Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

A propósito de "posse de bola"

Ultimamente os comentadores de futebol desataram a fazer balanços dos jogos com base em dados estatísticos. Ainda não perceberam que esse comportamento, a prazo, os condenará ao desemprego: se debitar estatísticas é quanto basta para "lermos" um confronto entre duas equipas num estádio, qualquer computador nos prestará tal serviço.

Vem isto a propósito do recente Arsenal-Sporting, em que os ingleses - como seria de esperar - tiveram muito mais "posse de bola", como agora se diz. É um facto incontestável, mas que necessita de uma explicação: esse domínio foi muito consentido pela nossa equipa, de acordo com o plano estratégico que levámos para Londres. Não fazia o menor sentido jogarmos taco a taco com a turma anfitriã: isso seria cair na armadilha dela.

Objectivo alcançado. Renan praticamente não fez uma defesa e o Arsenal limitou-se a dois remates enquadrados que foi incapaz de aproveitar.

Viemos de lá com mais um ponto. Esta é a estatística que mais interessa.

Tudo ao molho e FÉ em Deus - Canhões de pólvora seca

Grande jogo, Skok em grande na segunda parte e brilhante vitória (24-31) em Skopje, frente ao Metalist, a quinta a contar para a Champions nesta época. Ah, andebol mão, futebol pé? Peço desculpa...

"Now for something completely different"! Rebobina...

 

A actuação do Sporting, ontem no Emirates, podia resumir-se a duas frases feitas e a uma metáfora: não encheu o olho, o resultado foi bem melhor que a exibição e executar 3 passes consecutivos pareceu missão mais espinhosa que os 12 trabalhos de Hércules. Não fizemos boa figura, mas fizemos uma figura de estilo...

 

Tiago Fernandes até mostrou boas ideias: procurou sair com a bola desde trás e usou 3 linhas no meio campo (com o estreante a titular Miguel Luis mais perto de Gudelj do que de Bruno Fernandes). É certo que nem todos podem acrescentar neologismos ao dicionário como Peseiro e o seu trivote, mas Tiago tentou, pelo menos, jogar à "grande". O que falhou, então? Face a uma equipa do Arsenal que só manteve 2 jogadores (Holding, premonitoriamente "aguentando" em inglês, e Mkhitaryan) do onze titular do último Sábado contra o Liverpool, a equipa leonina mostrou ausência de rotinas, condição física deficiente e um meio campo sem intensidade competitiva que não conseguiu dar fluidez nem controlou os momentos do jogo, com um Gudelj de menos na construção, um jovem ainda muito verde e pouco rodado e um Bruno completamente "fora dela". Assim, em vez de escondermos as deficiências dos nossos jogadores, ainda as expusemos mais, fazendo-os parecer piores do que na realidade são. Prefiro assim, antes cair por tentar andar do que gatinhar toda a vida.

 

Embora se possa questionar a não presença de Bas Dost no onze titular, preterido por um inoperante Montero, a escolha de Diaby - já tinha passado ao lado do jogo nos Açores - em detrimento de Jovane Cabral foi a opção mais discutível do interino treinador dos leões: é que se a ideia era ter um velocista, talvez tivesse sido melhor contratar Usain Bolt, pois assim sempre teríamos dinheiro a entrar (patrocinadores) e não a sair. Mais concretamente, cinco milhões e meio de euros pela borda fora. Sim, porque não é preciso ser Brugge para ver o que irá acontecer.

 

Os "Gunners" (canhões) jogaram o suficiente para ganharem, nunca pondo demasiada intensidade no jogo, o qual por vezes se assemelhou a um meinho, com os nossos à rabia. Tiveram 64% de posse de bola, 12 remates (contra 1), 568 passes completos (183) e 7 cantos a favor (1). Infelizmente, este nosso cantinho de Londres não foi o de Morais, mas sim curto como o jogo do Sporting. Salvou-nos um intratável Coates e um indomável Acuña, sul-americanos de raça, bem como a deficiente finalização dos londrinos. E Mathieu, que se sacrificou pela equipa, após o que teria sido uma genial assistência de Bruno Fernandes - um general preso no seu próprio labirinto (quiçá psicológico) - para Aubameyang, não fosse o caso do gabonês jogar pelo Arsenal, no que terá sido a desforra por o maliano Diaby ter desviado um remate seu que teria sido o único a constar da estatística como direccionado para a  baliza do Arsenal. Africanices...

