Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Uma enorme contradição

Parece-me haver aqui uma enorme contradição. Mais uma. O Governo mantém fortíssimas restrições à presença de público nas bancadas dos estádios - onde só um terço dos lugares pode ser preenchido - enquanto decreta a partir de hoje o fim dos limites da lotação dos transportes públicos, que voltarão a andar à pinha após ano e meio de drástica contenção. 

Tenho dificuldade em descortinar um fio de lógica entre duas medidas tão díspares. Será mais provável alguém - mesmo exibindo certificado digital à entrada - ser contagiado com Covid-19 num espectáculo desportivo do que se for entalado entre dezenas de pessoas num transporte público onde ninguém pergunta a ninguém se já tomou vacinas?

Enfim, a meu ver isto apenas confirma o preconceito do Executivo relativamente ao futebol. Nada a que não estejamos habituados.

A culpa é do Sporting

Lembram-se de ouvirem as vozes histéricas clamando contra os festejos do título do Sporting a 11 de Maio?

Lembram-se dos adeptos do FC Porto - começando pelo presidente dessa agremiação - a disparar contra a "vergonha" dessas ruas e praças cheia de gente em alegre confraternização?

Lembram-se dos urubus da pantalha soltando gritinhos de aflição contra o "inevitável aumento de contágios" que esses festejos causariam?

Pois tomem lá esta série de lindos postais da Invicta com milhares de briosos cidadãos cumprindo galhardamente as normas sanitárias - distanciamento físico e máscara - neste fim de semana em que lá se disputou a final da Liga dos Campeões.

No fim de tudo, se os contágios dispararem, não se esqueçam de dizer que a culpa é do Sporting.

 

111.jpg

222.jpg

333.jpg

444.jpg

555.jpg

666.jpg

Um ano depois

e430a8bc63eaa4ca8a4fa05f3df1721fb9260c77.jpg

 

Fez ontem um ano, assisti ao meu penúltimo jogo no Estádio José Alvalade. Foi o Sporting-Boavista, última partida liderada por Silas como treinador principal em nossa casa. Vencemos os axadrezados por 2-0, com golos de Sporar e Plata. À época, ainda admitíamos que o esloveno pudesse tornar-se goleador da equipa. Além dos já mencionados, os melhores em campo foram Vietto e Battaglia.

No fim do jogo, como de costume, fomos mastigar bifanas e empinar imperiais nas rulotes situadas no topo norte do Campo Grande. Lá estive, com dois colegas de blogue: o José Navarro de Andrade e o João Távora. Moderadamente satisfeitos pela vitória, mas sem ilusões quanto às possibilidades de êxito final da nossa equipa nesse campeonato 2019/2020. Seguíamos no quarto lugar, com menos 18 pontos que o Benfica, menos 17 que o FC Porto e menos um que o Braga. E víamos o Rio Ave três pontos mais abaixo.

Parece ter sido há imenso tempo. Entretanto chegou um novo treinador vindo do Minho, instalou-se a pandemia com o seu estendal de vítimas, deixámos de ir ao estádio, o plantel leonino foi profundamente alterado e o Sporting lidera o campeonato com larga vantagem sobre os rivais, agora em crise.

Só passou um ano. Tanta coisa aconteceu de então para cá.

O futebol volta a ser suspenso?

img_920x518$2020_02_28_21_05_57_1669485.jpg

 

A gestão aos solavancos do combate à grave crise pandémica em Portugal - abre fronteiras, fecha fronteiras; abre escolas, fecha escolas - faz suscitar os maiores receios sobre a continuação das provas da actual época desportiva. Até porque nesta quarta-feira fomos o país da Europa - e, portanto, do mundo - que registou maior número de novos casos de Covid-19 por milhão de habitantes, como confirma este gráfico do portal Our World in Data, mostrando em tempo real os números da pandemia na média dos últimos sete dias. 

Em 10 Março do ano passado, com números muito menos trágicos, a FPF começou por suspender todas as provas de formação de futebol e futsal. Dois dias depois, a Liga Portuguesa de Futebol Profissional anunciou a suspensão por tempo indeterminado das competições da I Liga e da II Liga, interrompendo a prova principal à 25.ª jornada. Em Abril foi cancelado o chamado Campeonato de Portugal

Agora, com mais de 200 óbitos diários, 151.226 casos activos e 5630 internados, manda a mesma lógica que o futebol volte novamente a ser suspenso. Devemos preparar-nos para um cenário destes, eventual golpe fatal para a sobrevivência de vários clubes, que já se encontram no fio da navalha. E quem diz o futebol, diz todas as modalidades desportivas. 

