóquio - debate sobre “O Doping e as suas controvérsias” organizado pela Comissão Disciplinar da Liga Portuguesa de Futebol Profissional.
  15. Nos dias 7 e 8 de Dezembro de 2001, participou no Seminário sobre Arbitragem Desportiva, organizado pelo Comité Olímpico de Portugal, Fundação do Desporto e pela Associação Portuguesa de Direito Desportivo.
  16. Em 24/25 de Outubro de 2002 participou no “Congreso Nacional de Derecho y Economia del Deporte “realizado em Madrid subordinado ao tema “Hacia la excelência empresarial de los clubes e sad “.
  17. Nos dias 16 e 17 de Novembro de 2002, participou nas “VI Jornadas Nacionales de Derecho Deportivo” organizadas com a colaboração da Associação Espanhola de Direito Desportivo sob o título “Asociaciones y Fundaciones. Un nuevo marco legal”, e realizadas na Universidade da Corunha.
  18. Em 22/03/2003 participou no I Encontro Nacional dos Leões de Portugal subordinado ao tema “O Voluntariado Social nos Clubes Desportivos “.
  19. No dia 10/02/2004 debateu em audição na Comissão Parlamentar de Educação, Ciência e Cultura da Assembleia da República, a Proposta de Lei 80/IX do Governo “Lei de Bases do Desporto”.
  20. Em 23/03/2004 participou num Seminário sobre “Lei de Bases do Desporto “organizado pela Comissão Parlamentar de Educação, Ciência e Cultura da Assembleia da República.
  21. Em 14/05/2004 participou como orador nas Jornadas de Desporto e Direito organizado pela Universidade Lusíada e Associação Portuguesa de Direito Desportivo, com o apoio do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, no tema “Justiça Desportiva “.
  22. Nos dias 6 e 7 de Novembro de 2002, participou nas “VII Jornadas Nacionales de Derecho Deportivo” organizadas com a colaboração da Associação Espanhola de Direito Desportivo sob o título “Las bases futuras del deporte profesional”, e realizadas na Universidade da Corunha.
  23. Em 13 e 14 de Maio de 2005 participou no 2º Fórum de Dirigentes Desportivos organizado pela Associação dos Dirigentes Desportivos da Região Autónoma da Madeira subordinado ao tema “Ética e Deontologia no Dirigismo Desportivo “.
  24. Em finais de Setembro de 2005 ano organizou o “II Encuentro de Masters en Derecho Deportivo”, que teve lugar no auditório do estádio José de Alvalade, tendo feito uma exposição sobre “Os aspectos jurídicos do desporto profissional em Portugal”.
  25. Em 20 e 21/10/2005 participou no 1º Ciclo de Conferencias de Direito Desportivo, organizadas pela Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa, e moderou o painel “Advocacia vs Representação de jogadores “.
  26. Entre 12/12/2005 e 18/02/2005 participou no “Congresso do Desporto, Um Compromisso Nacional “.
  27. No início de 2006 participou num ciclo de 4 debates sobre “O Estado e o Desporto “organizado pelo Fórum do Desporto Português.
  28. Entre 25 de Setembro e 18 de Setembro de 2006 participou na Audição Parlamentar organizada pela Comissão Parlamentar de Educação, Ciência e Cultura para apreciação na especialidade da Proposta de Lei de Bases da Atividade Física e do Desporto.
  29. Em 4/01/2007 participou num seminário internacional na Alfandega do Porto subordinado ao tema “Profissionalização da Arbitragem. Será Possível? “
  30. Em 24/05/2007 participou como conferencista na conferência “Caso Zé Tó “, organizada pela Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa.
  31. Em 3 e 4 de Junho de 2013 participou no 1º Congresso da Associação Portuguesa de Direito Desportivo e moderou o painel subordinado ao tema “Tribunal Arbitral do Desporto – Realidade ou Ficção? “composto pelo Prof. Leston Carretero, Conselheiro Cardoso e Costa e os Drs. Miguel Galvão Telles e Nogueira da Rocha.
  32. Em 26 de Janeiro de 2015 participou na conferência sobre “O combate ao doping em Portugal “organizado pelo Grupo Parlamentar do Partido Socialista.
  33. Em 29/04/2017 foi orador no painel sobre formação dos vários intervenientes no mundo futebol, centrando-se a sua intervenção na formação dos dirigentes, no âmbito do Fórum Comemorativo do 1º Centenário da Associação de Futebol da Madeira

 

Foi colunista dos jornais “Record”, “Sporting” e “A Bola “ em diversos períodos de tempo.

 

Foi comentador residente no programa de televisão da RTP “Jogo Falado” em 1995-1996 e 1998 e no programa “O Dia Seguinte” da SIC Noticias, durante quase 10 anos.

 

Actualmente, para além de reconhecido advogado é árbitro do Tribunal Arbitral do Desporto.

 

Ou seja, estamos perante um forte candidato com vasta experiência.

 

Saudações Leoninas

Dias Ferreira…

sobre Bruno de Carvalho:

 

«"Este senhor é um criminoso! Duvido que mais alguma vez vá falar com ele. A única boa notícia que posso receber é a saída do presidente, as outras são só desastres", afirmou Dias Ferreira, à TVI 24, ao ser confrontado com as rescisões de Gelson, Bruno Fernandes e William Carvalho. Revelando-se "um bocado nervoso", o antigo dirigente não poupou críticas ao atual líder: "O presidente não estava satisfeito com as rescisões que já houve e ainda desafiou as pessoas para novas. Hoje a minha revolta é muito maior, e hoje direi que se ele não sai rapidamente a SAD do Sporting sofre um duro revés. Quando vierem os resultados das providências já muitas coisas estão perdidas, e espero que não seja só na próxima época. Ficámos sem a equipa quase toda e acredito que possam sair mais jogadores", acrescentou.»

 

P.S.:

Eu, infelizmente, também acredito.

Os destaques gráficos são meus.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D