Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Dum Jorge a outro

jsilas.png

Em pouco mais de um ano e com quatro treinadores de permeio (um deles vencedor de duas taças), o futebol do Sporting passou do comando do Jorge da esquerda para o Jorge da direita, um Jorge naturalmente menos experiente, menos credenciado, bem mais barato, e também menos habilitado para a função, não cumprindo sequer os mínimos exigíveis.

Pelo que se sabe, e profissionalismo à parte, são adeptos do Sporting desde há muito, que vieram bater à porta do clube para integrar as camadas de formação, o mais velho até integrou a primeira equipa, depois fizeram a carreira em clubes menores, o mais novo chegou à selecção nacional.

Dizem que Jesus quando começou a treinar tinha Cruijff como grande referência, não faço ideia qual é a referência de Silas. Tendo tido Jesus como treinador, e para além das diferentes personalidades e estilos de liderança, seria natural encontrar pontos comuns no trabalho dos dois, filosofia de jogo e consequentemente reflexo nas exibições e resultados alcançados.

Muito estranhamente, pelo menos para mim, quanto mais vejo este Sporting de Silas e me recordo do Sporting de Jesus, mais concluo que quase nada há de semelhante. 

Muito ao contrário de Jesus, Silas:

1. Não tem modelo de jogo nem onze base definido, é sempre uma surpresa saber como e com quem o Sporting vai jogar. Parece que nos poucos jogos que Silas tem à frente do clube já conseguiu apresentar oito sistemas tácticos distintos, e já tiveram minutos quase todos os jogadores do plantel mais uns quantos da equipa sub-23. É a formação "on-the-job" levada ao extremo, mas Silas fala em aumento da competitividade do plantel. Com Jesus o sistema era aquele e o núcleo duro jogava sempre ou quase sempre.

2. Não valoriza a função de ponta de lança, prefere avançados móveis, o único de que dispõe no plantel é substituido mesmo quando tem de ganhar o jogo. Com Jesus os pontas de lança jogam sempre e valorizam-se inacreditavelmente (Cardozo, Slimani, Bas Dost, Gabigol).

3. Não valoriza os craques do plantel e não os responsabiliza pelos resultados, antes prefere o colectivo e o respeito pela estratégia de jogo que vai na sua cabeça. Vide as declarações depois da derrota de Alverca.

4. Enquanto Jesus chegou ao clube, impôs um peso-pesado para controlar as "primas-donas" do balneário, mas respeitou a competência do Nelson como treinador de guarda-redes, Silas chega e traz a sua "corte", tanto ou mais inexperiente como ele e que deverá sair em bloco no mesmo dia, Beto fica onde está mas coloca Nelson de parte. Renan chega assim ao seu terceiro treinador em pouco mais dum ano... Magnífico para a sua evolução. Como não se conseguiu livrar de Gonçalo Álvaro, parece que contamos agora com dois preparadores físicos (!!!).

5. Chama aos trabalhos muitos jovens dos sub-23 e dá minutos a alguns, sem se perceber se está a resolver os problemas do presente ou a preparar o futuro. Ou a queimar os jovens num momento em que a equipa não tem condições de os ajudar (vide Rodrigo no jogo com o Belenenses). Jesus escolhia previamente a quem queria dar atenção, e os outros era melhor irem tratar da vida para outro lado (Dizem que terá dito qualquer coisa parecida como se Francisco Geraldes andava a estudar, que tirasse o curso primeiro e depois que viesse jogar à bola), poucas ou nenhumas oportunidades decentes dispunham. 

Além disso ou em consequência disso tudo, a verdade é que Jesus chega aos clubes e põe no imediato as equipas a jogar bom futebol: aconteceu isso no Sporting e revolucionou em quatro meses o Flamengo. Silas chegou e pôs o Sporting a jogar sistematicamente mal, nalguns momentos horrivelmente mal. De alguma forma os resultados, apesar da eliminação na Taça, com algumas vitórias conseguidas sabe Deus como contra equipas menores, têm vindo a mascarar esta realidade.

Silas lamenta-se com a falta de tempo para treinar e para pôr a equipa a jogar à sua maneira. Mas... qual é a sua maneira ? Não faço a mínima ideia. Se alguém souber que me diga.

Concluindo, pensava eu que tinha vindo para o Sporting um Jorge mais novo, menos teimoso, mais flexivel nas relações com os jogadores, mais inspirador, mais comprometido com o clube, e veio... Jorge Silas.

Obviamente este é o momento mais alto da carreira de Jorge Jesus (Mais uma vez parabéns, Jesus), o momento mais baixo se calhar foi a desgraçada final do Jamor perdida pelo Sporting, e é fácil endeusá-lo (como fizeram com a imagem do Redentor) esquecendo os seus defeitos e o que foi o seu percurso no Sporting. Para o Sporting, Jesus é passado. Mas quando quisermos discutir o presente e perspectivar o futuro, inevitavelmente nos iremos lembrar do último treinador que nos fez sonhar quase até ao fim com a conquista do título. Só que Bryan Ruiz não fez como o Gabigol.