Será, por maioria de razão, um duro golpe para o Sporting. Porque lideramos neste momento quatro das seis principais competições desportivas portuguesas. Encabeçamos a Liga de futebol, quatro pontos acima dos segundos classificados. E lideramos no futsal, no basquetebol (invictos à 15.ª jornada) e no hóquei em patins. Só fogem à regra o andebol (seguimos em segundo, a dois pontos do FC Porto) e o voleibol (único campeonato nacional relevante comandado pelo Benfica nesta temporada 2020/2021).

É um tema que suscita reflexão e debate. Aqui o lanço, na expectativa de registar as vossas opiniões a partir de agora.

Vergonhoso

adeptos.jpg

 

Se há mal que ninguém pode atribuir ao futebol é ter contribuído para propagar surtos da pandemia em curso. Interditado ao público há quase dez meses, sem um só jogo com presença sequer de um número ínfimo de espectadores autorizados pela Direcção-Geral da Saúde (com excepção de dois desafios da selecção nacional, sob a tutela da Federação Portuguesa de Futebol, e dois outros realizados no estádio do Santa Clara, em São Miguel, alegando a plena autonomia das entidades sanitárias açorianas), o chamado desporto-rei tem sido tratado como filho de um deus menor por quem já instituiu como regra tudo e o seu contrário.

Já nos mandaram tirar máscaras por incutirem uma «falsa sensação de segurança» e usá-las agora até na rua por imperativo sanitário, já mandaram fechar fronteiras e mantê-las abertas, já mandaram encerrar escolas quando havia poucos focos de infecção enquanto as mantêm abertas com os casos de Covid-19 a disparar. 

 

Toda a norma costuma trazer associada a respectiva excepção. No caso da DGS, porém, norma e excepção andam a par - uma e outra tão imprevisíveis como a roleta a girar num casino. A mesma DGS que autoriza algum público nas competições organizadas pela FPF e nega com intransigência a presença de espectadores nas provas promovidas pela Liga de Clubes, a mesma DGS que permite a declaração de independência sanitária dos Açores, como se não fosse parcela de território nacional neste "Estado unitário" que é o português à luz da Constituição da República, deu luz verde à entrada de 46 mil pessoas no Grande Prémio de Fórmula 1 organizado neste fim de semana em Portimão. Por antever ali um «risco mínimo», na esclarecida expressão da própria directora-geral da Saúde.

Os protestos públicos forçaram-na a reduzir o número de espectadores inicialmente permitido. Mesmo assim, 27.500 obtiveram autorização para comparecer nas bancadas do autódromo algarvio. Acontece que os bilhetes já estavam vendidos quando surgiu o recuo do baralhado organismo estatal, o que gerou um pandemónio junto dos acessos, com centenas de pessoas em protestos indignados. De tal forma que a delegada regional da DGS autorizou a entrada - total ou parcial - dessas pessoas. Para tudo ficar como as imagens documentam. Contribuindo para desacreditar ainda mais um organismo que não tem demonstrado estar à altura das difíceis circunstâncias que vivemos.

 

Alguém consegue entender esta disparatada dualidade de critérios que exclui em absoluto a assistencia ao vivo em jogos das competições desportivas de âmbito nacional desde que não se trate de saltos hípicosprovas motorizadas, desafios da selecção nacional ou partidas disputadas em estádios açorianos?

Eu não. E continuarei a protestar, como já fiz aqui e aqui.

Quem não gostar, tem bom remédio: empurre para a borda do prato e continue a fazer vénias aos responsáveis por tão inaceitável bagunça.

Voar

 

«Voar

Não somos berlindes. Somos seres humanos, cheios de desejos e de neuroses. Estamos, sobretudo, cheios de ocupações. Viajamos com mais frequência e até mais longe do que todas as gerações do passado e estamos em contacto com uma quantidade de outras pessoas cujo número deixaria os nossos avós de cabeça a andar à roda.

