Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Tudo ao molho e Fé em Deus - Ecletismo

Este fim-de-semana mostrou que não só o Sporting é um clube eclético como as modalidades são ecléticas entre si. Inclusivamente, com jogadores merecedores de (forte) nota artística, à semelhança do que é prática comum na Ginástica Desportiva ou Rítmica, nos Saltos para a Água e na Patinagem Artística (quem não se lembra daquele momento "fünf komma sechs"???). Assim, o andebolista Carlos Ruesga executou um afundanço ("slam dunk") digno de fazer corar de inveja a futura equipa profissional de basquetebol, enquanto o hoquista Ferran Font marcou um golo com aquele movimento em concha típico da Pelota Basca, como se tivesse na ponta do stick uma cesta de vime. É caso para dizer que, cestos ou cestas, e sendo certo que até ao lavar dos cestos é vindima, nas modalidades quem se atravessa no nosso caminho leva um cabaz.

 

Ruesga "SLAM DUNK"

 

Hoje giro eu - Levantar a cabeça

Num jogo feito de garra, rigor, perseverança e competência, o Sporting deslocou-se à Eslováquia para bater o até aí líder do grupo C da Liga dos Campeões de andebol, o Tatran Presov, por 30-27, com Frankis Carol (10 golos) em grande plano. Depois da derrota na Maia, frente ao modesto ISMAI, isto sim deu significado à expressão "levantar a cabeça".

 

No mesmo dia, Peseiro, em entrevista a "A Bola", diz que perdemos em Portimão por termos querido praticar um "futebol exuberante, ofensivamente avassalador". A isto chama-se não aprender nada com as derrotas. Também alega que Wendel tem imenso potencial, mas perde bolas em "zonas proibidas" (creio que se estaria a referir ao camarote dos jogadores). Por isso, o brasileiro (custou 8,7 milhões de euros) vai continuando a aprender nos treinos, enquanto em competição, o macedónio Ristovski, com bem menos cartel, vai (des)aprendendo a não fechar o espaço interior e a não compensar o central. Faz sentido! Finalmente, afirma que Coates tem "estrutura, estatuto para ser capitão, mas que prefere um português". Tudo bem, entende-se, embora Javier Zanetti - 15 anos como capitão do Inter de Milão - se possa estar a rebolar a rir, mas então por que raio é que Palhinha foi preterido a Petrovic e Geraldes teve de emigrar? Será que a condição de luso só terá relevância na questão da braçadeira, mesmo que depois o balneário seja uma babilónia de nações?

 

Et tu, Brute?

Nesta noite foi o andebol a perder na Maia, frente ao ISMAI, por 26-25. Não consegui ver, mas pelo que fui seguindo nas redes sociais e blogues a equipa teve uma noite má, compreensível pela sobrecarga de jogos de elevada dificuldade.

 

Lá se foi a liderança isolada e, sem nada estar perdido, muito pelo contrário, o andebol juntou-se à semana negra do clube. Talvez seja melhor benzer os equipamentos da equipa de futsal.

Uma equipa fantástica

Nunca dou por mal gastos os minutos que invisto a acompanhar os jogos da nossa equipa de andebol.

 

Foi no ecrã do telemóvel, devidamente equipado com a aplicação da NOS, que fui assistindo ao arrepiante Sporting-Benfica desta noite. Fomos para intervalo a perder, demos a volta nos últimos minutos e nem um contra-ataque falhado pelo magnífico Frankis Carol evitou que chegássemos aos últimos segundos com um golo de vantagem.

 

Podia o Benfica empatar? Podia, mas precisaria de ter alguém para marcar o livre com barreira igual a Carlos Ruesga. E como esse só há um, numa equipa fantástica, de verde e branco trajada.

O (simples) dia de ontem!

Saí de casa apressado para chegar a tempo ao pavilhão João Rocha. A tarde estava cálida, mas nas ruas ao redor de Alvalade havia já muito movimento de sportinguistas. Os pontos de encontro quantas vezes personalizados nas roulotes das bifanas e imperiais, ainda assim apresentavam pouca clientela.