 

O resultado acabou por ser bem interessante, pondo-nos em posição privilegiada para seguir em frente na Liga Europa. Agora venha a pré-época com Keizer, treinador que tem uma boa e ousada ideia de jogo, privilegiando sempre a saída de bola pelo centro do terreno, com os centrais (e não o trinco) a conduzirem a bola. Terá jogadores para isso? O risco que coloca no jogo resistirá à falta de rotinas iniciais? Haverá paciência para com ele nas derrotas? A sua falta de currículo pesará se as coisas começarem mal? É aqui que, mais do que um Keizer, vai ser necessário um Kaiser, alguém que para além de não ler blogues também não "leia" lenços brancos e que se mantenha firme nas suas convicções (já que o escolheu). Isso e uma equipa técnica muito solidária, que alerte o nóvel técnico para as manhas do futebol português, a sagacidade táctica dos seus treinadores e a precaridade da transição defensiva dos seus princípios de jogo, a qual pode resultar em outra transição...de treinador. Em entrevista recente, Keizer disse que precisou de 4 meses para dar rotinas à equipa do Ajax que o deixassem satisfeito. Que lhe demos esse tempo antes de um primeiro julgamento, até porque já temos todos saudades de ver bom futebol, algo que não tem abundado em Alvalade desde a primeira época de JJ. 

 

Uma última palavra para os incansáveis adeptos leoninos que se fizeram bem ouvir ontem nos Emirates. Pelo menos esse jogo dominámos, com muita alma e sem recorrer a entradas a pés juntos. À Sporting !!!

 

Tenor "Tudo ao molho...": Coates

coatesARSENAL.jpg

 

Quente & frio

Gostei muito deste ponto alcançado pelo Sporting em Londres, ao empatar 0-0 com o Arsenal - talvez o mais sério candidato à conquista da presente edição da Liga Europa, com um plantel de Champions. Foi apenas a terceira vez que empatámos em Inglaterra, o que mais valoriza este empate, conseguido com muita inteligência táctica e grande força colectiva pelo onze leonino ainda comandado pelo técnico interino Tiago Fernandes. Frente a uma equipa que vinha de 15 jogos consecutivos sem perder e luta para a conquista da Premier League, sob o comando do treinador basco Unai Emery: está em quinto lugar na classificação, apenas a seis pontos do líder, Manchester City.

 

Gostei de ver a massa adepta leonina acorrer em grande número ao estádio londrino: eram, oficialmente, 5.385 leões no topo sul da casa do Arsenal e puxaram pela nossa equipa do princípio ao fim do desafio, numa vibrante celebração da festa do futebol. Gostei da exibição da maioria dos nossos jogadores (excepto Diaby e Bruno Fernandes), mas destaco Coates, seguríssimo no comando do bloco defensivo, imperial nos lances aéreos e capaz de travar o ímpeto ofensivo de craques arsenalistas como Welbeck e Aubameyang: voto nele como o melhor Leão em campo. Gostei ainda de ver Tiago Fernandes confiar no jovem Miguel Luís: o médio ala da nossa formação - campeão europeu sub-17 e sub-19 - correspondeu ao repto, nesta estreia como titular da equipa principal. Exibição de bom nível, confirmando que vale a pena apostar na cantera de Alcochete. Depois de Jovane, este é o segundo na época em curso. Nada mau.

 

Gostei pouco do défice ofensivo da nossa equipa, que não deu trabalho ao guardião checo Petr Cech: o contra-ataque leonino nunca funcionou e fomos incapazes de fazer um só remate enquadrado às redes adversárias. Mas o essencial, nesta partida em que retomámos o desenho táctico 4-2-3-1 de José Peseiro, era não sofrermos golos perante o caudal ofensivo do Arsenal. Conseguimos alcançar este desígnio estratégico: dar terreno à turma londrina vedando-lhe em simultâneo o acesso à nossa baliza ao bloquear-lhe a capacidade de disparo. Missão cumprida. Trazemos de Londres um precioso ponto na bagagem. E superámos enfim uma marca de 18 jogos seguidos a sofrer golos nas competições europeias: o anterior desafio em que tínhamos mantido as nossas redes invioladas remontava a Setembro de 2011, quando defrontámos o Zurique.