Se estamos a chocar uma terrível constipação, os vírus deslocam-se connosco, dentro de nós, e disseminam-se um pouco por aqui e um pouco por ali, em Milão, em Londres, no supermercado aonde vamos às compras dia sim, dia não, em casa dos nossos pais onde estivemos a almoçar no domingo passado. O contágio é imparcial, sobretudo quando se dá através dos espirros, e é ainda mais eficaz se a maior parte dos Infetados se mantiver assintomática. Como as abelhas e o vento espalham o pólen, nós espalhamos as nossas inquietações e as nossas patologias.»

In: Giordano, Paolo – Frente ao contágio. Lisboa : Relógio D’Água, 2020. p. 39

 

Votos de que passe tudo rápido.

Bola, bodas e baptizados

Mais de dois terços das infecções com Covid-19 acontecem em reuniões familiares - nomeadamente em bodas, baptizados e banquetes. Revelou hoje a directora-geral da Saúde, em conferência de imprensa. 

Uma chatice. Eu a pensar que a culpa era do futebol e de todos nós, aqueles que gostamos de assistir a jogos ao vivo e estamos há sete meses impedidos de frequentar os estádios...

Será que a DGS se prepara para interditar também os convívios familiares, lançando-lhes o anátema que tem reservado ao desporto? 

Nem um passo atrás

portugal-e-espanha-empatam-a-zero-em-encontro-amig

Foto: Manuel de Almeida / Lusa

 

Sete meses depois, o estádio José Alvalade voltou a ter público. Não aquele público de que muitos de nós fazemos parte - com lugares cativos, bilhetes de época ou ingressos jogo a jogo. Mesmo assim, há que registar o facto. Com satisfação e até alegria. Porque foi vencida uma absurda barreira que tardava a ser levantada pela Direcção-Geral da Saúde, entidade que foi dizendo quase tudo e o seu contrário sobre a pandemia enquanto mantinha uma inabalável recusa de "desconfinar" os espectáculos desportivos, em particular o futebol. Enquanto autorizava viagens aéreas em voos lotados, o regresso dos concertos, das sessões de cinema, dos espectáculos teatrais, dos circos e das touradas, enquanto permitia manifestações e concentrações de rua promovidas por forças partidárias, movimentos cívicos ou grupos espontâneos de cidadãos, enquanto dava luz verde a eventos tão diversos como a Festa do Avante no Seixal, o concurso hípico de saltos internacionais em Esposende ou a realização do Grande Prémio de Fórmula 1 em Portimão.

Como se nós, aqueles que durante anos costumávamos ir à bola, ajudando assim a financiar os clubes e a promover o desporto como baluarte da saúde pública, estivéssemos marcados por uma espécie de capitis diminutio para efeitos de cidadania responsável: os burocratas de turno na DGS imaginam-nos como perigosos transmissores de vírus enquanto frequentadores de um estádio. Não num restaurante ou num hotel ou num comício ou numa plateia de rábulas humorísticas ou enquanto utentes de transportes públicos. Para estas luminárias, só o desporto (não motorizado nem centrado em provas hípicas) está empestado.

 

Há que saudar a Federação Portuguesa de Futebol por ter conseguido derrubar o tabu: de algum modo, os 2500 espectadores que ontem marcaram presença nas desguarnecidas bancadas do nosso estádio para assistir ao amigável Portugal-Espanha (que terminou sem golos) foram pioneiros. Antecipando um regresso à normalidade possível.

A partir de agora, nem um passo atrás. Aberto o precedente, a autoridade sanitária não poderá negar à Liga de Clubes aquilo que autorizou à Federação Portuguesa de Futebol. Os jogos com público deverão ser retomados a curto prazo. Com bilhetes nominais, intransmissíveis e disponibilizados on line a cada adepto devidamente identificado, além do escrupuloso cumprimento das normas em vigor: uso permanente de máscara, higienização das mãos, controlo da temperatura à entrada do recinto e lugares atribuídos de acordo com o distanciamento físico sanitariamente recomendado.

Sem mais desculpas esfarrapadas. Porque futebol sem público é futebol amputado. E uma sociedade que força pessoas saudáveis a permanecer em casa por prazo ilimitado é uma sociedade doente.

