Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Ponto da situação

1

Seguimos em terceiro no campeonato, em igualdade pontual com FC Porto. A um escasso ponto do Benfica, ainda líder da prova.

2

Temos a defesa menos batida da Liga 2021/2022: apenas quatro golos sofridos em oito jornadas. Só o Portimonense exibe o mesmo registo.

3

Continuamos invictos, sem derrotas. Só o FC Porto pode gabar-se do mesmo.

4

Somos a única equipa com aspirações ao título que já defrontou dois dos quatro primeiros classificados da época passada: FC Porto (empate) e Braga (vitória).

5

Mais importante que tudo o resto: só dependemos de nós.

Sporting sinfónico

Para apreciar melhor o segundo golo do Sporting de ontem será de vistas curtas reparar apenas no estupendo passe de Esgaio que leva a bola até aos pés daquele que fabrica algoritmos com a ponta da bota, pois os seus remates saem de geometria perfeita na curva do arco, na altura do voo, na direcção inevitável  que levam. 

Pedro Gonçalves estava nesse momento isolado próximo do segundo poste. E estava sozinho porque foi ali ter em resultado de uma longa jogada em que toda a equipa havia antes, por duas vezes, tomado de assalto a linha defensiva do Vizela por todos os flancos. Duas vezes a bola é rechaçada e de imediato recuperada quase à entrada na área e quando na terceira investida chega aos pés de um Esgaio livre e com espaço à direita, já os adversários estavam completamente desbaratados e desnorteados. 

O segundo golo do Sporting é de antologia: o futebol é um jogo colectivo e dinâmico, onde cada peça deve saber onde estar e o que fazer. O segundo golo do Sporting foi um puro produto do treino e de quem o administra. Pode ser viciante o hábito de se irem vendo maravilhas destas em Alvalade.

Inaceitável

Um país, dois sistemas?

Marítimo e Nacional anunciaram ontem que passarão a ter adeptos em metade das bancadas disponíveis nos respectivos estádios nas provas futebolísticas prestes a começar.

Em relação aos estádios do continente, essa autorização ainda não foi concedida pelas autoridades sanitárias.

Acontece que o campeonato nacional de futebol é uma prova de âmbito nacional e não regional. Deve desenrolar-se com regras precisas, claras e uniformes para todos os clubes. Se uns contarem com público e outros não, isso representará uma grosseira violação das elementares regras de equidade na mesma competição.

Trata-se, portanto, de algo inaceitável.

Campeões também na formação

- O Sporting é a sétima equipa das dez principais ligas europeias com a maior percentagem de minutos utilizados por jogadores da formação: 26,3% de todos os minutos no nosso campeonato são preenchidos por profissionais oriundos da Academia de Alcochete. A "pardalada", como diria o inefável Joaquim Rita.

- A larga distância ficam o FC Porto (segundo na lista portuguesa), com 12,6%, e o Belenenses SAD (terceiro), com 8,6%. Em matéria de aproveitamento da formação, o Sporting ultrapassa o dobro da percentagem dos portistas.  

- Na mesma lista, o Benfica surge em quinto lugar. Com apenas 6,8% de utilização de elementos da formação no conjunto de minutos jogados pelo plantel encarnado neste campeonato. Percebendo-se assim melhor como a aposta de um SLB "made in Seixa" de Luís Filipe Vieira era apenas propaganda eleitoral destinada a iludir os adeptos desse emblema.

- Sem surpresa, mas com pesar, verificamos que desta lista constam oito clubes que desprezam a própria formação ou não a desenvolvem minimamente: são meros entrepostos de compra e venda. Entre eles, alguns muito louvados pelos comentadores nesta época 2020/2021: Famalicão, Santa Clara, Paços de Ferreira e Moreirense.

- Dez dos dezoito clubes da nossa Liga 1 têm um aproveitamento abaixo dos 5% ou simplesmente nulo. E 16 estão abaixo dos 10%. As excepções são precisamente Sporting e FCP.

