Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Enfim, sensatez

Após reunião entre o presidente do Sporting e a esmagadora maioria dos comentadores leoninos que costumam marcar presença em canais de televisão, ficou assente que "é fundamental defender o Clube perante uma comunicação social que, genericamente, tem desrespeitado de forma sistemática a Instituição e o bom nome dos seus dirigentes". Neste pressuposto, existe acordo para que todos se mantenham nas estações televisivas a que já habituaram sócios e adeptos enquanto espectadores dos programas desportivos.

Enfim, sensatez: nem poderia ser de outra forma. Congratulo-me muito com isto.

Obviamente

«Obviamente, qualquer comentador sportinguista - incluindo aqueles que estão ligados ao clube enquanto funcionários - não irá abandonar os seus programas ou dizer que não aos convites que têm. Pelo contrário, isso é uma forma de o Sporting estar presente e ter uma voz activa. Porque se, por absurdo (é evidente que isso jamais aconteceria em três milhões e meio de sportinguistas), todos dissessem que não, o Sporting deixaria de ter voz activa para se autodefender nesses programas e nessa forma de comunicação.»

Jaime Mourão-Ferreira, sábado à noite, na CMTV

 

«Não fujo aos meus compromissos. Naturalmente que não vou abandonar para já o Dia Seguinte. Tenho um compromisso com a SIC Notícias e tenho muito gosto em estar no Dia Seguinte. (...) Fui apanhado de surpresa, não fui informado da situação. Seria natural que eu fosse previamente informado que poderia haver esta decisão. Não fui ouviido nem achado, portanto, numa decisão em que cada um de nós tem as suas responsabilidades e assume os seus compromissos. Naturalmente, penso que devíamos todos ter tido uma conversa prévia sobre esta matéria. Mas não houve.»

Paulo Andrade, sábado à noite, na SIC Notícias

 

«Aqui na RTP, eu não sou comentador do Sporting. Sou um comentador desportivo, sou um comentador independente, sou um comentador livre. Nunca recebi cartilhas ou recados para falar neste programa para agradar a este ou agradar àquele. Sou um comentador independente e ajo pela minha cabeça, não ajo pela cabeça dos outros.»

Augusto Inácio, domingo à noite, na RTP 3

 

«Trabalho em televisão há 25 anos. Este é o meu métier, é aqui que eu estou. A TVI convidou-me para mais este programa de televisão, tenho compromissos profissionais, tento respeitá-los. A essência do meu trabalho, a essência da minha vida, é a criatividade, é o pensamento próprio. Sou eu que decido os programas em que participo ou não. Não sou funcionário do clube, só passo recibos verdes à minha consciência e à minha liberdade. Não concordo com tudo quanto o presidente diz. Neste caso não concordo.»

José de Pina, domingo à noite, na TVI 24

Uma noite com muita azia

 

Jorge Baptista, SIC Notícias: «Não há grandes motivos para grandes celebrações do Sporting.»

 

Diamantino Miranda, TVI 24: «O Sporting foi feliz durante os 90 minutos.»

 

Manuel Queiroz, Antena 1: «O Sporting não foi a melhor equipa em campo. (...) Ainda se vai discutir muito o golo do empate.»

 

Ribeiro Cristóvão, SIC Notícias: «A haver um vencedor, o Vitória de Setúbal era o mais justo vencedor.»

 