Vazio

estadio_0.jpg

 

O Sporting joga mais logo, a partir das 20 horas: recebe o Lask Linz em pré-eliminatória da Liga Europa. Sem um só espectador nas bancadas. 

O nosso estádio permanece interdito ao público para jogos do campeonato e das competições europeias, embora já não o esteja para os desafios da selecção nacional. Tudo em nome das mesmas normas sanitárias, com chancela da Direcção-Geral da Saúde.

Alguém entende isto? Eu não.

Iremos jogar com quem?

Temos oito jogadores infectados com Covid-19. E também o treinador Rúben Amorim acusou positivo no teste ao coronavírus, estando já em isolamento.

Isto a dois dias do jogo Sporting-Gil Vicente, para nós a partida inaugural do campeonato 2020/2021.

 

A menos que exista decisão em sentido contrário da Direcção-Geral da Saúde, este jogo irá mesmo realizar-se. Da nossa parte - sabemos já - sem Cristián Borja, Eduardo Quaresma, Gonçalo Inácio, Luís Maximiano, Nuno Santos, Pedro Gonçalves, Renan, Rodrigo Fernandes.

O Gil Vicente não está melhor, antes pelo contrário: tem dez jogadores com Covid e não poderá ser orientado pelo treinador Rui Almeida, igualmente de quarentena por ter acusado positivo.

 

Começa a ser equacionado o cenário de recorrermos a elementos do Sporting B para compor a equipa que em princípio estará presente no estádio José Alvalade, às 18.30 de sábado.

Será mesmo necessário?

Neste contexto, venho propor-vos um exercício: que jogadores (titulares e suplentes) deveriam ser escalados para este desafio, sabendo já os nomes de oito com quem não podemos contar?

 

ADENDA: Alterei o texto, acrescentando o nome de Quaresma entre os infectados.

Tudo é incerto

O Sporting-Gil Vicente - nosso jogo inaugural da Liga 2020/2021, agendado para o próximo sábado - deverá ser adiado. Por evidente motivo de força maior: dez jogadores do clube de Barcelos estão infectados com Covid-19 e provavelmente seis elementos do plantel leonino também terão acusado positivo no teste feito ao novo coronavírus.

Borja, Nuno Santos e Rodrigo Fernandes incluem-se entre os já confirmados no momento em que escrevo estas linhas. 

 

As infecções agora detectadas forçaram ontem o cancelamento do Troféu Cinco Violinos, que este ano contaria com a participação do Nápoles. Recorde-se que Vietto já havia sido infectado com Covid-19, há cerca de um mês, durante o período de férias que gozou em Espanha. 

Isto não augura nada de bom neste regresso à principal competição do futebol português - na sequência do que já sucedeu no escalão secundário, com dois jogos entretanto adiados para data que ninguém consegue antecipar.

O calendário pode tornar-se caótico em função de sucessivos adiamentos. Em alternativa, corre-se o risco de acumulação de derrotas por falta de comparência de determinadas equipas, impossibilitadas de reunir os jogadores necessários. Pelo menos dois clubes europeus - o Slovan Bratislava, da Eslováquia, e o Prishtina, do Kosovo - já foram afastados das competições europeias por este último motivo.

 

Tudo é incerto. Num momento como este, qualquer previsão torna-se mais frágil que nunca.

 

ADENDA: Mais quatro casos confirmados, a somar aos três identificados ontem: também Gonçalo Inácio, Max, Pedro Gonçalves e Renan têm Covid-19.

De disparate em disparate

image.jpgFoto: Tiago Petinga / Lusa

 

Para não variar, a directora-geral da Saúde voltou ontem a fazer uma declaração inaceitável. Em que, uma vez mais, menospreza e subalterniza o desporto. Como se uma sociedade em que a prática desportiva organizada, promovida por agremiações clubísticas, não fosse parte iniludível da saúde, tanto na componente individual como colectiva.

 

A mesma responsável que autorizou viagens aéreas em voos lotados, o regresso dos concertos, das sessões de cinema, dos espectáculos teatrais, dos circos e das touradas, a mesma alta funcionária governamental que deu luz verde às manifestações e concentrações de rua promovidas por forças partidárias, movimentos cívicos ou grupos espontâneos de cidadãos, a mesma senhora que permitiu eventos tão diversos como a Festa do Avante no Seixal ou a realização do Grande Prémio de Fórmula 1 em Portimão continua a vetar o regresso do público aos recintos desportivos.

