Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Recordar - Sergey CHERBAKOV

Com este meu texto, aqui deixo a minha singela homenagem ao jogador que foi e ao que podia ter sido se a vida não lhe tem sido madrasta. Sergey Cherbakov, um jogador vibrante, com uma explosão fantástica e bom remate, elemento de um quarteto de meio-campo que integrava ainda nomes como Paulo Sousa, Krasimir Balakov e Luis Figo. Um "Dream Team" que, pasme-se, nunca foi campeão. Talvez um dia saibamos porquê...

 

"O Leão que veio do frio"

 

"Chama-se Cherbakov, é ex-soviético e ex-jogador de futebol. O seu último clube foi o Sporting, que o perdeu - ele também perdeu a sua carreira desportiva - devido a um estupido acidente de viação, motivado por uma noite em que, inconscientemente, arriscou tudo perder numa roleta russa de inspiração dionisíaca que o deixou paraplégico da cintura para baixo.

 

Vi pela primeira vez o Sergey jogar no velhinho Mário Duarte, em Aveiro, um campo acanhado inserido num jardim público, detalhe premonitório que anunciava o nascimento de uma bela flor do canteiro leonino.

 

A sua técnica (aliada à sua robustez e boa capacidade de remate) rapidamente me conquistou, mas ainda havia quem duvidasse...

 

Um dia, a vinte e quatro de Novembro do ano de mil novecentos e noventa e três, Cherbakov subiu ao Olimpo onde só os deuses se passeiam. Jogava-se uma partida da UEFA, em Alvalade contra o Casino Salzburg, e o nosso Cherba apostou as "fichas" certas. O seu golo foi um "all-in" que definitivamente afastou quaisquer vozes críticas: à saída do seu meio-campo, recebeu de pé esquerdo, serpenteou pela direita, aguentou o peso do primeiro adversário sobre o seu ombro, serpenteou pela esquerda, agora suportando a carga de um segundo austríaco pelas costas, a todos fugiu, imponentemente, como se tudo fizesse parte de um plano divino já pré-definido que qualquer contrariedade apenas atrasaria, e disparou um míssil daqueles provenientes da Guerra Fria, ansioso por finalmente se libertar, explosivo, que só parou nas redes. Golo!

 

Inesquecível! Cherba começava o caminho que muitos antecipavam o ir levar à Bola de Ouro. Tinha tudo, menos tino. A Perestroika era recente, os excessos da liberdade recém-adquirição compreensíveis e ainda havia os colegas russos do outro lado da Segunda Circular...

 

Dionísio e os restantes deuses, por um momento, fecharam os olhos e a tragédia aconteceu.

 

No final, um lamento, o de Cherba ter faltado ao encontro com a sua história, aquela que começara a desenhar nas quatro-linhas. Por ele e por todos nós."

 

IMG_4076.JPG

Os melhores golos do Sporting (26)

Golo de FIGO

Benfica-Sporting 

18 de Dezembro de 1993, estádio da luz

 

Na madrugada de 15 de Dezembro de 1993, vindo de um jantar em homenagem a Bobby Robson, saudoso treinador que acabara de ser despedido de forma irreflectida pelo nosso mais instável presidente, Cherbakov - um extraordinário jogador russo, já aqui relembrado nesta série dos melhores golos com um soberbo golo a passe de Balakov - sofre um brutal acidente de automóvel, por desrespeitar um sinal vermelho. Tragicamente fica paralisado pondo fim a uma carreira que já na altura era uma certeza.

Recordo-me do ambiente pesadíssimo dos dias seguintes, de Carlos Queiroz, acabado de chegar a Alvalade, a tentar transmitir toda a confiança, tanto a Cherbakov como aos restantes jogadores do plantel. Foi uma semana terrível e para culminar o Sporting deslocava-se à casa do seu maior rival no fim-de-semana seguinte, o acidente foi a uma quarta-feira. Vínhamos também do famoso verão que culminou com a chegada de Paulo Sousa e Pacheco, que tinham rescindido os seus contratos com o benfica por fax. Faxe que era o nome se não estou em erro de uma marca de cerveja (dinamarquesa?) e de forma irónica se tornou o nosso patrocinador dessa época.

A ida ao estádio da luz, o antigo, não ao pré-fabricado actual, revestia-se assim trágica, num ambiente único, pesado. A equipa do Sporting estava animicamente de rastos, tinha perdido um dos seus melhores jogadores mas acima de tudo Cherbakov era, continua a ser, uma excelente pessoa, que a todos contagiava com a sua boa disposição.

