Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

O que é isto???

Foi o que eu e Manuel José (ver Record) pensámos quando vimos o onze que Silas fez alinhar em Alverca, com três craques no banco, três tristes trincos que nada trincavam, e coxo do lado esquerdo.

Depois viemos a saber que Silas não quer heróis, quer uma equipa, e que considerou que a primeira parte foi bem melhor do que a segunda. Parece que depois do intervalo só queriam ganhar o jogo e não tentar repetir os elaborados esquemas tácticos que tinha andado a treinar.

Como se não tivesse sido um dos tais heróis o principal responsável pelas duas vitórias anteriores e não as desconchavadas tácticas que Silas se lembrou de apresentar.

Manuel José fala em imprudência, em desaproveitamento duma oportunidade de carreira que lhe caiu do céu. Eu falo de impreparação e deslumbramento

Agora leio que Silas, Viana e Beto foram para cima dos jogadores, já mais que à beira dum ataque de nervos (vide o Neto), e confundidos com tanta táctica e modelo de jogo novo para aprender.

Isto está a ir de mal a pior...

E se os três, todos juntos, desamparassem a loja e deixassem o Bruno Fernandes tratar da coisa?

SL

Pão para a boca

Foi uma vitória crucial para relançar a temporada, obtida a partir duma das piores exibições dos últimos tempos e com os artistas da companhia remetidos a papéis menores, alguns até ao banco. Nota-se que a moral da equipa bateu no fundo com os últimos resultados, as mudanças/invenções tácticas dos sucessivos treinadores e com as (no mínimo inoportunas) declarações do seu capitão. Nada ou quase nada sai bem. Valeu um lance fortuito para resolver o encontro.

Mas também nada de muito melhor se poderia esperar, e agora há que ganhar os próximos desafios de forma a que a confiança e a paz regressem ao balneário. Oxalá Silas tenha a sensibilidade e a competência necessária para recuperar a união e o espírito de equipa que existiram no Jamor, e que quase se perderam completamente nestes poucos meses. Porque independentemente das estratégias e tácticas isso é essencial.

Bruno Fernandes, Acuña e Wendel têm de voltar a ser o que foram no passado, em particular nos melhores momentos da última época.

SL

Armas e viscondes assinalados: O Carvalhal bate sempre duas vezes

Sporting 1 - Rio Ave 2

Taça da Liga - Fase de Grupos 1.° Jogo

26 de Setembro de 2019

 

Luís Maximiano (2,5)

Demorou tanto tempo a calçar as luvas que não terá aparecido na fotografia de conjunto antes do início do jogo. Para quem fazia a estreia no plantel principal não foi o melhor presságio, e as nuvens carregadas que cobrem Alvalade acabariam por não o poupar. O que dizer de um jogo em que fez quase tantas defesas quanto viu entrar bolas na baliza? Na retina ficou a rapidez com que saiu da grande área para desfazer um atraso negligente de Ilori e o toque providencial com que atrasou por uns segundos o 1-2. Já no lance do primeiro golo foi deixado à sua sorte por dois incompetentes. É muito possível que “Max” seja o futuro, mas o presente é a versão reduzida do mini.

 

Rosier (2,0)

Fica ligado ao lance do golo inaugural do Rio Ave, que Carlos Carvalhal levou a vencer o Sporting em casa pela segunda vez no mesmo mês, pois estava em parte incerta aquando da perda de bola de Wendel e não mais conseguiu apanhar o veloz Ronan no seu rumo à baliza, e talvez também ao segundo, na medida em que alguém deveria estar a vigiar Pedro Amaral, que cruzou da esquerda para a grande área do Sporting sem ter um jogador leonino num raio de dez metros. À parte isso, verdade seja dita que o lateral francês demonstrou estar com mais energia e vontade de combinar com os colegas nas jogadas de ataque.

 

Tiago Ilori (2,0)

Teve direito aos primeiros minutos de jogo desta época e gastou alguns preciosos segundos a contemplar a forma decidida com que Ronan se acercava da baliza. No resto do tempo dedicou-se a trapalhices variadas, como o tal atraso que o guarda-redes teve de resolver, fazendo lembrar que os órgãos dirigentes que o resgataram ao esquecimento no estrangeiro foram os mesmos que venderam Domingos Duarte, emprestaram Ivanildo Fernandes e não conseguiram desarmadilhar o empréstimo de Demiral feito pela genial gerência interina de Sousa Cintra.

 

Neto (2,5)

Merece mais meio ponto por ter aceite ir à “flash interview”, durante a qual foi perdendo gradualmente a voz até deixar a impressão de estar a ser esmagado pelas circunstâncias. Perder e sofrer dois golos num jogo que esteve quase sempre controlado é o tipo de provação que, como diria Cole Porter, lhe fez ver mais céu cinzento do que qualquer peça de teatro russa poderia garantir.

 

Borja (2,5)

Há que referir que o limitado colombiano esteve tão bem quanto consegue estar, chegando a fazer circular a bola com qualidade e a ser mais do que o habitual empecilho a Acuña na ala esquerda. Mesmo o amarelo que lhe foi mostrado teve sentido, pois travou um adversário que se preparava para entrar na grande área com a bola controlada.

 

Battaglia (2,5)

Estava a continuar a reaprender a ser útil ao clube com que rescindiu e voltou a assinar contrato quando, na sequência de continuados contactos de jogadores do Rio Ave, caiu agarrado ao joelho e foi substituído antes do intervalo. Se voltar a ficar indisponível por um longo período será apenas mais uma dor de cabeça para Silas, o novo treinador do Sporting e o terceiro consecutivo com défice capilar.

 

Wendel (2,5)

Talvez seja injusto apontar-lhe responsabilidades pelo 0-1, ainda que a sua perda de bola tenha servido de ignição a uma série de infaustos eventos. Mais estranha, no entanto, foi a jogada em que se desentendeu com Bruno Fernandes e conseguiram perder a posse de bola a meias para um adversário. Mas também se deve referir que o jovem brasileiro trabalhou mais e melhor pela equipa do que tem sido seu hábito nos tempos mais recentes.

 

Acuña (3,0)

Pudesse ser clonado em série e Marcel Keizer continuaria a torturar a língua inglesa, deixando Leonel Pontes feliz a assistir a goleada após goleada dos sub-23. O argentino foi novamente incansável, tão capaz de desarmar adversários (e de nunca desistir de uma marcação) como de fazer aberturas e cruzamentos para os colegas, falhando apenas redondamente numa recarga a um remate de Jesé Rodríguez quando estava em excelente posição para fazer o 2-1. E ainda se deu o caso, perturbador tendo em conta os antecedentes, de ser visto a acalmar colegas furibundos com o árbitro Manuel Mota.