Com argumentos sem pés nem cabeça, confundindo aquilo que não deve ser confundido e até fazendo alusões demagógicas ao início do ano escolar, como se isso tivesse alguma coisa a ver com o futebol.

 

«Público nos estádios e reabertura das discotecas não será certamente nos próximos tempos. Temos de ver esta grande experiência que é o retorno às aulas e qual será o seu impacto nos números», afirmou ontem Graça Freitas. Equiparando assim as bancadas de um estádio - onde os lugares estão marcados, é muito fácil estabelecer limite máximo de entradas e o espectáculo decorre ao ar livre - ao interior de uma discoteca, onde o espaço é fechado, as pessoas estão sempre em trânsito e não há possibilidade de assegurar distanciamento físico.

Pior: ao englobar na mesma frase bancadas de estádios e discotecas nocturnas, Graça Freitas confirma ter absurdos preconceitos contra o futebol e não fazer a menor ideia sobre a importância do desporto no "desconfinamento" cada vez mais urgente da sociedade. Como há uma semana aqui assinalei, futebol sem público é futebol moribundo a curto prazo. Porque os clubes vivem de receitas - e as receitas de lugares nas bancadas, associadas à compra de adereços desportivos em complemento aos espectáculos, é fundamental para a sobrevivência de todas as agremiações desportivas que põem centenas de milhares de portugueses a fazer exercício físico. Porque uma sociedade onde não se pratica desporto é uma sociedade doente.

 

Não compreender isto é nada compreender de essencial. Noutras circunstâncias, eu aconselharia Graça Freitas a aconselhar-se com o secretário de Estado do Desporto. Mas não o faço porque João Paulo Rebelo já demonstrou ser tão insensível e tão ignorante na matéria como ela. Só isso explica que, numa recente entrevista, este governante tenha desvalorizado o facto de largos milhares de jovens continuarem impedidos de treinar ou competir sem restrições, dando-se até ao luxo de fazer uma graçola com a brutal quebra de receitas das agremiações desportivas: «Não temos conhecimento de nenhum clube que tenha fechado portas.»

Seria simplesmente ridículo se não fosse grave.

 

Uma directora-geral que mete estádios e discotecas no mesmo saco, um secretário de Estado totalmente alheado do dramático quotidiano do sector confiado à sua tutela: assim vamos, seis meses após a declaração da pandemia. De improviso em improviso, de disparate em disparate.

Chutado para canto

mw-860[1].jpg

 

As touradas mereceram aprovação: já se realizam há um par de meses.

Os espectáculos de humoristas foram aprovados: um deles até contou com a presença do primeiro-ministro numa noite e do Presidente da República na noite seguinte.

Os concertos recomeçaram. Um deles, numa curta série que ainda decorre, assinala o 75.º aniversário de Sérgio Godinho, orgulhoso sportinguista.

Reabriram teatros e cinemas.

As viagens de avião receberam luz verde. Mesmo em aparelhos lotados, durante horas e em espaço fechado, sem a menor hipótese de ali haver distância física (a que uns quantos imbecis ainda chamam "distanciamento social", absurda expressão concebida por alguém sem a menor ideia do que significa o adjectivo social).

 

Os restaurantes voltaram a receber clientes, embora em mesas um pouco mais afastadas do que antes - algo que já devia ter ocorrido, com vírus ou sem virus, pois em certos lugares bastava estendermos um braço para tocarmos na mesa ao lado.

Os hotéis puderam reabrir - alguns gabam-se até de ter lotação esgotada, praticando preços em consonância.

As praias voltaram a encher-se, excepto aquelas que nunca enchem. E são bastantes, felizmente, ao longo da nossa costa, com mais de mil quilómetros de zonas balneares.

O Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão, vai receber entre 23 e 25 de Outubro o Grande Prémio de Portugal, que marca o regresso da fórmula 1 ao nosso país. Com público a assistir, obviamente.

As manifestações políticas - que implicam ajuntamentos, muita proximidade e bastante "calor humano" - puderam ir decorrendo, sem restrições e para todos os paladares: da CGTP, do Chega, dos anti-racistas e dos antifascistas. 

