Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Au revoir. Ou da falta de chá.

Num jogo comandado por um manhoso francês que deixou algo a desejar no capítulo disciplinar e na contagem do tempo e em que Inácio deu uma casa do tamanho dos Jerónimos ainda o jogo quase não tinha começado, acho o resultado final lisonjeiro para as nossas hostes. Passo a explicar:

1- Mais uma vez jogámos com dez, não com um 10. Escolham os leitores o que não esteve em campo, para mim à excepção de Adan, de Ugarte e Edwards, todos cabem neste saco (que me parece cada vez mais de gatos).

2- Ao treinador da Juventus bastou um jogo para anular a táctica maravilhosa do para trás e para o lado e dos três avançados móveis e ao contrário do nosso, tinha um plano B, teve um 4X1X4X1, que anulou Pedro Gonçalves e teve sempre um avançado fixo, a maior parte das vezes Di Maria, que acorrentou Nuno Santos à linha de meio campo, até nos cantos, onde o nosso esquerdino poderia remater uma "segunda bola".

3- Porque falhámos pelo menos quatro bolas de golo, duas de baliza quase escancarada, por Coates, que coitado faz o que pode como avançado-centro, mas não tem muito jeito para jogar com os pés. E como quem não marca não merece nem consegue ganhar, o resultado de hoje foi justo, ponto final parágrafo.

Queria dar uma nota final à forma como Ruben Amorim desconsiderou três dos maiores goleadores que passaram pelo nosso clube: Liedson, Derlei e Slimani, comparando-os com Paulinho e Tiago Tomás, dizendo que estes foram campeões e os três não o foram, querendo dizer, ou dizendo mesmo, que os golos que marcaram não acrescentaram nada ao palmarés do Sporting. É muita falta de chá e falta de respeito por três profissionais exemplares (um, Slimani, que mandou embora e é a génese desta malfadada época e a causa de ter perdido o título na época passada). Percebe-se o contexto, não se desculpa o deslize.

O nosso treinador não consegue explicar porque é que o Coates falha de baliza aberta. Eu, que não sou treinador mas vejo bola há mais de cinquenta anos, explico: É porque o Coates não é avançado-centro, ou ponta-de-lança ou matador, o que quiserem. Uma equipa tem que ter pelo menos dois jogadores para a mesma posição, ora o Sporting começou uma época apenas com um ponta-de-lança, ainda por cima num sistema de avançados volantes. Diz ele que não consegue perceber como se criam tantas oportunidades e se falham tantos golos. Pois eu ajudo, mister, é porque não temos ninguém que as meta lá dentro e não há ninguém para quem cruzar bolas. Excepto quando lá está o pronto-socorro do Coates, claro.

Hoje, no aquecimento, dei-me ao trabalho de estar atento àquela parte dos remates à baliza. Pois sabem que dos nossos supostos marcadores de golos, nenhum, nem a brincar, a meteu dentro da baliza? Ora se isto nem a brincar, como seria diferente a sério?

Com os mínimos por um canudo, e com participação provável (que não se sabe como vai ser isto daqui até ao fim) na Liga Conferência, vamos finalmente entrar na Liga do nosso treinador, o maior nas conferências.

Bom, se ele ainda for nosso treinador. Continuo a desejar que seja, mas um bocadinho menos teimoso, pode ser?

Ora toma lá!

O homem toca uma vez na bola e marca um golaço.

As minhas desculpas ao Paulinho, por ter duvidado da sua eficácia.

É exasperante ver uma equipa que até joga bem, muito bem aliás ontem e é tão ineficaz na finalização.

É certo que o GR japonês fez três ou quatro defesas de luxo, mas aquilo que se faz tão bem até ao tiro final, não merecia a falta de pontaria que se está a tornar um (mau) hábito.

Valeu-nos hoje Paulinho, o mal amado (mea culpa), com um golo de belo efeito e de difícil execução.

E valeu-nos o arrojo de Amorim, que nos deixou praticamente sem meio-campo para ganhar o jogo. Conseguiu-o, está de parabéns.

Tudo está bem, quando acaba bem.

Uma nota final para o apoio que se ouviu sempre do início ao fim do jogo. Eram escusadas as tarjas, bastavam as bandeiras e os cachecois.

Porta-aviões ao fundo?

Posso estar muito enganado (oxalá esteja), mas apesar de faltar ainda muito campeonato, ontem hipotecámos algo em que muitos de nós ainda acreditávamos, que seria possível aceder à liga milionária.

