Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Desculpa lá ó, Cintra

transferir.jpg

 

 

Foi publicado o R&C.

Está lá comprovado que Bruno Fernandes falou verdade quando disse que voltou ao Sporting com as mesmas condições contratuais. Honra lhe seja feita pela atitude. Sabem que fiquei agastado pela sua (ao que na altura chamei de) deserção, no entanto aquando do seu regresso também fiz questão de dizer que aguardaria por publicação credível que o comprovasse. Também disse que me apetecia mandá-lo para um certo sítio, mas que vibraria a cada golo que ele marcasse e felizmente já dei vários pulos de alegria.

O rapaz falou verdade, ponto final. Mas a operação custou 1,6M€. Como está espelhado no R&C, foi uma comissão paga ao empresário de BF, de que o jogador diz não ter conhecimento. Se querem que vos diga, acredito sem reservas!

E eu, que já disse que de contas administro as minhas e já me chega, fico sem saber como é que se paga uma comissão a um empresário pelo regresso de um jogador precisamente pelas mesmas condições contratuais. Deve haver algo insondável neste caso, porque alguém no seu perfeito juízo não entenderá, tal como eu não entendo. E nem quero enveredar pelo caminho mais tortuoso de insinuar que o dinheiro terá ficado pelo caminho, ou terá sido dividido irmamente entre várias partes, que provas não as tenho e seria eventualmente muito rebuscado o modus operandi, não esquecendo contudo que eu vi um urso a andar de motoreta, Avenida da Liberdade abaixo, portanto...

Aos poucos vai-se sabendo o que se passou nos atribulados tempos da comissão de gestão.

Faltam ainda alguns negócios por esclarecer, por exemplo o de Gudelj, para início de conversa.

Dizer que Cintra é assim, não desculpa nem o próprio, nem principalmente quem o nomeou e quem o acompanhou e dizer que a situação era caótica como desculpa, é estar a fazer de todos nós parvos. Se a situação era caótica e era, mais uma razão para os assuntos serem tratados com todo o cuidado e sem margem para quaisquer futuras dúvidas. Hoje algumas delas já são certezas e o prejudicado foi o clube, como não poderia deixar de ser.

Diz que há por aí um grupo de sócios que quer erigir uma estátua de Cintra (talvez no lugar do leão que ele lá mandou colocar e sobre o qual se fez pagar com juros e correcção monetária, ao que consta).

Cá p'ra mim, em vez de uma estátua, se alguém se preocupar com as contas à séria, talvez apareça quem proponha que vá fazer companhia a Godinho Lopes e a Bruno de Carvalho...

No (triste) reino do Leão

No universo leonino é mais ou menos consensual que em Portugal há uma espécie de organização com o intuito de retirar o Sporting do grupo dos clubes ditos grandes.

Percebe-se porquê… O dinheiro arrecadado pelo futebol em vez de ser dividido por três seria eventualmente distribuído por menos partes.

Bruno de Carvalho percebeu muito bem isso e depressa colocou um travão nas intenções originando ainda mais anti-corpos contra o Sporting. Todavia deitou tudo a perder com a sua postura recente.

Não consigo provar esta minha teoria, mas percebo, eu e todos os adeptos leoninos, que jornais, televisões e rádios tudo têm feito para menorizar o Sporting. Uma derrota do clube é uma desgraça, enquanto de outros são apenas acidentes de percurso.

Obviamente que este problema não é de hoje. Nem de ontem. Muito menos do tempo de Bruno de Carvalho. Será necessário esticar a memória até aos anos oitenta para se tentar perceber o que correu mal de forma a que chegássemos aqui neste lodo em que o Sporting está actualmente mergulhado.

As (más) contas do Sporting estão novamente na ordem do dia. As redacções editoriais devem banquetear-se com cada má notícia que envolva o emblema leonino. Imagino eu!

Do lado do clube continuam-se a dar constantes tiros nos pés. Ou são as contratações falhadas ou dispensas de jogadores provavelmente de melhor qualidade dos que estão, ou simplesmente a comunicação para o exterior que não funciona. Ou uma gestão, no mínimo, de vão de escada...

Diz o povo na sua imensa sabedoria: “em casa onde não há pão todos ralham e ninguém tem razão”. Este é assim o ambiente em Alvalade. Truculento, zaragateiro e venenoso.

Basta ver as assistências nos jogos para percebermos que o futebol leonino vive momentos drásticos. Eu próprio já assumi que esta época dificilmente irei novamente ao Estádio.

Ao invés do que calculei, as últimas eleições não trouxeram nem paz nem aplacaram os espíritos mais revoltados e revoltosos. Calculo que atirar para o anterior Presidente as culpas do que se está a passar agora pode parecer fácil, mas não me parece totalmente justo.

Terá Bruno de Carvalho procedido mal? Certamente! Terá ajuizado incorrectamente algumas situações? Com toda a certeza. Falou quando não devia? Muitas vezes.

No entanto relembro o que escrevi acima. O problema do Sporting vem de longe… de muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuito longe!

O campeonato da antecipação dos direitos televisivos

Ficámos a saber à conta de um prospeto inevitável e obrigatório do Sporting (que regulariza uma falha administrativa que já devia ter sido concretizada há alguns anos quanto à admissão à negociação de ações do aumento de capital de 2014) que precisa antecipar receitas no valor de algumas dezenas de milhões de euros. O recurso mais provável será titularizar receitas associadas ao contrato de direitos televisivos que tem com a NOS.

Na prática, perante a amarga supresa de se identificar um desequilíbrio nas contas de €137 milhões e perante um plano de pagamentos, criado pela anterior direção, que implica ter que apresentar €65 milhões de liquidez para fazer face a compromissos nos próximos 12 meses (€41 milhões dos quais até junho de 2019), o Sporting tem que antecipar receitas do contrato televisivo ou, em alternativa, vender ativos (passes de jogadores), muito provavelmente a preços de saldo.

Sucede que até 30 de setembro de 2018 as receitas do contrato do Sporting com a NOS representavam €353,7 milhões dos quais um total de €44,1 milhões já haviam sido descontados. O remanescente ultrapassa assim os €300 milhões, bem acima das necessidades de liquidez já identificadas para liquidar os compromissos, assumidos para os próximos 12 meses. 

É aqui que nos podemos comparar com o Benfica, que em 2015, ano da primeira versão do atual contrato, descontou cerca de €100 milhões em 2018 para abater dívida, e com o FC Porto que até 2018 descontou €168 milhões do seu contrato de direitos televisivos.

Assim sendo, esta situação, que não é agradável pelo que induz de insustentabilidade do que tem sido a gestão do(s) clube(s), fica devidamente relativizada no sentido em que a parte mais relevante das receitas futuras para o prazo de vigência do contrato não está hipotecada como parece suceder, pelo menos em maior grau, entre os principais parceiros de indústria e adversários no campo.