 

Não gostei da expulsão de Mathieu, que viu o cartão vermelho aos 87', ao travar in extremis, à entrada da nossa grande área, um perigosíssimo lance ofensivo protagonizado por Aubameyang na sequência de um disparatado atraso de bola, do meio-campo, feito por Bruno Fernandes. Uma falta inevitável cometida pelo internacional francês, que foi um dos melhores em jogo, com grandes cortes aos 24', 32' e 77'. Mais injustificado foi o cartão amarelo exibido aos 67' a Acuña, que hoje voltou a actuar como lateral esquerdo. O internacional argentino viu-se punido por protestos, algo nada aceitável num profissional experiente, e minutos depois arriscou um segundo amarelo que o faria tomar duche mais cedo. Tapado com cartões, Acuña fica fora do próximo desafio internacional do Sporting, no Azerbaijão, frente ao Quarabag.

 

Não gostei nada das saídas, por lesão, de Welbeck e Lichsteiner - sobretudo do primeiro, que esteve alguns minutos em evidente sofrimento no relvado, acabando por abandonar de maca. Desaires numa equipa muito bem comandada por um técnico já com três troféus da Liga Europa no seu currículo, ao serviço do Sevilha, e que tem como estrela em ascensão o jovem médio ofensivo francês Guendouzi, que apenas com 19 anos - a idade de Miguel Luís - demonstra notável qualidade de passe e excelente visão de jogo. Haveremos de ouvir falar muito dele.

Quem joga para empatar acaba por perder

Os jogadores entraram ontem em campo, num estádio José Alvalade muito bem composto com mais de 40 mil assistentes, sabendo que se exibiam em palco europeu. Sendo muito baixas as expectativas dos espectadores, a nossa actuação durante a primeira parte merece nota positiva. Foi também o período do jogo em que o visitante Arsenal - ontem desfalcado de diversas peças importantes, com Ozil e Lacazette no banco - se apresentou quase em ritmo de treino, sem pressionar muito, poupando energias após um desgastante embate com o Leicester três dias antes.

 

Ristovski lesionou-se à beira do intervalo, forçando José Peseiro a uma substituição prematura, à revelia do plano de jogo. O nível exibicional baixou de imediato: Bruno Gaspar teima em não demonstrar qualidade para o plantel leonino. Mas não foi só por isso que o Sporting quebrou na segunda parte desta partida da Liga Europa, concedendo quase toda a iniciativa de jogo à turma inglesa: foi também por manifesto colapso físico que afectou alguns dos jogadores que mais tinham rendido durante o período inicial, designadamente Acuña e Nani. Neste contexto, a inevitável entrada de Jovane pecou por tardia.

 

Sofremos o golo a 12 minutos do fim do tempo regulamentar, numa comprovação prática da ineficácia do dispositivo táctico montado pelo treinador, que desta vez apostou num trio de médios defensivos no corredor central, forçando o Arsenal a utilizar as alas. Peseiro acreditava piamente num zero-a-zero. Os planos saíram-lhe furados, em obediência a um velho mandamento do futebol: equipa que joga para empatar acaba por perder.

 

O melhor dos nossos foi, sem discussão, o guarda-redes Renan.

 

 

grüne-ampel-587274_original_R_K_B_by_Dominik-Pöp

 

SINAL VERDE

 

RENAN. Sai deste embate como o mais sério candidato a guarda-redes titular, embora sem fazer esquecer Rui Patrício. Balanço muito positivo da exibição do brasileiro que chegou a Alvalade por empréstimo do Estoril. Sem ele, teríamos perdido por dois ou três golos. Único jogador leonino com exibição acima da média registada em desafios anteriores.

ACUÑA. Merece nota positiva sobretudo pelo trabalho desenvolvido na primeira parte, em que foi o melhor do Sporting. Todos os lances com princípio, meio e fim do nosso escasso fluxo ofensivo tiveram a marca dele, criando desequiíbrios, vencendo no confronto individual e infiltrando-se na grande área do Arsenal. Caiu fisicamente no segundo tempo.

MONTERO. Jamais será um substituto de Bas Dost: faltam-lhe características de avançado fixo. Mas teve um importante jogo posicional, arrastando a defesa adversária, no chamado trabalho sem bola a que muitos adeptos ficam indiferentes. Carregado em falta por Sokratis, o árbitro fingiu não ter visto o lance que daria expulsão ao grego: "El Avioncito" já se isolava rumo à baliza - bem ao seu jeito, correndo como quem desliza.

 

 

sinal[1].jpg

 

SINAL AMARELO

 

RISTOVSKI. A mais recente "contratação" da concorrida enfermaria leonina.  O lateral direito "fez piscinas" durante a primeira parte, naquele seu estilo muito mais voluntarioso do que habilidoso. Queria empurrar a equipa para diante, mas esteve quase sempre muito desacompanhado. Lesionou-se antes do apito para o intervalo.

