Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Avançados que não são Paulinho

Não quero crer que seja Paulinho o ponta-de-lança que irá reforçar o Sporting nesta janela. Não é mau jogador, mas tem quase trinta anos e um custo absurdo, pronto a ir para os cofres de um clube da mesma liga. Pelo que se lê e ouve, é uma pequena obsessão de Amorim e hoje, todos confiamos em Amorim mas se temos 12 a 15 milhões a mais, acredito que haja melhores opções, em ligas periféricas. A saber:

Dennis Man, 22 anos, romeno, Steua Bucareste, 6,5 milhões de euros (valorização do Transfermarkt) – É jovem, buscará outro patamar competitivo e é um goleador que leva 17 golos em 20 jogos esta época. Está rodeado de outros jogadores de qualidade e um deles, o extremo Florian Coman, também seria bem-vindo, numa operação mais para o verão.

Bruno Pektovic, 26 anos, croata, Dínamo Zagreb, 11 milhões de euros – Mais experiente e corpulento do que a opção anterior, Pektovic é um jogador que me enche as medidas. Internacional croata, leva 8 golos esta época depois de 25 nas duas últimas. Não teve grande sucesso em Itália e terá a ambição de se afirmar fora do seu país.

Giorgos Giakoumakis, 26 anos, grego, VVV-Venlo, 0,8 milhões de euros – Opção mais desconhecida e barata da lista, este grego soma 20 remates certeiros na liga holandesa, depois de alguns anos interessantes no seu país. É bem verdade que esta não é a liga mais competitiva do mundo mas a verdade é que soma mais golos do que nomes mais sonantes ou a quem apontam grande futuro como Malen, Boadu, Antony ou Tadic.

Paul Onuachu, 26 anos, nigeriano, Genk, 12 milhões de euros – É o goleador da liga belga e tem sido um marcador de golos consistente na Europa. Experiente, mas com margem de progressão seria uma adição de primeira linha. É companheiro do compatriota Cyril Dessers, da mesma idade, que fez grande época no ano passado e que seria uma opção também interessante.

Estes são apenas alguns nomes, muitos mais existem, de avançados que não são Paulinho e que nos impedem de enriquecer ainda mais o Braga e sobretudo, nos dão garantias de golos.

Paulinho? Nem pensar

Texto de Luís Barros

paulinho-sc-braga-1582263758-32089.jpg

 

Paulinho no Sporting, só mesmo o que já lá está há mais de 30 anos.

Agora a sério. Não consigo perceber e aceitar a paixão pelo jogador mediano do Braga, que nunca fez parte do pódio dos melhores marcadores nacionais. Nas últimas épocas o Sporting teve quase sempre um goleador no trio do pódio e nenhum deles foi aposta superior a 10 milhões (Bas Dost), sendo que um custou umas centenas de milhares de euros (Slimani). Agora, apostar num jogador com 28 anos, pertencente a uma agremiação que tem sujado o nome do Sporting e que reclama valores completamente irreais, nem pensar.

Rúben Amorim falou que se deve fazer contratações como aposta de futuro e aí concordo com ele.

 

Como já escrevi algumas vezes, há jogadores no mercado europeu que se adaptam ao perfil adoptado pela equipa.

João Klauss, com 23 anos, tem jogado pouco este ano, mas na época anterior esteve emprestado ao Lask Linz e marcou 20 golos em 45 jogos. Antes esteve emprestado ao HJK da Finlândia onde marcou 24 golos e foi o melhor marcador do campeonato. Este jogador tem um físico considerável e joga bem com os pés e de cabeça - no fundo um jogador tipo Paulinho, mais barato, mais novo e mais possante.

Uma proposta de empréstimo com opção de compra poderia ser uma aposta ganha.

 

Se o estilo é mais do género de Slimani, então porque não Arthur Cabral, de 22 anos, do Basel e que já conta com experiência no campeonato suíço, onde leva 8 golos em 16 jogos nesta época e marcou 18 em 39 jogos na época anterior.

E se as finanças estivessem mais abonadas há ainda Odsonne Édouard, avançado internacional pelas camadas jovens da França e que joga actualmente no Celtic, clube com uma camisola semelhante à nossa. Portanto, sem dificuldade de adaptação ao traje.

 

Estes três nomes mostram que opções há muitas, e certamente mais atractivas em todos os aspectos, do que comprar um avançado que ao fim destes anos nem chamou atenção ao Clube-mãe da agremiação bracarense.

 

Texto do leitor Luís Barros, publicado originalmente aqui.