Como sócio do clube fica a estupefacção de como foi possível, depois de uma reestruturação financeira montada e concretizada em 2014, volvidos cinco anos, termos que estar novamente a enfrentar o abismo do risco de falência. Que gestão foi feita nos últimos anos e na última época em particular? Como foi possível em tão pouco tempo voltar a desequilibrar financeiramente o clube? Para quê? Com que resultados?

Perguntas que os sócios certamente procurarão ver respondidas mas que, face ao que aqui foi exposto e face ao que podia ter sido a história do clube se os sócios não tivessem atuado de forma singular em 112 anos de história (destituindo a direção),  podiam ter um pendor muito diferente - bem mais fúnebre.

Apesar de tudo, há esperança. Cabe à atual direção provar que consegue encontrar as soluções necessárias para ultrapassarmos mais este episódio nada glorioso da nossa história. E, na sua sequência, encontrar um equilibrio efetivamente sustentável entre receitas e despesas, evitando os "all in", e perseverando na progressiva melhoria da saúde financeira e desportiva do clube.

A informação detalhada que aqui se comenta pode ser encontrada no prospeto publicado pela Sporting SAD no sítio da CMVM.

 

P.S.: Não quero com isto menorizar a tarefa complexa e urgente que a atual direção tem pela frente de no espaço de poucas semanas (além da questão da liquidez): conseguir concluir a reestruturação com a banca. Esperemos que, tal como com o empréstimo obrigacionista, a situação corra pelo melhor, a bem do Sporting Clube de Portugal.

Sustentabilidade - As contas da Sporting SAD (1ºTrimestre 18/19)

Está desde ontem disponível aqui o Relatório&Contas da Sporting SAD referente ao 1ºTrimestre da temporada 2018/2019 (no pretérito dia 26, a Sociedade havia emitido um breve Comunicado contendo a Demonstração de Resultados para o período). 

 

A primeira nota vai para a não menção, no referido R&C, de qualquer informação relacionada com a entrada em vigor do contrato de DireitosTV celebrado com a NOS. Sendo um dado muito relevante na actividade da Sociedade, como o demonstra o enfoque que nele foi feito na campanha eleitoral, é de certo modo insólito o facto de não ser feita qualquer referência. Recordo aqui o Comunicado que a SAD, em 29 de Dezembro de 2015, fez sobre o acordo alcançado:

 

"A SPORTING CLUBE DE PORTUGAL, Futebol SAD informa, nos termos do art. 248.º, n.º 1 do Código de Valores Mobiliários, que chegou hoje aos seguintes acordos:

1) com NOS LUSOMUNDO AUDIOVISUAIS, S.A. um contrato para a cessão dos seguintes direitos:

(i) direito de transmissão televisiva e multimédia dos jogos em casa da Equipa A de Futebol Sénior da Sporting SAD e direito de exploração da publicidade estática e virtual do estádio José Alvalade pelo período de 10 épocas desportivas com início em 1 de Julho de 2018;

(ii) direito de transmissão e distribuição do Canal Sporting TV, pelo período de 12 Épocas desportivas, com início em 1 de Julho de 2017;

(iii) direito a ser o seu Principal Patrocinador, pelo período de 12 épocas e meia, com início a 1 de Janeiro de 2016.

2) com a PPTV – Publicidade de Portugal e televisão, S.A. um aditamento ao contrato atual pelo qual foram revistos os valores a pagar pelos direitos de transmissão televisiva e multimédia dos jogos em casa da Equipa A de Futebol Sénior da Sporting SAD e direito de exploração da publicidade estática e virtual do estádio José Alvalade para as épocas 2015-2016, 2016-2017 e 2017-2018.

As contrapartidas financeiras globais resultantes do valor dos contratos, incluindo as épocas 2015-2016, 2016-2017 e 2017-2018, o referido no ponto 1 e o aditamento referido no ponto 2 ascendem ao montante de €515.000.000.

Lisboa, 29 de dezembro de 2015"

 

José Maria Ricciardi e outros candidatos haviam dito que o Sporting já teria antecipado (já lá iremos) 60 dos 68 milhões de proveitos referentes aos 2 primeiros anos, o que daria um valor de 34 milhões de DireitosTV por ano. Ora, ao analisarmos a rúbrica de DireitosTV neste R&C, verificamos que há uma redução de 191 mil euros face a período homólogo (Setembro) de 2017, fixando-se o valor em 5,6M€, contrariando a ideia que muitos sócios do clube teriam de que teríamos um crescimento desta rúbrica. Tentando encontrar uma explicação, fiz umas contas, baseando-me para tal em informação dispersa. Há poucos meses atrás, foi referido que o Sporting Clube de Portugal teria orçamentado 5M€ de proveitos/ano referentes aos contrato da NOS. Assumindo que tal se referirá  aos "Direitos de Transmissão e Distribuição" do canal Sporting, então, teríamos, ao fim de 12 anos, um valor total de 60 milhões de euros. Em relação a Patrocínios e Publicidade, pegando no valor trimestral de 3,4 milhões e considerando que o prazo de contrato é de 12 anos e meio, então produzir-se-ia um valor acumulado para esta rúbrica de 170M€. Em termos da PPTV, creio lembrar-me que houve uma melhoria em cada uma das épocas desportivas de cerca de 6 milhões, totalizando 18M€. Ora, somando estas 3 rúbricas, apurar-se-ia um valor de 248M€, pelo que os DireitosTV deveriam representar 267M€ (26,7M€/ano) para que a contrapartida financeira global enunciado no supracitado Comunicado batesse certo (515M€). Julgo que seria importante um esclarecimento nesta matéria. 

 

Em relação ao R&C propriamente dito, a primeira dúvida que assaltará alguns é como um resultado positivo de 16,1M€ só passa os Capitais Próprios para 549 mil euros, quando anteriormente estavam negativos em cerca de 13,3M€. Tal está explicado e refere-se a uma alteração de norma contabilistica, nomeadamente a adopção da IFRS15, que implica que se actualizem os rendimentos a reconhecer, o que produziu um impacto negativo nas contas de 2,2M€.

 

Olhando para a Demonstração de Resultados, verificamos que os Proveitos Ordinários desceram 10,5 milhões em Setembro 18, face a período homólogo (Setembro 17), consequência da não participação na Champions. Apesar disso, ficamos a saber que o prémio pela participação na Liga Europa foi de 5,6 milhões e que uma vitória (frente ao Qarabag, o triunfo em Poltava já foi após o fecho deste exercício) rendeu 570 mil euros. A título de curiosidade, é possível ver que a bilheteira do jogo contra o Qarabag rendeu 42 mil euros, quando o(s) jogo(s) da Champions realizados no mesmo período do ano passado renderam 880 mil euros, uma diferença abissal. Nos Proveitos, só a rúbrica Patrocínios e Publicidade apresenta uma subida face a período homólogo, Loja Verde, DireitosTV, Bilheteira&Bilhetes de Época (menos Gamebox vendidas, redução de 270 mil euros de proveitos no período) todos descem.

