Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Benfica-Porto, hoje

porto.jpg

O mais prestigiado clube da cidade natal do meu pai e do meu avô paterno. Agremiação com grandes sucessos e capacidade mobilizadora daquelas gentes. Faço votos dos seus bons sucessos hoje diante dos sempre malvados. E que os sucessos sportinguistas não se alimentem de trambolhões alheios ou - muito menos - de quaisquer feitos dos arrebitados de Carnide.
Força Porto!!!

O futebol é um país à parte?

licensed-image.jpg

O esloveno Sporar veio trabalhar para Portugal. Durante um ano esteve na empresa SCP. Depois foi trabalhar para a empresa SCB. Presumo que naquele primeiro ano terá construído relações de companheirismo, talvez até de amizade, com os seus colegas - algo até potenciado pela sociabilidade típica da sua actividade, desporto colectivo em equipa de topo, envolvendo jovens em constantes estágios e deslocações. Ao fim deste ano e meio os seus colegas iniciais aprestam-se a uma conquista rara e muito desejada. Na qual ele participou. Isso não só lhe trará a satisfação de ver os seus pretéritos companheiros bem-sucedidos como lhe dará a ele próprio recompensas: estatutárias (tem a possibilidade de se tornar campeão). E porventura até económicas, pois admito a hipótese de ainda receber o prémio devido se tal conquista acontecer. Mais, esse hipotético sucesso da empresa SCP, com a qual Sporar ainda tem contrato laboral, nada prejudica o seu actual empregador. 

Dito tudo isto: numa rede social Sporar saúda um seu ex-colega que celebra um triunfo. E o patronato multa-o! Pode-se dizer que estes rapazes ganham muito, pode-se aventar que a multa até será simbólica, pouco relevante para as quantias que um futebolista internacional recebe. Mas isso não é o relevante. Pois isto é inacreditável. Estamos em 2021 e um homem é multado porque saúda a alegria dos colegas e o resultado do que foi também o seu trabalho. Portugal 2021. E o pessoal encolhe os ombros...

Jogo a Jogo

adepto.jpeg

(eu mesmo, jpt, durante o Europeu 2004 e o de 2016)

Em 2000, e após 18 anos de jejum, o Sporting foi campeão, o último jogo em Vidal Pinheiro. Eu vivia em Maputo, lembro-me de ter andado a apitar pelas avenidas Julius Nyerere, Eduardo Mondlane, praça Robert Mugabe e por aí afora, esfuziante. E depois ter passado horas diante da televisão a acompanhar, via RTP-África, o autocarro do clube naquele regresso ao Estádio José de Alvalade. Vendo o povo - o Universo Sporting como ainda não se dizia - orlando viadutos e rodovias, saudando os até-que-enfim campeões. Que bebedeira naquela madrugada, que saborosa ressaca no dia seguinte! Meses depois dir-me-ia a minha mulher "andaste dias com um sorriso esparvoado, feliz"... E quão difícil me estava a ser aquele 2000, por razões que nada têm a ver com isto. E que, a bem-dizer, já nem recordo.

Agora neste "jogo a jogo", em todos estes "jogo após jogo", sinto-me quase assim. Sem euforias, sem clímax precoces, sem nada mais do que a satisfação do "jogo a jogo", do gozo prolongado, requintado, destes preliminares. Mas a angústia, ansiosa, até com riscos de disfucionalidade, assoma...

Pois a minha filha telefonou-me há dias, ao ler que a minha faixa etária será vacinada até 13 de Junho. Que fazer?, logo me suspendi... acabrunhado com a tardia data. Pois, se assim, como farei num destes próximos "jogo a jogo", num qualquer deles, durante este Maio que agora começa, como poderei eu andar noite longa, apenas de calções e cachecol, abraçando e beijando conhecidos e desconhecidos, entoando coros, infindas transacções de suores e perdigotos - essas agora famigeradas "gotículas" -, que a idade já pouco convoca outras mais pudibundas interacções de fluidos? Como me desvairar nessa nem tão longínqua noite junto ao Estádio José de Alvalade (o qual nunca mudou de nome) - mas jamais no "Marquês" dos sem-abrigo? 

Mas já me decidi, ainda que não o diga à minha filha. Nesse dia, no do "apenas mais um jogo", clamarei "Que se foda o Covid"!