Todavia à volta do pavilhão havia já fila para entrar. O jogo da Liga dos Campeões de Andebol estava previsto para as 18 e 30. Quando entrei já o recinto estava bem composto, plasmado nos quase 2500 adeptos.

Não obstante a equipa de andebol ter jogado muuuuuuuito abaixo do que seria esperado e desejável, o público presente não regateou apoio. Foi a minha primeira vez no pavilhão, não obstante ter também contribuído para a sua construção, e senti-me completamente arrebatado por aquele público entusiasta. Faltou a vitória para ser perfeito!

Um espaço que pode levar 3000 pessoas na sua lotação completa, levou-me a imaginar como será, ao vivo, o ambiente num qualquer pavilhão nos Estados Unidos, que levam muito acima das 10 mil assistentes.

Após o andebol foi a vez do futebol. Uma “sandocha” e a inevitável imperial, para tapar a fome, e nova correria para o estádio. Desta vez para assistir a uma bela vitória contra o Marítimo.

E das duas uma: ou eu não percebo nada de futebol (o que deve estar mais próximo da verdade!!!) ou este terá sido o melhor jogo que vi esta época em Alvalade? Pelo menos a mim pareceu-me…

Enfim ontem recarreguei as minhas baterias do espírito sportinguista. Confesso que estava mesmo a precisar!

A gente lê-se por aí!

PS - Fica o filme da grande penalidade visto do meu lugar.

 

 

Hoje giro eu - A fazer história

No andebol, o Sporting obteve a segunda vitória consecutiva na Champions. Na visita aos russos do Chekhovskiye Medvedi, a equipa leonina esteve sempre em desvantagem. A cerca de 1 minuto do fim estabeleceu o empate. Depois, defesa impressionante de Skok e bola para o Sporting. Os poucos segundos (10) esgotaram-se rapidamente, mas imediatamente antes do apito o árbitro sancionou um livre de 9 metros a nosso favor. Seis "armários" russos posicionaram-se sobre a linha dos 6 metros, cobrindo toda a baliza, mas eis que Carlos Ruesga executa um movimento anatómicamente semi-impossível a um vertebrado e marca. (Convido-vos a ver as imagens abaixo.) A primeira e única vantagem durante o jogo e logo quando o cronómetro já estava parado nos 30 minutos do segundo tempo. De destacar, também, o facto de o Sporting ter estado os últimos 13 minutos sem sofrer um só golo. Memorável! Resultado final: Chekhovskiye Medvedi - Sporting 22-23 (14-10). Golos: Edmilson Araújo e Chiuffa (4), Tiago Rocha e Pedro Valdés (3), Nikcevic, Ruesga e Solha (2), Carlos Carneiro, Frankis Carol e Ghionea (1). Cudic foi o guarda-redes na primeira parte e Skok na segunda.

 

Quanto ao golo de Ruesga, aceitam-se adjectivos. Têm a palavra os nossos Leitores/Comentadores.

 

 

 

Hoje giro eu - A maior potência desportiva

Não me lembro de uma coisa destas nos últimos 20 anos: em hóquei, a contar para a 24ª jornada do campeonato nacional, o Sporting deslocou-se ao Pavilhão da Luz e derrotou o Benfica por 7-4. Ferran Font marcou 2 golos espectaculares - vejam, por favor (TVI24), a sua execução técnica no 3º e, também, no 4º golo do Sporting - e, conjuntamente com o guarda-redes André Girão, foi o homem do jogo. Os restantes golos leoninos foram apontados por Caio (2), Martin Platero, Henrique Magalhães e Pedro Gil. A duas jornadas do fim, o Sporting segue isolado com 1 ponto de avanço sobre o FC Porto e 4 sobre o Benfica. Na próxima jornada, no Pavilhão João Rocha, podemos celebrar o título na recepção ao FC Porto.