 

Tudo neste texto de JFCC, d' A Tasca do Cherba. Que também fala da importância da nossa formação em andebol, futsal e hóquei em patins. E faz uma análise minuciosa da nossa equipa B, com lugar na nova Liga 3.

A força do homogéneo

"Tiras um Leão de campo e ainda ficam lá dez", foi a frase que ficou no ar da entrevista de Pedro Porro ao ADN de Leão. É uma frase forte e que significa muito mais do que uma metáfora para o que aconteceu contra o Braga.

Ao revisitar mentalmente a época do Sporting, apercebi-me de que não há um flop. Não há um jogador ao qual se possa apontar o dedo. Todos foram úteis. E o oposto também é verdade. Apesar da grande época de Coates, todos os jogadores foram importantes na devida altura. Desde as defesas do Adán aos golos de Pedro Gonçalves, passando pelo esteio que Palhinha mostrou ser, não há um jogador que se possa dizer que não tenha sido importante. Até João Pereira, que muitos disseram que se vinha reformar, mostrou ser muito útil nos últimos dois jogos.

O Sporting foi campeão por ser homogéneo. Sai um, entra outro, o Sporting continua a jogar o suficiente para vencer.

E foi assim que nos tornámos campeões. Sem focos nas individualidades, sem pára-raios de atenção, sem "messias" em lado nenhum. Apenas com abnegação e muito trabalho.

Mais, quero mais

 

Talvez ainda não tenha interiorizado tudo o que aconteceu, como se o que aconteceu fosse corriqueiro. Mas neste momento penso sobretudo em ganhar os dois jogos que faltam da temporada (é no que devem pensar jogadores e equipa técnica) e repetir uma época assim já para o ano (é no que deve pensar a estrutura dirigente). Sabem quantas vezes o Sporting terminou uma época sem derrotas no campeonato? Mais importante: sabem há quantos anos o Sporting não vence dois campeonatos seguidos? Pois. Pensem nisso. E agora, depois de dizer isto, quero dar os meus parabéns a esta fantástica equipa. Muito obrigado.

Está quase...

Dizia eu há uma semana, depois da vitória contra o Nacional: "Ganhámos mais que merecidamente a primeira das cinco finais e temos no meio da semana a oportunidade de chegarmos ao título, caso vençamos em Vila do Conde e o Benfica ganhe na Luz. Nesse caso serão 9 pontos de vantagem com três jogos para jogar, e não haverá Godinho nenhum que nos tire o caneco."

Parece que sou bruxo. Não no que respeita aos dois resultados referidos, esteve mesmo quase mas falhei por uns 20 centímetros, mas na parte final da frase: tinha mesmo que vir o Godinho tentar roubar-nos o caneco. Ou pelo menos de o assegurarmos amanhã à noite.

Foram 4 pontos perdidos às mãos deste senhor esta temporada, fora as multas e castigos. 

Mas desta vez não vai ter hipóteses. A viúva mora já no frigorífico.

 

#OndeVaiUmVãoTodos

SL 

Ponto da situação

estadio-jose-alvalade.jpg

 

1

Com 79 pontos, estamos a um passo de reconquistar o campeonato nacional de futebol. Após um longo e penoso jejum de 19 anos. 

Faltam-nos dois pontos para atingir essa meta. Uma vitória, portanto. Ou dois empates. O título já não nos foge.

 

2

Há quem reclame exibições de excelência aos pupilos de Rúben Amorim. Não é o meu caso.

Eu quero títulos, em primeiro lugar.

Em segundo lugar, quero títulos.

Em terceiro, idem aspas.

Só depois exijo boas exibições.

Entretanto, recordo que este vitorioso Sporting 2020/2021 não foi reforçado com jogadores que custaram mais de cem milhões de euros, como o Benfica, nem recebeu milhões da Champions, como o FC Porto.

Também não me esqueço que nunca entrou em campo sem portugueses nem jogadores da formação no onze titular. Ao contrário de Benfica e FC Porto.

Vencer o campeonato com uma equipa jovem, onde há vários jogadores formados na nossa Academia, é motivo redobrado de orgulho.