Perdemos mais uma vez por culpa do treinador, que errou claramente ao abandonar a sua máxima de "jogo a jogo", para jogar dois jogos num. Como era de prever correu mal e perdendo ontem um, pode perder o próximo também e ficará a 15 pontos do líder, a 9 do Braga e a 8 do Porto (se estes vencerem, claro), valendo-nos de pouco vencer um e outro nos jogos que temos em casa com as duas equipas e com o Casa Pia à espreita. Ou seja, com um tropeção maior até a Liga Europa poderá estar em causa.

A culpa foi claramente do treinador, repito, mas não só. É também de quem não lhe dá o que precisa.

Eu até sou paciente, se me disserem claramente que isto vai ser uma travessia no deserto por um, dois ou três anos, que iremos formar jovens para ter uma equipa competitiva e de qualidade, eu alinho! Não me venham é com a pantominice de que lutamos por todos os títulos, se temos uma equipa recheada de nulidades e continuamos a comprar carradas de jogadores para lugares mais que preenchidos e para onde são precisos não se investe. As dinâmicas, de vitória ou derrota, criam-se facilmente; Basta que quem dirige o demonstre e ao desinvestir na equipa, a direcção e o seu presidente, o primeiro responsável, dão um sinal claro de que a dinâmica não é de vitória. Já alguém dizia, uma antiga Madre do Convento de Odivelas provavelmente, que sem ovos não se fazem barrigas de freira e o desinvestimento vai criando rotinas que nos vão afastando cada vez mais dos lugares de decisão de títulos e retirando-nos a importância que temos e que é cada vez menor. Pode haver um brilharete quando os astros todos se alinham, mas isso é cada vez mais raro e confiar na divina providência é ainda pior que confiar nos astros.

Sou claramente favoravel a um clube/SAD com contas certas e admito não ganhar nada durante todo o tempo que for preciso para que elas se acertem, mas gastar carradas de dinheiro em jogadores que não entrariam no plantel do Marítimo (com todo o respeito) e encher algumas posições com uma camioneta de jogadores e esquecer-se daquelas onde eles são precisos, roça a gestão danosa.

Fomos claramente roubados, é verdade. Há um penalti claro sobre Porro que poderia dar outro desfecho a este jogo, mas sendo honestos, seria uma injustiça para a equipa que melhor jogou, que nos dominou toda a primeira parte, que foi do mais deplorável a que assistimos (eu ouvi, já que vinha em viagem de Tomar para casa e ia ouvindo na Antena1 e o relato dava-me mais nervos que a chuva intensa que me acompanhou todo o caminho e me obrigou a fazê-lo quase a passo).

Custa-me dizer isto, mas resta-nos ganhar o campeonato da segunda circular (há que não ter medo de dizer isto), tentar a taça da carica e não perder por muitos com um Barcelona qualquer na Liga Europa.

Criticamos aqui, com razão, as vigarices de lampiões e andrades, mas esquecemo-nos de enaltecer o seu arreganho nas horas menos boas; Nas derrotas cerram os dentes, ficam aziados e demonstram-no e ai de quem os defrontar no jogo seguinte que sabe que vai levar com a azia toda em cima. Connosco uma derrota é mais um dia no escritório e como não vi o jogo não sei se o jogador escolhido para a entrevista rápida não terá empregado aquela frase mítica "agora há que levantar a cabeça e pensar no próximo jogo", que define o grau de ambição de um grupo.

Em resumo: Esteve mal Amorim, que foi comido de cebolada pelo treinador do Marítimo e jogou a pensar no próximo jogo, contrariando-se a si próprio; Anda mal a direcção que tarda em reforçar a equipa com as peças de que realmente precisa; Esteve mal o árbitro que deixou por assinalar um penalti claro a nosso favor e estiveram mal os jogadores que após uma semana de descanso deram a sensação de que comeram demasiado bolo-rei.

Enfim, se não fosse assim, nem seria o Sporting...

Cem jogos, cem vitórias

1111.png

5 de Novembro de 2022, jogo 100 pelo Sporting.

Vitória no jogo com o Vitória.

Sporting 3 (Morita e Edwards a bisar) Vitória SC O.

Ontem, 100 vitórias de Amorim em provas profissionais, 90 como treinador do Sporting de Portugal e 10 como treinador do Sporting de Braga.

Jogador comum na vitória um e na vitória cem, Paulinho. Marcou à B-SAD na estreia de Amorim, tri marcou ontem.