 

Bruno Fernandes (3,0)

Precisou da ajuda de um desvio em Diogo Figueiras para marcar de livre directo, mas essa foi a recompensa possível para mais uma exibição em que remou contra a maré sem ser bafejado pela sorte em mais nenhum instante. Não só foi amarelado por ser alvo de ameaças e insultos de um adversário, que o acusou de falta de “fair play” por não devolver uma bola mandada para fora para haver assistência médica, como viu o guarda-redes e a falta de pontaria resolverem cerca de uma dezena de remates de todos os géneros e feitios. De igual modo, também as suas assistências surtiram pouco efeito prático, mantendo-se crente mesmo quando recuou no campo após as alterações tácticas com que Leonel Pontes procurou desesperadamente a vitória ou, logo a seguir, pelo menos o empate.

 

Jesé Rodríguez (3,0)

Convém não lhe pedir para correr, mas quando a bola surge no raio de acção da promessa cancelada do Real Madrid podem suceder coisas espantosas. Fez duas assistências primorosas que Vietto se encarregou de desperdiçar, atirou um cruzamento-remate ao poste e lançou outras bombas que só o azar e o guarda-redes do Rio Ave impediram de abanar o resultado. Saiu a poucos minutos do fim, na hora do desespero, deixando a indicação de que poderá vir a ser útil quando localizarem a caveira de bode que está a amaldiçoar o relvado do estádio.

 

Vietto (2,5)

Torna-se cada vez mais óbvio que é a operação contabilística com melhores dotes de futebolista que anda por aí, sucedendo-se jogadas em que mostra ser capaz de fazer coisas com a bola que nem o demónio desconfia. Só é pena que tenha sido tão incrivelmente perdulário: o cabeceamento ao lado, depois de muito bem servido por Jesé Rodríguez, foi apenas o exemplo mais flagrante dos constantes desacertos do argentino, incapaz de revelar-se super-herói quando os habitantes de Alvalade City mais necessitavam de um.

 

Eduardo (3,0)

Entrou ainda antes do intervalo, devido a nova lesão de Battaglia, e conseguiu impressionar pela qualidade no controlo e circulação da bola, empenhando-se em fazer avançar a equipa no terreno. Merece mais tempo que provavelmente lhe será concedido por Silas, que já foi seu treinador na Belenenses SAD.

 

Luiz Phellype (2,0)

Regressou de lesão com pouco ritmo e mais não fez do que ser uma presença na grande área do Rio Ave que prendeu mais os centrais e dinamizou a conquista de espaços pelos colegas. Convirá voltar quanto antes à bitola jogo feito-golo feito que foi sua no final da época passada.

 

Jovane Cabral (2,0)

Esteve quase a entrar em campo com a camisola de Gonzalo Plata, o que seria o culminar perfeito para a tragicomédia em curso no Sporting. Tendo pouco tempo, certo é que se esforçou para que a bola rondasse a baliza do Rio Ave.

 

Leonel Pontes (3,0)

Sinal de que a vida foi especialmente cruel para o interino que deverá sair com o recorde negativo de um empate e três derrotas em quatro jogos ao comando do Sporting é que o Rio Ave fez dois golos em pouco mais do que duas ocasiões de golo. E, mais precisamente, que o Sporting não jogou mesmo nada mal, sucedendo-se as combinações entre Bruno Fernandes, Vietto e Jesé Rodríguez, bem municiados sobretudo por Acuña e não raras vezes por Wendel. Mesmo os pontos fracos do onze que pôs em campo não tinham grande solução - Coates e Mathieu precisavam de descanso, por motivos diferentes, e a lesão de Ristovski, a venda de Thierry Correia e a falta de inscrição de João Oliveira obrigam à utilização intensiva de Rosier até alguém reparar que o Sporting pagou uns quantos milhões pelo passe de Rafael Camacho, aquele a quem Klopp antevia futuro como lateral-direito – e o facto de os poucos milhares de adeptos que estavam nas bancadas se terem dedicado mais a confrontos físicos e cânticos contra os órgãos dirigentes do que propriamente a apoiar os jogadores também não terá dado muito jeito. Espera-se que, tendo em conta o seu anterior local de trabalho antes do Jamor, o sucessor Silas traga consigo a estrela de Belém.

Meio a sério, meio a brincar...

...a minha sugestão para assumir o comando técnico do plantel principal do futebol leonino é Bruno Fernandes.

 

Aquele que já é considerado o “treinador no relvado”, com inteira justiça, na medida em que pensa o jogo e orienta os colegas, retomaria uma tradição de jogador-treinador que traz à lembrança António Oliveira, acumulando funções e responsabilidades em troca do enorme aumento de salário que lhe está prometido.

 

Tendo necessidade de um adjunto certificado, não só por questões regulamentares mas também pelo previsível défice de formação na metodologia de treino, é certo que poderia tirar partido do profundo conhecimento que tem das virtudes e defeitos do plantel. E, sendo um espectador atento dos jogos das camadas de formação disputados em Alcochete, depressa identificaria jovens com potencial para dar o salto.

 

Além da injecção de motivação que poderia decorrer desse estatuto, seria também provável que o ajudasse a conter as reacções às recorrentes malfeitorias dos profissionais do apito.

 

É uma opção bastante melhor do que aquelas que vêm sendo aventadas. Sem orçamento para o génio autoconvencido de José Mourinho, a serena inteligência de Leonardo Jardim ou o “aispiquedatrufe” e “aispiquefrondaharte” de Vítor Pereira, Abel e Pedro Martins parecem poucochinho e mesmo assim implicariam indemnizações às entidades empregadoras.

 

Se não for Bruno Fernandes a acumular funções (avanço com Neto para jogador-treinador-adjunto) venha Silas, pois se conseguirmos vencer o Aves na próxima jornada é possível que o Braga não caia para os lugares de despromoção e Sá Pinto mantenha o posto de trabalho.

Armas e viscondes assinalados: Nem a táctica do losango valeu aos lusitanos

PSV Eindhoven 3 - Sporting 2

Liga Europa - 1.ª Jornada da fase de grupos

19 de Setembro de 2019

 

Renan Ribeiro (2,5)

Ainda não foi desta vez que passou dois jogos consecutivos a não sofrer mais do que aquele golito da praxe. Sem grande culpa em nenhum dos três golos, como também já vem a ser hábito, ainda fez algumas defesas competentes.

 

Rosier (2,5)

Os velozes extremos da equipa da casa deram-lhe tantos afazeres que não pôde ajudar muito o ataque, não obstante aparentar maior integração com os colegas. Conviria dar baile enquanto debutante em Alvalade, na segunda-feira, frente ao Famalicão.

 

Coates (2,0)

A primeira boa notícia é que não cometeu três grandes penalidades e a segunda é que também não foi expulso. E há que reconhecer que a infelicidade do seu autogolo só impediu que Malen, jovem portento da equipa da casa, pudesse bisar. Mas o certo é que a habitual confiança do uruguaio, e o discernimento com que inicia jogadas, partiram para parte incerta.

 

Neto (2,0)

Também ficou marcado pelo azar ao não conseguir mais do que desviar a trajetória da bola, enganando Renan, quando pretendia bloquear o remate de Malen que abriu o marcador. Não  mais se encontrou.