 

Preocupante é o não ajustamento dos Custos face à redução dos Proveitos Ordinários. Assim, embora haja uma redução de 2,4M€ nos Gastos com o Plantel no trimestre, verificamos que 1,1M€ se devem à atribuição de menos prémios, pelo que a diferença real é de apenas 1,3M€. Anualisando, se na temporada passada esta rúbrica apresentava um valor de 73,8M€, é de crer que o valor no final da época fique nos 68,6M€ (considerando variação nula nos prémios por objectivos). Também os Fornecimentos e Serviços Externos (FSE) se mantém muito elevados (aumentaram 820 mil euros), com um valor trimestral de 5,8M€, bem como as Amortizações, que se situam nos 5,35M€.

 

No que respeita a Transacções com Jogadores, na rúbrica Rendimentos aparece um valor de 23,515M€ mas no mapa de suporte é possível ver um montante de 25,981M€, referentes a William (16M, recebidos a pronto), Piccini (8M), Santiago Arias (15% passe=1,181M€) e Pedro Delgado (0,8M€). Ainda na mesma rúbrica está expresso um valor a nossa favor proveniente do Mecanismo de Solidariedade, referente à venda de Cristiano Ronaldo à Juventus (2,237M€ de um total de 2,441M€). Nos Custos com Transacção de Jogadores, ficamos a saber que a comissão e mecanismo de solidariedade inerentes à venda de Piccini foram de 1,145M€. Igualmente detalhado é o valor pago ao Bétis de Sevilha pela percentagem dos direitos desportivos que ainda lhe pertenciam (15%), de 1,159M€.

 

A contratação de Diaby custou um total de 5,5M€ e a de Raphinha um valor de 6,5M€. Os outros gastos foram com Bruno Gaspar (4,736M€), Viviano (2M€), Marco Túlio (1M€) e Marcelo (500mil). Há ainda um valor não detalhado de 1,935M€, que em futuros relatórios recomendo que deva ser discriminado. 

 

Surgiu-me uma dúvida no que diz respeito aos empréstimos de Gudelj e de Renan: no Relatório, é indicado que há uns Gastos a Reconhecer que dizem respeito aos empréstimos desses dois jogadores, no valor de 2,7M€. No entanto, olhando para a rúbrica de Fornecedores, verificamos que está lá plasmado uma dívida de 3M€ ao Guangzhou Evergrande e um valor de 1M€ ao Estoril, clubes da proveniência destes 2 jogadores, pelo que 4M€ terá sido o custo destes empréstimos.

 

Em relação ao que já foi usado do contrato com a NOS, vemos que houve um Factoring de DireitosTv desta época, no valor de 13,485M€, e de épocas seguintes, no valor de 16,135M€. Existem ainda dois valores, um referente a "Outros Passivos não correntes" (3,467M€) e outro relativo a "Outros Passivos correntes" (11,05M€), que se devem à antecipação de receitas sem recurso por via de cedência de créditos futuros inerentes ao contrato com a NOS. Existe também contabilizada uma cedência de créditos contratuais de 12,8M€, que terá por base a hipoteca do(s) passe(s) de algum(uns) jogador(es).

 

Em termos de Balanço, o Passivo global desceu 1,302M€ e o Activo global cresceu 12,571M€. A Dívida Financeira mantém-se nos níveis registados em Junho de 2018, isto é, à volta dos 112M€. 

 

Última nota para a indicação de que em 26/10, foi eleito o Conselho de Administração da SAD, composto por Frederico Varandas, Francisco Salgado Zenha, João Sampaio (todos do Conselho Directivo) e Miguel Cal e Nuno Correia da Silva (Holdimo), não sendo evidente quem tenha sido o elemento (talvez Miguel Cal, sendo certo que Salgado Zenha é o financeiro) indicado ou aceite pela banca, de acordo com a Reestruturação.

 

Uma questão de paveias

Voltando aos tempos de miúdo...

Não havia tantos incêndios quando eu era miúdo. Talvez um dos motivos fosse porque, por necessidade, inexistência e falta de preocupação e também ignorância sobre princípios básicos de higiene e salubridade, havia a necessidade de utilizar material para algumas situações, por exemplo o mato que espontaneamente cresce nos pinhais.

Este mato era usado para cobrir caminhos de terra batida no Inverno, prevenindo a lama onde de outra forma se atascariam as carroças e os carros de bois e os seus condutores e aqueles que a pé por ali transitassem. Era também utilizado nos chiqueiros de porcos e currais de ovelhas, de cabras e de vacas. Aquele mato era ouro, servindo até para queimar (chamuscar) os pelos dos porcos, depois da matança, de modo a poder ser raspada a pele do animal com mais facilidade. No final de utilizado, nalgumas circunstâncias, seria ainda usado como estrume. Dum material sem aparentemente qualquer valor, era retirada uma mais-valia enorme.

A época da roça iniciava-se no final da Primavera e estendia-se Verão adentro, executada de forma manual, com uma enxada rasa, ou seja sem bicos, por grupos de homens, debaixo de um calor "desgraçado".

O meu avô era um pequeno proprietário agrícola, com terrenos herdados e alguns arrendados, de onde retirava o sustento para a família. Apesar de nunca faltarem o porco na salgadeira e os enchidos no fumeiro, as galinhas e os ovos, o leite e o queijo das ovelhas, os vegetais e legumes da horta e o vinho e o pão das pequenas searas de trigo e ainda o azeite, por vezes os anos eram "sacanas" e havia a necessidade de ir "fora". Ir "fora", era trabalhar para um outro agricultor, era tentar suprimir as falhas que o tempo não permitira que vingassem nas suas propriedades. Às vezes até se trocavam "dias", "eu agora vou-te lá fazer este trabalho e tu depois vens cá fazer o que for preciso", era também assim, um mercado de trabalho de troca e partilha.

E assim assisti a muitas jornas de "roçar mato", nas férias grandes, num grupo de homens onde pontificava o meu avô e um personagem extraordinário, que para além disso me adorava, o "Talego", António de seu nome, que apesar da dureza do trabalho nunca perdia o sorriso e nunca deixava de mandar os seus dichotes que faziam a animação do grupo, valia-lhes isso.

