Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

“Se fosse com o Benfica ou com o FC Porto,

queria ver se ele tinha força para fazer o que fez», atira, em referência à decisão do árbitro”, diz o presidente do clube que ontem foi nosso adversário, referindo-se ao golo (e que bonito golo) anulado à sua equipa.

 

Concordo com ele.

Se o nosso adversário de ontem fosse um destes dois clubes, qualquer árbitro português iria, naturalmente, prejudicar o Sporting e beneficiar uma dessa equipas.

Alguém duvida?

Eu não!

Como são diferentes os penaltis em Portugal

A lampionagem tem razão, a queda de Paulinho na área não foi penalty. Foi um penalty da treta como os que semana passada deram a vitória do slb contra o Portimonense e a derrota do Sporting na Madeira. São faltas que em toda a Europa só se marcam entre Badajoz e o Cabo da Roca. O que é verdadeiramente de admirar é: 1) o Artur Soares Dias ter marcado um penalty a favor do Sporting (tão contra a vontade que lhe deu uma raiva tremenda e desatou a marcar faltas e faltinhas à entrada da nossa área e a distribuir amarelos como se não houvesse amanhã, deserto para mandar um jogador do Sporting para a rua); 2) o VAR não ter feito vista grossa, como é seu hábito, havendo jogadores de verde e branco a levarem porrada; 3) ter sido marcado um penalty contra o slb na Luz, impertinência imperdoável.

Sabor a derrota

202301163616_173236.png

Artur Soares Dias, este sim, terá saído do jogo de ontem com sabor a derrota.

Depois de tudo o que fez em campo, aos 20' perdoa a expulsão a Otamendi, segundo Duarte Gomes, cito: "Otamendi tocara com o braço no pescoço de Paulinho".

Como se recordam Otamendi tinha um amarelo desde os 4', logo.

Mais à frente aos 37' é o próprio Dias que, em desespero de causa, se atravessa à frente de Ugarte impedindo-o de cortar a bola e proporcionando ao Benfica o primeiro golo, ainda pensei que fosse, também, abraçar Gonçalo Ramos mas na hora dos festejos (como Cristiano Ronaldo, por exemplo) foi contido, como o golo não tinha sido marcado, directamente, por ele, não exteriorizou a alegria.

Enfim, para o Artur do apito este foi um empate com sabor a derrota.

Para nós, sportinguistas, também, dentro do campo mostrámos que somos melhor equipa, estivemos a vencer por duas vezes, batemo-nos como leões, contra o adversário, contra "o resto".

Daqui a três ou quatro anos lá virá a ladaínha habitual, os árbitros e os dirigentes do Benfica foram constituídos arguidos, blá, blá, blá, entretanto os Otamendi e os Galenos vão dando toda a porrada que podem e que não podem, os "árbitros" vão assobiando para o lado. 

Árbitros portugues VS Mundial

Começo o meu pequeno texto com um enorme pedido de desculpas aos árbitros portugueses, que por aqui vou criticando com alguma frequência. Vistas algumas arbitragens deste Mundial, qualquer Mota ou Costa estaria habilitado a evoluir nos estádios do Catar.

Não bastasse o árbitro Janny Sikazwe ter roubado descaradamente o Canadá no jogo com a Bélgica, tivemos um senhor do apito argentino(?) a apitar o Portugal-Marrocos que mostrou o primeiro cartão salvo erro aos 79', numa altura em que a selecção do seu país ainda estava em "jogo", tivemos o árbitro (italiano) do Argentina-Croácia a transformar um canto contra a Argentina num penalti muito duvidoso a favor dos sul-americanos e ontem tivemos um árbitro canadiano e uma legião de VARes que transformaram um penalti claro contra a França, numa falta atacante e na amostragem de um cartão amarelo ao jogador marroquino.

Podem parecer poucos erros em tantos jogos, admito, mas à parte o argentino do jogo Portugal-Marrocos que só inclinou o campo, todas as outras más e caricatas decisões tiveram influência clara no resultado dos jogos.

Ontem a França foi claramente beneficiada. Não só sofreria penalti como teria que ver um seu jogador expulso.

Eu até entendo que a FIFA queira dar abrangência e fomentar a actividade da arbitragem dando-lhe mais qualidade, permitindo que árbitros de regiões menos desenvolvidas a nível futebolístico estejam nos grandes palcos, porque aí sentirão o que é a importância da sua actividade, mas colocar um árbitro canadiano sem currículo numa meia-final do campeonato do Mundo, é procurar chatices e ter quase a certeza de as encontrar. Não havia disponível um inglês, um alemão, um belga, um neerlandês, sei lá, um de um campeonato competitivo e habituado a estes palcos?