 

Acuña (2,5)

Não raras vezes pegado com os velozes e talentosos adversários que lhe apareciam pela frente, deixou Bruma escapulir-se pela direita e centrar para o autogolo de Coates no lance do 2-0. Em compensação, a incerteza quanto ao resultado existente ao intervalo deve-se à desmarcação perfeita que levou um adversário a rasteirar Balosie na grande área.

 

Idrissa Doumbia (2,5)

Voltou a deixar a sua área de ação assaz permeável, pouco lhe valendo a adopção do meio-campo em losango. Muito se esforçou, como tende sempre a ocorrer, mais uma vez sem resultados práticos.

 

Miguel Luís (2,0)

Teve direito aos primeiros minutos oficiais nesta temporada, não sendo exagerado dizer que poderiam ter sido melhor aproveitados. Além de ficar mal na fotografia em dois dos três golos, desperdiçou a recarga a um dos mísseis de longo alcance disparados por Bruno Fernandes.

 

Wendel (2,5)

Rendilhou o jogo que conseguiu, gerindo o esforço para não estoirar tão depressa na segunda parte. Teme-se que as suas recorrentes chamadas à selecção olímpica do Brasil o façam crer que competir é mais importante do que vencer.

 

Bruno Fernandes (3,5)

Estrela televisiva da semana, à conta da divulgação de imagens em que maltratou portas e corredores do Estádio do Bessa após ser expulso, o capitão do Sporting encheu o campo num jogo que começou mal para os leões e pareceu destinado aos zero pontos que rendeu. Ainda assim, além da visão de jogo patente na interpretação do losango, revelou serenidade na cobrança da grande penalidade que resultou no 2-1 e muita vontade de dar a volta na sucessão de remates que o guarda-redes dos holandeses teve a insensatez de defender. Merecia bisar, nem que fosse no lance em que cabeceou a bola ao poste.

 

Vietto (2,0)

Pouco conseguiu fazer enquanto “avançado móvel”. Regressado de lesão, foi rapidamente poupado para aquele compromisso até altas horas da noite de segunda-feira em que a profecia de Ristovski ecoará nos ouvidos dos sportinguistas.

 

Bolasie (2,5)

Estreou-se nas competições europeias aos 30 anos, mas o sonho de ficar ligado ao resultado ficou pelo lance em que foi derrubado na grande área. É mais um que Alvalade espera vitoriar na segunda-feira.

 

Jovane Cabral (3,0)

Entrou na segunda parte para agitar o ataque do Sporting e ajudou a cumprir o objectivo. Ainda não foi o homem dos golos providenciais dos tempos de José Peseiro, mas deixou boas indicações no primeiro jogo após longa recuperação de lesão.

 

Pedro Mendes (3,0)

O goleador dos sub-23 ocupou lugar dentro das quatro linhas, recebeu a bola de costas para a linha de grande área, rodopiou o corpo, puxou a perna para trás, e fez história. Poderia ter sido ainda mais decisivo se não tivesse entrado a tão poucos minutos do final, e se o PSV Eindhoven não tivesse conseguido encostar o Sporting ao seu lado do campo, mas ficou um pouco mais claro que existe um círculo do inferno reservado para quem não inscreveu o ponta de lança na Liga NOS.

 

Rafael Camacho (-)

Voltou a entrar mesmo antes de o pano cair.

 

Leonel Pontes (3,0)

O regresso do losango foi um coelho da cartola interessante, e regista-se  a coragem de apostar na juventude e procurar um caminho por entre tamanhas adversidades. É por isso que a derrota europeia, naquele que era em teoria o encontro mais difícil para os leões em toda a fase de grupos, deve ser encarado como um passo atrás que permitirá dar dois passos em frente.

Quente & frio

Gostei muito da aposta de Leonel Pontes em jovens jogadores, derrubando assim o veto que lhes tinha sido imposto por Marcel Keizer, o treinador holandês que veio para o Sporting aureolado com a fama de "valorizar a formação". Nunca a valorizou, pelo contrário. Só agora o seu sucessor interino, nesta sua estreia internacional ao comando técnico do Sporting, começa a repor o rumo que jamais devia ter sido abandonado. Se a aposta inicial em Miguel Luís como médio-ala neste jogo em Eindhoven não resultou, já as entradas de Jovane (um regresso que se saúda), aos 64', rendendo Vietto, e sobretudo a estreia absoluta de Pedro Mendes, goleador da equipa sub-23, foram muito bem sucedidas. O luso-caboverdiano abriu espaços na muralha defensiva holandesa e quase marcou com um remate forte e bem colocado, aos 77'. Mendes teve uma aparição em grande: substituiu Miguel Luís aos 80' e bastou-lhe minuto e meio para marcar um golão, servido por Bolasie. O nosso segundo: grande recepção da bola, impecável rotação e formidável disparo, indefensável.

 

Gostei do quarto-de-hora inicial da nossa equipa, compacta e bem organizada, fechando os corredores à transição adversária e travando a mobilidade ofensiva do PSV. E gostei mais ainda da nossa meia hora final, em que jogámos com arrojo e destemor em casa alheia, sem complexos de qualquer espécie. Podíamos ter virado o resultado neste período em quatro ocasiões: aos 72', num grande remate em arco de Bruno Fernandes que quase traiu o guarda-redes; aos 75', com um tiro do nosso capitão para defesa incompleta de Zoet; logo a seguir, numa recarga desperdiçada por Miguel Luís; e aos 77, no disparo de Jovane. Este domínio da nossa equipa, que teve como corolário o golo de Pedro Mendes, reflectiu-se também na posse de bola: 53% para o Sporting. Destaque também para o bom desempenho de Bruno Fernandes, que marcou o nosso primeiro golo aos 38', de penálti, a castigar falta sobre Bolasie: foi ele sempre o mais inconformado, com mais fome de baliza. O melhor Leão em campo, uma vez mais.

 

Gostei pouco que ao sétimo jogo oficial da temporada, por força das circunstâncias, o técnico recém-chegado tivesse de construir uma equipa com remendos. Foi inédita, esta formação leonina que jogou na Holanda. Coates e Neto nunca tinham feito parceria no eixo da defesa, Miguel Luís e Jovane não alinhavam no onze principal desda a época anterior, Rosier e Bolasie jogaram só pela segunda vez de verde e branco, Pedro Mendes foi um caloiro bem-sucedido, Rafael Camacho teve direito a mais uns minutinhos, rendendo Wendel à beira do fim. A nossa pré-temporada de Julho desta vez transferiu-se para a segunda quinzena de Setembro. Nada mais insólito.

 

Não gostei da nossa acção defensiva, que voltou a pecar pela mediocridade, com momentos calamitosos: não admira que já tenhamos 15 golos sofridos em sete jogos nesta temporada 2019/2020. Neto e Coates estiveram muito aquém daquilo que se exige numa equipa que sonha com troféus e títulos: ambos dividem culpas no primeiro golo, sofrido aos 19' em lance muito rápido; Coates fez de ponta-de-lança do PSV com um autogolo aos 25'; Neto falha a marcação ao artilheiro do terceiro golo holandês, a partir dum canto (47'). Mathieu, que foi poupado já a pensar no difícil confronto com o Famalicão na próxima segunda-feira, fez muita falta. Mais à frente, Wendel e Vietto tiveram actuações frouxas e apagadas: falta-lhes intensidade e poderio físico - características que se notam mais nestes confrontos com equipas estrangeiras. Também não gostei do resultado, claro: perdemos por 2-3, entrando com o pé esquerdo na Liga Europa.