Estão de parabéns, os dois, o treinador e o goleador.

Agora é limpar a cabeça

Os rapazes ganharam ontem em Famalicão com toda a justiça. O resultado peca por escasso, dadas as oportunidades desperdiçadas, o que me leva a colocar aqui a questão do sistema de jogo e o facto que por aqui vamos (autores e comentadores) dizendo, que os adversários já conhecem e anulam facilmente o sistema Amorim.

Ora este sistema produz imensas oportunidades de golo por jogo (muitas, vá...), como ontem se verificou. Os golos não apareceram por inépcia dos finalizadores, já que ontem o GR adversário pouco trabalho teve, o que denota uma clara deficiência ao nível psicológico, uma clara fadiga mental e uma visível a olho nu fadiga física, ontem com mais uma lesão de Matheus Reis (que pode agradecer a Iemanjá não ter sido expulso por conduta incorrecta, algo em que incorre frequentemente).

Nada nos garante portanto, verificada a falta de pontaria, que qualquer outro sistema alternativo desse mais golos.

Vem aí a Taça da Carica, perdão, da Liga, onde acho que devem ser utilizadas as segundas linhas e alguns jogadores da equipa B. Há jogadores que têm que jogar para demonstrarem que podem entrar na equação, no banco e jogando cinco minutos quando se perde ou empata e se luta por um golo, não ajuda antes prejudica. Eu como sou daqueles que não atribuo grande importância a este troféu e como os adversários na primeira fase até são acessíveis, optaria por esta opção.

Com um mês e meio de paragem, com poucos jogadores nas selecções e alguns com previsível curta estadia no Catar, haverá tempo suficiente para descansar a mente e o corpo, para recarregar baterias, para recentrar o foco. Confio que Amorim, ele próprio a precisar de descansar a mente, conseguirá agregar os rapazes de novo, mas...

Não será suficiente! Há a necessidade urgente de contratar três jogadores que peguem de estaca como vamos todos por aqui escrevendo: Um central, um seis e um nove. Eu até acredito que haja jogadores identificados para estas posições se a opção for mesmo contratar (o "a la longo" agora contratado será mesmo para burilar e vender, "penso eu de que"), mas eu até tenho uma sugestão para nove...

Tem a palavra o presidente

Se conseguir verbalizar duas frases seguidas, claro.

Claro que não é ele que falha os golos, não é ele que dá casas na defesa, não é ele que passa noventa minutos a fazer que joga mas não joga, não é ele que escala a equipa, mas os sócios têm que ouvir a sua voz transmitindo o seu inconformismo.

Um presidente almofadinha não serve os interesses do clube.

Exige-se uma posição do presidente sobre esta desgraçada entrada na época em curso.

Não é preciso berrar, nem dar pontapés na parede do balneário.

Exige-se que fale e que exija comprometimento e que diga ao treinador que os jogos se ganham com golos e que só depois de se estar a ganhar é que se pode defender resultados.

Hoje a culpa é toda de Amorim, por não querer começar com os melhores. Se não é intencional, parece. E dos jogadores, que se estão cagando (perdoem o meu francês) para os resultados. A inflacção para eles passa ao lado e os milhares, centenas nalguns casos, pingam sempre ao final do mês. Faltam dois dias.

Nazinho & C.ia, Lda

Nazinho falhou dois golos. Um deles "cantado", seja lá o que isso for.

O outro miúdo, o Mateus Fernandes, não esteve muito bem, terá entrado nervoso, faz parte.

Apostas falhadas de Amorim, virão aqui alguns dizer, desassombrados, como se com a idade daqueles miúdos, jogar na Liga dos Campeões fosse fácil.

E como eu gosto muito de ter cromos para a troca, não precisando de recuar muito no tempo, basta ir à última jornada da liga portuguesa e lembrar-me de um golo "cantado à capela" falhado pelo rapaz que ontem marcou um golaço, esse mesmo, Edwards. Quem sabe Nazinho não marca já em Arouca?

O afundanço do Coates, que seria o segundo, merecia os três pontos, mas bem vistas as coisas a gente não ficava automaticamente qualificados, a coisa só foi má no capítulo financeiro.

Não gostei da atitude de Amorim, virando a cara a certos lances, como se tivesse medo que algo de mau nos aconteça. Está a precisar também ele de umas sessões de mental coaching, assim mesmo em inglatónico, como diria Diniz Machado (ou Dennis McChade, para os amigos) em "O que diz Molero".