Sporar deve encostar?

O Sporting goleou o Sacavenense para a Taça de Portugal: 7-1. Mas nem um desses golos foi marcado pelo suposto artilheiro de serviço, o esloveno Sporar. O mesmo que dispôs de pelo menos quatro oportunidades flagrantes de a meter lá dentro na partida seguinte - contra o Moreirense, para o campeonato - e falhou todas.

Único suposto ponta-de-lança operacional no actual plantel leonino, o ex-avançado do Slovan Bratislava leva apenas dois golos marcados nesta época 2020/2021. Atrás de Pedro Gonçalves, Nuno Santos, Tiago Tomás, Jovane e Coates. Algo aqui não bate certo.

É o momento de perguntar: deve Sporar ser remetido ao banco de suplentes por falta de aptidão para o golo? E, nessa hipótese, quem deveria jogar no lugar dele? Fica a questão, aguardando respostas.

A táctica do martelo

21939483_vzaLi.jpeg

 

Na conferência de imprensa de antevisão do jogo de ontem, quando lhe pediram para comentar a escolha de Jovane em detrimento de Sporar para o jogo inicial, Rúben Amorim disse o seguinte: «São jogadores de características diferentes. Estamos a apostar de início no Jovane que com a sua indisciplina tática cria espaço e depois temos dois jogadores, como o Pedro Gonçalves e o Nuno Santos, que estão a saber ler bem as movimentações do Jovane. Quando é o Sporar é porque escolhemos ter uma pessoa mais fixa no centro e que apareça mais vezes na área do que o Jovane. Depende muito do que o jogo está a pedir. Aliás, tem-se visto que nos últimos jogos tenho substituído sempre o Jovane pelo Sporar. Não porque um está a jogar mal, mas porque é o que o jogo está a pedir».

Quando as coisas não estão a funcionar, Amorim, mantendo o sistema táctico, mas trocando jogadores e alterando posições, ao mesmo tempo que coloca o tal ponta de lança que ocupa o espaço, parece de alguma forma também apostar na tal indisciplina táctica como forma de desmontar bloqueios e marcações, e fazer com que o talento dos jogadores resolva os problemas que o modelo de jogo definido não consegue resolver.

Nestes três últimos jogos, não há dúvida que a fórmula da tal indisciplina táctica funcionou. Foram um empate e duas vitórias conseguidas nos últimos minutos das partidas, sinal que os jogadores estão com ele e acreditam na mensagem que lhes é passada. Nunca é de mais lembrar que muitos desses jogadores são jovens nados e criados em Alcochete, não são Alans nem Bryans Ruizes (que me perdoe o Bryan pela companhia), vindos de longe e pagos a peso de ouro.

No entanto, cada vez mais se nota que os adversários estudam a forma de jogar do Sporting, sabem como anular as suas dinâmicas e falta a tal via alternativa ou a "táctica do martelo", ou seja, ter a capacidade de num remate de longe, na sequência dum canto, dum livre frontal ou lateral, num lançamento de bola lateral, pôr a bola lá dentro e assim, meio do nada, dar uma martelada forte na moral do adversário. Pelo contrário, as tais marteladas temos sofrido nós: logo com o Lask levámos uma e ainda ontem, num desvio de classe do gilista, que deixou Adán sem reacção, levámos outra que nos ia custando a derrota. Sem resolver esta questão nas duas áreas, marcar assim e não sofrer assim, não podemos ter grandes veleidades. 

Para isso, além do treino específico que Palhinha, Coates, Feddal e Neto terão de fazer,  bem como os especialistas do remate de meia distância, há uma coisa que me parece essencial: entrarmos em campo com um ponta de lança.

E como Acosta, Jardel, Liedson, Slimani ou Bas Dost não podem, já cá não estão, então temos de entrar em campo com... Sporar. 

SL

Slimani teria sido óptima escolha

Texto de Rautha

slimanisporting.jpg

 

Foi preciso ano e meio para termos uma janela de mercado relativamente razoável, comparando com três janelas de mercado onde vendemos ao desbarato (nem todos, mas Bas Dost, Nani e El Avioncito foram, literalmente, jogados fora) e comprámos entulho, do qual teremos muitas dificuldades em nos livrar.

 

Relativamente razoável porque comprámos alguns reforços dignos desse nome, até ver - casos de Pote, Nuno Santos, João Mario e Porro.

Mas ainda não fomos capazes de comprar/arrendar um avançado forte e bom no jogo aéreo, o que torna bastante infrutíferos os bons cruzamentos de Nuno Mendes e Porro.