A jorna era dura, o mato era acondicionado em paveias bem pesadas, que depois se haveriam de, usando uma forquilha de quatro dentes, carregar numa carroça ou carro de bois e armazenar para altura de necessidade. No final do dia de trabalho, era usual fazerem-se apostas sobre a quantidade de paveias que haviam cortado. Lembro-me de um dia assistir a uma cena extraordinária, se atentarmos a que o "Talego" era analfabeto: O meu avô perguntou-lhe "ó c'padre (todos se tratavam por compadres), quantas é que acha (também se tratavam todos por você) que fizemos hoje? Olhe, eu acho que fizemos p'raí duzentas." O "Talego" pensou um pouco, reflectiu, olhou bem o monte de paveias daquele mato, deu a volta e com a maior calma do mundo respondeu: "Ó c'padre, é capaz de ter razão, devem ser p'raí duzentas... duzentas e uma..." e foi a gargalhada geral.

Pois, e vem isto a propósito de quê? Olhem, vem a propósito de que um homem do campo, analfabeto, olhando para uma evidência à sua frente, soube fazer um cálculo aproximado de um valor e de um número que não se afastava muito da realidade. Ele conseguiu, com o saber de experiência feito, não falhar muito num problema que lhe colocaram. Já outros, contemporâneos e letrados, conseguem escrever num jornal de referência que uma instituição precisa entre cem e duzentos milhões de euros para resolver os seus problemas; Pouca variação no cálculo, apenas entre um valor e o seu dobro, o que me levou a ter saudades do "Talego", que, coitado, já lá está há muitos anos, mas conseguiu ser mais clarividente na sua "analfabetice" do que alguns gurus da finança que se pavoneiam por aí.

Se calhar do que a gente precisava era mesmo de um "Talego". Ou pelo menos de alguém que saiba contar "paveias".

Carvão e transparência II

Ora vamos lá tentar ser sérios.

Eu administro o meu orçamento, que é reduzido infelizmente, e de contas sei que há o deve e o haver, como aprendi no livro do merceeiro da minha terra, onde estavam também os calotes e a conta-corrente dos clientes que, coitados, a maior parte deles nem dinheiro tinha para uma quarta de café e que comprava fiado porque a jorna era miserável.

Vir dizer que o Sporting deve 40 milhões a fornecedores é filhadaputice da grossa! Como disse, de contas percebo pouco, mas sei ler e sei minimamente entender um relatório onde estão espelhadas as contas. Vai daí, dei-me ao trabalho, que não foi muito, a coisa está no site do clube, de ir verificar o último R&C publicado e que corresponde ao primeiro trimestre do corrente ano. Pelas minhas contas estão lá à volta de 35M€ de dívidas a fornecedores. Ora bem, na minha contabilidade pessoal e na do merceeiro da minha terra, dívida a fornecedores terá a ver com a conta da água, da electricidade, do gás, do homem do talho e do senhor da mercearia, ele próprio, que deverá a quem lhe fornece os produtos que ele vendia àqueles miseráveis e a outros mais ou menos remediados. No Sporting e noutros clubes, para o caso o Porto e o Benfica, que são os nossos adversários directos, as dívidas a fornecedores, como está lá escarrapachado no tal R&C, são pagamentos agendados por conta de aquisições de jogadores. Ou seja, o Sporting comprou passes de jogadores e diferiu o seu pagamento no tempo. O horror, a tragédia! Mas se procurarem lá bem, também lá haverá uma conta de dinheiro a receber por conta de vendas. Quanto? Ora, façam o mesmo que eu, procurem, vão lá ver, que vos há-de fazer bem, que isto de aventar que há um buraco de 40 Milhões e não ter medo que as caganitas lhes caiam em cima, é confiar no lado certo do vento. E ele às vezes sopra do lado contrário...

Sustentabilidade - as Contas dos 3 Grandes

Infelizmente, só ontem consegui analisar os Relatórios&Contas, referentes ao semestre terminado a 31 de Dezembro de 2017, dos 3 Grandes, publicados no pretérito 28 de Fevereiro. Aqui ficam algumas notas, bem como uma tabela comparativa de rúbricas relevantes:

 

No combinado entre investimento e custos com o pessoal, o Sporting foi o clube que mais "despendeu" no período compreendido entre 30 de Junho de 2017 e 31 de Dezembro de 2017. No entanto, e antes que soem as trombetas, é preciso explicar esse(s) valor(es). Assim, o Sporting parece estar apenas a tentar recuperar a "décalage" que tem para os seus competidores. Nesse sentido, analisando as Contas dos 3 clubes, verificamos que o valor bruto do plantel do Benfica é de 222M€ - a que corresponde uma amortização acumulada de 114M€ e uma amortização+imparidades no exercício de 19,6M€ - , o do FC Porto é de 179,7M€ - a que corresponde uma amortização acumulada de 86,4M€ e uma amortização+imparidades no exercício de 17,6M€ - e o do Sporting Clube de Portugal é de 97,7M€, a que corresponde uma amortização acumulada de 31,8M€ e uma amortização+imparidades de 11,4M€ no exercício semestral findo a 31/12/2017, este último um valor consideravelmente mais baixo do que o dos seus concorrentes, o que na comparação melhora a sua Demonstração de Resultados. Importa explicar que a compra de um jogador é considerada um investimento. Como tal, afecta apenas a Demonstração de Resultados através da rúbrica de amortizações, sendo este um valor anual que corresponde ao valor de aquisição dividido pelo número de anos de contrato de cada jogador.

 

Um ponto que tem sido de alguma discórdia, relacionado com o Factoring a que o Sporting tem recorrido, como forma de antecipação de futuras receitas de DireitosTV (acordo NOS), mostra que este número reduziu-se para 22M€. Como comparação, o FC Porto tem uma dívida com o Factoring de 66,3M€. O Benfica não tem Factoring(*), mas tem um programa de Papel Comercial (financiamento de curto-prazo), em vigor, no valor de 56,9M€.

 

Expurgando dos Resultados, as vendas de jogadores (Proveitos Extraordinários), verificamos que o Sporting seria o clube com o melhor Resultado antes de impostos, no valor de -15,8M€. O Benfica perderia 20,8M€ e o FC Porto teria um resultado negativo de 28,7M€. Em resumo, todos os clubes são deficitários na sua exploração e necessitam de vender activos intangíveis (jogadores) para equilibrarem as suas contas. 

 

O investimento global do Sporting nesta época desportiva de 17/18 foi até agora de 63,7M€, dos quais 26,8M€ (aquisições de Bruno Fernandes, Doumbia, Battaglia, Piccini e Mattheus) entraram ainda nas contas semestrais referentes a 30 de Junho de 2017. No período a que se refere o R&C em análise, houve um investimento de 21M€, em jogadores (Acuña, Mathieu, Ristovski e outros). Já posteriormente a este período, os números correspondentes às aquisições do mercado de Inverno (entrarão no R&C semestral a 30/6/2018)- envolvendo os jogadores Ruben Ribeiro, Wendel, Misic, Montero e Lumor - foram de 15,9M€ (informação privilegiada enviada à CMVM em 12 Fev 2018 - mais um bom exemplo de transparência e boas práticas de gestão), colocando o investimento total efectuado na época desportiva de 17/18 nos 63,7M€ (inclui comissões e encargos), o valor mais elevado de sempre do clube.

