Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Na "vuelta", os beijos

ciclista.jpeg

A volta à Espanha em bicicleta, "La Vuelta", começa daqui a pouco.

Ciclistas são, como a palavra indica, efeminados, se não seriam ciclistos.

Será que eles gostam daqueles beijos, não consentidos, no final de cada etapa?

Será que os e as feministas de serviço não têm nada a dizer/escrever sobre isto? 

Screenshot_2023-08-29-22-12-13-828-edit_com.androi

O texto original não tinha nada a ver com este caso.

Afinal as imagens estão aí para quem as quiser interpretar.

Adenda efectuada em 2023.08.29 às 22h15.

"Verdade e fair-play desportivo" ou falta de vergonha?

W52.jpg

Felizmente a UCI, a União Ciclista Internacional, fez aquilo que as autoridades desportivas nacionais não tiveram coragem de fazer: impedir a equipa que veste com as cores do FCPorto de participar na Volta a Portugal, devido a caso de doping organizado.

Se esta prova, infelizmente, não tem qualquer prestígio internacional, com a eventual presença da participação desta seria um exemplo de «verdade e fair-play desportivo» (*) que dignificaria de sobremaneira o desporto português.

 

(*) - Palavras retiradas do último comunicado desta equipa.

Honra

Terminou ontem mais uma edição da Volta a Portugal em bicicleta. Venceu o ciclista da "W 52" graças a um infortúnio do seu principal adversário, Maurício Moreira, que mesmo tendo sofrido uma queda recuperou tempo na etapa final. O tempo perdido na queda, mais de dez segundos, iria fazer deste ciclista o natural vencedor desta edição da Volta.

Sabendo isso compreendo os efusivos festejos do ciclista desta equipa a "W 52" que fizeram dele um vencedor sem honra.

Conhecendo os antecedentes de desonestidade (leia-se doping) que o passado desta equipa encerra, não se estranha esta forma de comemoração.

Se me permitem, eu dou os parabéns ao ciclista da Efapel: Maurício Moreira.

Pinto "Egas Moniz" da Costa, Aio

22039546_QBiiZ.jpeg

 

Ai o carago!

Terá sido esta a exclamação de Pinto da Costa quando soube que uma das suas muitas trafulhices fora descoberta.

A melhor solução quando somos apanhados em falta, quando descobrem as merdas que fazemos, é pedirmos desculpa, pedirmos perdão.

O exemplo que vem à memória é o episódio de Egas Moniz (cf. com canto III dos Lusíadas, estrofes 35-40).

Espero que Pinto da Costa venha até ao Museu do Sporting com a camisola amarela e o título de 2018, acompanhado pelas esposas Filomena, Carolina, Fernanda (provavelmente estou a esquecer-me de alguma), todos vestidos de branco, descalços e com uma corda ao pescoço, entregar os símbolos desse triunfo?

Não.

Não peço tanto, peço que Pinto da Costa peça desculpas ao Sporting, pois ao contrário daquilo que "O Jogo" titulou ontem, na primeira página, a culpa não foi de Alarcón, foi da organização corrupta e trafulha que, justiça lhe seja feita, Bruno de Carvalho denunciou na altura.

Esperemos, então, pelo pedido de desculpas institucional do senhor Pinto da Costa ao doutor Frederico Varandas.

Sobre este assunto ler o postal de AntónioF, especialmente, o comentário do ex-ciclista dos Leões do Nabão, Edmundo Gonçalves.

À atenção da miudagem

Quaresma, Gonçalo Inácio, Nuno Mendes, Tiago Tomás e afins.

Nas vossas tardes livres, sintonizem-se na Eurosport para acompanhar o Giro de Itália e prestem especial atenção ao nosso compatriota João Almeida.

Apenas com 22 tenrinhos anos, assim como vocês, e é vê-lo bater-se junto dos craques das duas rodas, em defesa da camisola rosa, sempre com atitude, muita atitude.

