Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Balanço (6)

LuisNetoSeferovic-1068x712.jpg

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre NETO:

 

Leonardo Ralha: «Distinguiu-se pela voz de comando, por alguns cortes incisivos e bem arriscados e até pela forma como suplicou em vão a Rui Costa que não expulsasse Acuña.» (6 de Dezembro)

Luís Lisboa: «Quanto aos carregadores de piano, os que lutam até ao fim e raramente comprometem, apenas posso vislumbrar cinco: Renan, Neto, Battaglia, Sporar e Luiz Phellype.» (22 de Março)

Eu: «É um jogador posicional, dotado de grande disciplina táctica e que aprendeu a fazer da experiência uma virtude embora ainda falhe por vezes o tempo ideal de corte. Falta-lhe o arrojo técnico de Mathieu, capaz de iniciar lances ofensivos com passes de ruptura e excelente visão de jogo, mas é daqueles profissionais que costumam transmitir confiança a qualquer equipa técnica. E revela espírito combativo.» (11 de Abril)

- JPT: «Não sei se Neto será suficiente como titular (veio com "planta" de tal).» (12 de Julho)

Eduardo Hilário: «É um jogador com palmarés internacional e experiência, algo que faz falta ao actual Sporting. Esta época sofreu com algumas lesões, mas entendo que tem qualidade suficiente para permanecer no plantel.» (5 de Agosto)

Balanço (5)

21489647_fLl6Q.png

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre COATES:

 

- José Navarro de Andrade: «Saí com a sensação de que poderia ter sido eu se estivesse no lugar de Coates. Levar de frente com tudo, assim à bruta, porque quem estava à minha frente devia ter tapado alguma coisa e não tapou nada é coisa que mói o discernimento do mais maduro.» (1 de Setembro)

- Paulo Guilherme Figueiredo: «O capitão, Coates (sim, era ele quem usava a braçadeira de Stromp, Damas, Travassos) é bem o espelho dessa equipa desgarrada, sem brio, medrosa. Que desorganiza à primeira contrariedade. Que nos envergonha a todos.» (24 de Setembro)

Edmundo Gonçalves: «Coates mereceu tanto aquele golo! Por tudo o que de bom lhe pode trazer e à equipa.» (27 de Outubro)

Eu: «Para mim o melhor em campo. Não apenas por ter marcado o golo inaugural do Sporting, incutindo assim confiança à equipa, mas por ter liderado a nossa organização defensiva, que se portou em bom nível global apesar da ausência de Mathieu.» (7 de Novembro)

Leonardo Ralha: «O xerife uruguaio voltou à equipa e impôs a sua lei aos galos de Barcelos, anulando sucessivas tentativas de ataque pelo ar e ainda mais pela relva, demonstrando um “timing” perfeito nos muitos cortes que se encarregou de fazer. Ter um dos poucos jogadores de elevado nível que restam no plantel em campo é sempre uma garantia.» (6 de Dezembro)

Luís Lisboa: «Encontrou enfim a sua verdadeira posição e esteve imperial. Agora sim, "El patron".» (19 de Junho)

JPT: «Eu continuo a pensar que Coates é insuficiente para uma equipa com aspirações grandes, para mim ele é o novo Polga, com o qual ainda tenho pesadelos. Para se perceber melhor, se Polga é meu inverso de Damas, Coates é o meu inverso de Jordão.» (12 de Julho)

Balanço (4)

as2i8563_min3111fa28defaultlarge_1024.jpg

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre ROSIER:

 

Luís Lisboa: «Parece sólido a defender mas inconsequente a atacar.» (20 de Setembro)

JPT: «Li, e muito aqui também, que Bruno Gaspar era dos piores, ou talvez mesmo o pior, dos jogadores que passaram pelo clube (centenário). Foi despachado e foi-se buscar um Rosier que custou o que se poupou com Bas Dost. Já viram como joga?, é assim tão melhor do que o Bruno Gaspar?» (18 de Outubro)

- José Cruz: «Um Esgaio é melhor que um Rosier.» (18 de Janeiro)

Leonardo Ralha: «Existe uma realidade alternativa, tal qual no “The Man in the High Castle” de Philip K. Dick, em que Mama Baldé fez igual ou melhor do que o francês e algum empresário perdeu comissões relativas a uma mão-cheia de milhões de euros.» (8 de Março)

Eu: «Tem-lhe faltado condição física. Falta-lhe também ousadia ofensiva e capacidade para arriscar o centro lá à frente, a partir da linha. Num campeonato tão assimétrico como o português, compensa pouco ter um lateral com características tão posicionais e de reduzida mobilidade como Rosier. O preço que custou exige muito mais que isso.» (26 de Maio)

- Eduardo Hilário: «É um jogador intermitente e que não consegue fazer mais do que um jogo em condições. Assim sendo, está a ocupar um espaço que não é dele.» (5 de Agosto)

Balanço (3)

img_900x509$2017_09_21_00_46_39_669778.jpg

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre RISTOVSKI:

 

- Luís Lisboa: «Se toda a equipa esteve bem (Eduardo à parte), hoje gostei particularmente dos patinhos feios Ristovski e Doumbia.» (16 de Dezembro)

- Edmundo Gonçalves: «Perguntem ao Ristovski o que é ser alvo do fair-play do Vitória de Setúbal, que ele foge mais depressa do que da Academia em dia de invasão.» (10 de Janeiro)

- Pedro Oliveira: «Como poderia ele tirar dali aquela bola com o avançado mergulhador e cavador de expulsões a empurrá-lo com os dois braços?» (16 de Fevereiro)

- JPT: «Ristovski é esforçado e chega... como suplente.» (12 de Julho)