Sérgio e Chico

202104284728_075747.png

A forma como vemos, como interpretamos os acontecimentos está muito ligada à nossa experiência pessoal, com as leituras que fazemos, também, mas há coisas que não se aprendem nos livros, só fazendo, errando, corrigindo, tentando de novo, conseguimos melhorar.

Já Camões falava do "saber de experiência feito".

Há quase um ano eu não fazia ideia naquilo que me ia meter, neste ano fiquei muito mais desperto para as questões relacionadas com a parentalidade, como é a relação pai/filho em 2021? será igual à relação pai/filho entre Sérgio e Chico Buarque? Será igual à relação pai/filho entre Sérgio e Chico Conceição?

Era, precisamente, esta última que queria analisar.

Quem acompanhou a carreira de Francisco Conceição no Sporting lembra-se de um miúdo "sempre-em-pé" com a técnica que lhe reconhecemos mas com uma grande capacidade de utilizar o corpo franzino e a velocidade em seu proveito. O Francisco Conceição do Sporting era um miúdo que cruzava e rematava bem, incluindo remates de fora da área. Agora faz da área uma piscina.

O que aconteceu? Ou como diria Luís Filipe Vieira, o que passou-se?

Cada clube tem a sua mística.

A do Sporting é vencer de forma honrada, a do Porto é "vencer à Porto" os fins justificam os meios. Para um adepto do Porto é legítimo tentar ludibriar um árbitro e se o juiz não se deixa enganar a culpa é dele. Um árbitro quando vai apitar jogos do Porto não pode ser isento, nem idóneo tem de ser "normal", ser normal implica beneficiar o Porto.

O que pensará Chico sobre o futebol que o pai lhe pede para jogar?

A palavra mais utilizada por Sérgio deve ser a palavra cair; "vais lá para dentro cais em cima deles, cais mesmo, carrega, procura os pés deles, os braços, o que for e depois cais com força e grita como se estivesses a morrer".

Fica a reflexão; qual o pai que quer ver o filho cair, que o manda cair? qual o pai que ver o filho gritar, que o manda gritar?

Deverá um pai ser exemplo para o filho?

Gesticular, insultar, tentar agredir, ser expulso, será um bom exemplo?

Rui Moreira

1473882.jpg

São 40 anos disto. O historial das influências manipuladoras dos resultados desportivos nunca será completado, muitas esquecidas na voragem dos tempos, outras silenciadas, por falta de provas e de coragens. Modo de estar amparado por acólitos que tendiam a sovar jornalistas - ainda me recordo da impunidade com que, no Aveiro de 1988, foi agredido o grande jornalista Carlos Pinhão, aos seus 64 anos. E modo de estar catapultado pela inércia judicial e pela cumplicidade política, em particular autárquica - poucos ainda se lembrarão quando o presidente da câmara Fernando Gomes, encavalitado no clube, desceu a Lisboa arvorado em ministro e com sonhos de conquistar não o Jamor mas sim São Bento. Foi-lhe breve o enleio, logo tendo regressado, capachinho entre as pernas, para a administração do F.C. Porto entre outras sinecuras. 

Neste longo consulado de "Jorge Nuno", como o saúdam os apaniguados, o hábito de atiçar jagunços para espancar jornalistas seguiu algo viçoso nas suas duas primeiras décadas. Depois feneceu, pois a sucessão de triunfos internos desestruturou clubes rivais, amainou a competição. Nesse rumo mais favorável impôs-se a procura de respeitabilidade pública. E nisso o culto da "mística" do clube foi apelando cada vez mais a uma qualquer "alma" feita de arreganho desportivo, depurando-se da imagem de corsários em abordagem: a fleuma de Robson e a sua versão lusa, por isso algo mais arisca, em Santos, Jesualdo Ferreira, e mesmo no júnior Villas-Boas, foi-se sedimentando, apesar da alguma irascibilidade bem-sucedida de Pereira ou Mourinho.