Entretanto, na meia final da Taça de Portugal de andebol, o Sporting bateu o FC Porto por concludentes 30-21 e defronta amanhã o rival Benfica na final.  Adicionalmente, a nossa equipa de futsal bateu o Burinhosa por 5-3 e qualificou-se para as meias finais do play-off do campeonato nacional.

 

P.S. O nosso Leitor/Comentador Bosko acaba de me informar que na modalidade da bola oval (rugby), o Sporting se sagrou bicampeão nacional feminino. Parabéns leoas !!!

ferranfont.jpg

 

Futebol - Pé. Andebol - Mão...

"Em face das notícias vindas a público e à especulação que existe na comunicação social, a Sporting SAD informa que o treinador Jorge Jesus estará a orientar a equipa do Sporting CP na Final da Taça de Portugal.

A Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD  "

 

"Em face das notícias vindas hoje a público através do Correio da Manhã, entende o Sporting Clube de Portugal afirmar o seguinte:

1 – Estamos perante o primeiro capítulo de uma campanha, mais uma, que visa exclusivamente denegrir a imagem da instituição Sporting CP, a qual se estenderá, já o sabemos, a todas as modalidades do Clube;

2 – Repudiamos de forma veemente estas notícias, o modo como são construídas e a intenção que lhes está associada. De igual modo, não nos revemos em qualquer práctica que desvirtue a verdade desportiva ou que sejam ética, moral e socialmente censuráveis;

3 – Não deixa de ser espantosa a quantidade de agentes e empresários, que não conhecemos, que se atrevem a falar em público sobre o Sporting CP. Em relação a esses tomaremos as medidas que em cada caso se imponham para que sejam responsabilizados nas instâncias competentes;

4 – Porque não estamos em crise, não vamos, em momento algum, constituir qualquer “gabinete de crise”, apesar de haver uma intenção clara de nos confundirem com vouchers, emails e toupeiras;

5 – O Sporting CP é um alvo a abater porque é o único clube que, genuinamente, continua a lutar e a querer transparência e verdade desportiva em Portugal;

6 – O Sporting CP confia na Justiça e no Estado de Direito e deseja que a alegada investigação anunciada pelo Ministério Público seja célere e que vá até às últimas consequências no apuramento da verdade;

7 – O Sporting CP está obviamente disponível para colaborar em todas as diligências que se entendam necessárias"

 

Nada a dizer quanto ao comunicado da SAD, tudo na normalidade, o senhor chegou a Alcochete às 12,50h e não consta (pelo menos nenhuma tv o referiu) que tenha ido arrumar os tarecos.

 

Quanto ao comunicado do Clube, não vou aqui perorar sobre o mesmo, nem trazer ao post a frase batida (saravá, Sérgio Godinho) de que não ponho as mãos no lume por ninguém. O comunicado diz o que deve ser dito e anseio ardentemente por conclusões de uma urgente investigação, de preferência em simultâneo com os vouchers, toupeiras e e-mails, para ficar tudo despachado ao mesmo tempo. Pode até ser que se encontrem algumas surpresas em relação a esta coisa do andebol...

Hoje giro eu - ...e outro !!!

O Sporting acaba de sagrar-se bicampeão nacional de andebol, vencendo o Benfica, no Pavilhão João Rocha, por 33-27.

 

Cudic, Frankis e Carlos Carneiro, na primeira parte, e Pedro Valdés e Pedro Portela, na segunda, foram decisivos. No cômputo geral, o guarda-redes terá sido o melhor em campo.

 

Parabéns à liderança serena de Higo Canela, a toda a equipa técnica e aos jogadores, que foram uns leões, recuperando já no segundo tempo uma desvantagem de um golo, isto depois de termos ido para o intervalo com uma vantagem de cinco golos (20-15). Providencial o desconto de tempo pedido por Canela quando estavamos a perder.