 

Não gostei nada que a SAD leonina, por indesculpável incúria, tenha perdido a oportunidade de inscrever Pedro Mendes como jogador da Liga portuguesa. Um erro monumental, agravado pelo facto de não termos no plantel nenhum ponta-de-lança alternativo a Luiz Phellype, agora lesionado. Como este PSV-Sporting bem demonstrou, o melhor marcador da Liga Revelação (sete golos em seis jogos) far-nos-ia agora imenso jeito no campeonato nacional. «Irá Leonel Pontes contar com ele?», questionei aqui há quatro dias. Resposta afirmativa e bem-sucedida, como vimos. Infelizmente, não poderá fazê-lo nas provas da Liga NOS - aquelas em que faria mais falta.

Braçadeira preta, com Bruno Fernandes

21560025_C0grq[1].jpg

 

Bruno Fernandes sofre ‘bullying’ durante 92 minutos, um tormento que nem o juiz da partida conseguiu ver. Aliás, aos olhos dos juristas de campo e do VAR, o Bruno Fernandes é que foi o principal responsável pelos adversários lhe darem pancada. Este é o tratamento que adversários e juízes dão ao melhor jogador profissional da época passada, capitão do histórico Sporting e um dos titulares da Selecção Portuguesa.

Como diz o povo, quem não se sente não é filho de boa gente e Bruno Fernandes sentiu-se prejudicado e descarregou nas portas do balneário do Bessa. É verdade que as portas não tiveram culpa, mas na realidade a injustiça que o jogador sofreu em campo passou impune e agora com certeza terá de pagar com a ausência de um jogo e um processo disciplinar. Este é o preço por não ter aceite de bom grado levar pancada durante todo o jogo.  

Já os soberanos senhores juízes que raramente têm dúvidas e nunca se enganam estão imunes a criticas e a qualquer punição. Aliás, quando se enganam é considerado absolutamente normal. Veja-se o exemplo de Vasco Santos, VAR do último Portimonense/FC Porto, que desvirtuou o resultado do jogo com grande impacto no campeonato, o que pode valer milhões para alguns no fim da época.

Este é o sistema em que o Sporting, em 113 anos, ainda não conseguiu encontrar uma estratégia para não ser sistematicamente prejudicado. Somos muito tenrinhos fora do relvado. Mas dentro das quatro linhas temos a obrigação de ser um animal infernal e combater tudo e todos.

Por respeito a Bruno Fenandes, o nosso capitão, este episódio deve unir a equipa e adeptos durante toda a época e como símbolo dessa força podemos usar uma braçadeira preta, tal como na altura José Roquette adotou. É preciso garra de leão.  

Um árbitro nocivo ao futebol

1361931[1].jpg

 

Foi uma indignidade (com a inconfundível marca de Jorge Sousa) vermos Bruno Fernandes, o melhor jogador do futebol português e também o mais fustigado por  lances à margem das leis do jogo, receber um cartão amarelo, e o consequente vermelho - algo inédito, até agora, na sua carreira como profissional -, pela primeira falta que fez, já no tempo extra, após ter sido ceifado oito vezes no mesmo jogo (incluindo uma falta que devia ter dado um penálti ao Sporting e à qual o apitador fez vista grossa). Sem que nenhum desses adversários que o derrubaram em lances promissores tivesse recebido sanção disciplinar, como se impunha.

 

Revi o jogo e contabilizei essas faltas.

Minuto 13: Bruno é derrubado sem bola pelo ganês Ackah sobre a linha do meio-campo. Falta óbvia, não-assinalada.

Minuto 19: Bruno vence um lance dividido na grande área do Boavista. Ricardo Costa, chegando atrasado, agride o capitão leonino, golpeando-o com o braço nas costas. Falta que ficou por assinalar: devia ter sido marcado penálti contra a equipa da casa.

Minuto 20: Bruno é desarmado em falta por Ackah, próximo da meia-lua defensiva. Falta assinalada, sem sanção disciplinar.

Minuto 25: Bruno desarmado em falta por Ackah, na mesma zona do terreno. Falta assinalada, sem sanção disciplinar.

Minuto 36: Bruno derrubado à margem da lei por Ackah no início da construção de um lance ofensivo. Falta assinalada, sem sanção disciplinar.

Minuto 45: Bruno sofre um toque de Fabiano por trás quando estava na posse de bola já no meio-campo do Boavista. Falta assinalada, sem sanção disciplinar.

[No minuto 49, Bruno Fernandes vê um cartão amarelo por protestar junto do árbitro auxiliar contra um cartão da mesma cor exibido ao colega Acuña.]

Minuto 73: Bruno é derrubado por trás quando construía lance ofensivo. Entrada de Stojiljković, claramente à margem da lei, ficou por assinalar.

Minuto 86: Bruno é derrubado por trás quando transportava a bola no meio-campo adversário. Falta de Carraça, assinalada. Mas sem sanção disciplinar.

 

À beira do fim da partida, o senhor Sousa - demonstrando uma chocante dualidade de critérios - entendeu expulsar Bruno Fernandes por uma falta ofensiva, idêntica a muitas cometidas por jogadores axadrezados que distribuíram "fruta" ao longo de toda a partida sem terem recebido qualquer sanção.

Não contaremos, portanto, com o nosso capitão no próximo jogo. A disputar em casa, frente ao Famalicão.

Árbitros como Jorge Sousa, que penalizam os jogadores com maior talento e deixam os sarrafeiros por castigar, prejudicam o espectáculo desportivo. São nocivos ao futebol.

Record... De desonestidade

21557125_9kTiS[1].png

 

De tudo o que foi dito sobre a ridícula expulsão do Bruno Fernandes, capitão do Sporting Clube de Portugal, o Record resolve destacar... As contas que Futre fez! Tirou tudo a limpo... Aliás, se há coisa em que o Futre é bom, são as contas. O que disse Beto ou Pontes aparecem lá em baixo em pequenino no site. É a imprensa que temos, sempre pronta a incendiar Alvalade.

Armas e viscondes assinalados: Os desconhecidos do Norte-Expresso

Boavista 1 - Sporting 1

Liga NOS - 6.ª Jornada

15 de Setembro de 2019

 

Renan Ribeiro (2,5)

Poderia ter estado melhor posicionado no lance do golo do Boavista, pois um passo para o lado talvez permitisse defender o livre bem cobrado por Marlon. Depois disso manchou o cadastro com algumas reposições para a terra de ninguém, mas encaixou sem problemas de maior os recorrentes pontapés de longa distância com que os boavisteiros procuraram agravar ainda mais a deriva do Sporting.