É certo que a vigência de uma placidez - democrática - nunca foi absoluta, e que a vertigem provocatória e agressiva nunca desapareceu, com a própria conivência da imprensa. Lembro-me que há alguns anos um conhecido comentador televisivo atreito ao SLB foi "abanado" num restaurante portuense por um famigerado líder de claque portista. Como tantos deixei eco disso no meu mural de FB, lamentando o facto. De imediato recebi um bem-disposto comentário desvalorizando o abanão no sexagenário mediático, algo tipo "foi coisa pouca". Respondi-lhe, indignado, "como é possível que sendo V. o nº 1 da Lusa desvalorize uma situação destas em nome do seu clubismo?". Logo o arauto me insultou e cortou a ligação-FB. Lembro este "fait divers" para sublinhar isso da vontade agressora não residir apenas nos aprendizes de proxeneta medrados na Invicta, pois sempre seguiu robusta naquele mundo de "senhores doutores".

As décadas passaram. O natural ocaso do octogenário "Jorge Nuno" é este, o que agora acontece. O controlo do jogo algo se reduziu, devido à dança de poderes nos meandros nacionais mas também à introdução de tecnologias electrónicas na arbitragem. E nisso, no envelhecimento do prócere e no crescimento do imprevisto futebolístico, voltou-se ao culto do "pancadarismo". O rufia treinador, desde ontem cognominado "Sérgio Confusão", cujo histrionismo passa incólume, afirma-se como "imagem de marca" do clube ressuscitando a velha ideia da tal "mística" corsária. O que inclui, claro, o espancamento avulso de jornalistas - agora já não por obscuros seguranças de bordéis portuenses mas por "empresários" montados em carros de estatuto, uma óbvia gentrificação da escroqueria portista.

No meio de tudo isto, antigo exaltado porta-voz televisivo das manobras clubísticas e agora eleito figura-maior dos órgãos do clube - apesar da propalada actual renitência do poder político em associar-se aos mariolas do futebol -, qual putativo Delfim, flana Rui Moreira, o presidente da Câmara do Porto. De (quase) tudo soube, de tudo sabe, a tudo anui. E assim ... a tudo conspurca.

Angústia para o jantar

"Não vou ver o jogo Braga, Sporting, às 20H00 estamos a jantar"

Sérgio Conceição

Entrada - Saída de Gonçalo Inácio

Prato principal - Sporting de cebolada, cozinhado por Artur Soares Dias.

Prato secundário - Frango à Matheus cozinhado por Matheus Nunes

Sobremesa - Cartões amarelos, qb, para jogadores e técnicos do Sporting.

Digestivo - Alka-Seltzer

Superstições

braga.jpg

(Sou ateu, daqueles mesmo racionalistas. Alheio a quaisquer crenças, desde as mais complexas teologias aos mais comezinhos tiques e manias. Sou antropólogo e nisso está-me vedada a aversão a essas  explicações ou intuições sobre as coisas do mundo. São assuntos, problemáticas a entender, representações do mundo que devemos interpretar. Mas não há forças metafísicas, nem mesmo sorte ou azar, não há qualquer entidade salvífica ou punitiva. Mas ainda que respeite essas construções tenho um particular menosprezo pelas crendices chãs, os agoiros e maus-olhados, meras superstições obscurantistas...)

Devido a sucessos próprios e a insucessos dos clubes rivais ali ocorridos nestes últimos meses, nos meus locais facebook/whatsapp tenho, com evidente satisfação sarcástica, repetido este dito: "O meu coração está no distrito de Braga ... De Terra de Bouro a Vizela, de Cabeceiras de Basto às águas de Esposende ..."

E tremo hoje, angustiado: será que esta minha atitude, este meu pecado de soberba, minha impiedade, terá agoirado algo, virá a prejudicar os nossos rapazes, impedindo até o nosso desiderato? E, arrependido, vergado, faço a promessa à(s) Entidade(s) reguladora(s), ao Grande Árbitro: se ganharmos hoje naquela Pedreira cruzarei o Trancão e irei banhar-me nas gélidas águas de Esposende...

Passos seguros, sem neurose

Agora que a cabeça está mais fria, permitam-me dizer duas ou três coisas. O último jogo não foi pior do que os dois ou três anteriores, em termos de jogo de equipa, oportunidades criadas, domínio e jogo. Foi pior em termos de eficácia na "caro do golo", no essencial. O resultado mais justo era claramente a vitória. E não foi mais fácil do que qualquer um dos dois ou três anteriores. Pelo contrário, o Famalicão teve uma entrega, abnegação e organização impecáveis.