 

Vale a pena, também, abordar o tema da liquidez, algo tantas vezes apontado como o "calcanhar de Aquiles" do Sporting: olhando para os números inscritos no Activo, na rúbrica de Caixa, verificamos que o Sporting tem um valor de 12,8M€ (dos quais 5,1M€ numa conta restrita para pagamento de VMOCs), o Benfica de 4,7M€ e o Porto de 12,1M€.

 

Em termos de Passivo, todos os clubes reduziram o seu endividamento, sendo que o Benfica, na medida do desinvestimento que fez esta época desportiva, foi o que abateu mais dívida, no caso 52,9M€. Segue-se o Sporting, com uma redução de 40,4M€ e o Porto, que cortou apenas 7,3M€. No entanto, o Sporting foi o que reduziu mais a dívida bancária, no montante de 16,8M€ (adicionalmente, as provisões cairam 9,6M€ e a dívida a Fornecedores desceu 12,9M€) . O Benfica apenas reduziu este item em 7,9M€ e o Porto em apenas 1,6M€.

 

Em termos do Activo, este diminuiu em todos os clubes. No Sporting, 29,5M€; no Benfica, 33M€ e no Porto, 31,3M€. No Sporting, destacam-se os abatimentos na rúbrica Clientes - dívidas de outros clubes - , essencialmente devido aos pagamentos de 20M€, pelo Inter de Milão (João Mário), e de 8,5M€, pelo Villareal (Ruben Semedo). Na rúbrica "outros Activos correntes", onde constavam os 17,1M€ retidos pela Uefa, 11M€ foram pagos à Doyen, sendo os restantes 6,1M€ restituidos ao clube.

 

O Volume de Negócios (PO+PE) do Sporting foi de 81,6M€, enquanto o do Benfica foi de 109,6M€ e o do Porto foi de 70,8M€. Por outro lado, em termos de Fornecimentos e Serviços Externos (FSE), o Sporting gasta sensivelmente metade do que Benfica e Porto despendem, o que tem consequências positivas, comparativamente falando, nos Resultados Liquidos da Sociedade e, em termos gerais, nos seus Resultados Operacionais.

 

Será de prever, dado o afastamento dos 3 clubes da Champions, que os resultados de todos piorem substancialmente no 2º Semestre (os Resultados Operacionais descerão por certo), devendo tal ser colmatado com mais vendas de jogadores. Sublinhe-se, no entanto, que o Sporting ainda terá os proveitos inerentes a estar na Liga Europa, pese embora essas receitas sejam bastante inferiores às da Champions a não ser que o clube chegue à final da competição, facto que lhe garantiria mais cerca de 10M€.

 

Em resumo, não me parece que o Sporting fique a perder na comparação com qualquer dos seus concorrentes, antes pelo contrário, não justificando de todo o apodo de ter "descoberto um poço de petróleo", que me parece ter sido dado por quem não soube (ou não quis) fazer o trabalho de casa. A operação de conversão de dívida bancária em VMOCs, no valor de 127,9M€ e as melhorias substanciais do Volume de Negócios criaram condições que viabilizaram um maior investimento. No entanto, uma eventual não presença do clube na Champions do próximo ano obrigará certamente a refrear futuros investimentos e aconselhará alguma redução nos Custos com Pessoal, apesar de entrar em vigor o novo contrato com a NOS, que nos fará crescer na rúbrica de Proveitos Ordinários. Relembro que, nas duas primeiras épocas de Bruno de Carvalho, este valor (Custos com Pessoal) estava em 25M€ e, projectando o valor semestral para o ano, agora triplica. Por outro lado, não deixa de ser extraordinário que o clube em 3/4 anos tenha criado este tipo de condições. 

 

Uma última nota para, uma vez mais, enaltecer a elaboração do R&C do Sporting, o qual na minha opinião continua a ter um nível de detalhe superior aos do Benfica e Porto, constituindo uma muito boa prática que merece aqui ser destacada.

  contas.png

 Legenda: (valores em milhões de euros-M€) 

PO=Proveitos Operacionais; VPS=Vendas de Produtos e Serviços; OPO=Outros Proveitos Operacionais; FSE=Fornecimentos e Serviços Externos; CP=Custos com Pessoal; RO=Resultados Operacionais; PE-COM=Proveitos Operacionais menos Comissões e encargos; RL=Resultados Liquidos; Div Banc.=Dívida Bancária; Div Obrig=Dívida Obrigacionista; Inv=Investimento; K próprio=Capitais Próprios

 

Já não dependemos só de nós

Deixámos de depender só de nós para a conquista do campeonato nacional. Há que reconhecer: a partir de agora, com o FC Porto situado cinco pontos à nossa frente, com mais 14 golos marcados e menos três sofridos do que o Sporting, este objectivo tornou-se bastante mais difícil. Sabendo-se, ainda por cima, que temos um calendário mais complicado do que os portistas e ainda há que cumprir uma deslocação ao estádio do Dragão.

Nunca é recomendável ansiar por hipotéticos tropeções de terceiros para compensar aquilo que devíamos ter feito mas deixámos por concretizar no momento próprio.

O fascinante mundo da matemática

Não haja dúvidas de que a matemática é uma actividade fascinante, que tanto dá para descobrir qual é o acorde inicial de A Hard Day's Night quanto para esclarecer alguns aspectos engraçados das contas do nosso campeonato. Por exemplo, o leitor Mário João escreveu o seguinte comentário neste post do Pedro Correia: "a verdade é que o Sporting, ao contrário do Benfica, deixou de depender de si próprio para ser campeão". Tão verdadeiro quanto falso. Senão repare-se: é verdade que o Sporting já só pode disputar três pontos directamente com o Porto, estando a quatro de distância, enquanto o Benfica ainda vai disputar seis, estando a cinco. Mas basta o Benfica ganhar uma vez esses três pontos (e admitindo que tudo o resto se mantém igual) para isso deixar de ser verdade: o Sporting também só passará então a depender de si próprio para ser campeão e com vantagem de um ponto sobre o Benfica. Ou seja, a dependência do Benfica apenas dos seus próprios resultados para ser campeão implica voltar a fazer o Sporting depender apenas dos seus próprios resultados para ser campeão. Por isso, força Benfas, dá cabo deles!

 

Hoje giro eu - Jesus quer mais discípulos

A fazer FÉ no Jornal "O Jogo", Jorge Jesus entende que não tem segundas linhas à altura e quer ir ao mercado em Janeiro para reforçar 5 posições: defesa central, lateral esquerdo, médio ofensivo, extremo e ponta-de-lança.