E motivo de inveja para os nossos rivais. Que também apregoam a formação mas não a praticam.

 

3

Neste momento, a três jornadas do fim, seguimos com mais oito pontos que o FC Porto, mais doze do que o Benfica e mais vinte que o Braga. Sem derrotas.

A enorme distância pontual que mantemos face à equipa minhota - que sonha ser clube "grande", tarefa impossível com um presidente tão pequeno - só me faz rir. Porque bem recordo o que diziam os pseudo-catedráticos do esférico no início da época, apontando o Braga como "equipa sensação" do campeonato. Enquanto outros, já a meio da temporada, proclamavam que os encarnados do Minho praticavam "o melhor futebol" da Liga.

Esta gente nem se apercebe dos disparates que vai bolçando...

Continuamos a poder ser campeões sem derrotas, acreditemos

Muita malta temos entre nós que não acredita que podemos ser campeões. Fico sem perceber se desses a maioria é apenas racional e não quer alimentar expectativas que venham a sair goradas, ou se, por outro lado, não acreditam que esta equipa e o seu líder conseguem ser campeões. Achando deles que não têm estaleca nem futebol para tal façanha.

Parem com isso! Metam lá isto na cabeça: para esse discurso bota-abaixo e derrotista bastam os nossos adversários. E eles não são poucos. 

Ontem, a superioridade do Sporting relativamente ao B foi, é, de uma evidência indiscutível. Se a memória não me falha fizemos 27 remates à baliza, o B fez 2. Os mesmos que lhes deram os golos marcados nas poucas vezes que foram lá à frente, sem futebol que justificasse vantagem tão grande, a não ser a nossa ineficácia e erros defensivos, condenáveis, sim, mas não ao ponto de nos atirar para a forca.

Não contando com a cambada de trogloditas frustrados e anti-Sporting, ainda que se afirmem sportinguistas, sobram muitos pessimistas entre nós. E não devia ser assim. Ouvir tantos dos nossos dizerem a cada empate que "não jogamos nada", que "já fomos", que "isto vai para o Porto", "não, vai para o Benfica" é para mim um exercício de auto-fagia, estéril, infrutífero. Um mero passatempo masoquista. 

A malta, muitos de nós, fala como se o Sporting ganhasse campeonatos de dois em dois anos, de três em três. Como se no período dos últimos dez campeonatos tivéssemos sido bicampeões, tricampeões, tetracampeões.

Baixem a bola e apoiem a equipa. Não se distraiam com medos e desesperanças. Continuamos líderes. Invencíveis. Só dependemos de nós para conquistarmos o título. Chamem-me o que quiserem mas para mim tudo o que não seja apoiar expressamente esta equipa e acreditar nela, reconhecer que nunca esperámos que nos pudesse dar tanto, que é jornada atrás de jornada líder, que ontem apesar do empate deu mostras de ter fibra, para mim tudo o que não seja acreditar que este fantástico grupo nos pode dar o tão sonhado títitulo de campeão nacional de futebol é um atentado ao Sporting.

Um assalto em curso

Na próxima quarta-feira o Sporting Clube de Portugal vai jogar contra um ectoplasma denominado B SAD, espécimen único no futebol europeu, e talvez mundial, e evidência viva da asquerosa impostura que é o futebol em Portugal. Esta coisa B é uma entidade sem adeptos nem instalações, que roubou a posição ao venerável Belenenses. Ora um clube é suposto ter uma base social de apoio e estar domiciliado numa comunidade. Este é o primeiros escândalo do B, o segundo é que no mundilho peçonhento do futebol português, no qual obviamente se deve incluir a comunicação social que nele se pendura, ninguém se escandalize com isto e exija a erradicação desta abencerragem para dar lugar a um clube normal.