 

Rosier (2,5)

A boa notícia é que pareceu refeito da lesão que lhe fez perder a pré-temporada inteira e ameaçava fazer dele o turista acidental da Academia de Alcochete. Primeira das muitas novidades de um onze que desde o funesto Sporting-Rio Ave ficou desfalcado com a venda de Thierry Correia e Raphinha, o castigo de Coates e as lesões de Vietto e Luiz Phellype, o francês demonstrou capacidade de choque e técnica. Já no que toca a entrosamento, digamos que Rosier foi mais um dos quase desconhecidos trajados de verde e branco que compareceram no Bessa com vontade de darem o seu melhor. Não chegou para um bom resultado, apesar de no caso do lateral-direito ter havido assinalável progresso na segunda parte, sucedendo-se cruzamentos que poderiam ter sido aproveitados pelo ponta de lança que não pôde confirmar a sua presença.

 

Neto (2,5)

Raras são as ocasiões em que o Sporting pós-ataque a Alcochete tem mais do que um português em campo, mas o cartão vermelho a Coates permitiu-lhe compensar a precoce saída de Thierry Correia. A experiência acumulada em terras ainda mais gélidas do que a conjuntura leonina terá sido útil, embora pudesse ter provocado o segundo golo do Boavista numa falha de comunicação com Renan.

 

Mathieu (3,0)

Cabe a um homem que vai enganando a reforma tentar aquilo que os colegas mais novos demonstram não ter capacidade de fazer. Além de cortes providenciais, um dos quais quando um avançado axadrezado procurava ficar cara a cara com Renan, o francês avançou tanto no terreno, primeiro para suprir a incapacidade de Borja e depois para permitir ludibriar a apertada marcação homem-a-homem-chuteira-a-tornozelo urdida por Lito Vidigal, que o seu “mapa de calor” no relvado intrigará decerto num futuro distante os arqueólogos das ruínas do futebol leonino.

 

Borja (1,5)

Nos sub-23 do Sporting existe um adolescente chamado Nuno Mendes que, sem ser isento de falhas decorrentes da inexperiência, poderia fazer uma “masterclass” ao internacional colombiano, notoriamente tão inapto a atacar quanto a defender. Num dos seus habituais atabalhoamentos terá tocado a bola com a mão na grande área, mas tal acção passou tão em claro ao árbitro Jorge Sousa quanto as pancadas nos tornozelos de Bruno Fernandes. Leonel Pontes teve a sabedoria de o deixar no balneário ao intervalo.

 

Idrissa Doumbia (2,0)

A recuperação de Battaglia, após quase um ano de ausência, é um dos raros sinais de esperança para a próxima jornada da Liga NOS, na qual o Sporting recebe em Alvalade o actual líder, com o apito final previsto para as onze da noite de uma segunda-feira em que a ressaca da deslocação a Eindhoven, para visitar o PSV, é capaz de ainda fazer doer cabeças. No que toca ao empate em apreço, o argentino permaneceu no banco, podendo observar o modo como o jovem médio sentiu a bola a pesar mais do que chumbo, primando pelas más recepções e ineficácia de passe. Na retina ficou uma jogada individual, ainda na primeira parte, em que galgou terreno, evitando diversos adversários, até deixar a bola sair pela linha de fundo.

 

Wendel (2,5)

Condicionado pelo amarelo que viu logo no arranque do jogo, ao fazer a falta que um desalmado chamado Marlon aproveitou para inaugurar o marcador, o jovem brasileiro ressentiu-se nas movimentações e pouco contribuiu para abrir o cadeado boavisteiro que foi tornando infrutífera a hegemonia leonina na posse de bola. Quando foi substituído pareceu pior do que estragado, estando o estragado grafado com letra F.

 

Bruno Fernandes (3,0)

Fez das tripas coração para que não se notasse assim tanto que nunca tinha jogado com não poucos dos seus colegas. Numa das tentativas de integração de recém-chegados ficou perto de oferecer o golo do empate a Bolasie, sendo que por essa altura já perdera decerto cartilagem com o festival de cacetada a que foi sujeito, sob o beneplácito régio de Jorge Sousa. Recebeu como prémio pela perseverança o desvio na barreira que lhe permitiu fazer o golo do empate num livre directo e ainda ensaiou o remate de longa distância que poderá eventualmente salvar o Sporting de si próprio em Eindhoven. Mas não na jornada seguinte, pois depois de ser massacrado pelos adversários, Bruno viu o segundo amarelo (o primeiro fora por protestos, a pedido de um fiscal de linha a quem não ensinaram que é feio ser-se queixinhas...) e assistirá na tribuna ao Sporting-Famalicão. Aquele jogo em que urge contrariar as célebres palavras de Ristovski: “Sem o nosso capitão estamos f...”

 

Gonzalo Plata (1,5)

Má estreia a titular do jovem equatoriano, colecionador de perdas de bola e de iniciativas mal calculadas. Também melhorou na segunda parte, mas Leonel Pontes terá sentido a falta dos adolescentes Bruno Tavares e Joelson Fernandes para dinamitar a defensiva adversária.

 

Acuña (2,5)

Começa a tornar-se evidente que colocar o argentino a extremo é o tipo de decisão com prazo de validade muito curto, visto que implica esse desporto radical chamado dar a titularidade a Borja. Beneficiou bastante do recuo para lateral, ainda que tenha sido penalizado pela falta de entendimento com os recém-chegados ao plantel que lhe apareceram nas redondezas.

 

Bolasie (3,0)

Frederico Varandas estava convencido que seria Jesé Rodríguez a demonstrar dotes de ponta de lança interino, suprindo a inexistência do famoso “substituto de Bas Dost”, a lesão de Luiz Phellype e a falta de inscrição de Pedro Mendes. Mas eis que Leonel Pontes contrariou o presidente do Sporting e recorreu ao franco-congolês criado em Inglaterra para interpretar uma versão móvel e espadaúda de camisola 9. Num mundo paralelo em que as coisas correm bem ao Sporting teria atirado para fora da jurisdição de Bracalli o remate que desferiu após uma desmarcação acelerada ao passe de Bruno Fernandes, recepção no peito e rotação de corpo para se focar na baliza. Não foi a única ocasião em que deu ares de poder vir a ser o “Marega a prazo” leonino, ainda que seja provável que se revele mais útil enquanto extremo.

 

Jesé Rodríguez (1,5)

Entrou ao intervalo, posicionou-se na esquerda e confirmou que não está em boa forma. Se é possível redimir o futebol que tem dentro de si é coisa que este ou o próximo treinador virão a descobrir.

 

Eduardo Henrique (1,0)

Entrou para o lugar de Wendel, supondo-se que para acelerar o meio-campo leonino rumo aos três pontos e não para deixar claro a Miguel Luís que nenhum treinador depois de Tiago Fernandes confia no seu valor. Certo é que cumpriu mais o segundo do que o primeiro objectivo.