Se era para isto, bem que podiam ter convocado o Soares Dias, o Manuel Mota ou até o Rui Costa, que fariam mal muito melhor. 

E ao quarto dia...

Lembra-se do árbitro que acabou um jogo antes do tempo... duas vezes na CAN2021? Há uma explicação

Não fosse pela diferença cromática da pele e eu diria que quem apitou o Bélgica vs Canadá foi o açougueiro Mota ou o pasteleiro Dias, excelsos apitadores cá do burgo, tal a incompetência mostrada no ajuizamento de alguns lances, nomeadamente dois de claro penalti contra os Tintis (salvo seja), por Janny Sikazwe.

O senhor do apito foi aquele que no último CAN terminou um jogo aos 85' e que depois de o retomar o terminou aos 89'. Eu não sei quem escolhe os homens e as mulheres (salvé, há mulheres do apito neste mundial!) que se deslocaram ao Catar para dirigir, coadjuvar e "varar" os jogos, mas certamente a competência não terá sido o essencial, certamente. Curioso também é a FIFA ter colocado como VAR um árbitro de um país onde... não há VAR! Isso mesmo, um árbitro sem experiência no protocolo do VAR, foi quem estava sentado na cadeira a dar indicações ao árbitro de campo. A dois incompetentes, juntou-se a incompetência de quem os juntou.

E as arbitragens, pelo que tenho visto e lido, até têm sido competentes, talvez um pouco mãos-largas em relação aos "descontos", mas a gente agradece, vê mais um bocadinho de bola. Não houve notícia de caso algum, grande ou pequeno que fosse, até ontem. Era inevitável, um dia aconteceria, mas caramba, quem lhes manda escolher para apitar um jogo de futebol um tipo que nem sabe ver as horas?

Tomaž Klančnik

Depois de o árbitro Tomaž Klančnik não ter visto esta falta sobre Coates - e assinalar pénalti (!) do nosso capitão por um posterior toque seu com o braço (em desequilíbrio, como é natural de quem leva com um encosto e cotovelo na cara)... acho que este artista esloveno merecia o nome de uma rua em Frankfurt. Ou que lhe dedicassem uma nova salsicha.  

22382464_JMTML (1).png

 

PS - sim, jogamos pouco. mas perder o jogo (e deitar a perder as vitórias em Frankfurt e sobre o Tottenham... e 10 milhões de euros...) porque o Klancnick achou que sim... só resta dizer PQP UEFA.

Vou aprender a assobiar

Se calhar para o ano, é o mais certo, não vamos à Liga dos Campeões.

Mas melhor ainda, terei mais tempo para treinar aquele assobio estridente que até fere os tímpanos, que o gajo que está na fila atrás de mim faz soar aqui junto da minha orelha direita quando começa o hino da champions.

A gente não joga nada, é certo; Jogamos sempre com um a menos (hoje foram o Edwards na primeira parte e o Trincão na segunda), também é verdade, mas de vez em quando calha-nos um artista que nos faz a folha com uma limpeza das antigas. Hoje o Pinheiro que nos calhou inventou um penalti, perdoou um segundo amarelo a um alemão a meia hora do final e nas faltas e faltinhas foi condicionando o jogo.

Não me apetece falar das deficiências da equipa, nem das mais uma vez más substituições de Amorim.

Hoje falo de um filho da puta que a UEFA nos atravessou no caminho.

Ganhar ou perder

22375719_D0BV0.png

22375720_7aeBR.png

25 de Julho de 2020.

Estádio da Pedreira, Braga; estádio da Luz, Lisboa.

Jorge Sousa, Fábio Veríssimo.

Artur Jorge vs. Sérgio Conceição; Nélson Veríssimo vs. Rúben Amorim.

Todos estes treinadores vão estar activos na próxima jornada.

Hoje interessa-me falar dessa última jornada da época de 2019/2020, um Sporting que foi impedido de ganhar ou pelo menos de empatar na Luz e um FC Porto que vencia, confortavelmente, na Pedreira, deixou o Braga virar o resultado aos 66 minutos e a partir daí, "ajudado" por Jorge Sousa, nada fez para procurar empatar o encontro.