 

Não trouxemos Paulinho, o que é sempre bom, [para não] dar dinheiro ao Braga por um jogador que marcou muitos golos esta época, mas que marcou apenas cinco na Liga 2018/2019, em 29 jogos.

A ser verdade que considerámos dar 15/20/25 milhões por Paulinho mas considerámos incomportável trazer o Slimani, fico estupefacto.

O argelino marcou, esta época que findou, nove golos em 18 jogos, com sete assistências.

Mesmo com 32 anos, continua aguerrido, capaz de pressionar o primeiro defesa da equipa. Boa constituição, boa capacidade física, disponbilidade, poucas lesões.

Teria sido uma óptima escolha para este plantel, com amor pelo clube e uma experiência que seria benéfica.

Na minha opinião de bancada, claro.

 

Voltando [à] "vaca fria", João Mário é um excelente regresso. Um campeão da Europa. Desaproveitado e desmotivado, retorna a casa para dar novo rumo à sua carreira, como Nani fez.

Se, no mínimo, tiver o impacto que Nani teve, ficámos indubitavelmente mais fortes.

 

Ficamos com excelentes opções no meio-campo.

No primeiro jogo pós-Wendel, vimos um Matheus mais solto, mais dinamizador, menos preocupado em equilibrar as correrias de Wendel. Que se mantenha assim e temos um Matheus renovado, Palhinha, João Mário, Pedro Gonçalves. Tudo gente capaz de solidificar aquele meio-campo.

 

Fica a faltar o tal Slimani (similar) e um defesa central capaz de empurrar Feddal para o banco. Ou então aproveite-se Gonçalo Inácio ao máximo, o rapaz tem dado boa conta de si.

 

Texto do leitor Rautha, publicado originalmente aqui.

Ponta-de-lança: quais as vossas sugestões?

hqdefault.jpg

 

Falta uma semana para o fecho do mercado de transferências. O Sporting, aparentemente, continua a necessitar de um reforço: um avançado posicional, de pé quente e com faro de golo. Um verdadeiro ponta-de-lança, enfim.

Venho fazer-vos um desafio: sugiram nomes que dentro das possibilidades financeiras do nosso clube possam ainda integrar o plantel leonino nesta posição de que ainda estamos carecidos. Talvez uma dessas sugestões acabe por tornar-se realidade.

 

Agradeço ao leitor Luís Barros, que tomou a iniciativa de me propor este repto. E passou ele próprio da teoria à prática. Fazendo as sugestões que passo a reproduzir:

João Klauss - nacionalidade: Brasil/Alemanha - 23 anos - 1,90 m - clube actual: TSG 1899 Hoffenheim - transfermarkt: 2,00 M€
https://youtu.be/PrndTn5JEOE

Petar Musa - nacionalidade: Croácia - 22 anos - 1,90 m - clube actual: Slavia de Praga - transfermarkt: 1,50 M€
https://youtu.be/zx8iPpYgpiM

Jean-Pierre Nsamé - nacionalidade: Camarões/França - 27 anos - 1,88 m - clube actual: Young Boys - transfermarkt: 7,00 M€
https://youtu.be/-O4M1iC7oqQ

 

São as propostas dele. E as vossas?

Algumas sugestões para reforços

Texto de Rafael Marques

1505592.jpg

 

Haverá essa necessidade [de contratar outro avançado] pela incógnita que é Luiz Phellype depois da lesão, visto que este em boas condições é jogador a ter em conta. Sporar (que aprecio), Tiago Tomás (está a surpreender mas precisa de jogar) e Vietto dão para o gasto.

Caso fossem ao mercado diria Bruno Petkovic, avançado croata que recentemente marcou a Portugal (25 anos, 1,93m e tem vindo a subir bastante de rendimento), sendo um " Mandzukic dos pobres", por assim dizer).

Há outras opções a "custo zero". Callejón seria uma mais-valia: apesar do custo (que não seria barato), ainda tem alguma coisa a dizer no mundo do futebol (talvez Plata tomasse notas). Se não este, Wellington Nem, que já esteve no radar do SCP e não entendo porque se encontra sem clube (qualidade não lhe falta, mas a folha salarial também deve acompanhar).

Onazi (médio defensivo) ou Oscar Hiljemark (médio-centro) para o meio-campo: não sendo nenhuns potentos, têm experiência internacional e poderiam acrescentar alguma coisa. E Naldo (que já passou pelo Sporting), com 32 anos feitos recentemente, ainda daria facilmente umas de xerife na nossa Liga.