ANDRÉ PINTO. Cumpriu, dentro da mediania, com um toque muito característico: procura passar quase despercebido durante uma partida inteira. Ineficaz nos lances ofensivos de bola parada, onde nunca foi capaz de impor a sua altura. Mas atento às dobras na lateral esquerda para compensar as frequentes ausências de Acuña, sobretudo na primeira parte.

PETROVIC. Obedece aos parâmetros tácticos, revelando-se incapaz de rasgos criativos. Funcionou diversas vezes como terceiro central, de modo a conter o ímpeto inglês, cumprindo em jogo posicional mas inapto na construção ofensiva. Exigir-lhe um passe de ruptura, a mais de cinco metros, é quase pedir-lhe o impossível.

BRUNO FERNANDES. Abusou do remate para onde estava virado, chutando três vezes a bola para a bancada ao longo dos primeiros 45 minutos. Médio ofensivo em teoria, médio-ala por adaptação, na prática vimo-lo aparecer em quase todo o terreno, num estilo que fica bem na fotografia: corre imenso, gesticula, barafusta, mas só a espaços se torna útil.

NANI. A idade, no caso dele, é um posto. E o estatuto de campeão europeu também. É, com frequência, o único capaz de pensar o jogo e agir em conformidade. Com e sem bola. Das bancadas gritam-lhe que "chute", mas ele sabe a importância da temporização. Nota positiva na primeira parte. Na segunda, por evidente quebra física, perdeu muita influência. Substituído à beira do fim por Diaby.

JOVANE. Mexeu com o jogo ao substituir o inútil Gudelj quando estavam decorridos 71'. Procurou criar desequilíbrios e surpreender a defesa do Arsenal, que jogou muito subida na segunda parte. Mas faltou-lhe tempo e sabedoria para contrariar a perda de energia física e anímica do nosso colectivo, já então gritante.

 

 

semaforo[1].jpg

 

SINAL VERMELHO

 

COATES. Parece um filme em reprise. Cada vez que jogamos em competições internacionais, o uruguaio persiste em pregar-nos um susto. Cumpriu a tradição ao falhar a intercepção de um passe, colocando em jogo Welbeck, que sentenciou a partida. Desta vez nem sequer fez a habitual gracinha conduzindo um lance ofensivo. Para esquecer.

GUDELJ. Com ele ao lado, formando o chamado "duplo pivô defensivo", Battaglia perde protagonismo e torna-se um jogador banal. Efeito de contágio proporcionado por este sérvio que persiste em lançar dúvidas sobre o mérito da sua contratação. Insuficiente no processo defensivo, ineficaz na construção ofensiva. Na China, de onde veio, não jogava. Percebe-se porquê.

BATTAGLIA. Tem-se mostrado em bom nível na selecção argentina, mas não rende neste Sporting, asfixiado pelo sistema de duplo trinco. Gosta de dispor de espaço e percebe-se que fica tolhido com Gudelj a pisar o mesmo terreno, sem proveito para a equipa. Em termos de construção ofensiva, voltou a ser uma sombra da época passada.

BRUNO GASPAR. Subsiste o enigma: por que motivo terá sido contratado este lateral direito que teima em tornar evidente a sua inaptidão ao lugar e a uma equipa com as naturais ambições do Sporting? Jogou toda a segunda parte e teve o condão de nos fazer sentir saudades de Cédric, Piccini e até de Schelotto. 

DIABY. Valeu a pena adquirir um avançado por tão elevado preço, no atribulado defeso leonino, se ninguém consegue vê-lo actuar mais de cinco minutos por jogo? Foi o que ontem sucedeu, para não fugir à regra. Tarda em integrar-se no onze leonino, por motivos mais que óbvios. E assim vai atrasando a sua ligação aos adeptos. Sabe-se lá até quando.

Armas e viscondes assinalados: Foi o que tinha de ser

Sporting 0-Arsenal 1

25 de Outubro de 2018

Liga Europa - 3.ª Jornada

 

Renan Ribeiro (4,0)

Era a tarde mais longa de todas as tardes que lhe aconteciam. Ele não vinha, tardava, e ele entardecia. Até que chegou, a pouco mais de um quarto de hora do apito final, o golo de Welbeck que impediu o guarda-redes brasileiro de conquistar o ponto que manteria o Sporting empatado. Até ao funesto erro de Coates que isolou o inglês, impiedoso ao ponto de marcar, o reforço de última hora contratado ao Estoril mantivera-se sempre à beira da perfeição, retirando diversas vezes os scones da boca dos forasteiros empenhados em fazer balançar as redes. Sucediam-se as defesas de elevada nota artística, incluindo uma mancha em que o braço de Renan bastou para que o isolado Aubameyang não facturasse, e ao terceiro jogo pareceu que poderia manter a baliza incólume. Assim não sucedeu, mas ficou a impressão de que o amigo de Sousa Cintra que entende imenso de futebol acertou em cheio nesta contratação.