 

Uma palavra para a Direcção do clube, para o Director da secção (Carlos Galambas) e, muito especialmente, para os 1500 adeptos presentes no João Rocha que, tal como já havia acontecido no Voleibol, nos momentos mais difíceis catapultaram a equipa, com o seu apoio, para a vitória.

"Maio, maduro maio, quem te pintou..."

Foi e será o Sporting, e de verde, acrescento eu.

Ontem foi o primeiro título, muito, muito saboroso no Voleibol. Por ter sido no regresso da modalidade, por ter sido 23 anos depois e por ter sido como foi e contra quem foi. Vibrante e repleto de emoções. Dia 1 de maio de 2018, para recordar. E com uma menção especial, justissima: Miguel Maia! 

Domingo, às 15 horas no Estádio de Alvalade, as nossas leoas poderão tornar-se bicampeãs de futebol. Merecem um estádio com muitos sportinguistas (entrada grátis).

E também no domingo, mas à noite, às 20h, no pavilhão João Rocha, será a vez do Andebol. A vitória sobre o Benfica fará o Sporting ser bicampeão nacional. 

Dia 12, às 12:30h o Hóquei em Patins, com a final four da Liga Europa, em que disputamos com o Porto o acesso à final da maior competição europeia (no campeonato nacional o Sporting lidera a 4 jornadas do final).

Futsal, a uma jornada do fim da fase regular o Sporting é líder invicto (com mais 6 pontos que Benfica), realizando-se ainda este mês os quartos de final que poderão levar ao tricampeonato.

No dia 20, teremos a Taça de Portugal em futebol com o Desportivo das Aves (mas antes, já neste sábado um jogo que pode definir muita coisa no campeonato e, porventura no próximo, o jogo com o Benfica em Alvalade...).

 

(dedicado a todos os que desdenham das vitórias do Sporting, fenómeno que dá pelo nome de inveja ou dor de corno) 

Voleibol

 

Hoje giro eu - A Luz ao fundo do túnel

Em partida a contar para a Fase Final do campeonato nacional de andebol, o Sporting deslocou-se ao Pavilhão da Luz e derrotou o até aí 2º classificado por 29-24, reforçando assim a sua liderança. O Sporting, aliás, é o único clube só com vitórias nesta fase decisiva do campeonato. Temos agora mais 3 pontos que o FC Porto e mais 4 que o Benfica (a vitória vale 3 pontos, o empate 2 e a derrota 1). Faltam 8 jornadas.

 

P.S. entretanto, hoje em Vila do Conde, Francisco Geraldes “pintou a manta”...

andebolsporting.jpg

 

Pura classe

Não vou contribuir para o peditório da gratidão, reconhecimento e confiança, apelado vezes sem fim pelo Presidente do Sporting nos últimos dias.

Quem, ainda há menos de 1 ano (!), ganhou categoricamente uma eleição (quase 90% dos votos), tem a equipa a discutir o 1º lugar em todas as modalidades (nalgumas, estamos mesmo em primeiro), viu o futebol vencer o primeiro troféu do novo ano civil, tem sempre o estádio cheio, tem aí a gratidão, reconhecimento e confiança. O resto, dito à moda de JJ, é treta.

Bom, feito este intróito, queria aqui elogiar o nosso andebol, que tão boa conta tem dado na liga doméstica. Este mês, vencemos sem espinhas os nossos rivais Porto e Benfica. Hugo Canela está a fazer um excelente trabalho. A sua serenidade, ambição e discurso fazem-me lembrar Nuno Dias. Tomara que o andebol leonino esteja a iniciar uma era, à semelhança do que vem fazendo o futsal nos últimos anos.

Em destaque, o nosso craque Carlos Ruesga. O golo de costas que marcou ao Benfica no último jogo é, simplesmente, genial. 

Faltam apenas 4 jornadas para terminar a fase regular do campeonato de andebol. Serão jogos acessíveis, face ao grau de dificuldade dos adversários. Depois disso segue nova ronda de jogos contra as principais equipas. Somos favoritos mas no passado já nos deixámos ultrapassar nesta fase derradeira. Muita cautela, portanto. 