Não sei se vocês, a nossa equipa, vestirá a camisola de líder da Liga 20/21, mas seja nas etapas planas (Tondela, Gil Vicente), nas de média montanha (Rio Ave, Famalicão ou Guimarães) ou de alta montanha (Porto, Benfica ou Braga), façam como o João: sem medo do adversário e baterem-se de igual para igual, apenas com um resultado em vista.

Os vossos avós poderão falar-vos doutro tipo assim que conheceram, com igual atitude: Joaquim Agostinho, também atleta do Sporting e um dos nomes maiores do nosso Museu. Ambicionem também esse lugar, a camisola já envergam!

Saudade

J.A.jpg

Passam hoje 36 anos que Joaquim Agostinho representando o SCP cruzou uma meta pela última vez. Envergando a amarela, própria dos campeões. O atraso de Portugal em 1984, não existia serviço de neurocirurgia no Algarve, nem transporte aéreo hospitalar disponível, ditou que a queda fosse fatal, tendo o campeão falecido alguns dias depois em Lisboa, após várias operações. A lenda do ciclismo português permanecerá até à eternidade.

 

Volta a Portugal - fim de ciclo à vista

Estamos em plena Grandíssima e, aproveitando a pausa na prova, é altura para um brevíssimo balanço.

Volvidas cinco etapas, a corrida é dominada, como seria de esperar e em linha com os últimos anos, pela equipa da W52/FC Porto, com a liderança na geral e por equipas, vitórias em etapas e, ainda, 5 corredores (em 7!) nos 15 primeiros lugares.  

Quanto ao Sporting/Tavira, temos para já um 4.º lugar na geral por equipas, nenhuma etapa ganha (o melhor que conseguimos foi um 2.º lugar) e apenas 1 corredor no top-15, a já mais de 2 minutos e sem sequer conseguir entrar no top-10.

Não está, pois, a ser uma prestação brilhante nas estradas portuguesas por parte da equipa leonina, de resto, à semelhança, também, das edições anteriores.

O Sporting arrisca-se, pois, a chegar ao fim de 3 participações na Volta a Portugal com apenas 1 etapa ganha, sem qualquer top-3 na geral final. É, manifestamente, muito pobre.

Por isso, não surpreendem as notícias que apontam para o termo da parceria com o Clube de Ciclismo de Tavira. O Sporting prepara-se, tudo indica, para deixar, novamente, o ciclismo.

Como sportinguista e aficcionado pelas duas rodas, lamento muito esse cenário, mas a verdade é que o regresso ao pelotão está longe de corresponder às expectativas, nem sequer às mínimas. O Sporting não está a acrescentar valor ao ciclismo, nem a tirar proveito da modalidade. 

Este ano contratámos Tiago Machado, corredor que nos últimos anos andou a correr lá por fora e chegou a participar no Tour. Esperava que o corredor famalicense fosse o condão certo para arrepiarmos caminho, mas a verdade é que está longe de o ser. O actual 16.º lugar a quase 4 minutos do camisola amarela, só reforça a desilusão. 

Caminhamos, portanto, para um final de ciclo. Só não queria era esperar outros 30 anos para se abrir um novo ciclo. O Sporting tem uma marca identitária muito forte na modalidade, adeptos e projecção. Há que tirar os devidos ensinamentos desta parceria com o Tavira para, no futuro, quando surgir a ocasião, se repensar o regresso noutros termos e, sobretudo, com outra exigência.   

Isto também é o Sporting!

A equipa do Sporting/Tavira ficou em primeiro lugar por equipas no prólogo de hoje, que deu o pontapé de saída da 79ª Volta a Portugal em Bicicleta.

Boa sorte, atletas... espalhem bem o nome Sporting pelas estradas deste nosso país!

Não se esqueçam, caros corredores, que esta é uma modalidade que deu muuuuuuuitas alegrias ao nosso clube.

Os nossos comentadores merecem ser citados

«Felizmente que na história do SCP não existem muitos desaires desta natureza, pois em termos de ciclismo temos um historial de que poucos clubes se podem glorificar. (...) Peço desculpa, mas os Sportinguistas não estão habituados a comprar gato por lebre. Este fracasso tem de ser bem explicado, pois fico triste depois de tantos extraordinários ciclistas que vestiram a camisola do SCP me terem dado imensas alegrias.»