 

PS: Não sei o que aconteceu à outra versão, esta saiu assim sem grandes acabamentos, espero que gostem e conto desde já com os vossos comentários.

SL

Isto sim é o diagnóstico do ano

Leio hoje no meu jornal habitual que Silas "rapidamente identificou a principal lacuna no plantel", prioridade essa "já transmitida a Administração da SAD": um avançado "com envergadura física, com posicionamento mais fixo... e sobretudo "que sirva de principal referência para os cruzamentos tanto dos extremos como dos laterais". No fundo, um verdadeiro número 9.

Este nosso treinador tem tanto de inteligente como de educado. Podia simplesmente ter feito como a JuveLeo e chegado ao pé do Hugo Viana e dizer: "Quero o Bas Dost de volta e amanhã,  c..."

SL

Pedro Mendes: estão à espera de quê?

960[1].jpg

 

Vi ontem o Sporting-Portimonense, para a Liga Revelação. Triunfo concludente da nossa equipa, por 4-3: é a sexta vitória em seis jogos.

Excelente movimentação verde e branca, com um futebol muito compacto e veloz. Vê-se aqui fio de jogo, trabalho colectivo, treino competente.

Destaco as exibições de Nuno Mendes (lateral esquerdo, 17 anos), dono absoluto do seu corredor. De Bruno Tavares (ala direito, 17 anos), autor de duas assistências para golo. De João Oliveira (lateral direito, 20 anos), que assistiu no terceiro e marcou o quarto, com um belíssimo remate de meia distância. De Joelson Fernandes (extremo, 16 anos), um criativo por excelência e dono de uma técnica muito evoluída para a sua idade.

Mas realço, acima de todos, Pedro Mendes. O nosso avançado com maior rendimento no campeonato sub-23. Ontem marcou os três primeiros golos do Sporting nesta partida disputada no estádio Aurélio Pereira, em Alcochete: o primeiro, num cabeceamento indefensável, em mergulho, correspondendo da melhor maneira a um cruzamento de Tomás Silva, é daqueles que merecem ser vistos e revistos

Mal acabei de assistir ao jogo, questionei-me: por que motivo não é Pedro Mendes convocado de imediato para o escalão principal, tão carente de goleadores e agora sem ponta-de-lança alternativo? Como é possível que tenha sido ignorado por Marcel Keizer este jovem que já leva sete golos marcados em seis jogos da Liga Revelação? Irá Leonel Pontes contar com ele?

 

P. S. - A coisa promete: Luiz Phellype com lesão traumática, Vietto com queixas musculares.

Não é só azar

Não foi preciso esperar muito. O primeiro teste da nossa equipa em campo desde o encerramento do atribulado mercado de transferências vai ocorrer amanhã, no difícil estádio do Bessa, provavelmente sem termos ponta-de-lança no onze titular. Luiz Phellype lesionou-se num treino, sofrendo uma lesão traumática no tornozelo esquerdo.

Azar? Claro. Mas os maiores azares acontecem quando a planificação do plantel é deficiente. E desta vez não foi por falta de advertência.

Ele nunca mais foi o mesmo

21537522_ywfc7[1].jpg

Diz o Francisco aqui ao lado e muito bem que "Bas Dost será sempre o rosto do ataque à Academia, mas por muito carinho que os adeptos tenham por ele, não voltou a ser o mesmo, precisando de um novo ciclo;"

Diz o Paulo Futre mais ou menos a mesma coisa, que "ele nunca mais foi o mesmo". Chama-lhe até "o mistério Bas Dost". (https://www.record.pt/multimedia/videos/detalhe/paulo-futre-sobre-o-misterio-de-bas-dost-ele-nunca-mais-foi-o-mesmo);

Será que o novo ciclo de que Bas Dost precisava não seria Marcel Keizer sair e vir alguém que colocasse a equipa a jogar em função do ponta de lança, como fizeram antes dele Jorge Jesus (Slimani/Bas Dost), Boloni (Jardel) e Inácio (Acosta)?

E se Bas Dost sair amanhã e se no domingo em Portimão se repetir a hecatombe da época passada, Marcel Keizer ficar sem condições para continuar e apresentar a demissão ou ser demitido, e se vier um novo treinador, olhar para o plantel e perguntar: "Pois, avançados há muitos, mas... onde é que está o ponta de lança?"

 

PS: Quanto é custou cada golo do Castaignos? Ou do Spalvis? Ou do Barcos? Ou mesmo do Montero? Bas Dost foi mesmo uma pechincha...

SL

Bas Dost e Slimani

Circulam já por aí notícias sobre o eventual interesse da SAD leonina em despachar Bas Dost e trazer de volta Slimani.