O dia em que os pequenos visitaram os grandes

O grande Sporting em casa, o pequeno Benfica a visitá-lo.

O grande Porto em casa, o pequeno Liverpool a visitá-lo.

O grande Real Madrid em casa, o pequeno Paris SG a visitá-lo.

O grande Sporting venceu... 33 a 29.

O grande Porto está a perder (faltam 10 minutos)... 0 a 4. Digo 0 a 5.

O grande Real Madrid está empatado (faltam 10 minutos) 1 a 1.  Cristiano Ronaldo marca o segundo. Ronaldo 2 PSG 1.

Há pequenos que são sempre pequenos.

Há pequenos que se agigantam (ou grandes que se apequenam).

Há grandes e pequenos assim-assim. 

Excelência - os Sete magníficos

Futebol - pé - andebol - mão - , diria o treinador Paulo Bento. Mesmo sem poder contar com o talento do pacense Ronny, entre 1966 e 1973, o nosso clube não ficou de mãos a abanar no andebol. Assim, o Sporting conquistou sete (7!) títulos nacionais em oito possíveis, cinco dos quais consecutivos (pentacampeonato). Essa equipa era formada por Bessone Bastos (guarda-redes), Adriano Mesquita, Manuel Marques e Manuel Brito (primeira linha), Alfredo Pinheiro, Ramiro Pinheiro e Carlos Correia (segunda linha). 

A essa mítica equipa sucederia uma outra de excelência, com o anafadinho, mas extremamente flexível Carlos Silva, na baliza, Brito (sempre ele, 11 vezes campeão nacional), José Manuel e João Gonçalves na primeira linha, João Manuel, Miranda e Vasco Vasconcelos (ou outro eterno, Carlos Correia, com 10 títulos de campeão). Tetracampeões, entre 77/78 e 80/81 "limparam" tudo. 

Mais recentemente, há a registar duas importantes vitórias internacionais na Taça Challenge, uma em 2009/10, outra no ano passado. A primeira conquista tinha Paulo Faria ao leme e um leque de jogadores formado por Humberto Gomes (guarda-redes), Bosko Bjelanovic (ou Fábio Magalhães), Petric (ou João Pinto) e Pedro Seabra, Pedro Solha, Pedro Portela (ou Fernando Nunes) e Carlos Galambas (Bruno Moreira). A última consagração teve como protagonistas o treinador Hugo Canela e os jogadores Asanin - ou Assassin (das aspirações alheias)? - e os jogadores de campo Frankis Carol (ou Edmilson Araújo), Carlos Ruesga (ou Bosko), Janko Bozovic (ou Cláudio Pedroso), Kopco ou Zabic como pivots, Pedro Portela e Ivan Nikcevic (Solha passou quase toda a temporada lesionado).

De referir que o Sporting é ainda o clube nacional com mais campeonatos nacionais conquistados, ao contrário do que vem sendo referido por jornalistas muito pouco criteriosos que insistem em ignorar os títulos conquistados pelo clube na Divisão de Élite da Federação Portuguesa de Andebol, optando por considerar os campeonatos patrocinados pela separatista Liga portuguesa de andebol, competição de resto, à época, não reconhecida pela FPA (mas muito estimada pelos jornalistas desta praça) e que conduziu a que os melhores colocados nessa Liga tivéssem sido impedidos de participar nas competições europeias. Eis um caso paradigmático em que, afinal, futebol e andebol se unem, e o que resulta é a comum subtração de vitórias em competições nacionais ao nosso clube. Reposta a verdade, a equipa leonina conta com 20 títulos de campeão nacional devidamente homologados.

Os_Sete_Magnificos.jpg

 

João Rocha. Voltaremos a ser muitos, estou certa

Screen Shot 2017-12-01 at 15.55.46.png

Estreei-me esta semana no Pavilhão João Rocha, no Sporting 39 - Avanca 28, em andebol. 