- Eu: «Não tem lugar no plantel de uma equipa com as aspirações do Sporting. Voltou a demonstrar a sua falta de categoria nesta partida em que o Sporting se despediu de Alvalade (com as bancadas vazias) na Liga 2019/2020. Incapaz de um cruzamento em condições, incapaz de um passe bem orientado, incapaz de dominar bem a bola na maior parte das vezes em que é convocado pelos colegas.» (21 de Julho)

- Leonardo Ralha: «Prosseguiu a sucessão de exibições medíocres que servem para realçar o fraco nível das alternativas Rosier e Rafael Camacho. Permissivo a defender e inoperante a atacar, o macedónio especializou-se nas perdas de bola junto à grande área.» (28 de Julho)

Balanço (2)

image[1].jpg

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre LUÍS MAXIMIANO:

 

Eu: «Gostei da exibição de Luís Maximiano, hoje titular em estreia na baliza leonina numa competição da UEFA - sucedendo de algum modo a Rui Patrício, que se estreou há 12 anos na mesma posição. Muito seguro e concentrado, com bons reflexos, teve um papel irrepreensível não apenas entre os postes mas também a antecipar-se em saídas oportunas que abortaram lances ofensivos do PSV.» (28 de Novembro)

Edmundo Gonçalves: «As fífias que Ilori e Doumbia deram obrigaram a sair da toca o Luis Maximiniano, Max para todos nós sportinguistas, que fez um belo número de como bem defender uma baliza. E até demonstrou que sabe colocar a bola longe, jogável, com os pés!» (29 de Novembro)

- Leonardo Ralha: «Encarregou-se de alterar o destino. Fê-lo de forma brilhante ao desviar para canto o remate de um adversário isolado – num lance que ditou a grave lesão de Neto –, logo na primeira parte, mas também desviou para longe da baliza o perigo que surgiu depois do intervalo. A haver algo de positivo a retirar desta triste temporada, que seja a sua afirmação.» (10 de Dezembro)

- Francisco Almeida Leite: «O Luís Maximiano, "Max" como todos nós sportinguistas lhe chamamos carinhosamente, estará em condições de vir a ser um dos eleitos de Fernando Santos para o grupo que segue para a prova de 2021 ainda como campeão europeu. Arrisco mesmo a dizer que ainda era melhor que já estivesse apto para disputar a titularidade a Rui Patrício, isso é que era!» (5 de Abril)

- Pedro Boucherie Mendes: «Devemos muito desta sequência tão positiva ao Luís Maximiano. Ainda ontem defendeu um remate de um avançado do Gil ali na primeira parte que segurou o um a zero. Em onzes com tantos jovens, ter um guarda-redes seguro, ágil e atento é fundamental. Espero que fique no Sporting.» (2 de Julho)

Balanço (1)

renan-ribeiro-guarda-redes-torwart-sporting-cp-155

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre RENAN:

 

Eu: «O melhor em campo. Foi decisivo nesta conquista dos três pontos para o Sporting em várias defesas que confirmaram a sua classe e os seus reflexos. Destaque para um voo que impediu Pablo de marcar, aos 30', e o golo "cantado" que travou in extremis a Hassan, aos 40'.» (19 de Agosto)

Edmundo Gonçalves: «O Braga veio à nossa casa jogar à grande e em grande, aberto, com uma frente de ataque que só não foi demolidora por obra e graça de São Renan.» (19 de Agosto)

- Leonardo Ralha: «Regressa da Noruega com aquilo a que uma tradução selvagem chamaria um “lençol lavado” e deve a ausência de golos sofridos não só à profusão de colegas com missões defensivas e à incapacidade dos adversários para fazerem melhor. Sempre que foi chamado a intervir esteve mais do que à altura e na segunda parte fez defesas essenciais para impedir que o Rosenborg sonhasse com outro resultado.» (9 de Novembro)

Luís Lisboa: «Quanto aos carregadores de piano, os que lutam até ao fim e raramente comprometem, apenas posso vislumbrar cinco: Renan, Neto, Battaglia, Sporar e Luiz Phellype.» (22 de Março)

Balanço da década

1

Chegamos agora ao fim de mais uma década desportiva e, no capítulo do futebol, o balanço não podia ser mais desolador:

Campeonatos: zero.

Taças de Portugal: duas (2015 e 2019)

Supertaças: uma (2015)

Taças da Liga: duas (2018 e 2019)

 

Entre 2011 e 2020, portanto, apenas cinco troféus - nenhum deles o mais cobiçado - em 40 possíveis.

Só um por cada oito. 

 

Nesta triste década tivemos cinco presidentes, um dos quais interino: José Eduardo Bettencourt, Godinho Lopes, Bruno de Carvalho, Torres Pereira e Frederico Varandas.

No mesmo período, passaram pela equipa principal do Sporting nada menos do que 16 treinadores: Paulo Sérgio, José Couceiro, Domingos Paciência, Ricardo Sá Pinto, Oceano Cruz, Franky Vercauteren, Jesualdo Ferreira, Leonardo Jardim, Marco Silva, Jorge Jesus, José Peseiro, Tiago Fernandes, Marcel Keizer, Leonel Pontes, Silas e Rúben Amorim.

Destes, apenas três inscreveram os nomes na galeria de vencedores: Marco Silva (uma Taça de Portugal numa só época em Alvalade), Jorge Jesus (uma Supertaça e uma Taça da Liga em três épocas) e Marcel Keizer (uma Taça de Portugal e uma Taça da Liga em dez meses). Todos foram despedidos após a conquista do último troféu - único, no caso de Marco Silva.

 

2

Campeonatos nacionais de futebol conquistados pelo Sporting por décadas, a partir dos anos 40:

1941/1950: cinco
1951/1960: cinco
1961/1970: três
1971/1980: dois
1981/1990: um
1991/2000: um
2001/2010: um
2011/2020: nenhum

Esta foi, portanto, a primeira década em que não conseguimos festejar sequer um título de campeões nacionais.