Fernando Albuquerque, neste texto do Francisco Melo

A Volta do Sporting a Portugal

bruno_de_carvalho_vicente_moura_equipa_ciclismo_sp

Devo o meu sportinguismo ao ciclismo. 

Não fosse assistir a uma etapa da Volta, na sua Paredes de Coura, e ganhar simpatia pelo corredor verde e branco (Alfredo Trindade), e o meu avô nunca se teria tornado, naquele momento, sportinguista, e mais tarde, por arrasto, o meu pai e eu próprio.

Para além de me ter transmitido o sportinguismo, o meu avô incutiu em mim uma paixão enorme pelo ciclismo, modalidade que sigo com muito gosto e interesse, apesar dos escândalos associados nos últimos anos.

Serve isto para dizer que não foi pelo regresso do Sporting ao ciclismo (via parceria com a equipa do Tavira) que passei a seguir com mais interesse a Volta. O interesse sempre existiu. Claro está que havendo corredores com a camisola do Sporting, o apoio e atenção pessoais são diferentes.

Nas vésperas do início da Volta, nunca achei que o Sporting, através do chefe de fila Rinaldo Nocentini, fosse favorito a um lugar no pódio, quanto mais à vitória final. Ficar no top-10 e ganhar uma ou duas etapas, já seria excelente.

Nesta fase da prova, volvidas 6 das 10 etapas, o balanço é: melhor lugar na geral individual é o 21.º lugar de Rinaldo Nocentini (a mais de 20 minutos do camisola amarela). Vitórias em etapas, como diria o Jorge Jesus, zero. 

Depois de Bruno de Carvalho, aquando da apresentação da equipa de ciclismo, ter dito não perceber nada da modalidade, ontem só apeteceu rir, para não chorar, ao ouvir as declarações de Vicente de Moura, após a má prestação da equipa na etapa da Torre.

Dizia o nosso comandante que também não percebe nada de ciclismo e que acha que a equipa está desequilibrada, e que mais tarde ele e o Presidente terão de falar. Tu queres ver que a parceria vai acabar? Ou que vem aí um aumento colossal de investimento, à semelhança do que fizeram no hóquei, andebol ou futsal?

Da minha parte, espero que a parceria não acabe, porque este é o ano 0 do regresso do Sporting ao ciclismo. Mas seria bom que a "estrutura" leonina em Alvalade se dotasse de alguém com entendimento da modalidade, para planear melhor a próxima época e evitar alguns erros de "casting". Não falo apenas de se encontrar um chefe de fila que não um corredor com quase 39 anos no ocaso da carreira (que, apesar de tudo, tem sido o nosso melhor ciclista). Falo, também, de ter uma equipa mais portuguesa, pois na prova maior do ciclismo em Portugal, o Sporting-Tavira apresentou-se apenas com 3 ciclistas portugueses em 8 corredores.

Sobre a Volta propriamente dita, os antigos parceiros do Sporting, a W-52, que depois associou-se ao Porto, têm dominado a corrida, qual Team Sky portuguesa. Vão vencer a prova e no final Pinto da Costa e a sua entourage vão estar todos contentes.

A pior reacção possível para o Sporting, a esse desfecho, seria ou acabar com a parceria, ou investir à doida para o próximo ano. 

SCP/Tavira

Bom, depois do imbróglio com a W52, que parece que ficou explicado e cuja razão foi sem dúvida válida atentos os pressupostos da rotura do acordo, eis uma nova boa nova, passe a redundância.

Posso estar demasiado optimista, mas um projecto onde figuram Sporting e um homem "doido" por ciclismo, que tem dado toda a sua vida ao ciclismo do Algarve e de Portugal, Vidal Fitas de seu nome, tem tudo para dar certo.

Folgo ainda em saber que esta parceria não envolve apenas as "corridas", vai mais além, na área de formação nesta e noutras modalidades, aplicando assim o nosso adn de clube formador.