Espero que tudo isto seja muito bem ponderado e não fruto de impulsos ou de improvisos. À primeira vista, confesso, está muito longe de me parecer boa ideia. E neste caso as estatísticas ajudam a fornecer uma sólida base argumentativa: nas últimas três épocas, ao serviço de três clubes (Leicester, Newcastle e Fenerbahçe), o argelino marcou apenas 18 golos em 75 jogos. Números medíocres para um avançado de referência. 

No mesmo período, vestindo a camisola do Sporting, o ponta-de-lança holandês marcou 76 golos em 83 jogos - só para o campeonato.

Uma diferença abissal. Que deve fazer reflectir seriamente os responsáveis do futebol em Alvalade.

É preciso partir o funil

O jogo de ontem permitiu tirar algumas conclusões sobre o que está claramente errado na frente de ataque do Sporting.

Bas Dost é menos útil à medida que a equipa tem um fio condutor de jogo. Quando não é preciso despejar bolas para o ataque nem se passa o jogo a fazer cruzamentos para a área, Bas Dost desaparece totalmente do jogo. Talvez seja uma boa altura para vender.

Luiz Phellype é mais útil que Bas Dost à equipa mas parece ainda à procura da melhor forma.

Vietto à esquerda é um desperdício de talento e, como procura constantemente o meio, afunila o jogo e retira linhas de passe. Com a baixa de forma dos outros dois pontas de lança, porque não o meter no meio?

Raphinha, Plata e Jovane têm sido os grandes criadores de oportunidades. Estou propositadamente a ignorar Bruno Fernandes pois este artigo é focado nos avançados.

O Sporting não pode voltar ao "cruzebol" mas tem que partir este funil que se montou nos últimos jogos. O campo não se resume à largura da grande-área.

Dá Deus nozes a quem não tem dentes...

Farto das baboseiras do destituído, que nem merecem resposta, andava a passear pelos canais quando oiço Tiago Fernandes na Sport TV a dizer o óbvio, que o Bas Dost com um modelo de jogo a privilegiar o jogo interior, extremos de pés contrários e laterais incapazes de centrar bolas em condições está condenado ao insucesso.

Só um cego é que não vê. Até pode ser holandês também mas, por amor da Santa, se tem um ponta de lança de eleição, ponha a equipa a funcionar em função dele.

Foi assim que Boloni fez com Jardel, com Quaresma dum lado e João Pinto do outro a centrar para o "cabecinha de ouro", mas se calhar com Keizer andava a fazer tabelinhas no meio campo... e haveria aqui quem se queixasse que o brasileiro era um cepo.

Se do lado esquerdo Borja e Acuña garantem profundidade e cruzamentos, mas é preciso insistir e rotinar os dois, do outro Raphinha não faz um centro e os dois laterais são mais que medíocres nesse domínio. Quando entra Diaby, pior um pouco. Nani jogava tambem de pé contrário. Que saudades Bas Dost deve ter de Gelson e Podence...

O desempenho extra de Bruno Fernandes tem tapado muita coisa...

SL

Soma e segue

img_818x455$2018_06_27_23_34_25_752207[1].jpg

 

 

Bas Dost leva 83 golos de Leão ao peito.

Na primeira época ao serviço do Sporting, em 2016/2017, marcou 36. Na temporada seguinte, 34. Esta época já contabiliza 13. Dá sorte, não azar.

Um dos melhores avançados de sempre na história do nosso clube.

 

ADENDA: com mais dois golos marcados hoje, ao Rio Ave, já vai em 15 nesta época. 85 no total.

Mais de dez milhões deitados fora

Doumbia custou 7,2 milhões de euros ao Sporting por 70% do seu passe. Vai abandonar Alvalade, aparentemente a custo zero, sem ter marcado um único golo no campeonato nacional de futebol. 

Castaignos custou 3 milhões de euros ao Sporting por 80% do seu passe. Prepara-se para sair, também a custo zero, sem ter marcado um só golo em nenhuma competição ao serviço do nosso clube.

Só Messi marcou mais que ele

Y1XFZ2KD.jpg

 

Marcou 34 golos no campeonato - mais do que os jogos que disputou nesta prova com a camisola do Sporting, metade do total de golos leoninos na Liga 2016/17. E 36 de verde e branco no total da temporada.

Desde Mário Jardel que não tínhamos um artilheiro de pé (e cabeça) tão quente como ele. Além disso é um exemplo de companheirismo e camaradagem, no relvado e no balneário. Alguém com fibra de Leão: tem espírito de equipa, é leal na disputa dos lances, nunca nega o contributo para as vitórias e detesta sair do campo derrotado, mesmo que o jogo seja a feijões.

Foi um verdadeiro reforço no Verão passado: por isso o aplaudimos em Alvalade como se tivesse sido sempre um dos nossos. É goleador máximo do campeonato português. E o vice-campeão dos goleadores da Europa, só suplantado por Messi.

O gigante Bas Dost.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D