Os zaragateiros

Já vai sendo tempo de alguém o dizer. Seja com Rui Vitória, Conceição ou JJ, começa a ser demasiado grave o que repórteres, pivots e comentadores fazem pelas audiências. Ignorando jogo, as opções estratégicas ou táticas, a escolha de jogadores, fazem uma pergunta geral inicial sobre o jogo, para logo depressa passarem a escarafunchar a ferida que estiver mais aberta – a substituição do Soares, a ida para os balneários, o diabo a 7 – fingindo-se de sonsos e anjinhos, jornalistas impolutos que procuram a verdade, quando o que querem é molho.
A verdade é que procuram picar e espicaçar os intervenientes no jogo, para logo de seguida moralizarem. Provocam, provocam, provocam, perguntando o que o outro perguntou há dois minutos, insistem, teimam em temas que sabem ser polémicos e de resposta tensa, à espera que Vitória, JJ ou Conceição se passem dos carretos, para depois dizerem “Ontem Vitória, JJ ou Conceição, reagiu assim quando lhe perguntaram não sei o quê”.
O que a abundância de televisões em diretos manhosos de pré-match, pós-match e comentário de bola estão a fazer é indigno da profissão de jornalista.
Ainda por cima muito criticam, em textos de opinião e outras intervenções, o “Guerra”, ou o “Serrão” (e demais comentadores que só lá estão uma vez por semana), quando são eles quem rega com gasolina todo o ambiente de modo intensivo e sistemático à espera da primeira faísca.  

 

O coro da lavandaria

«O Benfica fez uma excelente primeira parte (os melhores 45 minutos da época) e nada fazia prever o que se viu após o golo do empate do Rio Ave. (...) O 4x3x3 do Benfica tem um excelente comportamento com bola.»

Nuno Farinha, no Record

 

«O Benfica fez ontem uma grande primeira parte. O Benfica reduziu praticamente à insignificância o Rio Ave.»

Carlos Janela, na CMTV

 

«Não há crise na Luz. (...) Foi muito azar.»

Diamantino Miranda, na TVI 24

Ficaram em estado de choque

«A exibição do Benfica não teve ponta por onde lhe pegar. O Benfica foi enxovalhado pelo Basileia.»

Joaquim Rita, SIC N

 

«Foi escrita, no estádio St. Jakob-Park, uma das páginas mais negras na história do Benfica.»

Nuno Farinha, Record

 

«É uma vergonha. O Benfica podia ter perdido por sete ou oito!»

Diamantino Miranda, TVI 24

 

«Foi uma humilhação. O Benfica teve erros defensivos primários.»

Álvaro Magalhães, CMTV

 

«O Benfica não tem meio-campo. O Fejsa é uma peça que não resolve os jogos, o Pizzi desapareceu de circulação.»

Fernando Guerra, SIC N

 

«Foi uma das mais humilhantes páginas da história europeia do Benfica.»

José Manuel Delgado, A Bola

 

«Noite negra para os encarnados na Suíça. Somaram a derrota mais pesada da história do clube na Champions.»

Mário Figueiredo, Correio da Manhã

 

«É um pesadelo. É uma das páginas mais negras da história europeia do Benfica.»

Rui Pedro Brás, TVI 24

O erro, a mentira, a fraude

img_818x455$2017_08_08_21_12_16_657151[1].jpg

 

Os inimigos do vídeo-árbitro devem ter-se congratulado: esta tecnologia esteve ausente do Manchester United-Real Madrid de ontem, em disputa da Supertaça Europeia. Vitória tangencial do Real, por 2-1, com um golo (o primeiro) marcado por Casemiro em nítido fora de jogo não assinalado pela equipa de arbitragem.

Mas, pensem eles o que pensarem, não podia haver maior cartaz de propaganda do vídeo-árbitro perante esta nova demonstração de falsidade desportiva traduzida em título para os merengues, ontem sem Cristiano Ronaldo a titular. O melhor jogador do mundo só saltou do banco aos 81 minutos, com o resultado já feito.

Espantosamente, no  canal público que transmitiu em directo a partida houve quem celebrasse a mentira, varrendo o rigor dos factos para debaixo do tapete. Foi o caso do comentador Bruno Prata, que num primeiro momento admitiu ter visto o jogador brasileiro "claramente adiantado" para depois conceder que "a diferença [face ao último defesa do Manchester] é muito pequena". Acabando por sentenciar: "Neste tipo de casos não podemos ser muito severos."

É assim que os comentadores de turno encaram a verdade desportiva: algo muito relativo. Por isso são quase todos contra a introdução do vídeo-árbitro. Um deles, com visível desdém, dizia há dias nem saber se esta tecnologia já está a ser aplicada em mais algum país da Europa além de Portugal. Ignorando que na Holanda, por exemplo, não só vigora mas foi vital para restabelecer a verdade desportiva na Supertaça disputada entre o Feyernoord e o Vitesse. Ignorando que já foi introduzida no Brasil e na Alemanha, por exemplo.