 

3

Enquanto não assimilarmos estes factos e estes números, extraindo deles as devidas conclusões, nada de significativo mudará no Sporting. Excepto para pior.

Os jogadores de Varandas (balanço)

image[5].jpg

 

Luiz Phellype: Dezembro de 2018. Nota 7.

Ilori: Janeiro de 2019. Nota 3.

Borja: Janeiro de 2019. Nota 5.

Idrissa Doumbia: Janeiro de 2019. Nota 4.

Plata: Janeiro de 2019. Nota 8.

Luís Neto: Março de 2019. Nota 6.

Vietto: Maio de 2019. Nota 7.

Rafael Camacho: Junho de 2019. Nota 6.

Rosier: Junho de 2019. Nota 4.

Eduardo: Julho de 2019: Nota 4.

Fernando: Setembro de 2019. Nota 0.

Jesé: Setembro de 2019: Nota 1.

Bolasie: Setembro de 2019. Nota 4.

Sporar: Janeiro de 2020. Nota 7.

 

Média: 4,7

Os rostos do fracasso

img_920x518$2019_08_30_23_34_45_1595061.jpg

 

Todos os anos, jornada após jornada, anoto aqui os jogadores que a imprensa desportiva elege como melhores em cada partida disputada pelo Sporting. Estive há pouco a lembrar a lista dos eleitos na temporada 2018/2019: Bruno Fernandes, Raphinha e Nani

 

Oito meses depois, nenhum deles está no Sporting. Nani até saíra antes, por motivos nunca explicados, quando era capitão da equipa e peça vital do plantel reconstruído durante a gestão provisória protagonizada por Sousa Cintra na SAD leonina que possibilitou a conquista da Taça de Portugal e da Taça da Liga. A 19 de Fevereiro de 2019, o Sporting anunciou a saída deste campeão europeu em simultâneo com o afastamento definitivo de um tal Castaignos, o que me levou a protestar: «Isto não é forma de tratar os nossos. Refiro-me aos que são verdadeiramente nossos, não aos que só passam por cá para fazer turismo.»

Com razão ou sem ela, circulou o rumor de que Nani fora afastado por incompatibilidade com Bruno Fernandes. Um rumor que dava jeito à Direcção liderada por Frederico Varandas, pelos vistos incapaz de gerir dois egos na mesma equipa - como se isso fosse um problema quando a qualidade impera. À época, a narrativa dominante - e que logo dois papagaios de turno se apressaram a difundir nos seus púlpitos televisivos - jurava que Varandas «faria tudo» para manter Bruno Fernandes no Sporting. Isto quando o Daily Mirror já noticiava que Bruno iria rumar ao Manchester United por 63 milhões de libras.

 

Raphinha foi, precisamente, um dos jogadores-chave na conquista da Taça de Portugal ao marcar uma das grandes penalidades ao FC Porto no Jamor. Também ele acabou por ser despachado de Alvalade, a 2 de Setembro de 2019, numa transferência para o Rennes concretizada no último dia do mercado que apanhou de surpresa o próprio atleta, dias antes fundamental para a vitória do Sporting contra o Portimonense no Algarve - jogo em que marcou dois golos e nos colocou na liderança do campeonato, à condição. 

Capitalização financeira, mas descapitalização no plano desportivo: a equipa então orientada por Marcel Keizer perdia outra peça essencial para a conquista de objectivos na época futebolística ainda mal iniciada. Mas a narrativa anterior manteve-se: Raphinha saía para que Bruno ficasse. Tal como sucedera com Nani.

 

Afinal Bruno Fernandes também não ficou, o que invalidava tudo quanto antes se dissera. Saiu a 28 de Janeiro de 2020, por 55 milhões de euros (mais objectivos fixados no acordo entre as partes), precisamente para o clube que o Mirror assinalara seis meses antes num furo jornalístico de longo alcance.

E assim, em etapas desenroladas ao longo de onze meses, perdemos os três jogadores nucleares da temporada 2019/2020. Assim passámos da liderança à condição no campeonato para o quarto posto na tabela, com Rio Ave e V. Guimarães a morderem-nos os calcanhares. Assim passámos de titulares de duas taças para a eliminação na reconquista desses troféus.

Tudo envolto numa retórica com mais buracos do que um queijo suíço: Nani saía para se manter Bruno; Raphinha saía para que Bruno ficasse; o próprio Bruno saía afinal porque nada do que se dissera antes fazia sentido.

 

O rumo errante aqui lembrado comprova que os fracassos não sucedem por acaso. Ocorrem por más escolhas, opções desastradas e incompetente gestão dos recursos disponíveis. Conduzindo o Sporting à irrelevância desportiva e aprofundando o divórcio entre equipa e adeptos, com a consequente deserção dos lugares no estádio e fatal perda de receita.

Este fracasso concreto tem rostos e nomes. Por esta ordem: Frederico Varandas, Salgado Zenha e Hugo Viana.

2019 em balanço (10)

 

FRASE DO ANO: "UM CLUBE DE MALUCOS"

Não parece, mas esta frase foi proferida pelo presidente do Sporting, aludindo ao próprio clube e atribuindo-a a um treinador português com prestígio europeu cujo nome não especificou. Numa desastrada entrevista ao Jornal da Noite da SIC em que pretendia incutir tranquilidade aos adeptos, Frederico Varandas espalhou-se ao comprido logo no início, proferindo estas palavras que relegaram para segundo plano qualquer outra mensagem que pretendesse transmitir. Palavras que a partir daí se colaram a ele: será difícil libertar-se delas.