 

E na Terça, lá estaremos outra vez!

Como eu não percebo nada de futebol

Fui procurar por quem sabe.

Não, não encontrei nada do presidente Frederico Varandas além do "fácil, fácil", mas voltei a uma entrevista interessante de Vanderlei Luxemburgo, treinador com vasta experiência e com alguns títulos importantes na carreira, a Danilo Gentili no talk-show da SBT "The Noite", bastante recente, onde entre as estórias normais do futebol, fala de coisas interessantes, como a de adequar a táctica aos jogadores de que dispõe.

Hoje reformado do futebol e dedicado à política e ao empresariado, não esquece (disse-o numa outra entrevista) que foi despedido do Real Madrid por ter tirado Ronaldo (fenómeno) de campo ao minuto 90 quando ganhava ao Barcelona por 1-0 e com menos um jogador, por expulsão de Beckam.

E isto vem a propósito de quê? Bom, vem a propósito da rigidez táctica que agora é moda no Sporting (e noutros clubes em abono da verdade), querendo a todo o custo formatar os jogadores para posições e estratégias para as quais não estão talhados.

Hoje, como muito bem diz Luxemburgo, os miúdos são impedidos de explorar as suas habilidades inatas em prol de um futebol esquematizado que o deixa sem a imprevisibilidade dos grandes génios.

Uma entrevista a ver com atenção, para quem aprecia o tema e que serve de termo de comparação para o momento actual do nosso clube e do futebol em geral. Descartem os fait divers e atentem no essencial.

Nem tudo está perdido

Um pouco mais a frio, lá vai a minha análise ao jogo de ontem:

Positivo

Israel - Não é tão mau como a gente temia e até pode sair dali um belo guarda-redes; não comprometeu e teve até um punhado de boas e algumas difíceis intervenções. Para quem não tem jogado esteve muito bem.

Os outros miúdos todos - Lançados às feras, conseguiram empatar com o OM, o que não é nada mau.

Esgaio - Não joga no próximo jogo, o que quer dizer que se não entrar o Paulinho, iremos começar com onze.

Pedro Gonçalves - Ver cromo anterior.

Presidente - Não fala e bem (convém não piorar o que já de si é a antevisão de uma tragédia).

Negativo

A reacção dos sócios ao questionarem as opções do treinador. Onde já se viu a malta a mandar bitaites sobre a constituição da equipa e a criticar as substituições? Deve ser o único clube do mundo onde isto acontece!

O recado velado, ou ensurdecedor entendam como quiserem, do treinador, para dentro, nas declarações deploráveis que entendeu proferir no final do jogo. Se está mal, resolva a coisa no gabinete do presidente.

A casmurrice do treinador, que estando num processo de aprendizagem, terá de ir tirando apontamentos dos erros que vai cometendo para daí concluir que só evoluirá tentando ultrapassar esses erros. Por enquanto tem crédito para ir aprendendo, vai tendo pouco, cada vez menos, para ser casmurro. Daqui até ao assobio e à contestação é um "tirinho" e a gente sabe como é na bola, hoje génio, amanhã um falhado e eu gostava que Amorim crescesse no Sporting por alguns anos, que potencial tem ele.

Conclusão

Ainda estamos nas quatro competições da época apesar de duas delas ainda não terem começado e de outra não haver notícia de que desistamos, independentemente do lugar na tabela (já ficámos em sétimo, convém ter presente na memória). Na Liga dos Campeões estamos fortes, basta ganhar os dois jogos que faltam. Eu confio que sem Esgaio e Pedro Gonçalves a coisa até se dê, para nossa satisfação. Como diria o outro, pínares...

Isto é como os interruptores

Há três dias o treinador escreveu um compêndio de bem dirigir uma equipa.

Hoje borrou a escrita toda.

Acontece.

Como acontece ao Esgaio, bom rapaz, Sportinguista dos quatro costados, mas com pouco jeito para a função que supostamente deveria exercer. Segunda vez que enterra a equipa. E acreditem que eu até nem lhe atribuo culpas. Consultar os dois primeiros parágrafos, s.f.f. para encontrar o culpado.

Meter em campo os mesmos que jogaram há três dias e quando foi necessário substituir, tirou só o melhor, Nuno Santos é, para ser simpático, um disparate.

Hoje, desculpa lá ó Amorim, foi uma derrota de autor.