Há atitudes que não prescrevem, a de Fábio Veríssimo, por exemplo, como escreve José Leirós: "deliberadamente de sola vai ao pé do adversário".

O Benfica devia ter jogado com dez a partir dos 20' mas isso não era interessante para a negociata que Jorge Mendes e Vieira preparavam. Em Braga cozinhava-se outro tipo de negócio, um clube que perde, deliberadamente, um jogo.

Este texto vai servir de enquadramento para aquele que preparo para amanhã; o embate entre os dois vencedores dessa jornada: Nélson Veríssimo e Artur Jorge e outras dois jogos importantes.

o título por um canudo

Estranhos os comentários à entrada de capital do Qatar no Sporting de Braga. Agora é que vai ser, agora é que o Braga vai ser campeão. Ai é? Mas também vão mudar as cenas de arbitragem, é isso? Caso os investidores do Qatar não saibam, em Portugal, ganhar campeonatos não passa apenas pelo relvado ou centro de treinos XPTO.

 

Uma coisa evidente no nosso jogo nos Açores foi termos uma arbitragem 'normal', que tratou o SCP como se fosse o Famalicão ou o Chaves, ignorando lances que - caso o SCP fosse um grande na cabeça do árbitro e do VAR - teriam sido penalti de certeza. 

Por mim, considero-os lances de futebol que podem ser ou não penalti e considero que os árbitros têm direito a erros e distrações.

Soares Dias fez uma boa arbitragem, ou pelo menos uma arbitragem normal. 

Só para esclarecer as ironias, eu não defendo arbitragens diferentes para grandes e pequenos. Prefiro, aliás, más arbitragens, arbitragens às bolinhas, arbitragens à inglesa ou à grega, DESDE QUE SEJAM IGUAIS para todos.

O Braga só será campeão com a massa do Qatar, se assim passar a ser. 

Portanto, ou bem que os comentadores de bola lusitano andam distraídos, ou bem que dizem o que outros dizem, porque não dizem o que devem dizer. 

Davide e Anthony

22368394_83lDN.png

22368395_OZHSH.png

Estamos tão habituados as más e às péssimas arbitragens dos árbitros portugueses que arbitragens, como as de ontem, passam como boas.

Vou referir-me a duas situações do jogo do Sporting.

1. O expulsão de Adán, não está sustentada em nenhuma das leis do jogo. Fora da área o guarda-redes é um jogador normal. Se fosse Gonçalo Inácio a tocar a bola com a mão, nas mesmas condições, qual seria a punição?

2. O lance da agressão de Esgaio é, obviamente, vermelho.

Agora duas situações do jogo do Porto.

1. A mão de David Carmo que não sofreu nenhuma punição disciplinar, a meu ver, bem. Lance de penalty sem amarelo sequer, Adán corta uma jogada inofensiva e vê vermelho.

2. A não repetição do penalty. Quando o jogador do clube alemão remata a bola, Pepe está, praticamente, ao lado dele. O penalty deveria ter sido repetido.

Conclusão, os árbitros estrangeiros, também, falham, embora menos. A grande diferença é que não estão, deliberadamente, do princípio ao fim do jogo a beneficiar a mesma equipa.

Fonte Bastardo e o futebol

22366846_jMfMe.png

Há dias assim, esmagados no voleibol e apesar da boa vontade de Rui Costa, "eu fiz o que podia" poderá dizer o apitador, dois pontos perdidos no futebol (que deviam ter sido três).

O penalty sobre André André é clarinho, clarinho.

Depois de jogos medíocres com Vizela e Casa Pia desta vez não foi possível, o Paris Saint-Germain que se cuide, alguém vai pagar as favas.

Tudo está no seu lugar

22360199_HKDUj.jpeg

22360201_vZonB.jpeg

Detesto ter razão antes do tempo.

Estava tudo previsto, a lição estava estudada, Cocó, Ranheta e Facada, continuam levados ao colo pelas "arbitragens" portuguesas, o Sporting Clube de Portugal é cada vez mais quarto.

A primeira imagem é do Rio Ave vs. Braga, da jornada passada, o Braga esteve a vencer por 0-3 mas o Rio Ave, reduziu para 2-3, esteve várias vezes próximo de empatar.

O jogo deveria ter tido, pelo menos, dez minutos depois dos 90, foram assinalados cinco. O Godinho de serviço (o mesmo que hoje esteve no Estoril) nem isso cumpriu.