«Ao despedir Keizer, procurámos um treinador português e com um grande currículo europeu. Tentámos. Um mostrou que desejava ter projectos onde pudesse lutar pela Champions. E outro também recusou e até me disse: "Gabo muito a sua coragem, gabo muito a sua paciência, mas eu não tenho a mesma para aturar um clube de malucos, como é o Sporting." Isto [sic] é a visão que muitos treinadores têm hoje do Sporting.» Declarações textuais de Varandas, mencionando José Mourinho e Leonardo Jardim entre os técnicos conceituados que procurou (em vão) trazer para Alvalade.

Foi a 28 de Setembro - um dia em que o sucessor de Torres Pereira e Sousa Cintra certamente recordará pela negativa. Ao declarar o que declarou, Varandas confirmou que Silas esteve muito longe de ser a primeira escolha para orientar o futebol profissional do Sporting - facto que só pode quebrar-lhe a autoridade no balneário. Deixando claro, ao mesmo tempo, que não faltam treinadores que recusam trabalhar em Alvalade - algo nada abonatório para o emblema leonino. Além disso, ficou-lhe mal tornar públicas conversas do foro privado. Ficou-lhe ainda pior admitir insultos ao clube a que preside, venham de quem vierem.

Varandas não parece ter reparado que, se o Sporting é um clube de malucos, ninguém será tão doido como o primeiro na hierarquia. Ele.

No dia seguinte, em conferência de imprensa, Silas deu-lhe a resposta: «Sou o mais maluco de todos.» Demonstrando, com muito menos palavras, maior eficácia comunicacional do que o presidente.

 

Frase do ano em 2013: «O Sporting é nosso outra vez»

Frase do ano em 2014: «Estamos em casa»

Frase do ano em 2015: «Temos de acordar o Leão adormecido»

Frase do ano em 2016: «Pelo teu amor eu sou doente»

Frase do ano em 2017: «Feito de Sporting»

Frase do ano em 2018: «Foi chato»

2019 em balanço (9)

 

GOLO DO ANO

Apesar do nosso desencanto e da nossa frustração em parte do ano futebolístico, há que reconhecer: não faltaram excelentes golos de verde e branco em 2019. De tal maneira que desta vez tive alguma dificuldade na escolha. Podia ter seleccionado o de Pedro Mendes contra o PSV, na Holanda (19 de Setembro). O de Mathieu na recepção à mesma equipa, em Alvalade (28 de Novembro). O primeiro de Vietto na partida contra o Belenenses SAD (10 de Novembro). Ou, recuando alguns meses, o de Wendel contra o Feirense para os quartos da Taça de Portugal (16 de Janeiro).

Confesso que a escolha se deveu a diversos factores conjugados: ter ocorrido num dos nossos melhores jogos dos últimos meses, revelar irrepreensível execução técnica, culminar uma excelente demonstração de futebol colectivo e ter sido vital para a conquista do nosso mais saboroso troféu do ano.

Aconteceu em Alvalade a 3 de Abril, na segunda mão da meia-final da Taça de Portugal contra o Benfica. Um golaço de Bruno Fernandes que ajudou a desfazer o nó frente aos nossos mais velhos rivais, que nos haviam batido por 1-2 na primeira mão, a 6 de Fevereiro. O capitão leonino recebeu a bola na ponta direita, libertou-se de marcação pregando um defesa adversário no chão e serviu-se do pé esquerdo para um potente remate, sem defesa possível para o guardião encarnado, Svilar. Já tinha sido ele a marcar na Luz.

Era a nossa primeira vitória frente ao Benfica, em futebol profissional, desde Novembro de 2015. Seguíamos em frente na competição e acabámos por levantar o caneco no Jamor.

Sem este golo não teríamos chegado lá.

 

 

Golo do ano em 2012: Xandão, contra o Manchester City

 Golo do ano em 2013: Montero, contra a Fiorentina

Golo do ano em 2014: Nani, contra o Maribor

Golo do ano em 2015: Slimani, na final da Taça de Portugal

Golo do ano em 2016: Bruno César, contra o Real Madrid

Golo do ano em 2017: Bruno Fernandes, contra o V. Guimarães

Golo do ano em 2018: Jovane, contra o Rio Ave

2019 em balanço (8)

image[1].jpg

 

 

VITÓRIA DO ANO: CONQUISTA DA TAÇA DE PORTUGAL

Às vezes é preferível assim. As nossas expectativas eram baixas, o que ampliou ainda mais a alegria que sentimos ao conquistarmos dois troféus inesperados. O primeiro logo a 26 de Janeiro, em Braga, numa suadíssima final frente ao FC Porto, em que o rival dispôs de mais 24 horas de descanso: quatro meses após ter sido eleito presidente, Frederico Varandas via o Sporting vencer a Taça da Liga pelo segundo ano consecutivo. E Marcel Keizer igualava a proeza de Jorge Jesus. Com golo marcado de grande penalidade por Bas Dost já no tempo extra, empatando a partida, sendo o título decidido por penáltis. Renan, que defendera três na meia-final contra o Braga, defendeu mais um contra o FCP: foi vital para conseguirmos o troféu.

A final da Taça maiúscula, no Jamor, viria a ser ainda mais emocionante. Foi a 25 de Maio, no mesmo cenário em que tínhamos perdido contra o modesto Aves um ano antes. Desta vez com uma sorte bem diferente. A vítima voltou a ser o FC Porto, treinado por um Sérgio Conceição com eterno mau perder. Com golos, do nosso lado, marcados por Bruno Fernandes (45') e Bas Dost (101'). Fomos novamente a penáltis - e de novo Renan se distinguiu ao defender um.