A seguir vem o Gil Vicente

A ver se não ficamos com um enorme galo...

Eine traque

Por razões pessoais que não interessam, tenho sido pouco assíduo por aqui.

Reconheço que felizmente, que às vezes no calor do momento vou sendo caustico e não estando e não escrevendo, pelo menos não erro.

Isto para dizer que mal vai um sócio ou adepto do Sporting que, mesmo numa situação de enfrentar uma equipa de um clube supostamente mais poderoso (vencedor da Liga Europa, sem derrotas, do ano transacto), não tenha a esperança, mínima que seja, de que os seus rapazes conseguirão ganhar e neste caso particular, matar o borrego, que era vencer pela primeira vez na Alemanha.

E eu tinha essa esperança, como tenho sempre. Mais esperançado estava/fiquei, quando vi a conferência de imprensa de lançamento do jogo e ouvi o treinador do Sporting. Pela enésima vez, eu sou um apoiante de Ruben Amorim e essa é uma premissa incondicional, mas por vezes critico-o (faz parte...). Ontem vi um rapaz, posso tratá-lo assim, é da idade do meu mais velho, com a maior calma do mundo dizer, com toda a convicção, que iria a Dortmund para ganhar. E fê-lo de uma forma que até a mim me deu mais uma injecção de confiança.

Assim, a vitória de hoje (ontem) começou a ser construída ontem (anteontem). A preparação deste jogo com os jogadores foi perfeita. Não sou mosca, não tenho informação do balneário, mas adivinho as palavras de Amorim, não ipsis verbis mas o seu conteúdo e o que é certo é que o plano traçado para a "batalha" de Frankfurt, foi cumprido quase na perfeição, já que nos momentos iniciais houve uns deslizes que não faziam parte da pauta e que nos poderiam ter saído caros. Mas deixando os "ses", o que aconteceu foi que os alemães não deram nem eine traque e nós demos, alto e em som estéreofónico, drei traques no seu salão de festas. E que festa fizeram os que lá estavam no estádio e todos os outros sportinguistas pelo mundo fora.

Obviamente que grande parte da "culpa" deste resultado histórico cabe também aos jogadores, que cumpriram o plano traçado e sem a sua perfeita actuação nada teria sido conseguido, mas se me desculparem eu direi que esta foi uma vitória com assinatura, por extenso. Uma vitória de/com autor.

O nome que lá está, sublinhado e a negrito, é: Rúben Amorim!

"Nunca entrarei no balneário!"

Esta frase foi publicada na edição de "Record" do dia 27 de Outubro de 2018.

Foi cumprida até ontem, vindo uma carrada de anos depois dar razão ao inefável Pimenta Machado, que dizia que "no futebol, o que hoje é mentira, amanhã é verdade".

Nada contra, mas terei algumas dúvidas se Ruben Amorim terá gostado da visita.

Aliás, não sendo, como sabe quem me lê, adepto das teorias da conspiração, parece-me que o que se está a preparar é um esticar de corda com o treinador, com o objectivo de o colocar num grande da Europa. No Benfica, o lugar está ocupado, os adeptos dessoutra teoria conspirativa podem estar descansados.

Algumas vozes já me segredaram o nome do "barbas" Espírito Santo, para render Amorim.

Não sei. O que sei é que a paciência tem limites e parece-me que o jovem treinador está a ficar de saco cheio.

O presidente foi ao balneário depois de uma dorrota copiosa no terreno de um directo competidor. O balneário é grande, com paredes grossas, não se terão ouvido gritos, nem consta que tenha havido.

A mosca que enviei ao Porto mandou-me um telegrama (eu sou antigo...) cujo teor transcrevo na íntegra: "pres stop baln stop ning stop entendeu stop q stop disse stop Não gritou stop culpa Matheus stop e herança pesada stop".

O presidente, ou alguém mandatado por ele, deveria explicar-nos por que carga de água temos um excelente ponta de lança inscrito pela equipa B. A mosca não me deu conta de o tema ter sido abordado naquela visita que supostamente nunca existiria.

Já algumas más línguas dizem que o senhor foi ao balneário para salvaguardar o telemóvel, apenas. Eu cá, se não fosse o telegrama da enviada especial mosca, tenderia a crer nesta versão...

Bom, pelo menos publicamente o treinador não "escoicinhou" como o mestre da táctica, o que não quer dizer que não tenha ficado agastado.

Aguardam-se cenas dos próximos capítulos.

 

{ Blogue fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D