Senti-me em casa, gostei do recinto, pretendo voltar. Éramos duas centenas de pessoas, e podemos ser mais. Seremos mais, tenho essa convicção. O que me leva à questão das assistências de que tanto se tem falado. Também eu tenho a minha opinião. 

Ainda tenho presente a Nave de Alvalade, e o ambiente em volta do estádio em dias de jogo de futebol. A vida por ali não era só perto da hora do jogo, ou apenas de passeio. Passava-se pela Nave, fazia parte. Havia os assíduos, e havia quem lá passasse. Mas fazia parte. Havia vida em redor do estádio por muitas horas. 

De 2003 ou 4, quando a Nave foi encerrada, a 2017 são pelo menos 13 anos. 13 anos é uma geração que se salta. Uma geração que não viu este movimento em volta do estádio, que sabia que o Sporting tinha modalidades, mas a menos que se deslocasse não as poderia acompanhar. E quando digo geração, não me refiro a todas as pessoas de uma idade concreta, saltámos uma vida de muita gente, mas saltámos acima de tudo o hábito de ir a um pavilhão do Sporting.

Junto a este facto os que sabiam, acompanhavam, mas perderam o lado prático de todo o clube funcionar no mesmo espaço. Dir-me-ão que quem é do Sporting não se importa com distâncias, e eu acho isso bonito, romântico até, mas no dia a dia não é prático e a verdade é que foi uma minoria que o pôde ou quis fazer nestes últimos anos. Há sempre quem saiba resultados, conheça as equipas, sei bem que nunca abandonámos as modalidades. Mas faltava-nos o pavilhão, faltava-nos ver de perto, e em casa, os nossos. 

Finalmente uma direcção cumpre a promessa de erguer um pavilhão, mas não temos calma, reclamamos que está vazio. Sinceramente, para já não acho preocupante a pouca adesão num primeiro ano de pavilhão. Não há culpados, nem desculpas, foi como foi. Mas o facto é que há um intervalo temporal que mina os hábitos, que faz cair a curiosidade do que se passa com cada equipa, que nos fez afastar do pavilhão.

As pessoas perderam o costume, e tal como se perdem, os hábitos voltam a ganhar-se. Seja porque dá jeito passar num jogo antes do futebol, ou porque "hoje até me dá jeito lá passar quando sair", porque os amigos vão e aproveitamos a companhia, uns mais para o hóquei (o meu caso), outros mais do futsal, do volley ou andebol, ou simplesmente porque é o Sporting Clube de Portugal e isso basta, tenho a certeza que todos havemos de frequentar o Pavilhão João Rocha.

Os bravos do andebol.

Vencer no primeiro jogo na Champions, fora, num campo complicado. Podia estar a falar do futebol, mas não.

 

A nossa equipa de andebol acabou de vencer o Besiktas, na Turquia, num jogo que marca o nosso regresso à competição, 16 anos depois. Mesmo outsiders, mostrámos ao que vamos. Como verdadeiros leões!

A figura da semana é Manuel Gaspar

IMG_1652.JPG

Nem Bruno, nem William, nem Adrien. O nome em destaque na semana sportinguista é Manuel Gaspar. O adolescente, guarda-redes da equipa de andebol do Sporting, foi a maior figura do Sporting 30 - Fafe 17, jogo inaugural do Pavilhão João Rocha, jogo que tive a honra de assistir ao vivo. Gaspar defendeu quase tudo o que havia para defender, incluindo vários livres de sete metros e perto do fim, até marcou um golo, de baliza a baliza. Foi uma festa bonita, com a direção e as figuras de destaque das modalidades que vão usar o pavilhão, a marcarem presença. Com casa quase cheia, foi Tiago Rocha a estrear as redes da nova casa. Vimos a taça de campeão da época passada e assistimos a uma grande exibição, num recinto lindíssimo e cheio de sócios e adeptos entusiastas e a cantar a plenos pulmões. Isto é que é o Sporting e, para mim, as figuras serão sempre os melhores de cada modalidade.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D