 

Ristovski (2,5)

Regressou à titularidade e parecia refeito do desastre de Portimão. Ficou na retina um lance de contra-ataque em que pegou a bola perto da sua grande área e, contando apenas com o apoio de Montero, sonhou driblar o defesa que tinha pela frente e rumar à baliza qual Serpa Pinto macedónio, da costa à contracosta. Não foi possível, tal como não foi possível aguentar sequer até ao intervalo, tornando-se a mais recente vítima das lesões musculares que percorrem o plantel como se fossem maldições de filmes de terror japoneses (daqueles que não são realizados por Nakajima).

 

Coates (2,0)

Encaminhava-se para mais um jogo de elevada qualidade quando protagonizou a sua pior tentativa de corte desde aquela viagem a Madrid que foi o início do fim de Bruno de Carvalho. Como o novo presidente do Sporting é mais medicinal do que sanguíneo o uruguaio ainda pôde somar à intervenção decisiva no golo do Arsenal um encosto de testa a um adversário na grande área contrária, mas não só não viu o cartão amarelo como não foi alvo de vergastadas através das redes sociais. Para trás ficou a dose habitual de cortes providenciais, antecipações e duelos aéreos ganhos a avançados de renome.

 

André Pinto (2,5)

Esta foi a data em que manteve a titularidade enquanto Mathieu ficava sentado no banco de suplentes. Uma data que seria ainda mais memorável caso os seus meritórios esforços tivessem sido recompensados com um números de golos sofridos inferior a um. Mas não estava escrito.

 

Acuña (3,0)

Acabou por continuar na lateral-esquerda, mas quem o visse a passar por quatro adversários em velocidade, resistência e drible, irrompendo pela grande área - só faltou mais força na hora de fazer o cruzamento -, diria que estava ali o único extremo verde e branco digno desse nome que subiu ao relvado. Também foi tão intratável quanto é habitual a defender, pressionando os ingleses que ousavam aparecer-lhe pela frente. Foi perdendo gás ao longo do jogo, para gáudio do ataque do Arsenal, e à frente nunca conseguiu combinar bem com o camarada de corredor, fosse ele Bruno Fernandes, Nani ou Jovane Cabral.

 

Petrovic (2,5)

Tê-lo como o melhor de um triplo pivot defensivo é ainda mais assustador do que tê-lo como o melhor de um duplo pivot defensivo. Bastante eficaz a destruir jogo alheio, nada fez de particularmente mau na hora de construir - o que já passa por aceitável no presente momento dos leões.

 

Battaglia (2,0)

Na época passada chegou a secar Messi como se fosse um eucalipto. Desta vez foi menos eficaz, mesmo que sem comprometer por aí além. Não se pode é dizer que seja credor de muitas linhas de texto...

 

Gudelj (2,0)

Uma das fases mais interessantes do jogo foi a segunda metade da primeira parte, quando o sérvio se emancipou do triplo pivot defensivo e começou a subir no terreno. A pressão alta não teve resultados práticos, e Gudelj praticamente desapareceu após o intervalo, fazendo-se notar sobretudo ao sair do relvado para permitir a entrada de Jovane Cabral.

 

Nani (2,5)

Muito interventivo, à esquerda e à direita, foi um dos responsáveis por um triste dado estatístico: nenhum remate do Sporting foi enquadrado com a baliza. Além da falta de pontaria denotou enormes carências na hora de auxiliar a linha defensiva e rebentou uns bons minutos antes de ser substituído.

 

Bruno Fernandes (2,0)

A maldade que lhe fizeram, forçando-o a posicionar-se nas alas, contribuiu para a invisibilidade de que padeceu na maior parte dos noventa e tal minutos de jogo. Nem a pontaria descalibrada ajudou o internacional português, que só melhorou mesmo no final do jogo, quando fora devolvido ao meio-campo.