A Festa do Avante, devidamente autorizada apesar de decorrer na região do País que apresenta mais elevado risco sanitário, começa amanhã.

 

Tudo isto - e muito mais - com a devida chancela da Direcção-Geral da Saúde. Só o futebol continua a ser chutado para canto pelo respeitável organismo. Que acaba de anunciar novo adiamento da possibilidade de regresso dos espectadores aos estádios - mesmo num cenário de metade ou um terço da lotação. 

A 28 de Agosto, o recomeço das competições futebolísticas com público nas bancadas estava a ser «analisado e ponderado», segundo declarou a directora-geral, Graça Freitas. Ontem, a mesma responsável voltou a enrolar as palavras para anunciar que fica tudo como estava, aludindo ao regresso às aulas, como se uma coisa pudesse confundir-se com outra. Com esta extraordinária declaração, proferida em conferência de imprensa: «Não há nenhum preconceito com o futebol, mas temos de ver o contexto em que estamos. Temos de ver agora como acontece a retoma das aulas porque vai movimentar milhares de pessoas todos os dias, e como é o início do Outono e o início do Inverno no Hemisfério Sul.» 

Isto enquanto o inútil secretário de Estado do Desporto balbucia umas inanidades, afirmando-se confiante no regresso às competições nos escalões mais jovens, que têm estado inactivos. «O desporto é essencial para toda a sociedade», soletra o senhor, reencarnando La Palice. Enquanto cerca de 440 mil atletas federados treinam sabe-se lá como e há clubes e até federações em risco.

 

É preciso dizer isto sem rodeios: futebol sem público é futebol moribundo a curto prazo. Porque os clubes vivem de receitas - e as receitas de lugares nas bancadas, associadas à compra de adereços desportivos em complemento aos espectáculos, é fundamental para a sobrevivência de todas as agremiações desportivas. 

Não admira, por isso, que mesmo na rica e poderosa Alemanha os 36 clubes que integram as duas ligas de futebol profissional tenham convergido num plano para o regresso (moderado e condicionado) de espectadores aos estádios a partir do recomeço das competições, previsto para o próximo dia 18. Porque da sobrevivência dos clubes depende a sobrevivência do desporto. E uma sociedade sem desporto é uma sociedade doente.

A DGS devia saber isto melhor que ninguém.

Estarei atento

Espero que a mesma Direcção-Geral da Saúde que nos proíbe de frequentar os estádios para vermos jogos pré-pagos com bilhetes de época, em lugares ao ar livre, não se lembre de autorizar a presença de público nos desafios da "final a oito" da Liga dos Campeões, que decorrerão em Lisboa.

Recuso crer que o proibicionismo decretado para os meses de Junho e Julho possa ceder passo ao permissivismo em Agosto, sempre invocando critérios sanitários. Só porque será a UEFA a organizar aqueles jogos.

Estarei atento.

Um genuíno momento de alegria

20200603_211426.jpg

 

Quatro minutos da segunda parte do Portimonense-Gil Vicente de ontem. Lucas Fernandes acaba de fazer um grande golo, num disparo em arco fora da área, carimbando a vitória tangencial da equipa algarvia. Num estádio despido de público em consequência das dúbias normas sanitárias emanadas do mesmo governo que já autorizou os portugueses a frequentar restaurantes, teatros, cinemas, salas de concerto e centros comerciais.

Acto contínuo, os colegas de equipa romperam o gelo, envolvendo Lucas em calorosos gestos de júbilo pelo golo, que lhes valeria os três pontos. Mandando assim às malvas as draconianas recomendações da Direcção-Geral da Saúde, entidade que assobia para o lado quando toca a encher voos comerciais enquanto ordena que as bancadas permaneçam vazias: «Nenhuma competição pode ocorrer com público no interior dos estádios até ao final da temporada.»  Mesmo naqueles - e são muitos - que já nem se lembram da última enchente registada.

Manda o código de conduta em vigor que se imponha o "distancimento social" (estúpida expressão) num jogo de futebol, desporto que vive do permanente contacto físico entre os protagonistas, em situações que vão da simples disputa da bola à marcação de livres ou cantos. E, claro, dos instantes que se sucedem aos golos - expoente máximo desta modalidade que apaixona o mundo.