 

Rafael Camacho (-)

Estreou-se na equipa principal de modo inglório, acumulando um punhado de minutos quando os colegas já haviam cruzado os braços.

 

Leonel Pontes (2,5)

Trouxe um ponto do Bessa ao mesmo tempo que alargou para cinco o número de pontos que separam o Sporting da liderança ao fim de seis jornadas. Sendo justo reconhecer que enfrentou uma tempestade perfeita, potenciada pelas lesões de Luiz Phellype e Vietto, valendo-se da imaginação para formar o onze titular, não menos verdade é que a equipa jogou pouco, não obstante o domínio na posse de bola. Como principal vantagem em relação ao antecessor destaca-se o facto de deixar patente que estava chateado com a desvantagem e com a incapacidade de alcançar a reviravolta. Quinta-feira, na estreia na Liga Europa, frente ao PSV Eindhoven, e na segunda-feira, na recepção ao Famalicão, joga-se o seu destino.

O apagamento de Bruno

Portugal acaba de dar um passo decisivo para chegar à fase final do Europeu 2020 ao vencer a difícil selecção da Sérvia por 4-2 em jogo lá disputado. Com golos de William Carvalho, Gonçalo Guedes, Cristiano Ronaldo e Bernardo Silva.

Bruno Fernandes - solitário representante do Sporting - figurou no onze titular, na posição de segundo avançado. Mas, uma vez mais, esteve muito apagado, abaixo do nível a que nos habituou nas competições internas vestido de verde e branco. O segundo golo sérvio resultou, aliás, de uma entrega de bola do nosso capitão, a meio-campo, gerando um rápido contra-ataque da selecção anfitriã.

Peço aos leitores que me ajudem a reflectir: por que motivo Bruno continua sem brilhar ao serviço da selecção?

Bruno Fernandes: muitas incógnitas

Bruno-Fernandes-Sporting-Lisbon-F365-2[1].jpg

 

Um bitaiteiro benfiquista anuncia na televisão, investido da sua nova condição de porta-voz oficioso do Sporting, que Bruno Fernandes «já está vendido». Por «setenta milhões de euros», especifica.

Subsistem muitas incógnitas em torno deste suposto negócio. Demasiadas. Deixando os adeptos do clube às escuras. Desconsideração suplementar: tomar-se conhecimento do que ocorre no Sporting pela boca de um adepto de um clube rival.

Está em causa, sublinho, o presente e o futuro do melhor jogador do campeonato português. Nós, sócios, exigimos ser informados. Não por picaretas falantes alérgicas às nossas cores, mas pela estrutura directiva da SAD.

 

É urgente sabermos as respostas a estas perguntas:

- Bruno Fernandes deixou de ser activo leonino?

- Quem é (ou quais são) a(s) entidade(s) compradora(s)?

- Que preço ficou fixado?

- Quais as modalidades de pagamento?

- A quantos ascendem os "custos de intermediação"?

- Quantos milhões encaixa a SAD de imediato?

- Que compromissos assumiu o Sporting neste negócio?

- Foi reservada percentagem de receitas em futuras transferências?

- Existe cláusula anti--rivais no novo enquadramento contratual do jogadador?

- Teremos, a partir de agora, como capitão da equipa alguém que já não pertence ao Sporting?

- Até quando poderemos contar com Bruno Fernandes?

 

O silêncio tornou-se insustentável.

Queremos ser esclarecidos. Não por papagaios de ocasião, mas pelo presidente do Sporting Clube de Portugal.

Pódio: Bruno, Acuña, L. Phellype, Raphinha

Por curiosidade, aqui fica a soma das classificações atribuídas à actuação dos nossos jogadores no Sporting-Rio Ave pelos três diários desportivos:

 

Bruno Fernandes: 17

Acuña: 15

Luiz Phellype: 14

Raphinha: 14

Vietto: 13

Idrissa Doumbia: 13

Mathieu: 13

Renan: 12

Thierry: 12

Wendel: 12

Borja: 9

Coates: 3

Plata: 1

 

Os três jornais elegeram Bruno Fernandes como melhor em campo.

Armas e viscondes assinalados: Em equipa que não se mexe, e na qual não mexem, não se mantém a liderança (só não dizer que não falei dos três penáltis de Coates)

Sporting 2 - Rio Ave 3

Liga NOS 4.ª Jornada

31 de Agosto de 2019

 

Renan Ribeiro (2,5)

Num jogo em que o adversário pouco ou nada lhe deu para fazer que não passasse pela marca dos 11 metros – com a excepção da boa defesa que abriu a segunda parte –, o guarda-redes brasileiro pouco mais tem a ser apontado para lá de uma enorme quantidade de bolas despejadas para zonas do campo sem rapaziada vestida de verde e branco. Mas a alguém que já valeu taças ao Sporting em desempates por grandes penalidades exigir-se-ia (meio a sério meio a brincar) que defendesse pelo menos um dos três que foram assinalados.

 

Thierry Correia (2,0)

O cruzamento que permitiu o segundo golo leonino foi o melhor cartão de apresentação num final de tarde sombrio em Alvalade. Tendo ganho bastantes duelos, o lateral-direito pecou acima tudo pela atitude não interveniente com que contemplou a desmarcação que levou Coates a cometer o primeiro dos três pénaltis. Seria preciso mais para assegurar que Rosier poderá prosseguir a sua recuperação em suaves prestações semanais antes de assumir a titularidade justificada pelos milhões de uma contratação que talvez tenha custado mais do que rendeu a transferência de Bas Dost.

 

Coates (0,0)

Os dois autogolos que Roberto Deus Severo marcou a favor do Benfica há 20 anos, quando ainda Beto, foram superados enquanto pior pesadelo de um central leonino, pois os três pénaltis assinalados ao uruguaio – dois dos quais cometidos sem ser preciso recorrer a ângulos mágicos para confirmar a enérgica convicção do árbitro João Pinheiro – selaram a derrota, a perda da liderança (agora entregue “a solo” ao recém-promovido Famalicão) e o reacendimento da crise latente em Alvalade. Claramente em má forma, com dificuldades em chegar à bola antes dos adversários, um dos melhores defesas centrais que até hoje representaram o clube fez uma exibição para esquecer, “coroada” com o segundo amarelo que o deixa de fora do próximo jogo. Mas convém não esquecer, além do valor intrínseco de Coates, as responsabilidades que os colegas, bem como o senhor holandês que é pago para os orientar, tiveram nos lances desgraçados que fizeram a história do jogo.

 

Mathieu (2,0)

Pouco ajudou o seu infeliz colega de eixo defensivo, tendo muita culpa no lance da terceira grande penalidade, pois já não teve pernas para recuar após uma tentativa mal sucedida de lançar um contra-ataque. Teme-se que o problema se agrave quando o Sporting começar a jogar duas vezes por semana.