Vamos lá começar a pedalar, seus marafados!

É um pouco menos "amador" do que o Real ter posto um castigado a jogar, mas...

Vicente Moura feliz por Sporting não ter sido enganado pela W52

Vicente Moura assumiu que, dado a forma como o processo decorreu, sem que a W52 tenha acautelado os direitos do Sporting, o desfecho foi “um bem”.

Vicente Moura 

Vicente Moura garantiu hoje à Lusa que o Sporting não foi enganado pela W52, mas assumiu que, caso os ‘leões’ não tivessem sido prudentes, a aposta na equipa de ciclismo poderia revelar-se ruinosa.
“O Sporting não foi enganado, mas, se não tivéssemos sido prudentes, poderíamos ter sido enganados ou eventualmente estar envolvidos num problema que mais tarde se poderia revelar ruinoso”, começou por dizer à agência Lusa o vice-presidente para as modalidades do clube leonino sobre o pré-acordo quebrado com a W52, que vai correr com as cores do FC Porto na próxima temporada.
Vicente Moura relatou o processo que culminou hoje, recuando mais de um ano, altura em que começou a procurar um parceiro credível para o Sporting voltar à estrada.
“O Sporting não queria pôr nesta modalidade um cêntimo, por isso era preciso arranjar uma equipa boa, uma equipa de grande nível, que eventualmente fosse para vencer uma Volta a Portugal, mas sem gastar dinheiro. Ora isto não é fácil. Nos últimos meses, as coisas correram da maneira desejada. Acabei por conhecer o senhor Jorge Mendes, que se propôs a coordenar o ciclismo e a ajudar a encontrar sponsors para financiar uma equipa que fosse forte. Entretanto, fomos negociando o protocolo e estávamos neste trabalho quando na quarta-feira passada, à noite, Jorge Mendes apareceu-nos a dizer que tinha uma equipa”, recordou.
Aquele que foi apontado como coordenador da equipa de ciclismo, anunciada na quinta-feira no jornal Sporting, apareceu na sala da direcção com cinco pessoas, das quais Vicente Moura não conhecia ninguém, com excepção de Nuno Ribeiro, o director desportivo, que representou Portugal em Atenas-2004 e Pequim-2008, quando este era presidente do Comité Olímpico de Portugal.
“Dizia ele que a equipa dele era a W52, que venceu as últimas três edições da Volta a Portugal. Rapidamente estabeleceu-se um diálogo. Eu, que sou uma pessoa crédula, uma pessoa séria, pensei: é óptimo. O Sporting dá o nome, a camisola, o coordenador faz o resto, e temos uma equipa altamente competitiva. Sentámo-nos à mesa e as coisas pareceram tão bem que o Nuno Ribeiro deu uma entrevista à SportingTV”, contou.
Passadas algumas horas, o vice-presidente leonino começou a receber telefonemas de sportinguistas e não só, “a dizer que havia problemas, que esta equipa tinha tido problemas, que havia outras coisas”, todos eles aconselhando o Sporting a ter cuidado.
“Fiz aquilo que qualquer pessoa responsável faria: avisei o presidente e ele, prudentemente, disse-me: então vamos suspender isto. Deu ordem, não só para suspender, mas para passar o assunto para os nossos assessores jurídicos. Sei que os esclarecimentos que pediram não chegaram. Nós não fizemos nada, ficámos calados. Depois desta notícia, não dei entrevistas, ficámos à espera dos acontecimentos. Meteu-se o fim de semana, as pessoas andavam à procura de informações para depois decidirmos o que fazer, mas não chegámos lá porque hoje fomos surpreendidos com o comunicado”, disse, referindo-se à nota da W52, que dava conta que o acordo com os leões não tinha sido concretizado.
Vicente Moura assumiu que, dado a forma como o processo decorreu, sem que a W52 tenha acautelado os direitos do Sporting, o desfecho foi “um bem”.
“Hoje vou dormir tranquilo, porque por um lado este acordo soçobrou e por outra ficou demonstrado que estas pessoas não são pessoas em quem possamos confiar”, confessou.
O responsável ‘leonino’, que afiançou que não havia nenhum contrato assinado entre ambas as partes, mostrou-se indiferente à parceria entre a equipa de Sobrado e o FC Porto – “O rival lá sabe. Com as informações que tínhamos, se calhar não queríamos esta equipa” – e lamentou que o caso vá melindrar o ciclismo.