Fazendo FÉ no Relatório e Contas da Sporting SAD, os proveitos ordinários (operacionais) originados pela sociedade não são suficientes para garantir a sua sustentabilidade (obrigando a vendas - proveitos extraordinários) atendendo ao necessário investimento na equipa de futebol, o qual tem crescido bastante nos últimos 2 anos.

Ora, uma coisa está intrínsecamente ligada a outra e é tempo de Bruno de Carvalho pôr termo a estas constantes exigências de Jorge Jesus, à sua impaciência, incapacidade de aproveitar o plantel ao seu dispor e melhorar os jogadores - que contrasta fortemente com o que Sérgio Conceição está a fazer no FC Porto - e permanente desculpabilização.

Em primeiro lugar, é necessário fazer o exercício de analisar se não temos em casa as soluções para as lacunas detectadas: começando pelo defesa central, JJ manifestou vontade em contar com André Pinto, tendo o Sporting contratado o atleta, o qual estava em final de contrato com o Braga. Inclusivé, após acordo com António Salvador, o atleta chegou a Alvalade ainda antes do final da época transacta o que lhe permitiu ambientar-se ao clube e aos métodos do treinador. A entrada deste atleta implicou a saída de Paulo Oliveira, um jogador que fez uma óptima dupla com Naldo em 15/16 antes de JJ ter mudado os centrais, colocando Coates e Semedo a titulares. O ex-vimaranense nunca comprometeu e constituiu-se sempre como uma confortável solução partindo do banco pelo que a sua venda só pode ter significado que Jesus apostava forte em André Pinto. Além disso, Tobias regressou e ainda temos o turco Demiral na equipa B. Assim sendo...

Na lateral esquerda, Jesus colocou de lado Jefferson e Marvin Zeegelaar (e até Esgaio que chegou a jogar no Dragão), apostando no empréstimo de Fábio Coentrão e no regresso de Jonathan Silva. Com o vilacondense a ser gerido com pinças, o argentino tem tido oportunidades, mas não se tem mostrado à altura do desafio, o que põe em causa as dispensas promovidas pelo treinador. Atendendo a que Coentrão terá de regressar ao Real Madrid, no final da época, aqui concordo que teremos de ir ao mercado.

A posição de médio ofensivo é actualmente preenchida por Bruno Fernandes e Alan Ruiz. A confirmar-se a saída do argentino - "cut your losses short" - o Sporting deveria promover o regresso de Francisco Geraldes. Num 4-3-3, volta a haver lugar para Xico, um médio com larga visão de jogo, a merecer uma oportunidade desde que o treinador não insista num ensaio sobre a cegueira.

Nas alas, JJ possui Iuri e Podence como alternativas. O açoriano precisa de algum acompanhamento psicológico que lhe reforce os índices de confiança, Daniel é um extremo de raíz que se perde como "mezzapunta".

Finalmente, à frente, Jorge Jesus tem actualmente um jovem internacional angolano de grande potencial. Gelson Dala é um jogador com finta, recepção orientada, rapidez e capacidade de concretização, qualidades que merecem a aposta do técnico.

Em resumo, as finanças do clube e o exemplo que vem do Norte - aproveitamento dos proscritos Aboubakar, Marega, Sérgio Oliveira, Diego Reyes e Ricardo Pereira, além da reabilitação de Brahimi - atestam a necessidade de desenvolver as competências internas e de promover soluções dentro do plantel (a excepção deveria ser a lateral esquerda). O trabalho meritório desta direcção não pode ser comprometido pela falta de atenção que o treinador parece devotar a algumas putativas opções.

Esta época navegamos sobre gelo fino. Não vendendo mais jogadores não há espaço para mais aquisições, se quisermos ter as contas equilibradas. 

Tem a palavra Bruno de Carvalho...

 

P.S. Tantas vezes se tem criticado aqui (com alguma razão, diga-se) a política de comunicação do clube e do seu presidente que ficaria mal não elogiar as palavras de Bruno de Carvalho a propósito da visita a Oleiros, independentemente da contrariedade de ter de jogar num sintéctico, evidenciando uma sensibilidade fora do comum para com o sofrimento de uma população, mostrando aquilo que o futebol tem de melhor: paixão, festa e, já agora, solidariedade. Chapeau!!

 

 

Ética - Detalhe das movimentações do mercado de Verão

A divulgação ontem, pela SAD do Sporting, do detalhe das operações de compra, venda e empréstimo de jogadores durante o mercado que fechou a 31 de Agosto é uma boa prática de gestão, a qual se insere numa política de transparência que, em meu entender, deveria ser seguida por todos os clubes/sociedades desportivas. 

A Sporting SAD pode orgulhar-se de, mais uma vez, ter sido pioneira neste tipo de "report", o qual, até por não ser a primeira vez que ocorre (anteriormente divulgado a 10/2/2017 - mercado de Inverno - e a 9/9/2016), cria um novo paradigma nas relações da sociedade com os seus accionistas e público em geral, destacando-se neste último, os sócios, adeptos e simpatizantes do Sporting Clube de Portugal.

Analisando o detalhe daquilo que foi comunicado, temos a seguinte situação (de notar que no R&C de 2016/17 aparece referência a uma cláusula de compra obrigatória e um prémio, referentes ao atleta Doumbia, de 3M€ e 3,5M€, respectivamente, valores que deverão ser deduzidos ao "Saldo após Comissões"; por outro lado existem bónus contingentes associados às vendas até um valor máximo de 7,8M€):

 

  Valor (M€) Comissões (M€)
Compras -28,2915 -5,15
Empréstimos sem opção de compra -1 0
Empréstimos com opção de compra -1,65 -0,345
Vendas 51,825 -3,15
Saldo 20,8835 -8,645
Saldo após Comissões 12,2385  

Sustentabilidade - R&C Sporting SAD 2016/17

1. A Sporting SAD apresentou um Resultado Liquido positivo (lucro depois de impostos) de 30.537M€, no exercício de 2016/17 (contas anuais de 1 de Julho de 2016 a 30 de Junho de 2017), pelo que os Capitais Próprios da Sociedade passaram a ser positivos no valor de 5,618M€.

 

2. A Sociedade apresentou o maior Volume de Negócios (Proveitos Operacionais+Proveitos com transacção de jogadores) e de Proveitos Operacionais (todas as rúbricas cresceram) da sua história, com valores de 172,998M€ e 80,001M€, respectivamente.

 

3. A Direcção presidida por Bruno de Carvalho pode orgulhar-se de ter apresentado os 3 melhores "scores" em termos de Proveitos Operacionais: 80,0M€ (16/17), 68,7M€ (15/16) e 58,3M€ (14/15).