 

Fizeram os jogadores do Portimonense muito bem. Ao contrário do que sucede na Alemanha, onde se recomenda expressamente aos profissionais do futebol que «evitem contactos com as mãos para comemorar os golos», devendo usar-se em alternativa os cotovelos ou os calcanhares. Coisa mais imbecil.

Foi um momento de genuína alegria numa partida amorfa e cinzenta que assinalou o controverso regresso às competições nesta era pandémica: um futebol "mascarado", sem emoção e sem público.

Chamar-lhe "25.ª jornada da Liga 2019/2020", que fora suspensa três meses atrás, é um embuste. Porque estamos, na prática, perante um futebol de pré-época. Num contexto tão diferente e tão cheio de condicionalismos específicos que só num exercício de profunda abstracção podemos estabelecer linhas de continuidade entre um período e outro.

 

No final do jogo, o treinador do Gil Vicente falou como de costume, sem papas na língua. Dizendo em voz alta o que quase toda a gente pensa mas evita exprimir: «Os clubes aceitaram tudo o que a DGS propôs para retomar o futebol, mas não o deveriam ter feito. Futebol sem público não é o futebol a que estamos habituados. Precisamos de público.»

Fez Vítor Oliveira muito bem.

Os jogadores de Varandas (14)

Sporar-6.jpg

 

SPORAR

Foi o último a desembarcar: a sua contratação, por seis milhões de euros, foi anunciada a 23 de Janeiro. Veio já no mercado de Inverno, quando a pandemia iniciava a sua expansão a partir da China para o resto do mundo, seis semanas antes do prolongado "apagão" que se abateu no futebol devido ao novo coronavírus, agora prestes a ser retomado, num momento em que se registam cerca de 120 mil novas infecções diárias à escala global.

Andraz Sporar é esloveno mas jogava na Eslováquia, onde foi eleito jogador do ano em 2019. Enquanto outros chegavam com "cadastro", ele chegou mesmo com currículo, trazendo boa fama como exímio marcador de golos. Ao serviço do Sporar Bratislava marcou 34 na temporada 2018/2019. Quando saiu do clube, trocando a capital eslovaca por Lisboa, já levava 21 nesta atribulada época - incluindo 12 no campeonato, liderando a lista dos melhores marcadores. E, com seis golos apontados, mantém-se no topo dos artilheiros da Liga Europa, partilhando esta posição com Visca (Basaksehir), Morelos (Rangers), Jota (Wolverhampton) e Bruno Fernandes (Sporting e Manchester United).

Agora com 26 anos, Sporar colmatou uma inaceitável lacuna no plantel leonino. Com a saída de Bas Dost e a não-inscrição de Pedro Mendes nas competições nacionais, um Sporting em manifesta crise de golos actuou quase meia temporada sem ponta-de-lança alternativo: só havia Luiz Phellype para esta posição.

Mais depressa chegasse, mais depressa jogava. A 27 de Janeiro, o brasileiro lesionou-se gravemente, no início de uma partida em Alvalade frente ao Marítimo, ficando fora da competição para o resto da temporada. Estavam decorridos 15 minutos, Sporar teve de equipar-se e entrar de imediato em campo. Mas só marcou quase um mês depois, a 20 de Fevereiro, na vitória caseira contra os turcos do Basaksehir, para a Liga Europa. Teve ainda tempo para fazer o gosto ao pé mais duas vezes, marcando contra Boavista e Aves - neste já sob o comando de Rúben Amorim, mesmo antes da suspensão do campeonato.

Move-se bem dentro da área, baralhando as marcações, revela faro de golo e evidencia bons dotes técnicos. Se Bas Dost tinha direito a música própria em Alvalade, Sporar pode seguir-lhe o exemplo quando o nosso estádio voltar aos dias grandes, enchendo-se de público. Ele já provou merecer. E nós também.

 

Nota: 7

Estádios, aviões e televisão

doc2020041128622859mac_110420_1248889615888default

 

 

2 de Maio:
O transporte aéreo de passageiros vai ser limitado a dois terços da lotação normalmente prevista para cada aeronave, definiu o Governo, em portaria no Diário da República.

21 de Maio:
A partir de 1 de Junho, o transporte aéreo vai deixar de ter um limite máximo de lotação, anunciou o Ministério das Infraestruturas.