 

Montero (3,0)

Na primeira parte ocorreu uma jogada do ataque leonino que ilustra os desafios que se colocam ao avançado colombiano: estava Acuña a lutar contra uma série de adversários quando Montero acorreu em seu auxílio, tomou posse da bola e... centrou para o coração da grande área, onde não se encontrava devido às inclementes leis da Física. Isolado entre muitos defesas, e não raras vezes sem colegas à vista, lutou como só poucos sabem. Deixado à sua sorte também pela equipa de arbitragem, que deixou passar várias faltas em claro (e a expulsão de Sokratis, que agarrou Montero quando este corria para a baliza), nunca deixou de conquistar espaços para os remates dos colegas de equipa e exerceu pressão suficiente para que os adversários cometessem erros.

 

Bruno Gaspar (2,0)

Deveria ter entrado ainda antes do intervalo, para o lugar do lesionado Ristovski, mas só na segunda parte pisou o relvado. As primeiras intervenções foram positivas, mas depressa se viu que o entrosamento com os colegas continua a escassear. Sofreu falta de Welbeck que anulou um possível primeiro golo do Arsenal.

 

Jovane Cabral (2,0)

Quando sai do banco esperam-se dele duas coisas: lances decisivos e remates disparatados. Desta vez só conseguiu a segunda parte.

 

Diaby (1,0)

Dez minutos de profunda irrelevância.

 

José Peseiro (2,0)

Bem pode queixar-se dos erros da arbitragem - mais evidente o cartão vermelho que ficou por mostrar a Sokratis do que o alegado pénalti sobre Nani ou do que o suposto fora de jogo de Welbeck no lance do golo - e ficar a pensar qual seria o ranking do Sporting se houvesse videoárbitro mas provas da UEFA. Certo é que armou um onze ultradefensivo - antecipando-se o quádruplo e quíntuplo pivot defensivo - e que esteve quase a permitir a conquista de um singelo ponto na classificação do grupo. Pior foi a demora a reagir quando as coisas começaram a sair mal e a derrota tornou-se uma inevitabilidade à espera de acontecer. No domingo à noite, ao enfrentar o Boavista, talvez possa colocar extremos nas posições 7 e 11, mesmo que sejam Jovane Cabral e Elves Baldé. Mas ninguém se espantará se nos seus lugares estiverem Bruno Fernandes e Bruno César.

Tudo ao molho e FÉ em Deus - Arsenal do Alfeite

Desde que o Cova fez a Folha, sem Piedade, ao Super-Portimonense do nosso descontentamento que já não sei onde enterrar o meu desgosto. Nesse sentido, tinha a ideia fisgada de que o jogo de ontem oferecia-se como uma oportunidade de dar a volta por cima. Ao fim de uma série de jogos a tratar Davids como Golias, nada como medir forças com um verdadeiro gigante do futebol europeu. 

 

De um lado tínhamos o poderoso Arsenal de Londres, do outro o Arsenal do Alfeite, a nova identidade da equipa de futebol do nosso Sporting. Que até poderia ser coisa boa, caso tal reflectisse a reparação e reconstrução de uma grande equipa, mas afinal é tão só um estaleiro. De jogadores. Ontem, Ristovski foi a nova baixa, a juntar a Mathieu, Bas Dost, Wendel, Battaglia e Raphinha, tudo jogadores que já pararam por lesão desde que a época começou.

 

O Sporting iniciou o jogo com três tristes trincos(*), dispostos sob a forma de um triângulo de área mínima. Petrovic era o elemento mais recuado, Battaglia e Gudelj jogavam a par. Na frente, Montero no meio, Nani e o armador Bruno Fernandes, desterrado, a revezarem-se nas alas. A defesa foi a habitual, com Acuña no lado canhoto, e na baliza a novidade Renan. (É verdade, o futebol evoluiu muito desde os meus tempos de juventude. Nas "peladas", que fazia com os amigos, o gordo ia sempre à baliza(*), agora não deixam o Viviano jogar.) 