 

4. Crescimento dos Proveitos Operacionais no último exercício: +16,4%.

 

5. Crescimento dos actuais Proveitos Operacionais face ao último exercício antes da entrada da Direcção presidida por Bruno de Carvalho (12/13): +150%

 

6. Gastos com Pessoal: 63,998M€, +32,2% face a 2015/16, 80% dos Proveitos Operacionais.

Nota: Este rácio parece demasiado elevado, embora consideravelmente mais baixo que o registado em 11/12 (104,42%) ou 12/13 (130%). Por outro lado, também registar que neste exercício os gastos com pessoal cresceram mais do que os proveitos operacionais, o que não é positivo. Existe uma nota no R&C que fala numa futura indexação, mas não estipula um limite.

 

7. As transferências de André Pinto, Piccini, Mattheus Oliveira, Battaglia, Bruno Fernandes e Doumbia já constam do Relatório e Contas, bem como a venda de Ruben Semedo. As aquisições de Salin, Ristovski (empréstimo), Coentrão (empréstimo), Acuña e Mathieu entrarão no exercício de 2017/18.

 

8. Sobre Doumbia, a novidade é que o Sporting comprou apenas 70% dos direitos desportivos e, além do valor de aquisição de 3,5M€, pagou ao jogador um prémio de assinatura de 3M€ (mais comissão de intermediação de 700 mil euros). Também da venda de Ruben Semedo há um encargo de 1,4M€ (10% Valor Transferência), mas não se percebe se é uma comissão ou parte do passe detido por terceiros. Embora mais à frente se diga que o Sporting detinha 100% do passe, este valor também não aparece discriminado nas Comissões.

 

9. O Passivo cresceu 61,6M€ (+24,7% face a 2015/16). Importa, no entanto, realçar que o passivo bancário decreceu 4,6M€. O crescimento do passivo deve-se à aquisição de jogadores (+25M€ no crescimento da rúbrica de Fornecedores correntes, pois os jogadores nunca são pagos a pronto), à cedência de créditos futuros sobre Direitos TV (+16,99M€, taxa média do Factoring de 3,25%), uma dívida de 10M€ à Sporting Comunicação&Plataformas, além do lançamento na rúbrica Passivo, do acréscimo de  ordenados e demais encargos com a equipa de futebol (que são efectivamente pagos após o fim do mês de reporte) e de outros rendimentos a reconhecer. Por outro lado, a Sporting SAD é ainda credora de 56,5M€, essencialmente de clubes, destacando-se o Inter (20 milhões), o Leicester (10 milhões) e o Villareal (8,5 milhões), devido aos acordos estabelecidos aquando das vendas de João Mário, Slimani e Ruben Semedo. Tudo considerado, a cedência de créditos futuros sobre as receitas da SportingTV (10 milhões, Sporting C&P) será a que não encontrará compensação directa no curto-prazo.

 

10. A conta à ordem retida para pagamento das VMOCs tem um valor a 30/6/2017 de 3,1M€ (já reforçada em +2M€ com o apuramento para a Champions, valor que entrará no R&C de 17/18).

 

11. Duas notas finais em termos qualitativos e de Responsabilidade Social: 13 jogadores provenientes das EAS foram incorporados neste exercício nas diversas equipas de Formação que jogam os campeonatos oficiais; 80% dos residentes na Academia Sporting, de Alcochete, tiveram aproveitamento escolar no ensino secundário.

 

12. De referir que, já após o fecho das contas, o Sporting viu ser reconhecido pelo Tribunal de Nyon o excesso de retenção de receitas UEFA, no âmbito do processo Doyen, o que resultou numa libertação de uma verba de 2,821M€.

 

13. Conclusão: Exercício globalmente positivo, com o senão do crescimento dos gastos com pessoal suplantar o dos proveitos ordinários (sem vendas de jogadores). O aumento do passivo parece justificado pelo que já expliquei no ponto 9.

Do ponto-de-vista da qualidade da informação, o Relatório é um nadinha menos detalhado do que é costume e continua a aparecer uma rúbrica de Passivo, de pagamento de intermediações e outros, apresentada como Outros Fornecedores de 8,6M€, valor que mereceria, na minha opinião, outro detalhe, mas ainda assim é um Relatório bastante analítico, acima da concorrência, e considero que constitui uma boa prática de gestão, pelo que será justo endereçar os meus parabéns a Carlos Vieira. 

Sustentabilidade - as contas da SPORTING SAD

Hoje irei abordar alguns indicadores de actividade da Sporting SAD, desde a época 2001/2002 até ao último relatório disponível, o intercalar do terceiro trimestre de 2016/2017.

 

Em primeiro lugar, devo referir que os RESULTADOS LÍQUIDOS ACUMULADOS registam uma PERDA DE 138,5 MILHÕES DE EUROS. No mesmo período (desde 2001/2002), os RESULTADOS LÍQUIDOS ACUMULADOS SEM RENDIMENTOS EXTRAORDINÁRIOS registam uma PERDA DE 427,2 MILHÕES DE EUROS. A rubrica de RENDIMENTOS EXTRAORDINÁRIOS apresenta um valor positivo de 288,7 MILHÕES DE EUROS, que se segmentam desta forma: 223,2 MILHÕES DE EUROS de VENDAS DE JOGADORES, 65,5 MILHÕES DE EUROS de ALIENAÇÃO DE PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO.

 

Segmentando, embora hajam algumas sobreposições devido ao facto de os mandatos presidenciais não corresponderem com as épocas desportivas sobre as quais incidem os Relatórios e Contas (aspecto a rever urgentemente, do meu ponto-de-vista), teremos as seguintes indicadores por Presidente:

 

RESULTADOS LÍQUIDOS: Antonio Dias da Cunha -59,2 M€ (de 2001 a 2004), Filipe Soares Franco +58 M€ (inclui venda de património de 65,5 M€, de 2004/2005 a 2009), José Eduardo Bettencourt -70,3M€ ( 2009/10 e 2010/11), Luiz Godinho Lopes -89,7M€ (2011/12 e 2012/13) e, finalmente, Bruno Carvalho +22,7M€ (desde 2013/14).

 

RESULTADOS SEM RENDIMENTOS ESTRAORDINÁRIOS: Antonio Dias da Cunha -89,5M€, Filipe Soares Franco -43,0M€, José Eduardo Bettencourt -88,7M€, Luiz Godinho Lopes -112,1M€, Bruno de Carvalho -93,9M€.

 

Números preocupantes, sem duvida, que mostram uma gestão com maior sucesso nos mandatos de Filipe Soares Franco e de Bruno de Carvalho, embora dependentes maioritariamente de vendas de património, no primeiro caso, e de alienação de passes de jogadores, no segundo.