 

Acuña (2,5)

O cruzamento rasteiro que resultou no golo de Bruno Fernandes, com quem o argentino tinha combinado no início da jogada, destacou-se numa actuação em que Acuña deu demasiado espaço aos adversários e fez alguns centros indignos de quem tem os seus pés. Tudo compensou com ímpeto, borrando a pintura quando já estava a jogar como extremo, após a saída de Vietto e entrada de Borja para lateral-esquerdo: tendo a baliza do Rio Ave à mercê, cabeceou ao poste aquilo que poderia ter sido o 3-2. Depois foi o que se sabe.

 

Idrissa Doumbia (2,0)

A bola saiu-lhe sempre oval nos pés, tamanha foi a dificuldade para lidar com a posse do esférico, e o posicionamento também não foi brilhante, o que ajudou a que o Rio Ave fosse tomando conta das ocorrências.

 

Wendel (2,0)

Tremendamente fatigado e posicionalmente difuso, o jovem brasileiro viu-se dominado pelos adversários, o que se tornou mais gritante na segunda parte, sem que disso se compadecesse Marcel Keizer, que o manteve em campo. Ainda introduziu a bola na baliza do Rio Ave na primeira parte, mas encontrava-se fora de jogo quando recebeu a bola desviada num defesa após remate de Vietto.

 

Bruno Fernandes (3,0)

Melhor do Sporting em campo, mais uma vez, merecia melhor cenário para a homenagem pelos 50 golos marcados ao serviço do Sporting do que adeptos descontentes a abandonarem as bancadas, um coro de assobios à equipa e as claques a ensaiarem o apelo à queda de Frederico Varandas. Fez tudo por manter o Sporting na liderança, fuzilando as redes no lance do 1-1, a que deu início, esteve perto de garantir a reviravolta com um toque em esforço que Kiesczek defendeu, e combinou com os colegas com a classe de sempre. Mas também ele não foi alheio à tremenda quebra física na segunda parte, sucedendo-se longos minutos de adormecimento até ao que, também mais uma vez, poderá ou não ter sido o último jogo ao serviço do clube.

 

Raphinha (2,0)

A exibição de gala em Portimão não teve continuidade, pois tendeu a complicar o que poderia ser mais fácil e também não teve engenho e arte para levar a bom porto as suas iniciativas no ataque. De igual modo, pôde ser empurrado na grande área adversária, após um passe de ruptura de Bruno Fernandes, sem que João Pinheiro e o videoárbitro resolvessem dar conta da ocorrência. Mesmo assim esteve quase a contar com uma assistência para golo, mas Acuña desperdiçou o cruzamento que se destinava a Luiz Phellype.

 

Vietto (2,5)

Os dribles não lhe saíram tão bem quanto na última jornada, mas foi a eficácia de remate o busílis: além de um remate cruzado, bem encaixado por Kiesczek, faltou-lhe pontaria para fuzilar as redes num lance parecido com o do golo de Bruno Fernandes (ainda que, reconheça-se, meia-dúzia de metros mais longe da linha de golo). Contribuiu para o 2-1 com uma abordagem desastrada ao cruzamento de Thierry e depois viu-se sacrificado, sem que daí adviesse especial vantagem à equipa.

 

Luiz Phellype (3,0)

Teve uma oportunidade flagrante de golo e aproveitou-a, colocando o Sporting a vencer com um tiro à queima-roupa. Nada mau para quem tem as suas funções em campo, ainda que se tenha deixado antecipar noutro cruzamento promissor, dessa feita vindo da esquerda. Nada havendo de estruturalmente errado no jovem brasileiro, não menos verdade será que causa arrepios a ideia de que seja a única opção do Sporting para a posição 9 a dois dias do fecho do mercado.

 

Borja (1,5)

Entrou para refrescar a defesa e ficou ligado à reviravolta que deu os três pontos ao Rio Ave. No lance da terceira grande penalidade é ele quem coloca o avançado adversário em jogo, “obrigando” Coates a arriscar um corte que já seria difícil caso estivesse nos seus dias.

 

Gonzalo Plata (-)

Teve direito a estrear-se na Liga NOS (algo que o mais dispendioso Rafael Camacho ainda não teve...) quando o jogo se encaminhava para um fim cada vez mais triste. Só teve tempo para fazer duas ou três faltas e controlar mal a bola na última jogada de relativo perigo urdida pelos leões.

 

Marcel Keizer (1,0)

Perdeu a liderança do campeonato com estrondo, em contraste com o silêncio dos sepulcros com que assistiu à hecatombe física e anímica da sua equipa na segunda parte.  A hesitação do holandês no que toca a mexidas (mais uma vez nem sequer esgotou as substituições), mesmo vendo que quase todos os jogadores não podiam com uma gata pelo rabo, é uma demonstração clássica daquilo que separa o actual treinador do Sporting de alguém que possa ser campeão nacional. À falta de melhores soluções, incluindo a convocação de Pedro Mendes, o ponta de lança dos sub-23, até aquele seu antigo talismã chamado Diaby poderia ter dado algum jeito em campo. Keizer vollta a ter o lugar em perigo, por culpa própria.

Rescaldo do jogo de ontem

GettyImages-1159702071_770x433_acf_cropped[1].jpg

 

 

Não gostei

 
 

Da derrota em casa frente ao Rio Ave. À quarta jornada, cinco pontos perdidos: dois contra o Marítimo no Funchal e agora mais três, perante a equipa vilacondense, muito bem organizada e treinada por Carlos Carvalhal. Uma derrota por 2-3 que acontece quando seguíamos em primeiro na Liga (já fomos ultrapassdos pelo Famalicão e até pelo Boavista) e quando vencíamos por 2-1 a sete minutos do fim do tempo regulamentar. Um verdadeiro balde de água gelada testemunhado ao vivo pelos 37.942 adeptos que nos deslocámos a Alvalade. Pormenor a reter: não perdíamos em casa com o Rio Ave desde a temporada 2012/2013, de péssima e ultrajante memória.

 

De Coates. Noite de pesadelo para o central uruguaio: jamais esquecerá este desafio, que não deveria ter jogado. É ele quem está na origem dos três golos do Rio Ave - todos marcados de grandes penalidades, assinaladas aos 4', 83' e 86'; todos originados em faltas ou supostas faltas cometidas por ele próprio. Expulso aos 89', saiu de campo com a noção de ter provocado o naufrágio da equipa. É verdade, em boa parte. Mas a culpa principal nem sequer é dele.

 

Do nosso processo defensivo. Em cinco jogos, 11 golos sofridos. Motivo mais do que suficiente para que se acendam todas as luzes de alarme em Alvalade. Na linha do que já sucedera na pré-temporada. Sem que se tivessem registado melhorias de então para cá.

 

De Wendel. Pela segunda partida consecutiva, voltou a revelar-se um dos piores em campo - imitando a paupérrima exibição de Portimão. Recuado no terreno, cobrindo a ala esquerda do nosso meio-campo defensivo, desposicionou-se a todo o momento, contribuindo para franquear o caminho aos velozes adversários, que devido à falta de oposição do brasileiro (e também de Idrissa, seu parceiro na dupla de pivôs defensivos) colocavam com toda a facilidade a bola nas costas dos nossos defesas. Wendel não tem talento nem vocação para médio defensivo, como é evidente. Um erro de casting tão clamoroso que custa a entender por que motivo Keizer insiste nele para essa função e também porque não o deixou no balneário ao intervalo.