Mas se o B não tem adeptos então praticamente não tem rendas de bilheteira a não ser a fornecida pelos adeptos dos clubes que o visitam. Sem adeptos também seria suposto não ter qualquer capacidade de atrair investimento publicitário. Portanto a primeira coisa que o B prova, pelo simples facto de continuar a existir, é que no futebol português os adeptos não valem um caracol. Os que vão ao estádio são apenas elementos cenógraficos para dar ambiente aos jogos e os outros reduzem-se à condição de consumidores de TV e daquelas folhas de couve que por aí andam, ou seja, meros dados estatísticos para audiências. 

Então o B vive de quê? Vive da tranche que lhe cai no colo dos direitos televisivos geridos pela Liga e das transações de activos, isto é, de jogadores. Que o B continue a existir prova que este modelo de negócio é minimamente interessante. Não tem é nada a ver com futebol... Assim sendo é forçoso concluir que o B não passa de um parasita. Na verdade são os grandes (Sporting, SLB, FCP e Guimarães, os clubes com adeptos a sério, e um pouco o Braga, famoso por ter adeptos em "segunda mão"), aqueles que geram de facto receitas, os que têm capacidade de atracção de investimento, que alimentam o B. À primeira vista pareceria justo e equitativo que os direitos televisivos estivessem centralizados na Liga para melhor os distribuir pelos clubes ditos pequenos, assim alavancando o seu valor e torná-los mais competitivos o que teria o efeito virtuoso de melhorar a qualidade do espectáculo futebolístico português. Como todas as ideias feitas isto é uma aldrabice. Centralizar os direitos é de facto espoliar os clubes de verdade para tornar os B da vida mais rentáveis, logo mais propícios à captura das SADs por corsários de meia-tigela. Em resumo: centralizar os direitos televisivos é injusto (o futebol a quem trabalha!), perverso porque alimenta ténias como o B e, sobretudo, muito suspeito.

 

"Este Sporting"

Fazendo um voo rasante por redes sociais de supostos adeptos do SCP, leio diversas frases depreciativas para a nossa equipa. Que começam, várias vezes, pela expressão "este Sporting". Escrita com aparente desprezo.

Pois "este Sporting" acaba de superar um recorde de 87 anos da história leonina em campeonatos de futebol: 27 jogos seguidos sem perder na mesma prova.

"Este Sporting" tem de momento o maior artilheiro da Liga: Pedro Gonçalves, com 17 golos. E a defesa menos batida: só 13 golos sofridos.

"Este Sporting" não sofreu golos em 16 das 27 partidas disputadas.

"Este Sporting" acaba de somar mais três pontos, tendo agora 69. Para já, nove acima do FC Porto e 12 acima do Benfica.

"Este Sporting" lidera há 21 jornadas, isolado, a prova máxima do futebol português.

"Este Sporting" está a cinco vitórias do título de campeão nacional.

A psicologia da natureza *

sportng-farense.jpg

A poucas semanas de poder sagrar-se campeão ao fim de dezanove anos de jejum, a coisa mais natural do mundo é que reine grande ansiedade não só entre os adeptos, mas principalmente entre os jogadores e a equipa técnica do Sporting. Na verdade se estivéssemos a seis pontos do primeiro não havia grande ansiedade a jogar contra o Farense.
Acontece que a ansiedade quando bem direccionada é um estado psicológico com grande potencial criativo. Não vale a pena negar a realidade, mas sim aproveitar o potencial que ela oferece aos protagonistas. A oportunidade de ficarem na história, nada menos.

Sendo assim, amanhã é cerrar os dentes, cair-lhes em cima e vencer o jogo.

 

* "Não contrariar a psicologia da natureza" era uma expressão sábiamente usada pela minha avó que Deus tem. 

Cabeça levantada, leões

Bem nos avisaram que este dia ia chegar. E nós, antes do alerta, sabíamo-lo. É assim há décadas. Tantas quanto as que sofremos pelo nosso Sporting que a canalha aldraba, apouca, falta ao respeito.

A coisa podre já começou a espalhar-se. Cada vez mais nauseabunda. Os ratos, que de águia nada têm e de dragão (por maioria de razão) menos ainda,  abruptamente, deixaram de nos chamar campeões e - como sempre desejaram e de nós pensavam e pensam - passaram a colocar-nos de novo na posição de chacota. 