Aconteceu uma genuína e legítima explosão de alegria verde-e-branca nas vetustas bancadas do Estádio Nacional. Saudando os heróis que, sob o comando do técnico holandês, reeditaram a proeza de quatro anos antes, quando conquistámos a Taça contra o Braga com Marco Silva ao leme - novamente com o emocionante recurso a grandes penalidades, novamente com Sérgio Conceição no lugar da vítima.

Resta anotar o nome dos 15 jogadores que contribuíram para este dia mais empolgante do futebol leonino no irregular ano que agora terminou: Renan, Bruno Gaspar, Coates, Mathieu, Acuña, Gudelj, Wendel, Bruno Fernandes, Raphinha, Diaby, Luiz Phellype, Ilori, Bas Dost, Idrissa e Jefferson.

Sete meses depois, seis já cá não estão.

 

 

Vitória do ano em 2012: meia-final da Liga Europa (19 de Abril)

Vitória do ano em 2013: 5-1 ao Arouca (18 de Agosto)

Vitória do ano em 2014: eliminação do FCP da Taça no Dragão (18 de Outubro)

Vitória do ano em 2015: conquista da Taça de Portugal (31 de Maio)

Vitória do ano em 2016: conquista do Campeonato da Europa (10 de Julho)

Vitória do ano em 2017: eliminação do Steaua de Bucareste (23 de Agosto)

Vitória do ano em 2018: goleada ao Qarabag (29 de Novembro)

2019 em balanço (7)

benfica-e-sporting-1[1].jpg

 

 

DERROTA DO ANO: SUPERTAÇA

Há jogos que definem uma época. Foi de algum modo o que sucedeu na Supertaça, disputada a 4 de Agosto no Estádio do Algarve. Um desafio que, contrariando os nossos desejos e os prognósticos de muitos, redundou na vingança do Benfica face à derrota que havíamos imposto ao velho rival, na mesma competição, quatro anos antes. E essa desforra foi-nos cobrada com juros.

Esse reduto que foi palco do nosso triunfo por 1-0 em 2015 (golo de Slimani) funcionou desta vez como cenário de um pesadelo para a massa adepta leonina. E viria a custar ao cargo, como depois se saberia, ao técnico Marcel Keizer.

O pior não foi a derrota, mas os expressivos números em que se traduziu: uma goleada por 0-5. Sucumbimos numa segunda parte aterradora e saímos do Algarve vergados perante um SLB sem as duas estrelas da época anterior (Jonas e João Félix).

Parecia o que acabou por ser: uma partida de péssimo agoiro para o conjunto da época. Chegamos ao fim do ano civil em terceiro no campeonato, mas já a 13 pontos do Benfica. Fomos eliminados da Taça de Portugal pelo Alverca, clube da terceira divisão. E começámos da pior maneira a defesa do título na Taça da Liga com uma derrota em casa frente ao Rio Ave. Em quatro meses, vamos no terceiro técnico: Silas, após Keizer e o interino Leonel Pontes (incapaz de vencer um jogo).

Na análise imediata a esta Supertaça de má memória, escrevi isto: «Marcel Keizer, mostrando a sua pior face de treinador medroso, fez entrar em campo na Supertaça um onze hiperdefensivo contra um Benfica desfalcado de vários titulares da época passada e cheio de miúdos da formação, um dos quais em estreia, de pé trocado, pela ausência do habitual lateral direito. Medroso, repito. Como se o Sporting fosse o Paços de Ferreira a jogar na Luz.»

Causou perplexidade o facto de termos entrado apenas com um reforço - Luís Neto, por sinal o único adquirido a "custo zero" - apesar dos 25 milhões de euros em aquisições já desembolsados. E custou-nos ver em campo só um jogador da nossa formação - Thierry, que não tardaria a abandonar Alvalade. Em flagrante contraste com os históricos rivais. «Também no capítulo do aproveitamento da formação e dos reforços saímos derrotados do Algarve», foi outra amarga conclusão que extraí desse confronto.

No final, numa das mais infelizes declarações proferidas nestes 16 meses que leva de mandato, Frederico Varandas aproximou-se por instantes dos jornalistas para lhes comunicar que estava «chateado, mas não preocupado». Ao naufrágio em campo, somava-se o desastre comunicacional. Há dias em que mais vale ficar em casa.

 

Derrota do ano em 2012: final da Taça de Portugal (20 de Maio)

Derrota do ano em 2013: 0-1 em casa contra o Paços de Ferreira (5 de Janeiro)

Derrota do ano em 2014: 3-4 contra o Schalke 04 em Gelsenkirchen (21 de Outubro)

Derrota do ano em 2015: 1-3 contra o CSKA em Moscovo (26 de Agosto)

Derrota do ano em 2016: 0-1 contra o Benfica em casa (5 de Março)

Derrota do ano em 2017: 1-3 contra o Belenenses em casa (7 de Maio)

Derrota do ano em 2018: final da Taça de Portugal (20 de Maio) 

2019 em balanço (6)

img_797x448$2019_08_20_12_12_12_598884[1].jpg

 

 

DESPEDIDA DO ANO: BAS DOST

Ele não merecia ter saído como saiu. Já com a época a decorrer, sem ter podido despedir-se em campo de sócios e adeptos, a uma semana de se esgotar o prazo para o fecho do mercado estival de transferências. E sobretudo por um preço irrisório, até ridículo para o seu valor. Em nome da «contenção de custos», alegou-se como justificação para tal desfecho. Como se ele não gerasse receita e só provocasse despesa.

Bas Dost deixou o Sporting, transferido para o Eintracht Frankfurt, por meros sete milhões de euros. Quantia que causou admiração até ao presidente do clube alemão, que viria a a admitir o seu espanto por desembolsar tão pouco por um dos maiores goleadores dos campeonatos europeus: escassas semanas antes, Dost "custava" o dobro.