 

Comecei por não entender. Agora, até julgo que entendo. E, por isso mesmo, fiquei irritado. Refiro-me ao duplo critério que o Governo tem vindo a adoptar, distinguindo o futebol de outras actividades.

Há dias, numa das suas conferências de imprensa quase diárias, a ministra da Saúde revelou-se muito firme na contínua recusa de jogos presenciados nos estádios. «Haver as habituais concentrações em determinados espaços, por ocasião das competições desportivas, é evidente que é algo que não vai poder acontecer da forma a que estávamos habituados a assistir», declarou Marta Temido.

Atalhando neste discurso cheio de rendilhados, isto significa que todos continuaremos proibidos de frequentar os estádios. Os jogos que faltam para completar a temporada 2019/2020 ocorrerão à porta fechada. E, aparentemente, não serão transmitidos pela televisão em sinal aberto. Duas espécies de encerramento, portanto.

 

Há aqui vários erros que convém denunciar desde já. Que imperiosa lógica sanitária leva o Governo a interditar em absoluto estádios com capacidade para largos milhares de lugares sentados, ao ar livre, enquanto acaba de dar o dito por não dito, autorizando que sejam retomadas viagens aéreas - em cubículos estreitos, com ar rarefeito e onde as pessoas estão a centímetros umas das outras por vezes durante horas - sem qualquer limite máximo ao número de passageiros?

Alegam os decisores políticos que é vital proteger e revitalizar a aviação civil. Pois esta mesma lógica pode e deve aplicar-se à chamada indústria do futebol, que gera cerca de 80 mil postos de trabalho, directos e indirectos em Portugal e movimenta receitas que abrangem quase 1% do PIB nacional. 

É um absurdo manter as bancadas dos estádios vazias enquanto se enchem as cabinas dos aviões, em condições sanitárias de muito maior risco. Autorizar que pelo menos um terço dos lugares sentados nos estádios fossem preenchidos - nomeadamente pelos sócios que pagaram lugares de época - seria uma opção razoável. Tanto mais que o Governo - contrariando outra intenção inicial expressa em sinal oposto - acaba de dar luz verde à utilização de 14 estádios para disputar os jogos que faltam. Na prática, só não jogará em campo próprio quem não quiser.

 

Ao contrário do que sustenta a ministra da Saúde, as concentrações de maior risco a pretexto do futebol não ocorrerão junto aos estádios, mas longe deles. Em locais públicos e numa infinidade de reuniões privadas onde irá aglomerar-se muita gente, em todos os recantos do País, para assistir aos jogos caso se mantenha a intenção de que estes só sejam exibidos em canais codificados, nada acessíveis ao actual rendimento médio dos portugueses.

E é por isto que não entendo, de todo, o sururu criado em torno de Pedro Proença, só porque o presidente da Liga se atreveu a sugerir, em carta ao Presidente da República, a intervenção do poder político para que as partidas de futebol remanescentes possam ser exibidas em canais abertos, com a devia compensação financeira proporcionada com verbas públicas aos operadores televisivos.

Caiu o Carmo e a Trindade quando afinal Proença estava cheio de razão. Como o futuro próximo demonstrará.

Calendário

Screenshot_20200522-193415.png

25.ª jornada: Vitória SC vs. SPORTING CP – 4 de Junho – 21h15


26.ª jornada:
 SPORTING CP vs. FC Paços Ferreira – 12 de Junho – 21h15


27.ª jornada: SPORTING CP
 vs. CD Tondela – 18 de Junho – 21h15


28.ª jornada: 
Belenenses SAD vs. SPORTING CP – 26 de Junho – 19h15* 


29.ª jornada: SPORTING CP vs. Gil Vicente FC – 1 de Julho – 21h15


30.ª jornada:
 Moreirense FC vs. SPORTING CP – 6 de Julho – 21h00


31.ª jornada: SPORTING CP
 vs. CD Santa Clara – 10 de Julho – 19h15

 

32.ª jornada: FC Porto vs. SPORTING CP – 15 de Julho – 21h30


33.ª jornada: SPORTING CP
 vs. Vitória FC – 21 de Julho – 19h00

*sujeito a alteração

Daqui

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D