Eles às vezes por aqui passam, tenho por isso a esperança que me estejam a ler. Para vocês, lampiões e andrades, sem as escrever faço minhas as palavras do Rúben Amorim. As mesmas que tantas vezes gritei do meu lugar em Alvalade para todos aqueles que alimentam o miserável sistema que domina o futebol português e que com ele ganham. E não nos deixam vencer.   

Há semanas que não troco um dedo de conversa com lampiões e andrades sobre o percurso vitorioso do Sporting desta época. Há semanas que não lhes dou saída. Sinuosos, rasteiros, mentirosos, os nossos rivais foram dizendo-nos que íamos ser campeões. Aldrabões e dissimulados, sem um pingo de fair play e espírito desportivo, não conseguiam esconder o desconforto a cada vaticínio de glória leonina. Na tromba deles, sem que o controlassem, lá estava o incómodo disfarçado a cada sentença do tipo "está  arrumado" ou "podem encomendar as faixas", que "nós (eles) não temos hipótese nenhuma" porque "este ano é vosso". 

A estas investidas, diárias (várias ao dia), assobiei para o lado. Optei por entrar e sair do monólogo lampiânico ou andrade com a frase: "A mim não me vês a atirar foguetes antes da festa, nem sequer a comprá-los."

Empatámos duas vezes seguidas, perdemos 4 pontos, e mesmo que continuemos com 6 de vantagem sobre o segundo classificado, é vê-los já a rir alarves entre eles. Unidos na chacota contra o Sporting. Convictos que depois das duas escorregadelas, o Sporting vai estampar-se ao comprido e ficar mais um ano a vê-los festejar.

No entanto, fica-me a dúvida: qual deles fará a alegada festa?

"O Porto vai ser campeão", prognostica o primeiro, "não, o título é para o Benfica", remata o outro.

Levantando a cabeça constato que a conversa referida tem como interlocutores dois sportinguistas. E envergonho-me. Além disso fico com vontade de escrever este texto, misto de convocatória e pedido: não nos deixemos levar pelo sistema. Não deixemos que o sistema vença.

Como a canalha que tem tudo para nos tentar deitar abaixo - e disso tem feito uso sempre que pode dentro e fora das quatro linhas -, também nós temos tudo para sermos campeões. E vamos sê-lo. 

Não há aqui precipitação nenhuma nem estou a atirar foguetes antes da festa. Opto por replicar aquilo que Rúben Amorim certamente dirá no balneário, a cada treino, antes dos jogos, no intervalo dos jogos, após cada jogo. Vamos ser campeões, leões. Dirá RA e nós devemos e temos de acreditar nele. Neles! O castigo de 15 dias aplicado ao nosso timoneiro não o calará, nem impedirá os jogadores de o ouvirem dizer que vamos ser campeões. E de o dizerem entre eles. Vamos ser campeões.

Cabeça levantada, leões!  

 

Favores ao Benfica, nem pensar

O Governo já veio esclarecer que não haverá público nas últimas cinco jornadas do campeonato nacional de futebol. Contrariando assim aquilo que o presidente da Liga, Pedro Proença, apressadamente viera declarar mal foram conhecidas as primeiras medidas de suavização do confinamento ainda em vigor.

Por uma vez, concordo com o Governo, que tão mal tem andado em matéria de desporto. Não faria qualquer sentido alterar as regras numa altura crucial da competição, favorecendo claramente um dos quatro clubes que disputam os dois lugares de acesso directo à Liga dos Campeões. Refiro-me ao Benfica, que beneficiaria com a presença de adeptos a puxar pela equipa no estádio da Luz em dois confrontos que poderão decidir a classificação final: o Benfica-FC Porto (que deverá disputar-se a 9 de Maio) e o Benfica-Sporting (previsto para 16 de Maio). Em flagrante contraste com o que sucedeu nos desafios correspondentes da primeira volta, disputados no Dragão e em Alvalade, com as bancadas vazias.