Os números falam por si: nas três temporadas em que prestou serviço no Sporting, o holandês marcou 93 golos em jogos oficiais - à pendular média de um golo a cada 90 minutos. Tornou-se um ídolo da massa adepta, sobretudo entre os mais jovens, que vibravam de maneira muito especial a cada remate vitorioso que lhe saía dos pés ou da cabeça. Puro ponta-de-lança posicional - a posição de que andamos mais carentes nesta frustrante época que vai quase a meio.

Dost, pai de um menino nascido há 17 meses em Portugal, tornou-se um dos três maiores artilheiros do nosso clube no século XXI, integrando com Jardel e Liedson este restrito lote. Chegou a ser o terceiro maior goleador das competições europeias na temporada 2016/2017, sendo ultrapassado então só por Messi (Barcelona) e Cavani (PSG). E revelou-se também um dos jogadores mais consensuais no balneário leonino, sem a menor demonstração de egoísmo em campo, sempre pronto a felicitar e a incentivar os colegas.

Deixou-nos bruscamente, no Verão passado. Carentes de golos e de vitórias, impossíveis sem eles. Sentimos falta daquela camisola n.º 28 e dos cânticos de euforia que nos suscitava o seu desempenho. Gostaríamos de voltar a escutar "Thunderstruck", dos AC/DC - a música que lhe fica para sempre associada no nosso imaginário.

 Quatro meses depois, o seu lugar continua infelizmente por preencher.

 

Despedida do ano em 2012: Polga

 Despedida do ano em 2013: Wolfswinkel

Despedida do ano em 2014: Leonardo Jardim

Despedida do ano em 2015: Marco Silva

Despedida do ano em 2016: Slimani

Despedida do ano em 2017: Adrien

Despedida do ano em 2018: Jorge Jesus

2019 em balanço (5)

25325018-9999x9999-lt[1].jpg

 

 

 DECEPÇÃO DO ANO: MIGUEL LUÍS

Se há jogador da formação leonina que dispôs de oportunidades para mostrar o que vale na equipa principal foi ele. Lançado por José Peseiro ao mais alto nível do futebol profissional do Sporting a 21 de Outubro de 2018, previa-se que o ano que agora acaba fosse o da explosão de Miguel Luís, na linha das promissoras exibições que fizera no Sporting B, entretanto extinto, e sobretudo nas selecções jovens, tendo-se sagrado campeão europeu sub-17 (em 2016) e sub-19 (em 2018).

No final da época passada, sentindo-se pouco aproveitado, o jovem médio, com 20 anos, deu sinais de que pretendia abandonar Alvalade, jogando por empréstimo noutro clube. Mas o então treinador Marcel Keizer fechou as portas a essa possibilidade, mantendo-o integrado no plantel principal, onde foi um dos escassos sobreviventes da formação leonina, ali reduzida à expressão mínima no início da época em curso.

A 19 de Setembro, durante a liderança interina de Leonel Pontes, dispôs enfim dos primeiros minutos de competição na temporada. Foi a 21 de Setembro, frente ao PSV na Holanda para a Liga Europa, e a partida correu-lhe mal: teve claras responsabilidades em dois dos três golos marcados pela equipa anfitriã. A estreia no campeonato 2019/2020 ocorreu quatro dias depois, contra o Famalicão em Alvalade: voltou a não correr-lhe bem esse jogo em que fomos derrotados em casa.

Já sob o comando de Silas, a 17 de Outubro, desperdiçou a maior das oportunidades num dos nossos jogos de mais triste memória deste ano: aquele em que fomos derrotados por uma equipa do terceiro escalão, o Alverca, e saímos eliminados da Taça de Portugal. Miguel Luís tinha especiais responsabilidades nesse desafio, em que actuou com a braçadeira de capitão face à ausência de Bruno Fernandes do onze titular. E voltou a passar ao lado da partida, com nova exibição para esquecer.

«Exibição marcada pela dificuldade em fazer cruzamentos ou contribuir de forma decisiva para um desfecho diferente daquele que mostrou aos sportinguistas que continua a haver mais túnel no fundo do túnel», escreveu o Leonardo Ralha na crónica desse jogo. Eu, igualmente decepcionado, incluí-o entre os que «se arrastaram sem préstimo em campo».

Das mais recentes aparições deste jogador fica-nos a imagem frustrante de alguém que se esconde em campo, só faz passes laterais ou à retaguarda, mostra-se incapaz de criar desequilíbrios e falha em momentos decisivos, nomeadamente no capítulo da finalização. Onde estão os passes de ruptura que lhe vimos em anos anteriores? Onde está o jogador inteligente e criativo a que nos habituou nos escalões jovens?

Esperamos todos que 2019 tenha sido apenas um triste interregno numa carreira que vai muito a tempo de se recompor.

 

Decepção do ano em 2012: Elias

Decepção do ano em 2013: Bruma

Decepção do ano em 2014: Eric Dier

Decepção do ano em 2015: Carrillo

Decepção do ano em 2016: Elias

  Decepção do ano em 2017: Alan Ruiz

Decepção do ano em 2018: Rafael Leão

2019 em balanço (4)

luis_maximiano_sporting_foto_sporting13062d8d[1].j

 

 

CONFIRMAÇÃO DO ANO: LUÍS MAXIMIANO 

Já se esperava a notícia, era apenas uma questão de data. E ela chegou, a 26 de Setembro, quando Luís Maximiano se estreou na equipa principal a defender a baliza leonina. Num confronto que terminou mal para as nossas cores: perdemos com o Rio Ave na primeira jornada da Taça da Liga. Mas que ficará como marco na carreira do jovem guarda-redes a quem muitos auguram um percurso na esteira de um Rui Patrício, seu ídolo assumido.