Um jogador que me caiu no goto foi o Kraev, que jogou no Gil Vicente no ano passado e pertence aos quadros do Midtjylland. Não percebo como nenhum clube português avança para a sua contratação (este ou Racic, visto que o Valência é aparentemente uma casa a arder).

 

Texto do leitor Rafael Marques, publicado originalmente aqui.

Eric Dier, Zlatan Ibrahimovic e algumas ideias mais ancoradas à realidade

Este jogo com o Santa Clara demonstra que precisamos de um avançado que seja aquilo que Sporar não consegue ser e Pedro Mendes precisaria de um tirocínio numa equipa de meio da tabela para conseguir vir a ser. A este último, recomendaria um regresso às origens, num ano de empréstimo ao Moreirense, levando consigo, nas mesmas condições, Tomás Silva, com quem formou uma excelente dupla no arranque dos sub-23.

O sonho seria Zlatan Ibrahimovic (sonhar não custa) mas na nossa realidade triste já não espero melhor do que um "anjo caído" como Balotelli ou então um veterano como o retornado Slimani ou o emblemático Eder. Mais lúdico do que isso só forçar o miserável Rafael Leão a resolver o imbróglio da indemnização com uns bons anos de trabalhos forçados a marcar golos... Ou, lá está, convencer o empresário que mais lucrou com o ataque a Alcochete a convencer o AC Milan a pagar dois anos de salários ao astro sueco para seguir as pisadas de Schmeichel numa reforma gloriosa em Alvalade.

No meio-campo, como Palhinha aparenta ter a guia de marcha carimbada – juntando-se a Matheus Pereira, Demiral ou Domingos Duarte entre os escorraçados –, há que ter alguém capaz de ser o que Idrissa, Matheus e Battaglia não são: um muro dinâmico que faça acontecer e impeça que aconteça. Adrien Silva? Não sei se não será demasiado tarde, embora seja um jogador admirável. Sonho impossível? Eric Dier, mesmo que por empréstimo com ou sem opção de compra. Solução plausível? Não vender Palhinha ou apostar todas as fichas em Daniel Bragança.


E ainda mais um extremo. Ou uma oportunidade de “scouting” do género Gonzalo Plata ou então o regresso de Nani ou de Wilson Eduardo, para juntar experiência à miudagem. 

São os casos mais gritantes, mas outras trocas haveria para fazer: Beto Pimparel por Renan, um objectivo lateral não identificado (não digo que não ao espanhol Pedro Porro, ainda que seja ciência que desconheça...) por Rosier (fazendo o francês rodar em França e evitando dar meia-dúzia de milhões por Ricardo Esgaio depois de o termos oferecido ao Braga), em vez do marroquino sevilhano Feddal já apalavrado talvez José Fonte ou Marcos Rojo para apadrinharem o crescimento de Gonçalo Inácio ou o regresso de Ivanildo Fernandes, a contratação de Gonda do Portimonense ou o regresso de Lumor em caso de saída de Acuña (sendo a aposta em Nuno Mendes tão assumida quanto a feita em Eduardo Quaresma), Kraev como alternativa a Wendel se este sair ou Francisco Geraldes desistir de lutar, e a reintegração de Gelson Dala no plantel.

Qualquer coisa como isto:

Luís MaximianoBeto Pimpapel e Diogo Sousa (B e/ou sub-23)

OLNI/Pedro Porro, Ristovski, Coates, Neto, Eduardo Quaresma, Feddal/José Fonte/Marcos Rojo, Ivanildo Fernandes/Gonçalo Inácio, Nuno Mendes e Acuña/Gonda/Lumor

Dier/Adrien Silva/Palhinha, Matheus Nunes/Idrissa Doumbia, Daniel Bragança, Wendel, Francisco Geraldes/Kraev

Jovane Cabral, Gonzalo Plata, Nani/Wilson Eduardo e Joelson Fernandes/Bruno Tavares

Ibrahimovic/Balotelli/Slimani/Eder, Sporar, Vietto, Gelson Dala


Chegaria para o título? Talvez só com Dier e Ibrahimovic. Mas seria um início.

Vai marcando, mas longe de Alvalade

gelsondala2[1].jpg

 

Tem 23 anos, é adepto leonino, foi o melhor marcador e melhor jogador do campeonato angolano, chegou em 2016 ao Sporting como um promissor talento à espera de ser lapidado na nossa academia.