 

O Arsenal, que tinha tido um jogo na segunda-feira (Leicester) e terá outro no Domingo (West Ham) parecia disposto a cumprir os serviços mínimos, isto é, a jogar para o pontinho. Deste modo, a primeira parte arrastou-se sem grandes oportunidades de golo e com o Sporting a conseguir dar réplica e dividir a posse de bola. A melhor oportunidade até terá sido um remate muito bem executado por Nani, com força e colocação, que passou muito perto da barra da baliza defendida por Leno. O pior viria depois. Desde logo porque Gudelj, que já não estivera famoso, não voltou do balneário, fazendo-se substituir por um holograma, projecção de um jogador cheio de estilo mas com intensidade nula. Assim, a equipa partia-se constantemente em duas, com 3 elementos praticamente inofensivos no ataque e os restantes barricados uns bons 20 metros atrás. Exceptuando Montero, que conseguiu variadas vezes segurar a bola e (des)esperar por uma linha de passe, toda a equipa parecia amorfa. Mesmo a melhor unidade do primeiro tempo, o argentino Acuña, parecia reclamar por uma botija de oxigénio, tal o cansaço que começou a aparentar. Peseiro demorou, mas acabou por fazer o óbvio: retirou Gudelj e colocou Jovane em campo. A ideia parecia boa, mas a forma como o treinador mexeu na disposição da equipa no terreno estragou o resto: Petrovic, outra das melhores unidades, passou a jogar a par com Battaglia e Bruno Fernandes assumiu o meio, só que foi jogar muito perto de Montero, cavando um fosso ainda maior no meio campo. Assim, embora ganhando com a agitação que Jovane trouxe ao jogo, as perdas foram superiores, dado que deixou de haver qualquer tipo de ligação entre sectores. Aproveitando este desnorte táctico, o Arsenal, que entrou no segundo tempo a todo o gás e já vira Renan negar-lhe duas ou três ocasiões e o árbitro outra, acabou por marcar, num lance em que, primeiramente, Aubameyang beneficiou do duplo-pivot leonino para com um subtil toque de calcanhar colocar a bola entrelinhas e, seguidamente, aproveitou uma fífia de Coates (um clássico a este nível) para marcar, por Welbeck, ocasião não desperdiçada por Peseiro para dar os 5 minutos da praxe a Diaby, o tal jogador que Cintra escolheu com o "Dr Pedro Pires que é uma enciclopédia de futebol" e afirma que encanta o treinador, mas que cheira a "flop" por todos os poros.

 

No Sporting, Montero foi o melhor. Renan esteve bem, mas a sua colocação de pés, no lance do golo inglês, não pareceu pacífica (bola entre as pernas). Petrovic e Acuña desceram muito de produção no tempo complementar. Os piores terão sido mesmo a equipa - nenhuma desmultiplicação na transição ofensiva - e o árbitro, que deixou passar em claro, ainda na primeira parte, uma falta de um "gunner" sobre Montero, quando este corria isolado para a baliza, lance que, na minha opinião, mereceria a amostragem do cartão encarnado e poderia ter mudado o jogo.

 

Tenor "Tudo ao molho...": Fredy Montero

 

(*) Agradecimento aos Leitores JG e Rute Rockabilly pela inspiração

arsenalsporting.jpg

 

Quente & frio

Gostei muito da exibição de Renan na baliza leonina. Foi ele, de longe, o nosso melhor jogador neste embate com o Arsenal em Alvalade para a Liga Europa que terminou com a vitória da equipa visitante por margem mínima (1-0). Em estreia ao serviço do Sporting numa competição europeia, o guardião brasileiro defendeu quase tudo nesta partida que em diversas fases do segundo temp foi de sentido único, com os ingleses a pressionarem em sequência constante o nosso bloco defensivo. Fez pelo menos três grandes defesas, aos 24', 50' e 72', quando os adeptos do Arsenal - presentes em grande número no nosso estádio - já quase gritavam golo. Só não conseguiu travar o remate de que resultou o golo solitário, na sequência de uma falha de Coates.

 

Gostei de ver o nosso estádio com mais de 40 mil espectadores - num jogo que começou antes das 18 horas durante um dia laboral. Quase todos apoiando sem reservas a equipa, que teve uma prestação aceitável, embora modesta, no primeiro tempo e revelou uma notória queda de qualidade exibicional na etapa complementar, deixando o Arsenal dominar por completo a partida onde se deu ao luxo de manter Ozil no banco e só fazer entrar Lacazette perto do fim. Apesar disto, nunca faltou o apoio dos adeptos que foram incentivando os jogadores e sublinhando com aplausos algumas jogadas mais vistosas - infelizmente poucas. É certo que houve assobios, embora tímidos. Mas só no final do jogo, quando já caíra o pano e a derrota em casa estava consumada. Até nesse momento, porém, repetiram-se os aplausos generalizados aos profissionais leoninos, que deram a volta ao campo, agradecendo.