O ano encerra com Max - o nome pelo qual é mais conhecido entre colegas e adeptos - já no onze titular. Culminando uma subida a pulso. Com muito esforço, muito trabalho, muita dedicação e muito mérito.

«É um guarda-redes com uma margem de progressão enorme. Sabe ouvir, sabe trabalhar. Quer sempre mais. É muito preocupado com os detalhes, com os pormenores. E isso é importante porque ele tem de perceber que tem de continuar a crescer, a melhorar, e não pode relaxar.» Palavras do capitão Bruno Fernandes há três dias, em entrevista ao Record. Palavras que expressam a confiança do grupo de trabalho neste talentoso guardião que aprendeu tudo quanto sabe no Sporting e é fruto da excelência da nossa Academia.

Já como guarda-redes titular, teve actuação louvável nos jogos desta época em que o Sporting mais brilhou: a 28 de Novembro, na goleada que impusemos em Alvalade ao PSV para a Liga Europa; e a 21 de Dezembro, na espectacular reviravolta leonina frente ao Portimonense, no Algarve, para a Taça da Liga.

Nada que surpreenda quem tenha acompanhado com atenção o percurso de Luís Manuel Arantes Maximiano, iniciado em 2012 de verde e branco, ligado por contrato ao Sporting Clube de Portugal até 2023.

Foi internacional em todos os escalões jovens. E em 2016 sagrou-se campeão europeu sub-17. Ao estrear-se em Novembro passado como internacional sub-21, convocado pelo seleccionador Rui Jorge num jogo contra a Eslovénia, declarou isto: «Sporting? Sei que a minha oportunidade vai chegar.»

Pois já chegou. A uma semana de completar 21 anos, Max é hoje mais uma confirmação do que uma promessa. Se prosseguir como até aqui, pode continuar a sonhar alto. Com a certeza antecipada de que o futuro vai sorrir-lhe.

 

Confirmação do ano em 2012: André Martins

Confirmação do ano em 2013: Adrien

Confirmação do ano em 2014: João Mário

Confirmação do ano em 2015: Paulo Oliveira

Confirmação do ano em 2016: Gelson Martins

Confirmação do ano em 2017: Podence

Confirmação do ano em 2018: Bruno Fernandes

2019 em balanço (3)

image[1].jpg

 

 

PROMESSA DO ANO: RAFAEL CAMACHO

Irá singrar no Sporting? Sou capaz de apostar que sim. E ele já deu um indício claro disso, ao apontar um extraordinário golo no mais recente jogo da nossa equipa - o segundo contra o Portimonense na Taça da Liga, que contribuiu para virar a partida, quando tínhamos um jogador a menos e recuperávamos de dois golos sofridos na meia hora inicial.

Rafael Euclides Soares Camacho fez o início da sua aprendizagem futebolística nas escolinhas do Sporting antes de rumar com os pais a Inglaterra, onde actuou nos escalões de formação do Liverpool. Jurgen Klopp, que o conhece bem, apostou nele não apenas como extremo direito - posição preferida do jovem de ascendência angolana nascido há 19 anos em Lisboa - mas também como lateral. E foi precisamente a percorrer todo o corredor direito, fazendo duas posições, que ele se destacou no recente confronto em Portimão em que saiu enaltecido pela imprensa como o melhor em campo.

Regressou ao Sporting em Junho, como aposta da SAD leonina para reforçar o plantel após duas partidas pelo plantel principal do Liverpool, onde treinou ao lado de craques como Firmino, Mané e Salah. «Gosto de ter liberdade para jogar, fugir dos defesas, driblar, assistir e fazer golos.» Assim se definiu numa das primeiras entrevistas concedidas após assinar o contrato que o faz jogar de Leão ao peito, a troco de uma generosa quantia: o Sporting pagou cinco milhões de euros para o ver de verde e branco.

Demorou a dar nas vistas, com uma lesão pelo meio, mas vem conquistando claramente a confiança de Silas, que não hesita em atribuir-lhe cada vez mais responsabilidade. Ele tem respondido, com notável aptidão técnica e capacidade de desequilíbrio nos confrontos individuais. O golaço a que me referi é um excelente exemplo disso.

Klopp telefonou-lhe quando viu na televisão as imagens desse golo. Rafael certamente sentiu orgulho ao receber um elogio daquele que muitos consideram hoje o melhor treinador do mundo. Fazemos votos, da nossa parte, para que ele nunca se arrependa de ter trocado Anfield por Alvalade. Seria excelente por vários motivos - até para sacudir de vez a maldição do n.º 7, que vem assombrando o Sporting desde a partida de Luís Figo.

É tempo de virarmos a página também nisto.

 

 

Promessa do ano em 2012: Eric Dier

Promessa do ano em 2013: William Carvalho

Promessa do ano em 2014: Carlos Mané

Promessa do ano em 2015: Gelson Martins

Promessa do ano em 2016: Francisco Geraldes

Promessa do ano em 2017: Rafael Leão

Promessa do ano em 2018: Jovane

2019 em balanço (2)

paulo-freitas-parece-que-brincamos-ao-hoquei-[1].j

 

 

TREINADOR DO ANO: PAULO FREITAS

As modalidades leoninas vivem um dos melhores momentos de sempre, dando incontáveis alegrias aos adeptos. Incluindo aquelas que durante anos permaneceram adormecidas em Alvalade, como sucedeu com o hóquei em patins, uma das mais populares entre os portugueses. Há cinco anos, em boa hora, Bruno de Carvalho decidiu recuperá-la. Na presidência de Frederico Varandas, o nível tem-se mantido e até acentuado. Graças a um timoneiro exímio na orientação da equipa: Paulo Freitas, oriundo do Óquei de Barcelos - onde venceu duas Taças CERS - e nosso treinador pela terceira época completa consecutiva.