O golo que aqui recordo é desse jogo. Marcado por Figo. O golo em si não é dos mais bonitos, não tem uma dificuldade extrema, trata-se de uma bela antecipação ao guarda-redes do benfica na marcação de um canto. São os festejos que me marcaram. É a expressão de raiva de Figo a gritar o diminutivo Cherba, é o rosto de todos os jogadores do Sporting, que festejam um golo na casa do seu maior rival mas que não têm ali a cabeça. Pensam apenas no seu colega de 22 anos que está sem se mexer na cama de um hospital. E sabem que assim ficará para sempre.

 

Cherba, 20 anos depois

 

Apesar do trauma que foi a temporada 2012/2013, por muitos considerada a pior época de sempre do Sporting, pessoalmente, houve uma época que me deixou ainda mais marcas. Falo da temporada de 1993/1994. 

Tinha 10 anos, e do meu grupo de amigos e colegas de escola, era o único que ainda não tinha visto o seu clube campeão. «O Sporting nunca chega ao Natal», era sentença que gostavam de me atirar à cara com frequência.

Até que, de repente, um senhor inglês com ar de avôzinho simpático, e que falava um português muito engraçado, pôs a "jogar à bola" aquela que, na opinião de muitos, e na minha também, foi a melhor equipa do Sporting dos últimos 20 anos: dos campeões mundiais sub-21 Nélson, Paulo Torres, Capucho, Luís Figo e Peixe, bem como o melhor marcador desse mundial Cherbakov, passando por Paulo Sousa, Cadete, Valckx, Balakov, Iordanov e Juskowiak. Que equipa!

O Sporting nessa temporada chegou ao 1.º lugar, a jogar o melhor futebol, e era uma equipa imbatível. O mito do Natal mostrava-se, manifestamente, exagerado. 

Pela primeira vez na vida, deparava-me com um Sporting que vencia e convencia, e que se revelava a equipa melhor preparada para conquistar o tão desejado título que lhe fugia para mais de 10 anos.

Até que um jogo mal conseguido na Áustria, onde de uma situação de 2-0 na 1ª mão, o Sporting vê-se eliminado da taça UEFA, origina o impensável: a demissão do treinador! José Eduardo Bettencourt não o poderia ter descrito melhor: foi uma precipitação à Sporting!

Com treinador despedido, que o rival nortenho, rapidamente, trataria de aproveitar a seu favor (com as consequências que se conhecem...), e ainda a digerir uma eliminatória perdida de forma incrível, eis que somos surpreendidos com mais um acto da tragédia que se apoderara de Alvalade: um brutal acidente de viação atira Cherbakov para uma cadeira de rodas!!!

“Cherba” era um dos meus jogadores favoritos da equipa. Não só jogava muito à bola, como tinha uma forma especial de marcar os golos: saíam sempre "golaços". Era um jogador que prometia muito na equipa do Sporting.

O trágico final da sua carreira, no espaço de poucos dias em que o Sporting é eliminado das competições europeias e o treinador despedido, constituiu um duro golpe para a equipa e para o trajecto que vinha fazendo, e que não mais voltou a ser o mesmo.

Ontem assinalaram-se 20 anos desde o horrível acidente que interrompeu, de forma definitiva, a promissora carreira de Cherbakov. Perdeu-se um grande talento, um grande jogador, e um campeonato. Salvou-se a sua vida, no que é o mais importante, afinal de contas.

Mas ninguém me tira da cabeça o que teria sido o Sporting nesse campeonato, e nas épocas seguintes também, se Bobby Robson não tivesse sido despedido precipitadamente, e Cherba não tivesse tido o acidente… 

Um Golo do Outro Mundo

Se me perguntarem qual o melhor golo que já vi, terei, como todos nós, muitas dificuldades em mencionar só nove ou dez, começo a pensar, a recordar-me de um aqui, de outro ali, e rapidamente chego a números muito mais generosos. Se me limitar ao Sporting, a dificuldade não é, naturalmente, tão grande. Há um, no entanto, que pela sua espectacularidade e pela qualidade técnica que exigiu a dois jogadores, Balakov e Cherbakov, o autor do remate, permanecerá, para sempre, intocado na minha memória. Foi num jogo com o Beira-Mar, em 8 de Maio de 1993, no Estádio José de Alvalade. Fabuloso. 

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D