 

Outros indicadores que julgo relevante trazer aqui:

Filipe Soares Franco herdou Rendimentos Ordinários (receitas correntes, por oposição a receitas extraordinárias) de 25,4M€ (2003/4, Dias da Cunha) e subiu-as para 46,8M€ (2008/9), no tempo de JEB as receitas correntes desceram para cerca de 35M€, valores semelhantes aos de GL (40,7M€ e 32,0M€), subindo depois com Bruno de Carvalho (68,7M€ em 15/16 e 63,3 no final do terceiro trimestre de 16/17).

 

Outro indicador que considero digno de análise é o racio CUSTOS COM PESSOAL vs PROVEITOS ORDINÁRIOS (ou Rendimentos Correntes): Antonio Dias da Cunha (114,98%, 119,27% e 80,71%), FSF ( 61,38%, 52,41%, 53,87%, 43,61%, 50,64%), JEB (67,74%, 83,85%), GL (104,42%,130,00%) e BC (70,82%,43,05%,71,03%,76,46%). Os melhores resultados para este racio são de FSF e os piores de GL, o que ajuda a explicar o impacto nos resultados.

 

Enfim, Bruno de Carvalho tem estado a fazer crescer os Proveitos Ordinários e tem mantido o racio custos com pessoal vs proveitos Ordinários dentro de limites ainda aceitaveis, embora a subida recente dos custos com pessoal (48,8M€ em 15/16 e 48,4M€, apenas em 3 trimestres de 16/17) mereça a maior atenção porque um eventual retrocesso no ciclo económico pode enviabilizar vendas de jogadores e comprometer os resultados.

 

Voltarei a este assunto para um comparativo com os restantes "grandes", mas por agora gostaria de obter as Vossas opiniões.

 

SL

Sporting: mais e menos

alvalade_xxi-1[1].jpg

 

MAIS

  • Andavam aí umas alminhas a uivar de emoção, putativamente preocupadas com as contas do Sporting. Podem baixar os decibéis: as nossas finanças estão bem e recomendam-se. De tal maneira que no primeiro trimestre desta temporada oficial (Julho-Setembro) atingiram a melhor cifra desde que foi constituída a SAD leonina: um lucro de 62,9 milhões de euros.
  • No mesmo período, as nossas receitas de bilheteira subiram 737 mil euros face ao período homólogo do ano anterior, o que se traduz em 4,207 milhões de euros. Resultado da boa prestação desportiva do plantel leonino, confiado ao timoneiro Jorge Jesus. Os números demonstram: tem sido mais do que justificado o investimento que o Sporting já fez no melhor treinador a actuar em Portugal.
  • Ainda números do passado trimestre: o Sporting gastou 19,5 milhões de euros em reforços para esta temporada. A receita líquida conseguida com as saídas de João Mário e Slimani foi muito superior: 59,6 milhões. Saldo positivo, pois. Contra factos não há argumentos.
  • Segundo o Observatório do Futebol, temos o plantel com mais elevada estatura média do campeonato português: 184,2 cm. Conclusão: se os campeões se medissem aos palmos, o título já era nosso.
  • Outra conclusão do Observatório do Futebol: o Sporting é, de longe, a equipa que utiliza mais jogadores da formação na Liga 2016/17. No total, 42,9% do nosso tempo total de jogo tem a inconfundível marca da academia leonina. Também neste aspecto podem aquietar-se portanto as tais alminhas que pareciam muito desassossegadas com o "escasso aproveitamento" dos recursos que formamos. Quase sempre o pior cego é o que não quer ver.
  • Mais uma estatística: Jesus cumpriu 69 jogos oficiais à frente da equipa do Sporting, tendo vencido 47. Uma percentagem digna de cumprimento: 68,1%.
  • À nona oportunidade foi de vez: Alan Ruiz marcou enfim o primeiro golo vestido de verde e branco. Frente ao modesto Arouca, numa coisa chamada Taça CTT. Mais vale tarde que nunca.
  • E vão três jogos seguidos sem sofrermos golos. Nenhum título se conquista sem defesas consistentes.
  • O Arouca regressou a Alvalade e desta vez não houve casos. Antes assim.

 

MENOS

  • Meli e Bruno Paulista continuam sem jogar. Foram contratados para quê?
  • No futebol, como jogo que é, a sorte e o azar contam muito. Está provado: Castaignos é azarado. O holandês tem de ir à bruxa.
  • Markovic continua sem demonstrar a menor prova de categoria e classe ao serviço do Sporting.
  • As despesas com pessoal elevaram-se para 15 milhões de euros no trimestre Julho-Setembro. Aumentaram 31% face ao período homólogo de 2016. Há que pôr travão nisto.
  • Alguns sportinguistas, até com colunas nos jornais, andam a imitar os benfiquistas mais desqualificados, gastando tempo e tinta com factóides como a suposta cor do carro de Alan Ruiz. Às vezes interrogo-me qual será a verdadeira convicção clubística desta gente.
  • Bruma, numa extensa entrevista publicada no jornal A Bola, garante: "O Sporting vai ser sempre o meu clube." Devíamos ser poupados a estes exercícios de hipocrisia. Nós temos memória: Bruma, que deve toda a sua formação desportiva ao Sporting, a dado passo recusou treinar, alegou que o contrato de trabalho tinha cessado para se furtar aos seus deveres de assalariado do clube e optou pela via litigiosa para quebrar o vínculo com Alvalade, acabando por ser derrotado em tribunal. Do mal o menos: ainda acabou por render 10 milhões de euros aos cofres leoninos. Só podemos desejar-lhe que passe bem. Lá longe, onde se encontra.

Ó p'ra eles a encararem a realidade

"FC Porto SAD anuncia prejuízo de 58,4 milhões de euros

O FC Porto chamou esta quarta-feira os jornalistas ao Dragão Caixa para apresentar as contas anuais da SAD e anunciar um prejuízo de 58,4 milhões de euros.

Trata-se de um resultado negativo enorme, que ameaça bater recordes, mas que o administrador Fernando Gomes garante ser assumido. Ou seja, de acordo com o responsável das finanças portistas o clube preferiu assumir o prejuízo superior a 58 milhões de euros, de forma a não desinvestir e, com isso, enfraquecer o valor da equipa para esta época.

Fernando Gomes garantiu ainda que esta época é encarada no FC Porto como o ano zero: a partir da próxima época, a SAD portista vai reduzir progressivamente os salários, ajustando-se à realidade atual. Em dois anos, o FC Porto quer poupar vinte milhões de euros em ordenados."

in Maisfutebol

Portanto, aquilo que nós começámos a fazer há três anos e qualquer coisa e que tão bons resultados tem dado, cedo ou tarde todos terão que fazer. Estes já apresentaram o timming. Esperemos pelos relatórios dos restantes.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D