Ao contrário desses comentadores, não consigo compreender um futebol que convive tão bem com o erro grosseiro, que coabita de forma tão descontraída com a mentira, que pactua sem abalos de consciência com a fraude. Alguém se aproveita disto, seguramente. Mas não o desporto, que nada tem a ver com isto.

Direito à transparência

Janela "não confirma nem desmente" ser autor da cartilha lampiónica.

Nem precisa: o estilo, os temas e até o vocabulário utilizado denunciam-no. Como uma impressão digital.

Confessa entretanto o sujeito que tem uma empresa que trabalha "com vários clubes, nacionais e internacionais". Ora aí está um excelente início de conversa: saber quais são os clubes que lhe pagam, através da tal empresa. Com a certeza antecipada de que não é o Sporting, sobre o qual tem bolçado frases cheias de ódio vesgo e rancoroso. Falta esclarecer se isso também se insere no âmbito da relação de "trabalho" que mantém com outros clubes, servindo neste caso a estação de TV como involuntária barriga de aluguer.

Os telespectadores que assistem aos debates sobre futebol têm o direito - e até o dever - de exigir às empresas televisivas que esclareçam eventuais conflitos de interesses dos comentadores que contratam para os seus painéis.

Não basta reclamar transparência para o futebol em abstracto: é preciso fazê-lo no concreto. Começando precisamente por aqui.

 

................................................................

 

Adenda.

Oportuna pergunta do Mestre de Cerimónias: quantos jornalistas receberão os briefings e os usarão no seu trabalho?

As pitonisas

pitonisa_oraculo_delfos[1].jpg

 

«Madeira Rodrigues mostrou um discurso agregador. Não tenho a menor dúvida que Bruno de Carvalho foi goleado [no debate televisivo].»

Bruno Prata, na RTP 3 (23 de Fevereiro)

 

«Madeira Rodrigues pode ganhar as eleições. Bruno de Carvalho deixa o Sporting em cacos.»

Carlos Janela, na CMTV (23 de Fevereiro)

Com estes "leões" quem precisa de lampiões?

Comentando ontem à noite o Belenenses-Sporting na SIC N, o sportinguista Ribeiro Cristóvão vergastou Beto porque no último minuto do jogo o nosso guarda-redes se atirou para o chão, pedindo assistência. Isto num jogo em que a meia hora do fim, com o resultado empatado a zero, já os jogadores da equipa anfitriã caíam a todo o momento, contorcendo-se com dores, reais ou imaginárias.

"Beto esteve em destaque pela negativa e pela positiva. Guardou bem a baliza do Sporting, mas aquela lesão já no período de descontos, quando o Sporting vencia 1-0, cheira um pouco a esturro. Há aqui o tal antijogo que Jorge Jesus tanto condena", disse Cristóvão.

É extraordinário o nível de autoflagelação que certos "leões" do comentário exibem nas pantalhas televisivas. Nenhum tão destacado como Ribeiro Cristóvão, o homem que em Março de 2012 chegou a antever uma eliminatória capaz de "envergonhar o futebol português" nos quartos de final da Liga Europa em que  eliminámos o Manchester City.

Com "leões" como estes não precisamos de lampiões.

A tropa de choque em missão concertada

ANDRÉ VENTURA

CMTV, 14 de Novembro, 22.05

«Eu hoje... enfim... entregaram-me isto... não sei... mas eu penso que isto é desta... eu penso que é desta... isto é deste dia, pelo menos... e é desta imagem... e por isso é que eu dizia que o Arouca tem razão para se queixar. E eu tenho aqui... e é indiscutível, é indiscutível. Uma cuspidela do presidente Bruno de Carvalho ao presidente do Arouca... Eu vou mostrar... tal como... tal como me chegaram. É claríssimo. Não deixa margem para dúvidas que há uma cuspidela do presidente do Sporting ao presidente do Arouca*. Eu... vou mostrá-la à câmara, a câmara provavelmente não vai conseguir ver bem, mas vemos o presidente do Arouca a receber essa cuspidela... Vê-se que o presidente do Sporting está a cuspir e vê-se que o presidente do Arouca está mesmo à sua frente.»