Jorge Jesus não tinha paciência para miúdos. Portanto Gelson Dala foi andando nas periferias. Jogou na equipa B, enquanto existiu, e ali deixou um excelente rasto: 13 golos em 17 jogos incompletos.

Só seis meses depois de chegar a Alvalade treinou pela primeira vez com a equipa sénior, mas não passou de uma falsa partida. Ainda participou na pré-temporada seguinte com os "grandes" mas no mercado de Inverno de 2017/2018  acabou emprestado ao Rio Ave. Com apenas um minuto de presença na equipa A do Sporting para o campeonato e 70 para a Taça de Portugal.

 

Em Vila do Conde bastaram-lhe 17 minutos em campo para se estrear a marcar na Liga nacional. E por lá permaneceu, sempre por empréstimo, durante cerca de ano e meio. No Verão de 2019, regressou à base. Mas Marcel Keizer não o quis sob o seu comando: nem um minuto lhe concedeu na pré-temporada. Novo empréstimo, desta vez para um clube turco, onde esteve até há um mês.

Regressado - novamente emprestado - ao Rio Ave, não tardou a mostrar serviço: três golos em quatro jogos já efectuados. Dois deles selando a vitória contra o Tondela, neste fim de semana, que garantiu três pontos à equipa comandada por Carlos Carvalhal. Já tinha sido fundamental para segurar o empate frente ao Famalicão.

O jornal O Jogo chama-lhe «suplente de luxo». E com razão: o jovem angolano anda a marcar um golo a cada 32 minutos. Sempre a saltar do banco com sucesso.

 

Velocidade, finta, recepção orientada, controlo de bola, correcta posição do tronco na altura do remate: todos estes atributos o recomendam para um lugar ao sol no plantel leonino.

É caso, portanto, para perguntar: quando conseguirá Gelson Dala - já com 27 internacionalizações por Angola - uma verdadeira oportunidade no Sporting três anos e meio depois de ter chegado a Portugal?

Hoje de manhã…

… encontrei um amigo de infância, sportinguista, que me pergunta:

- Então amanhã, vais à manifestação?

Sorri e disse: - Isto anda tudo doido… e mau, muito mau!

- Mau é favor - desabafou -, parece que nunca aprendem. O Sporting é sorvedouro de dinheiro e de incompetência. Sempre a repetir as mesmas asneiras. Agora contrataram um fulano para avançado, não sei se é bom ou mau, mas – uma vez que a época está perdida – não seria altura para apostar no miúdo dos sub-23? Sempre ia rodando e pior do que aqueles que lá estão, por certo, não faria. E gastaram, neste novo fulano, quase tanto como receberam pelo Bas Dost? É uma vergonha!!!

A conversa iria, com certeza, prolongar-se mas como o autocarro apareceu ficou por aqui…

Sporar quase ao cair do pano

N8MDE3RP.jpg

 

Um ponta-de-lança acaba de chegar ao Sporting. O tão ansiado ponta-de-lança. Aquele por quem esperávamos desde o funesto defeso de Verão -  o mais caótico, incompetente e desastrado de que alguma vez me lembro no clube.

Infelizmente, embora não por culpa própria, o esloveno Sporar ingressa em Alvalade imitando o antigo 7.º de Cavalaria norte-americano no combate contra os índios: com irremediável atraso. Quando o Sporting, a meio da época futebolística, já se encontra afastado de quase todos os objectivos da época. Por falta de muita coisa, incluindo a falta de golos.

Perdemos a Supertaça. Fomos eliminados da Taça de Portugal por uma equipa do terceiro escalão. Estamos fora da Taça da Liga. Em Outubro, qualquer esperança mais remota de virmos a discutir o título já tinha desaparecido. Resta-nos lutar por um posto digno na campanha da Liga Europa e competir para o acesso na próxima época a um lugar desta competição com quatro equipas: Famalicão, Braga, V. Guimarães e Rio Ave. Com a óbvia desvantagem de ainda termos de nos deslocar aos estádios de todas elas até ao fim do campeonato - além de irmos ao Dragão e à Luz.

 

Sporar chega ao Sporting, aparentemente, por seis milhões de euros. Ao contrário do que já li e ouvi nos habituais fóruns de discussão leonina, não é um preço caro para um ponta-de-lança - longe disso. Esta é a posição mais valiosa no futebol e, portanto, também a mais dispendiosa para o clube comprador. O que torna ainda mais ridículo o inaceitável preço a que a administração da SAD leonina vendeu Bas Dost em Agosto. Como se estivesse a aliviar-se de um fardo em vez de potenciar um valioso activo.