Dito isto, não tenho bodes expiatórios. Desculpem. Nem Paulinhos, nem Rúbem Amorim, nem Jovane.
Não sei se vamos ser campeões, não estou com uma fé desmesurada. Mas também é verdade que há muitos anos não sentia o Sporting tão firme num lugar a que chegou jornada após jornada, com a regularidade refletida em 20 vitórias e seis empates. Não foi um acaso. Uma estrelinha. Foi algo construído, jornada após jornada, que ninguém antecipava e que se prolongará até às últimas jornadas do campeonato que está a cerca de um mês do seu termo.

Também não tenho a sensação de que estamos em perda, desculpem. Talvez alguns não me acompanhem, mas a verdade é que ainda ninguém ganhou nada, neste campeonato. Assegurámos a presença nas competições europeias, vá. 

Dito isto estou com uma vontade enorme de apoiar a equipa e acho que temos excelentes condições para conseguir ganhar, naturalmente, este campeonato.

O pior que nos pode acontecer é hipotecar essa excelente posição com excesso de nervosismo, dúvidas existênciais absurdas onde se possa querer começar a pôr em causa tudo que de bom se fez e onde se perca a capacidade de identificar o que de bom está a ser feito e deverá ser mantido e melhorado.

É preciso confiar para que o trabalho renda e, do que vejo, o trabalho que se tem feito tem sido do melhor que se poderia pedir face aos recursos que temos, ao histórico do clube e ao enquadramento mal cheiroso do nosso futebol.


O próximo jogo é, de longe, o mais importante da época. Tal como foi o último. Isto não é um jogo de palavras, é o único caminho que podemos ter. E vamos encontrar até ao fim da época 8 jogos assim. Ou contra adversários diretos ou contra equipas desesperadas por sacar um pontinho para assegurar a manutenção.

Talvez nem todas tenham a qualidade organizativa do Fama mas desconfio que todas terão a abnegação e entrega que temos visto. A nossa capacidade de sacrifício e de uso inteligente dos nossos recursos tem de ser pelo menos igual, de preferência melhor à do adversário de cada jogo (se for humanamente possível).

Como bem sabemos, caso ambas as equipas tenham a mesma fome de disputar a partida, nem sempre, pela sorte do jogo e seus ajudantes mal convidados, a melhor qualidade é suficiente para desequilibrar o jogo a nosso favor. Por isso, querer um bocadinho mais é fundamental.
 
Que venham as 24 melhores arbitragens da época nos jogos dos três da frente e que venham pelo menos mais 19 pontos dos 24 possíveis, para o Sporting, até ao final do campeonato.

Saudações leoninas.

Os 2 centímentros de Moreira de Cónegos

21678034_8EChJ.jpeg

A propósito dos dolorosos dois centímetros cónegos recordo o que botei, aqui e alhures, em Abril de 2019, a propósito de um Manchester City-Tottenham. Resmungando sobre "...o anti-clímax que está a ser o vídeo-árbitro. Tecnologia que é preciosa, para reduzir erros e para combater a mariolagem arbitral. Mas cuja utilização trouxe uma vertente "tecnocrática", uma mania de "justiça" que de tão maximalista, pois milimétrica, não é ... justa. (...) Feito intelectual da bola, julgo que para manter o entusiasmo do jogo e para preservar a boa tecnologia são precisas duas mudanças: uma alteração legislativa e uma diferente jurisprudência."

Pois "Venho devido ao VAR, que foi influente no jogo. O 5-3 nos descontos finais, a suprema reviravolta, é a festa do futebol, o apogeu da ideia de clímax na bola. E depois anulado pelo VAR, o cume do anti-clímax. Ora isso está a acontecer imensas vezes, e é óbvio que vem retirando brilho, paixão, ao jogo. O VAR é fundamental, é óbvio que reduz os erros dos árbitros e que é um grande instrumento contra a protecção aos grandes clubes e contra a corrupção - promovida pelos clubes e por essa relativa novidade das apostas desportivas privadas e avulsas. Mas ao quebrar o predomínio da paixão e da festa arrisca a tornar o jogo mais cinzento e, nisso, a ilegitimar-se. 