 

R. GOMES DA SILVA

SIC N, 14 de Novembro, 22.23

«Já vi imagens aumentadas [em] que se presume que alguma coisa que sai da boca do Bruno de Carvalho e atinge o presidente do Arouca... Pode ser a águia Vitória... eu vi esta imagem aumentada... dá a ideia... aquilo que dá ideia noutras imagens que andam a circular, que eu vi... dá ideia que o presidente do Sporting cospe no presidente do Arouca*... sai uma coisa qualquer... não sei se é um lenço de papel ou outra coisa qualquer...»

 

PEDRO GUERRA

TVI 24, 14 de Novembro, 22.33

«Vemos uma coisa que eu considero muito grave: vê-se claramente que o presidente do Sporting cospe na cara de Carlos Pinho*. Eu pergunto: qualquer cidadão, homem ou mulher, jovem ou... de idade, que lhe cuspam na cara, qual é que é a primeira reacção? Bom... se for mais católico... se calhar... é capaz... não sei se dá a outra face ou se pede para cuspirem outra vez... Qual é a reacção humana imediatamente? É de reacção, como é evidente. Como é que um ser humano reage quando alguém lhe faz aquilo que lhe foi feito? Ao minuto 1 ponto 10 da câmara 7 vê-se a cuspidela do presidente do Sporting... e depois na câmara 6 vê-se o presidente Carlos Pinho a limpar a cara, como é também humano e legítimo.»

 

* As frases assinaladas a encarnado e com asterisco, como é óbvio, terão de ser comprovadas em tribunal.

 

Nada melhor do que cuspir-lhe na cara

Cinco noites consecutivas com o País suspenso: Bruno de Carvalho cuspiu ou não cuspiu? Eis a melhor prova de que não existem verdadeiros problemas neste torrão à beira-mar plantado: no ano em que a douta Academia de Oxford elegeu pós-verdade como palavra do ano, três canais televisivos quiseram transformar o presidente do Sporting em bombo da festa a propósito de um não-facto - numa manobra concertada que teve como maestro o principal impulsionador da campanha de reeleição de Luís Filipe Vieira no SLB.

Um gato mal escondido com um enorme rabo de fora.

Como diria o Sherlock Holmes para o doutor Watson, não há coincidências.

 

Um desses canais, procurando bater a concorrência, simulou uma "experiência" em estúdio com o Paulo Futre a fumar um cigarro electrónico em imitação de Bruno de Carvalho numa aparente tentativa de demonstrar que da boca do presidente saiu água destilada, propileno glicol e glicerina vegetal - substâncias contidas na fugaz onda de vapor que se forma em vez do presumível fumo.

A experiência, obviamente, foi inconclusiva. Nem poderia ser de outra maneira para manter a panela de pressão bem acesa em lume vivo.

 

Por mim, acho tudo isto insuficiente. Da próxima vez sugiro ao Futre que escarre na cara de alguém. Em directo, ao vivo e a cores. Pode ser na mimosa face do tal director da campanha de reeleição de Vieira, que costuma ser seu companheiro de painel. Tudo filmado com várias câmaras, de diversos ângulos e repetido as vezes que forem necessárias. Nada melhor do que uma experiência destas para se dissiparem as derradeiras dúvidas.

Se o tipo aguentar estóico, não lhe rachar a cana do nariz à cabeçada nem se queixar do facto em conferência de imprensa versão pós-verdade, fica cabalmente demonstrado que Bruno de Carvalho fez o que não devia se quer continuar saudável: inalou e exalou.

 

Cuspidela, apenas na imaginação delirante dos peões de brega de Vieira, emprestados à corte de bandarilheiros da famiglia Pinho.

Pensem só qual seria a vossa reacção se alguém vos escarrasse na cara.

 

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D