 

O internacional esloveno - que actuava no Slovan Bratislava, da Eslováquia - tem números muito interessantes. Nesta época leva já 22 golos contabilizados - um dos quais ao serviço da sua selecção. Com 12 golos (média de um por jogo), lidera a lista dos marcadores do campeonato eslovaco - média que mantém na Liga Europa, em que é também o rei dos goleadores, com cinco apontados até agora. Dois dos quais ao Braga. Além de seis assistências, aspecto igualmente a realçar.

Nada a ver com o trio de "mosqueteiros" que a dupla Varandas-Viana inventou como "reforços" do Sporting no início de Setembro: Jesé, Bolasie e Fernando (este já recambiado) somavam oito golos na época anterior - o que bastava para se perceber que eram contratações falhadas.

 

O problema com Sporar é mesmo a data em que chega. Quase encerrado o mercado de Inverno, inaugurado três semanas antes. E logo após termos defrontado sucessivamente Porto, Benfica e Braga - desafios em que o "matador" Luiz Phellype evidenciou uma patológica fobia aos golos e Pedro Mendes continuou fora do onze titular. Como se fosse mesmo para não levar a sério a "aposta na formação" prometida por Frederico Varandas.

Por ter marcado dois ao Braga ao serviço do Slovan, Sporar poderia ter funcionado como tónico psicológico do onze leonino na meia-final que disputámos na Pedreira. Infelizmente, além de não ter chegado a tempo, ainda aterrou em Portugal praticamente à hora em que saíamos derrotados da Cidade dos Arcebispos.

Oxalá este jovem artillheiro de 25 anos, entretanto já fotografado de Leão ao peito, não seja supersticioso. Por mim, só posso desejar-lhe a maior das sortes.

 

Leitura complementar:

Diz que são reforços, texto meu aqui publicado a 3 de Setembro.

Balanço provisório, texto meu aqui publicado a 4 de Setembro.

Quando chegámos a equipa estava em nono lugar...

E agora, depois de cinco derrotas em diferentes palcos, estamos em quarto lugar na Liga... e fora da Taça de Portugal. A 16 pontos do Benfica e a 12 pontos do Porto. 

Ontem contra o Porto, também ele muito pressionado pelo seu atraso na corrida ao título, tivemos talvez os melhores 25 minutos da época, com uma asa esquerda composta pelos dois argentinos, Acuña e Vietto, que no início da segunda parte fez miséria. Só com mesmo muita falta de sorte, de cinco grandes oportunidades não conseguimos os golos que nos dariam a vitória. Mas depois a habitual incompetência da equipa na defesa dum canto deitou tudo a perder. 

E assim perdemos um jogo mais importante do que os três pontos em disputa, porque serviria de conforto a todo o universo verdadeiramente Sportinguista nestes tempos complicados.

Com Silas, o Sporting é essencialmente uma equipa de meio-campo, se calhar à imagem do Silas jogador. Preocupa-se com a construção, com a posse de bola, não quer ter pressa, joga bem quando tem espaço e tempo para isso, tem Mathieu, Coates, Bruno Fernandes, Acuña e Vietto, que resolvem por si mesmos muita coisa, mas falha nas duas áreas, sofre golos mais que evitáveis e precisa de muitas oportunidades para marcá-los. 

Com Silas, o Sporting não joga para o ponta de lança. Parece preferir um esquema com avançados móveis, sem um ponta de lança declarado e muitos centros para ninguém. Ontem entrou o LP, mas o Pedro Mendes (médio esquerdo na Áustria) ficou na bancada. Quando foi preciso correr atrás do prejuízo, entraram três avançados móveis. E o Porto passou a gerir tranquilamente o jogo. No Jamor, com Keizer, entrou Bas Dost como segundo ponta de lança que logo complicou a marcação dos centrais do Porto e marcou.

No final do jogo ouvi Silas falar mais uma vez na necessidade de mais gente para ajudar, para aumentar a competitividade interna do plantel, e francamente continuo a achar que está a ver o filme errado. O Sporting não precisa de mais "Jesés" para tornar os treinos mais interessantes e irem rodando no onze. 