Hoje, o Pinheiro de serviço fez o mesmo no Porto, quantos minutos foram, realmente, jogados dos sete assinalados?

Já o tinha escrito, reforço, tempo extra, marcado ao cronómetro, numa mesa, como no futsal ou no andebol, há formas de terminar com a roubalheira.

Conformo-me com o quarto lugar no campeonato (com estas arbitragens que remédio) fico satisfeito com a Liga dos Campeões, a Taça de Portugal e a Taça da Liga; penso que Rúben Amorim, depois desta jornada se deve focar nas provas que, objectivamente, pode vencer.

35 anos, estudante...

Idade e profissão do artista que hoje deu pelo ofício de árbitro em Alvalade.

Resta acrescentar que para as vigarices da gestão de carreiras, o rapaz mora no Porto, mas é arbitro da AF de Aveiro.

Consta que foi, ou é (já que é estudante) membro daquela matula dirigida pelo macaco.

Andem lá com a filme do jogo para trás e vejam com olhos de ver a sua "actuação".

"Ai e tal não vamos aos grandes palcos, europeus e mundiais" dizem os tugas do apito. Pois, pelas amostras continuadas de vergonhosas apitadelas, como a de hoje em Alvalade, esperam o quê?

O que foi, voltou a ser

O que foi não era, o que era não foi

22350168_Dk6Dr.png

22350170_Y0DZp.png

Palavras para quê?

Basta vermos as imagens e tirarmos as nossas conclusões.

Espero que o Sporting, neste último dia, não gaste mais dinheiro a contratar jogadores.

No campeonato português (salvo raras excepções) não são os jogadores nem os treinadores que vencem os campeonatos, é a "estrutura".

A "estrutura" lampiã este ano começou muito bem a época, depois da vergonha Leiria/Casa Pia ontem deu mais um "paço" para o sucesso.

Ronaldo, Tonecas e Adão

22341545_9ZPj1.jpeg

 

Lamento não alinhar no coro de louvores às actuais arbitragens à portuguesa.

Deixar jogar não significa deixar cotevelar.

Uma cotevelada na maçã de Adão, dentro da área, na minha opinião, é penalty, como diria Sousa Cintra: "é penalty, porra!".

A imagem não é muito nítida, no entanto, dá para perceber a agressão de FRonaldo77 e FTrincão17.

Numa jornada em que já tivemos o capitão do Benfica expulso e um penalty não assinalado a favor do Sporting, vamos ver o que está guardado para o Vizela vs. FC Porto.

Como se tivéssemos cinco anos

22322182_My3rr.jpeg

(imagem da página do sportinguista Henrique Monteiro no Expresso, de ontem).

Cinco anos, lembro-me bem de ter cinco anos.

Tinha partido de uma aldeia do interior para viver em África, em Angola, tinha regressado à "metrópole" e preparava-me para partir, novamente, para a guerra.

Lembro-me bem do 25 de Abril de 1974 (faria seis anos quatro dias depois).

Lembro-me bem que meu pai já não iria mais para a guerra em África e a família com ele.

Tinha cinco anos e foi um dos dias mais felizes da minha vida.

Ter cinco anos, na minha opinião, não significa ser destituído de inteligência, nem de capacidade para pensar.

Daí o título que dei a este postal, para pensarmos em conjunto, durante o fim-de-semana, como se tivéssemos cinco anos, como se não estivéssemos condicionados pelo "parecer bem" pelo "politicamente correcto", como se pudéssemos pensar por nós próprios.

O tema que trago para reflexão é sobre as arbitragens na última época.

Na minha opinião (como escrevi na altura) o Sporting foi beneficiado em dois jogos, em dois lances, no penalty marcado após uma queda caricata de Paulinho e numa expulsão de Raul Silva, do Estoril, o rapaz joga a bola, tira a bola dali e no movimento descendente da perna toca em Porro, que se colocou a jeito para ser pontapeado, respeito quem viu estes lances de outra forma.

Terão existido outros erros de arbitragem?

Onde e quando?

Terão existido erros que deram pontos a alguma equipa que lutava pelo título?

Terão existido expulsões injustas e equipas que obtiveram pontos e golos de uma forma anormal em jogos que terminaram 11x10 ou 11x9?

Ou pelo contrário, todos os jogos foram bem arbitrados e devido a essa excelência, da arbitragem portuguesa, Portugal vai ser o país com o maior número de árbitros no próximo campeonato do mundo?

{ Blogue fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D