Assim as regras serão iguais para todos. É fundamental para manter a seriedade, a equidade e a transparência na principal competição desportiva em Portugal, garantindo a credibilidade daquilo a que alguns chamam "indústria do futebol". 

Durante meses, em textos vários, aqui defendi o regresso do público aos estádios. Quando as praias estavam cheias, as touradas decorriam com bancadas bem preenchidas e 30 mil espectadores acorriam ao autódromo de Portimão para verem provas motorizadas. Nessa altura os estádios mantiveram-se interditos por decisão governamental.

Paciência, se foi assim até agora será também assim até final. Favores ao Benfica, nem pensar.

Dário

30 pontos em disputa
10 pontos de avanço sobre o 2.° classificado
Faltam 21 pontos para atingir o impossível.

Nota pessoal: o meu filho é trabalhador-estudante. Exerce funções no pólo EUL, como secretário técnico das equipas. Iniciou as suas funções em 2016, como estagiário do Curso de Técnico de Gestão Desportiva que frequentou no Sporting. O escalão com o qual trabalhou nesse primeiro ano, era o dos 11-12 anos e tinha um menino chamado Dário Essugo. Ontem foi uma noite muito emotiva, para o Dário e para quem acompanhou o seu percurso. Estão de parabéns todos os que, na estrutura de formação do Sporting, conseguem mudar a vida destes miúdos. 

#VocesSabemLa
#ParaTeVerSempreNaFrente
#OndeVaiUmVaoTodos

A bem do futebol nacional

Urge moralizar o futebol português e pôr cobro à anomalia verificado nesta triste temporada que tanto tem perturbado a normalidade constituída e o sossego dos trâmites convencionados. Aqui se adiantam, por conseguinte, algumas intervenções sensatas e garantidas para um regresso à estabilidade.

1) A situação profissional de Rúben Amorim deve ser atalhada com a máxima  severidade.  É um ultraje à lógica e à legitimidade que um qualquer, destituído das certificações em vigor, possa sequer ter a oportunidade de apresentar resultados melhores do que os treinadores legalmente autorizados. Se estes em sede própria foram devidamente examinados e licenciados, então qualquer outra prova é espúria e nula, fruto de um engano, tanto mais despudorado quanto mais afirmativo. Rúben Amorim deve pois ser acusado de crime de sedição e sujeitar-se a uma pena de degredo sem quaisquer atenuantes.

2) É sabido que o castigo a Palhinha deveria ter sido aplicado no desafio do Sporting contra o Benfica e só o perverso estado de direito que vigora em Portugal admite que a lei geral cinja a justiça particular. A suspensão de Palhinha virá quando os juizes do futebol considerarem que decorreu o tempo suficiente à reflexão pausada e a uma ponderação tempestiva. Mas quando tal suspensão for aplicada, mesmo que seja na última jornada do campeonato, todos os pontos ilegitimamente auferidos pelo Sporting desde o jogo com o Benfica inclusive devem ser liminarmente anulados. A título de exemplo, se tal sanção fosse aplicada no próximo Sábado, o Sporting ver-se-ia privado dos 13 pontos irregularmente obtidos. 

3) O facto de o Sporting só jogar uma vez por semana ao contrário dos seus rivais que estão em várias frentes desportivas, tais como a Taça e as competições europeias, tem gerado uma gritante situação de falta de equidade. Alguma forma de compensação deve ser encontrada para no mínimo atenuar esta imparidade. Uma sugestão seria obrigar o Sporting a jogar todas as semanas fora de casa com uma equipa do campeonato japonês ou, em alternativa, do campeonato norte-coreano.

4) Como já alguém algures revelou as pontuações somadas de Benfica e Porto excedem a pontuação do Sporting. Manda o raciocínio lógico que então o título seja somente disputado entre estas duas formações. Resta apenas esperar que as singelas achegas aqui apresentadas contribuam para impedir que o futebol português não perca um grama do altíssimo prestígio de que goza.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D