Sem grandes hipóteses de chegar aos lugares de acesso à Champions, o Sporting precisa é de rever em baixa os objectivos para este ano, concentrar-se na conquista do terceiro lugar da Liga, no acesso a uma fase avançada da Liga Europa, na reconquista da Taça da Liga pelo menos para moralizar tudo e todos, e, bem importante, preparar o plantel do próximo ano. Precisa de manter até ao final da época os craques existentes, apostar todas as fichas disponíveis num qualquer Acosta/Jardel/Liedson que marque mesmo muitos golos, e transforme positivamente a equipa, e dar minutos a jogadores como Camacho, Plata, Pedro Mendes, Matheus Nunes, Rodrigo, e algum outro mais dos sub-23.

Como Jesualdo Ferreira já se foi e Leonardo Jardim e Marco Silva nada têm de malucos, então que fique Silas a fazer o melhor que pode e sabe. Oxalá tenha também internamente toda a ajuda de que necessita (que Keizer não teve), mas o que aí vem não augura nada de bom, e podemos então ler que "e quando partimos a equipa estava em ... "

O que pouco ou nada interessa, se aqueles objectivos não forem cumpridos.

SL

Dum Jorge a outro

jsilas.png

Em pouco mais de um ano e com quatro treinadores de permeio (um deles vencedor de duas taças), o futebol do Sporting passou do comando do Jorge da esquerda para o Jorge da direita, um Jorge naturalmente menos experiente, menos credenciado, bem mais barato, e também menos habilitado para a função, não cumprindo sequer os mínimos exigíveis.

Pelo que se sabe, e profissionalismo à parte, são adeptos do Sporting desde há muito, que vieram bater à porta do clube para integrar as camadas de formação, o mais velho até integrou a primeira equipa, depois fizeram a carreira em clubes menores, o mais novo chegou à selecção nacional.

Dizem que Jesus quando começou a treinar tinha Cruijff como grande referência, não faço ideia qual é a referência de Silas. Tendo tido Jesus como treinador, e para além das diferentes personalidades e estilos de liderança, seria natural encontrar pontos comuns no trabalho dos dois, filosofia de jogo e consequentemente reflexo nas exibições e resultados alcançados.

Muito estranhamente, pelo menos para mim, quanto mais vejo este Sporting de Silas e me recordo do Sporting de Jesus, mais concluo que quase nada há de semelhante. 

Muito ao contrário de Jesus, Silas:

1. Não tem modelo de jogo nem onze base definido, é sempre uma surpresa saber como e com quem o Sporting vai jogar. Parece que nos poucos jogos que Silas tem à frente do clube já conseguiu apresentar oito sistemas tácticos distintos, e já tiveram minutos quase todos os jogadores do plantel mais uns quantos da equipa sub-23. É a formação "on-the-job" levada ao extremo, mas Silas fala em aumento da competitividade do plantel. Com Jesus o sistema era aquele e o núcleo duro jogava sempre ou quase sempre.

2. Não valoriza a função de ponta de lança, prefere avançados móveis, o único de que dispõe no plantel é substituido mesmo quando tem de ganhar o jogo. Com Jesus os pontas de lança jogam sempre e valorizam-se inacreditavelmente (Cardozo, Slimani, Bas Dost, Gabigol).

3. Não valoriza os craques do plantel e não os responsabiliza pelos resultados, antes prefere o colectivo e o respeito pela estratégia de jogo que vai na sua cabeça. Vide as declarações depois da derrota de Alverca.

4. Enquanto Jesus chegou ao clube, impôs um peso-pesado para controlar as "primas-donas" do balneário, mas respeitou a competência do Nelson como treinador de guarda-redes, Silas chega e traz a sua "corte", tanto ou mais inexperiente como ele e que deverá sair em bloco no mesmo dia, Beto fica onde está mas coloca Nelson de parte. Renan chega assim ao seu terceiro treinador em pouco mais dum ano... Magnífico para a sua evolução. Como não se conseguiu livrar de Gonçalo Álvaro, parece que contamos agora com dois preparadores físicos (!!!).

5. Chama aos trabalhos muitos jovens dos sub-23 e dá minutos a alguns, sem se perceber se está a resolver os problemas do presente ou a preparar o futuro. Ou a queimar os jovens num momento em que a equipa não tem condições de os ajudar (vide Rodrigo no jogo com o Belenenses). Jesus escolhia previamente a quem queria dar atenção, e os outros era melhor irem tratar da vida para outro lado (Dizem que terá dito qualquer coisa parecida como se Francisco Geraldes andava a estudar, que tirasse o curso primeiro e depois que viesse jogar à bola), poucas ou nenhumas oportunidades decentes dispunham. 