 

Gostei pouco de ver um desequilibrador como Jovane permanecer 71 minutos no banco, quando era já evidente o profundo desgaste físico da equipa e a quebra de dinâmica de jogadores nucleares, como Nani e Bruno Fernandes. Gostei menos ainda de ver Montero quase sempre isolado lá à frente, a larga distância do resto dos companheiros, essencialmente remetidos a tarefas defensivas. E de perceber que supostos reforços, como Diaby e Wendel, continuam sem oportunidade para demonstrarem o que realmente valem. Ou entram à beira do fim, como no caso do maliano, ou nem chegam a calçar, como acontece em regra com o brasileiro.

 

Não gostei da confirmação de que temos um plantel curto e de qualidade muito irregular, obviamente inferior ao da época passada. Com a agravante de continuarem de fora elementos fundamentais, como Mathieu e Bas Dost, e um dos raros reforços de qualidade, Raphinha. Na ausência do holandês, jogamos sem um verdadeiro artilheiro com características goleadoras. Mesmo assim, isso não explica o facto de termos passado um jogo inteiro sem fazermos um só remate enquadrado à baliza adversária nem um contra-ataque realmente perigoso, falhando passes sucessivos, atirando a bola várias vezes para a bancada e desperdiçando 11 cantos, que não causaram qualquer mossa à turma inglesa. Também não gostei da manifesta falta de qualidade dos dois jogadores sérvios que alilnharam a titulares. Nem, obviamente, do lamentável erro individual de Coates, que ofereceu de bandeja a vitória ao Arsenal.

 

Não gostei nada da atitude temerosa da equipa do Sporting, que demasiado cedo decidiu estacionar o autocarro, em jeito de equipa muito pequena, chegando a ter diversas vezes todos os jogadores - excepto Montero - remetidos à sua metade do relvado. José Peseiro montou um onze titular com três médios de características defensivas (Petrovic, Gudelj e Battaglia), com óbvio prejuízo para a circulação de bola ofensiva, transmitindo de imediato aos pupilos sob o seu comando a imagem de um futebol medroso, capaz de comprazer-se num empate a zero em casa. Este dispositivo táctico aguentou-se penosamente durante 78', até ao golo do Arsenal - equipa que descansou menos 48 horas do que o Sporting pois jogara na segunda-feira. A partir daí percebeu-se que não havia plano B: foi cada um por si, todos a jogarem cada vez pior. A troca de Nani por Diaby, quase ao cair do pano, serviu para coisa nenhuma. O desfecho estava traçado.

A um bocadinho assim

Quem tivesse aterrado hoje vindo de um qualquer planeta e visse o resultado do jogo entre o Sporting e o Arsenal, pensaria até que a coisa tinha sido renhida e que apenas por mero azar do Coates tínhamos deixado fugir um empate que teria sabido a vitória.

Nada mais falso.

Há no entanto que fazer a justiça de dizer que na primeira parte, apesar do homem que eles trouxeram para a eventualidade de alguma bola sair enquadrada com a baliza, a defender, à bola, não à baliza, não ter tido trabalhinho nenhum, o jogo foi mais ou menos equilibrado.

É verdade que a história do jogo poderia ter sido diferente se o tipo de amarelo vindo de leste tivesse feito cumprir as regras e tivesse avermelhado um londrino por agarrão mais que evidente a Montero, que o deixaria isolado e tivesse marcado um penalti (dizem-me, que eu estava do outro lado do campo) clarinho a nosso favor. Aliás o tipo de amarelo deve ter visto o resumo ao intervalo, já que na segunda parte esteve muito melhor e até tentou compensar, com a amostragem de uns cartões da cor do seu equipamento aos arsenalistas. Já foi tarde, para mal dos nossos pecados.

Ora se o jogo na primeira parte deu a ilusão de ter sido equilibrado, na segunda foi clarinha a superioridade do Arsenal, de tal forma que o nosso rapaz da baliza teve duas ou três intervenções de alto gabarito, tentado evitar o que acabou por ser inevitável. Adivinhava-se o golo do adversário a partir dos 60 minutos, mais coisa menos coisa, quando os nossos rebentaram fisicamente.

E a partir daí o resultado acaba por ser lisonjeiro, que aquilo a partir de determinada altura parecia tiro ao boneco, ou melhor, a gente parecia o Loures, salvo seja, só que a jogar muito menos que os lourenses.

E pronto, lá perdemos o primeiro jogo na Liga Europa, curiosamente com mais uma oferta de Coates, o rapaz tem azar. Duma coisa poderemos ter a certeza, contudo, não vai haver post no facebook!

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D