Com ele ao leme, logo em 2017/2018, o Sporting sagrou-se campeão nacional. Mas as maiores proezas ocorreram já este ano. Primeiro, a 12 de Maio, com a conquista da Liga Europeia, máximo troféu da modalidade ao nível de clubes, reeditando a façanha de 1977, quando fomos campeões europeus com um elenco titular de luxo: Ramalhete, Rendeiro, Sobrinho, Chana e Livramento. Depois a 29 de Setembro, com o inédito triunfo na Taça Continental, ao derrotarmos o FC Porto num vibrante Pavilhão João Rocha com casa cheia.

Mais duas páginas inesquecíveis no vasto historial de êxitos de um clube fundado em 1906 para ser tão grande como os maiores da Europa. Páginas a que este treinador de 51 anos ficará para sempre ligado ao comandar uma equipa onde brilham Ângelo Girão, Pedro Gil, Caio, Ferran Font e Gonzalo Romero. Paulo Freitas confirma-se assim como o homem certo no lugar certo. Levando o Sporting não apenas a vencer mas também a convencer pela qualidade do hóquei que pratica, tanto na construção ofensiva como na segurança defensiva.

Honrando da melhor maneira o lema do nosso fundador.

 

 

Treinador do ano em 2012: Domingos Paciência

Treinador do ano em 2013: Leonardo Jardim

Treinador do ano em 2014: Marco Silva

Treinador do ano em 2015: Jorge Jesus

Treinador  do ano em 2016: Fernando Santos

Treinador do ano em 2017: Jorge Jesus

Treinador do ano em 2018: Nuno Dias

2019 em balanço (1)

image[1].jpg

 

 

JOGADOR DO ANO: BRUNO FERNANDES

Muitos adeptos não hesitam em classificá-lo como um dos melhores médios criativos que já passaram pelo Sporting. Aos 25 anos, Bruno Fernandes é não apenas o capitão da equipa mas o prolongamento do treinador em campo, transmitindo constantes indicações de posicionamento aos colegas e dando ele próprio o exemplo de como deve comportar-se um futebolista que traz o emblema do Leão ao peito.

Tem um perfeito domínio técnico tanto a receber a bola como a construir lances ofensivos. Desenha jogadas colectivas na cabeça antes de lhes dar execução prática, denotando uma notável leitura de jogo. Exibe uma invejável capacidade física, surpreendendo aqueles que se deixam iludir pela sua compleição franzina. E revela uma inesgotável fome de golo, bem traduzida em números: nas três épocas que já leva em Alvalade somou intervenções em mais de cem golos, tanto a marcar como a assistir.

Bruno Fernandes é a jóia da coroa do futebol leonino. Não por acaso, foi o único jogador a actuar em Portugal a ser nomeado, muito recentemente, para o onze ideal das competições organizadas pela UEFA.

Terminou a época passada em grande, como médio mais concretizador de sempre no futebol europeu, com um registo de 31 golos: dezanove no campeonato, seis na Taça de Portugal, três na Taça da Liga e três na Liga Europa. Esta temporada segue pelo mesmo caminho: já marcou 13 e fez 12 assistências. Lidera isolado a lista dos goleadores da nossa equipa no campeonato e é o rei da participação em golos, à escala continental, na Liga Europa, com média de um marcado por jogo. Compensando assim, em boa parte, o facto de contarmos apenas com um ponta-de-lança, aliás nem sempre disponível, para as competições internas.

Voltou ao Sporting após ter-se desvinculado na sequência do assalto a Alcochete, que deixou em estilhaços o futebol leonino. «Se a Polícia não me parasse à saída da Academia, eu tinha ido embora e não tinha voltado mais», chegou a confessar numa entrevista. «Temi pela vida dos meus familiares, principalmente a minha filha e a minha mulher», viria a especificar no depoimento que prestou, como testemunha, no Tribunal de Monsanto.

Em boa hora regressou, recusando o bónus de cinco milhões de euros a que teria direito. Comporta-se em cada jogo com o entusiasmo de um estreante e a sabedoria de um atleta em fim de carreira, conciliando o melhor de dois mundos. E está a tornar-se um jogador cada vez mais influente também na selecção nacional: muitos vaticinam que será titular no próximo Campeonato da Europa, onde Portugal vai defender o título.

Para proveito e regozijo de todos nós.

 

 Jogador do ano em 2012:  Rui Patrício

Jogador do ano em 2013: Montero

Jogador do ano em 2014: Nani

Jogador do ano em 2015: Slimani

Jogador do ano em 2016: Adrien

Jogador do ano em 2017: Bas Dost

Jogador do ano em 2018: Bas Dost

Que desejos de Natal para o Sporting?

Green-Boat-men-Shoes[1].jpg

 

Eis-nos no Natal.

Tempo de convívio, tempo de reflexão, tempo de balanço.

Como estamos?

 

Lideramos os campeonatos de hóquei em patins, andebol e basquetebol. Acabamos de registar um triunfo indiscutível no campeonato nacional de natação em piscina curta: fomos o clube com mais títulos (13, doze masculinos e um feminino).

Nesta época, o judo leonino já se sagrou campeão europeu e o hóquei em patins do Sporting venceu a Taça Continental.

 

Em futebol, comandamos a Liga Revelação e o campeonato nacional de iniciados (sub-15) na nossa série.

Ao primeiro nível, seguimos em terceiro na Liga NOS, transitámos para os 16 avos de final da Liga Europa e disputaremos as meias-finais da Taça da Liga. Mas perdemos a Supertaça frente ao mais velho rival e fomos eliminados da Taça de Portugal (troféu de que ainda somos detentores) por um clube do terceiro escalão.

 

Eis, em síntese, o balanço desportivo.

Neste contexto, que prendas natalícias gostariam de ver no sapatinho do Sporting?

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D