 

Da escandalosa perdida de Acuña. O internacional argentino, que começou a lateral e avançou para ala aos 79', quando Vietto deu lugar a Borja, até teve intervenção preciosa no nosso primeiro golo, ao fazer um notável sprint que lhe permitiu evitar que a bola saísse pela linha final e cruzar para a grande área, possibilitando o pontapé de meia distância disparado por Bruno Fernandes. Mas aos 88', com a baliza à sua mercê, não conseguiu melhor do que cabecear ao poste direito da baliza do Rio Ave. Se a bola entrasse, ficaríamos a ganhar 3-2 e o desfecho do jogo teria sido bem diferente.

 

Do árbitro João Pinheiro. Este apitador, que já não devia ter lugar nos relvados portugueses, inventou o segundo penálti, validando o mergulho do avançado iraniano Taremi, sem sequer se dar ao incómodo de visualizar as imagens do lance, que estavam à sua disposição. Em vez de lhe exibir o amarelo por simulação, apontou para a marca dos 11 metros. Ninguém duvida: nenhum árbitro português se atreveria a marcar três penáltis ao Benfica na Luz ou ao FC Porto no Dragão. Mais vergonhoso ainda foi verificar que esta decisão manifestamente errada, no segundo lance, passou sem uma correcção do vídeo-árbitro. Tal como ficou impune um claro derrube de Raphinha, empurrado pelas costas na grande area, aos 25', por um adversário que usou as duas mãos para o efeito. Pinheiro teve clara influência no resultado, sonegando dois pontos ao Sporting. Espantosamente, o ainda treinador da nossa equipa deixou passar isto em claro, por manifesta falta de coragem, na conferência de imprensa. Valeu-nos o corajoso protesto de Bruno Fernandes, em declarações à Sport TV, logo após o desafio.

 

De Marcel Keizer. Só uma conclusão é possível: este treinador não serve para o Sporting. Inapto no aproveitamento dos jogadores (preferiu Diaby a Vietto nas primeiras partidas), recorrendo a um discurso sem a menor capacidade de motivar ninguém, revelando deficiente interpretação de jogo em que tivemos menos posse de bola, lento a reagir, incapaz de assumir riscos, o holandês levou um banho táctico de Carlos Carvalhal. Repetindo-se o que já sucedera frente a Bruno Lage na Supertaça, Nuno Manta Santos no Funchal e até com Sá Pinto em Alvalade, durante a segunda parte do Sporting-Braga, que só por manifesta infelicidade da equipa braguista não terminou empatado. Keizer parece encarar o Sporting como uma equipa pequena. Ontem, a ganhar por 2-1, pôs a aquecer dois defesas, Neto e Borja. Mexeu tarde e a más horas, e com as opções erradas: aos 79', mandou sair o eficiente Vietto, trocando-o pelo lateral colombiano; aos 90'+2, já com o Sporting a perder 2-3 e com apenas dez dos nossos em campo, faz entrar enfim Plata, em estreia absoluta: substituição inútil, queimando desnecessariamente o jovem jogador equatoriano numa espécie de lance desesperado. Outro pormenor incompreensível: pelo segundo jogo consecutivo, Keizer optou por não esgotar as substituições. Ninguém tenha dúvidas: o principal responsável por esta derrota é ele.

 

 

Gostei

 

De ter estado a ganhar durante mais de meia hora. Entre o nosso segundo golo, apontado por Luiz Phellype aos 53', e a conversão da segunda grande penalidade pelo Rio Ave, aos 86'. Parecia que iríamos conservar o primeiro lugar na Liga. Infelizmente, não foi assim.

 

De Vietto. Embora mais marcado do que no confronto anterior, em Portimão, voltou a revelar apontamentos de grande qualidade na leitura do jogo, na capacidade de passe, na qualidade dos dribles e até no apoio a situações defensivas. Parece render mais quando joga em apoio directo ao ponta-de-lança, embora nesta partida tenha actuado preferencialmente nas movimentações entre a ala esquerda e o corredor central.

 

De Bruno Fernandes. Culminando uma semana em que o seu nome continuou a dominar todas as notícias, numa espécie de leilão permanente em torno da sua suposta transferência do Sporting, admira como toda esta intranquilidade não afecta o essencial do seu rendimento. Voltou a ser o melhor dos nossos jogadores em campo - atributo bem reflectido no nosso primeiro golo, aos 20', que começa a ser desenhado nos pés dele e é concluído também por ele, com um remate forte e bem colocado, a passe de Acuña, enquanto Luiz Phellype se movimentava bem sem bola, arrastando metade da defesa adversária. Foi o 50.º golo oficial de Bruno Fernandes com a camisola do Sporting. Desejamos que marque muitos mais.

Alcochete: o que diz Bruno

 

«Se a Polícia não me parasse à saída da Academia, eu tinha-me ido embora e não tinha voltado mais, nem sequer tinha jogado a final da Taça de Portugal.»

 

«O que eu lhe disse [a Bruno de Carvalho] foi que, se era para aquilo, preferia não jogar à bola e que ia fazer outra coisa qualquer. Disse-lhe que tinha uma filha, uma família, e que não estava disposto a correr aquele tipo de riscos.»

 

«O que você [Carvalho] conseguiu foi que o grupo se unisse, mas contra si [após o Atlético de Madrid-Sporting.»

 

A hora da verdade...

Sempre afirmei que a presente época serviria para provar a competência do treinador Marcel Keizer e do presidente Frederico Varandas. Quanto ao primeiro, pouco tenho a acrescentar aos posts que escrevi. Já o segundo, ao chamar a si a responsabilidade pelo futebol, não pode colher apenas os louros das taças brilhantemente conquistadas na época transacta, também é o principal responsável pela péssima gestão do dossier Bas Dost. Caso decida até ao fecho do mercado vender Bruno Fernandes por um preço abaixo do inicialmente exigido, enfraquecendo a equipa de futebol, diminuindo manifestamente as aspirações para a presente época, será necessário retirar consequências. 

À semelhança de qualquer outro jogador, o Sporting nada pode fazer se aparecer algum clube a bater a cláusula de rescisão, a confirmarem-se os rumores que dão conta da possível saída do nosso capitão a preço de saldo, ficaremos perante uma evidência de gestão danosa, que exige uma explicação aos sócios, seguida da convocação de Assembleia Geral para aferir a confiança que os órgãos sociais ainda merecem aos sócios. Obviamente que não estou disponível para suportar uma direcção que salda os nossos melhores activos, mantém um treinador que não aposta na formação e aposta em empréstimos para valorizar activos alheios, como se prepara para fazer com um jovem extremo brasileiro, cujo passe pertence a um clube alemão ou adquire jogadores de terceira categoria, como são os nomes que estão em cima da mesa para substituir Dost e possivelmente Bruno Fernandes...

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D