Além disso ou em consequência disso tudo, a verdade é que Jesus chega aos clubes e põe no imediato as equipas a jogar bom futebol: aconteceu isso no Sporting e revolucionou em quatro meses o Flamengo. Silas chegou e pôs o Sporting a jogar sistematicamente mal, nalguns momentos horrivelmente mal. De alguma forma os resultados, apesar da eliminação na Taça, com algumas vitórias conseguidas sabe Deus como contra equipas menores, têm vindo a mascarar esta realidade.

Silas lamenta-se com a falta de tempo para treinar e para pôr a equipa a jogar à sua maneira. Mas... qual é a sua maneira ? Não faço a mínima ideia. Se alguém souber que me diga.

Concluindo, pensava eu que tinha vindo para o Sporting um Jorge mais novo, menos teimoso, mais flexivel nas relações com os jogadores, mais inspirador, mais comprometido com o clube, e veio... Jorge Silas.

Obviamente este é o momento mais alto da carreira de Jorge Jesus (Mais uma vez parabéns, Jesus), o momento mais baixo se calhar foi a desgraçada final do Jamor perdida pelo Sporting, e é fácil endeusá-lo (como fizeram com a imagem do Redentor) esquecendo os seus defeitos e o que foi o seu percurso no Sporting. Para o Sporting, Jesus é passado. Mas quando quisermos discutir o presente e perspectivar o futuro, inevitavelmente nos iremos lembrar do último treinador que nos fez sonhar quase até ao fim com a conquista do título. Só que Bryan Ruiz não fez como o Gabigol.

 

PS: Não sei o que aconteceu à outra versão, esta saiu assim sem grandes acabamentos, espero que gostem e conto desde já com os vossos comentários.

SL

Isto sim é o diagnóstico do ano

Leio hoje no meu jornal habitual que Silas "rapidamente identificou a principal lacuna no plantel", prioridade essa "já transmitida a Administração da SAD": um avançado "com envergadura física, com posicionamento mais fixo... e sobretudo "que sirva de principal referência para os cruzamentos tanto dos extremos como dos laterais". No fundo, um verdadeiro número 9.

Este nosso treinador tem tanto de inteligente como de educado. Podia simplesmente ter feito como a JuveLeo e chegado ao pé do Hugo Viana e dizer: "Quero o Bas Dost de volta e amanhã,  c..."

SL

Pedro Mendes: estão à espera de quê?

960[1].jpg

 

Vi ontem o Sporting-Portimonense, para a Liga Revelação. Triunfo concludente da nossa equipa, por 4-3: é a sexta vitória em seis jogos.

Excelente movimentação verde e branca, com um futebol muito compacto e veloz. Vê-se aqui fio de jogo, trabalho colectivo, treino competente.

Destaco as exibições de Nuno Mendes (lateral esquerdo, 17 anos), dono absoluto do seu corredor. De Bruno Tavares (ala direito, 17 anos), autor de duas assistências para golo. De João Oliveira (lateral direito, 20 anos), que assistiu no terceiro e marcou o quarto, com um belíssimo remate de meia distância. De Joelson Fernandes (extremo, 16 anos), um criativo por excelência e dono de uma técnica muito evoluída para a sua idade.

Mas realço, acima de todos, Pedro Mendes. O nosso avançado com maior rendimento no campeonato sub-23. Ontem marcou os três primeiros golos do Sporting nesta partida disputada no estádio Aurélio Pereira, em Alcochete: o primeiro, num cabeceamento indefensável, em mergulho, correspondendo da melhor maneira a um cruzamento de Tomás Silva, é daqueles que merecem ser vistos e revistos

Mal acabei de assistir ao jogo, questionei-me: por que motivo não é Pedro Mendes convocado de imediato para o escalão principal, tão carente de goleadores e agora sem ponta-de-lança alternativo? Como é possível que tenha sido ignorado por Marcel Keizer este jovem que já leva sete golos marcados em seis jogos da Liga Revelação? Irá Leonel Pontes contar com ele?

 

P. S. - A coisa promete: Luiz Phellype com lesão traumática, Vietto com queixas musculares.

Não é só azar

Não foi preciso esperar muito. O primeiro teste da nossa equipa em campo desde o encerramento do atribulado mercado de transferências vai ocorrer amanhã, no difícil estádio do Bessa, provavelmente sem termos ponta-de-lança no onze titular. Luiz Phellype lesionou-se num treino, sofrendo uma lesão traumática no tornozelo esquerdo.

Azar? Claro. Mas os maiores azares acontecem quando a planificação do plantel é deficiente. E desta vez não foi por falta de advertência.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D