In Sapo Desporto

 

Que diabo, sabendo-se que o ciclismo é uma modalidade, digamos atreita, a doping e sendo Vicente de Moura um homem do olimpismo, custava acautelar essa vertente? Mas de qualquer forma, ainda bem que se travou a tempo; Vivendo e aprendendo.

Eu confesso que gosto muito de ciclismo, mas este ciclismo eu dispenso.

 

Foto: MANUEL DE ALMEIDA / LUSA

Confesso-me Desolado

A expectativa era imensa. Já imaginava aqueles duelos de estrada em que um atleta do Sporting W52 se batia galhardamente contra a estrela bielorussa do Moreira Congelados e no fim surpreendia sem apelo nem agravo o croata da LA Alumínios sobre a linha da meta. Recuperava a memória dos grandes finais de etapas em que os sprinters búlgaros do Efapel ou da Ribeiros Bike Shop esbaforidos, não conseguiam ultrapassar o estónio dos leões na sua pedalada para a vitória. Ah, e aquelas vitórias nos contra-relógios que deixavam milhões de adeptos dos nossos rivais do Bom Petisco com cabeça de atum?

Confesso-me desolado por não podermos vingar-nos da Pecol ou da Sicasal no próximo Troféu Alpendre.

Valha-nos que o QI dos atletas do Porto vai baixar. Em média. E o macaco líder já está a esfregar as mãos de contente com a expectativa de crescimento do negócio.

Furou...

"Sporting suspende processo de criação de equipa de ciclismo

Já após a apresentação à imprensa do regresso do ciclismo ao Sporting e na sequência de diversos contactos por parte de Sportinguistas seguidores da modalidade, teve o Clube conhecimento de diversos factos e situações que suscitaram e suscitam as maiores e mais sustentadas dúvidas sobre procedimentos relacionados com análise e controlo anti-doping por parte dos promotores do projecto.

Imediatamente o Sporting procurou obter esclarecimentos, informações e respostas por parte dos promotores do projecto em relação aos atletas que iriam fazer parte da equipa, ao suporte de patrocinadores para a mesma e também em relação às questões de que nos chegavam ecos, já que estavam em causa valores de Ética e verdade desportiva da qual o nosso Clube não abre mão em circunstância alguma.

Por parte dos promotores do projecto as respostas não foram inicialmente dadas e, após reiteradas tentativas, foram insuficientes e não esclarecedoras quando o que está em causa é a imagem e o bom nome de uma instituição centenária e uma tradição da qual nos podemos orgulhar de luta pela verdade no desporto.

Em vez de responder às perguntas do Sporting, os promotores do projecto e os seus responsáveis contactavam com a comunicação social procurando na notoriedade pública das notícias, entrevistas e declarações uma chancela de validade para a sua associação com o Sporting.

Desta forma, o Sporting entendeu suspender imediatamente o processo em curso com os promotores do projecto com vista à formação de uma equipa de ciclismo conjunta.

Foram, no seguimento dessa decisão, dadas indicações expressas ao Departamento Jurídico do Sporting no sentido de analisar eventuais procedimentos que se justifiquem, de acordo com o escrupuloso cumprimento das normas éticas pelas quais o Clube se rege.


Mais uma vez demonstramos a nossa preocupação de sempre com a verdade desportiva: doa a quem doer!"

 

Assim de repente vêm-me várias perguntas à mente, mas vamos acreditar que foi só inocência...

Vamos pedalar?

A partir da próxima época é vê-los, estrada fora, de verde-e-branca no dorso, orgulhosamente levando o Sporting ao País.

O Ciclismo está de volta!      

                                                                                     

19067418_A8D88[1].jpg

{ Blogue fundado em 2012. }

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D