Assim, as suas imensas capacidades tecnológicas de observação desumanizam o jogo. (...) [No caso do] fora-de-jogo. Há que recuperar o ideal da protecção do avançado em caso de dúvida na aplicação desta lei, de uma (muito) relativa indeterminação. Anda tudo a aplicar ilegalidades ínfimas, se o calcanhar de um está adiante ou não, se o nariz do avançado pencudo está à frente das narinas achatadas do defesa. Veja-se a imagem do tal 5-3, que beneficiaria o City: Aguero está em linha, de costas para a baliza tem apenas o rabo gordo à frente do defesa. Que interessa isso para o fluir do jogo? Urge recuperar essa ideia do "em linha", e permitir que o avançado esteja "ligeirissimamente" à frente do defesa: se confluem, relativamente, numa linha horizontal ... siga o jogo. Claro que depois se discutirá se o calcanhar dele estava ou não em linha com a biqueira do defesa. Mas serão muito menos as discussões. E haverá mais golos. E, acima de tudo, menos anulações diferidas. Donde haverá mais festa, mais alegria exultante. É esse o caminho para a defesa da tecnologia. E da paixão. Julgo eu, doutoral aqui no meu sofá."

Mas, infelizmente, não sou consultor da FIFA ou da International Board, qual Arsène Wenger luso. E que jeito me daria o emprego ou a consultoria...

No Sporting-Porto

Vi o Sporting-Porto, e não via um jogo nosso há já meses. Fi-lo em casa de grande amigo, como tantas vezes acontece, dos jogos fazendo pretexto para petiscaria fina. O melhor camarote que há, onde congregamos grupo de sportinguistas amigos desde a infância. Teoricamente seria eu o mais atento, dado que os meus "manos" estão mais mergulhados nas proezas do Miguel Oliveira. De facto, talvez nem tenha sido assim tanto, dado que após o lance de Godinho me encontrei distraído sentado à mesa, costas dadas ao ecrã, bebericando, tasquinhando e palrando com as senhoras presentes, as amigas de décadas casadas com os aficionados ali espojados nos sofás, elas sempre algo superiores, ainda que solidárias, à nossa futebolite.

Mas lá me reintegrei na "moldura humana". Tenho entre aquele plantel algum prestígio futebolístico pois, ainda que todos da mesma idade, sou o único que me lembro do Manaca, Alhinho, Bastos e Carlos Pereira e, presumo, até mesmo do Miguel Garcia. E, cume dos cumes, escrevo no És a Nossa Fé, dimensão autoral que dá crédito às minhas doutas opiniões sobre o jogo. E como tal - entre o bom vinho (Douro Post Scriptum 2018, muitíssimo bebível a preço nada proibitivo), a muito composta tábua de queijos, um apreciável cajú (Loja Cafélia, ao que fui informado), alguns produtos de fumeiro de origem bem referenciada, e ainda antes da aguardente de excelência, a qual só depois assomou, a lavar a alma do desgosto do empate - lá fui, com sageza de especialista, resmungando com as desatinadas opções tácticas do treinador Ruben Amorim. A compor uma equipa sem avançado centro, que é coisa que Jovane Cabral não é nem será, a moldar um esquema assente no Adan para Coates, Coates pontapé para a frente há espera que algum extremo em correria a consiga apanhar, o que tanto me lembra as desventuras de Anderson Polga durante as infindas décadas em que infernizou o meu sono adepto. 

Depois vieram as substituições, a fazerem-me engasgar entre a devolução dos caroços de azeitona. E logo assinalei aos amadores espectadores que me ombreavam que "o gajo" (o Amorim) meteu uma série de jogadores avançados (Vietto, Tiago Tomás, Plata, João Mário e Sporar), típica solução desesperada aquando inexistem soluções tácticas. E assim partiu a equipa toda, o Sporting deixou de jogar para além dos repelões, a derrota - ainda para mais diante de um Porto algo sabido e ríspido - estava garantida. Enfim, a nossa tradicional incompetência, aliada à influência da manha arbitral. E todos anuíram a esta minha análise, mais avisada do que a deles.

Depois, lá para o fim do jogo, surgiu este golo, antecedido de uma bela Esporada à Sporar, já agora ... Riu-se o dono da casa e clamou(-me) "ouve lá, foram os tais avançados que fizeram o golo ..."! Escorropichei o copo, reenchi-o. "G'anda Rúben Amorim!", "que coragem", sublinhei, e viva ele pois "meteu a carne toda no assador", como agora se diz. Temos Homem! E plantel!

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D