Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Boa notícia

Acaba de ser anunciado o reatamento das relações institucionais entre o Sporting e o FC Porto, dada a convergência dos dois clubes em matérias muito relevantes. Eis algumas: apoio aos vídeo-árbitros; publicitação dos relatórios dos árbitros e dos delegados; alterações ao regulamento disciplinar; atribuição dos títulos de campeão nacional às equipas vencedoras do extinto Campeonato de Portugal; regresso dos processos sumaríssimos em lances que os árbitros estejam impedidos de ver; cumprimento escrupuloso da lei relativamente às claques e à violência no desporto; redução do número de jogos disputados em horário nocturno.

É uma boa notícia: o Sporting retoma o caminho certo, resistindo à tentação de manter conflitos abertos em diversas frentes simultâneas.

Nenhuma batalha decisiva se ganha sem aliados.

Logo no ar se agita a luz sem querer

 

Não faltavam especulações sobre quem mais beneficiaria do recente simulacro de paixão entre as estruturas directivas de dragões e águias. Conhecemos a resposta na noite de domingo. Até já imagino Pinto da Costa, na ressaca da derrota frente aos antigos rivais, a imitar a voz dilacerada de Paulo Gonzo: «Quebra-se o tempo em teu olhar / Nesse gesto sem pudor / Rasga-se o céu e lá vou eu / P'ra me perder...»

Certos namoros estão condenados a terminar assim.

Faz hoje um ano

 

Fala-se hoje muito em política de alianças no futebol português. Exactamente como há um ano.

Em 12 de Junho de 2013 o Adelino Cunha publicou aqui a seguinte reflexão. Tão válida agora como era nessa altura:

 

«Assim de repente, quando falamos de alianças do Sporting com o F.C. Porto ou com o Benfica, lembrei-me da única aliança que costuma dar títulos em Portugal: a aliança estratégica com os árbitros. Como nós não sabemos nem costumamos ir por aí (as incursões patéticas Godinho Lopes/Paulo Pereira Cristovão só enxovalharam o nome do clube) podiamos começar por liderar um processo de reestruturação da arbitragem. Ainda se lembram de Dias da Cunha? Vamos discutir a formação dos árbitros. Vamos discutir profissionalização. Vamos discutir os sistemas de avaliações. Vamos discutir a escolha dos avaliadores. Vamos discutir arbitragem de cima para baixo. Vamos discutir com outros clubes portugueses. Vamos discutir com o governo. Vamos discutir com outros clubes europeus. Vamos discutir com a UEFA. Vamos discutir com a FIFA. Não podemos deixar os árbitros à rédea solta. Isso é que não. Vamos lutar pela responsabilização dos árbitros, pela meritocracia e pela punição. É assim que metemos na jarra Duarte Gomes, Olegário Benquerença e todos os Capelas desta vida.»

Aliados contra o Sporting

 

Cabelo do Aimar: «Ver representantes televisivos do FCP e do SLB, alguns com responsabilidades oficiais nos seus clubes, aliados contra o Sporting Clube de Portugal, no que é obviamente um enorme erro arbitral que custou 2 pontos e a liderança isolada, explica muito do que é o futebol nacional neste momento. (...) Também foi interessante verificar o pedido da APAF no sentido da liga penalizar de forma exemplar o discurso do presidente leonino quando se sentiu, muito justamente diga-se, injustiçado pela actuação do Mota em Alvalade... É que essa reacção contrasta conspicuamente com o silêncio quando foram os presidentes rivais a vir a terreiro por outros jogos onde se sentiram, justamente ou não, injustiçados.»

Os árbitros à rédea solta

Assim de repente, quando falamos de alianças do Sporting com o F.C. Porto ou com o Benfica, lembrei-me da única aliança que costuma dar títulos em Portugal: a aliança estratégica com os árbitros. Como nós não sabemos nem costumamos ir por aí (as incursões patéticas Godinho Lopes/Paulo Pereira Cristovão só enxovalharam o nome do clube) podiamos começar por liderar um processo de reestruturação da arbitragem. Ainda se lembram de Dias da Cunha? Vamos discutir a formação dos árbitros. Vamos discutir profissionalização. Vamos discutir os sistemas de avaliações. Vamos discutir a escolha dos avaliadores. Vamos discutir arbitragem de cima para baixo. Vamos discutir com outros clubes portugueses. Vamos discutir com o governo. Vamos discutir com outros clubes europeus. Vamos discutir com a UEFA. Vamos discutir com a FIFA. Não podemos deixar os árbitros à rédea solta. Isso é que não. Vamos lutar pela responsabilização dos árbitros, pela meritocracia e pela punição. É assim que metemos na jarra Duarte Gomes, Olegário Benquerença e todos os Capelas desta vida.

 

A quem serve a bipolarização?

Não acompanho - de forma alguma - os sportinguistas, incluindo alguns colegas de blogue, que defendem uma aproximação preferencial do Sporting ao Porto. Não esqueço que das Antas veio alguma da pior contaminação do futebol português - e que esse período correspondeu ao início de um prolongado período de insucesso em Alvalade, condimentado pelas mais escandalosas arbitragens desde sempre registadas em Portugal.
A estratégia de bipolarização (Porto/Benfica) servia, e de que maneira, os interesses do FCP. E ainda serve. Os resultados, aliás, estão bem à vista. Com a conquista de título após título. Só não vê quem não quer.

Alianças trocadas?

O episódio Adelino Caldeira, no final da Taça de Andebol (que ganhámos com brilho!), foi feio e desrespeitoso para com o presidente do SCP. Bruno reagiu, no local, com dignidade e maturidade. Depois de termos falado em «fruta» - que é o que mais poderia irritar e ofender os celtas, toda a gente o sabe e não vale a pena fazermos de ingénuos - a reação do PC seria uma questão de tempo e de oportunidade. Veio por interposta pessoa. Mas o seguimento da história já me parece um «aproveita», para não apenas (e bem) fazer voz grossa - mas tambem para dar sinais de inversão de alianças táticas. Aproximarmo-nos do SLB, afastarmo-nos do FCP. Contra o que eu estarei, como sócio, porque sou partidário da equidistância.

O FCP é o que é, no bom e sobretudo no mau, no que respeita ao domínio das estruturas do futebol nos últimos 30 anos. Na última década - fruto da sua estabilidade - o SLB tem tentado e conseguido, de alguma forma, fazer valer progressivamente o seu poderio. Os resultados estão à vista, se abrirmos as cortinas: na direção da FPF, no Conselho de Disciplina e no Conselho de Arbitragem, eles dividem e influenciam já as decisões (salomónicas, por vezes: vais à Taça da Liga e um jogador nosso apanha o mínimo da pena prevista). Ora o nosso primeiro adversário é e continua a ser o SLB, cujo objetivo é ser o ÚNICO real grande de Lisboa e do sul, salamizando o Sporting, e ser a única potência rival do FCP.

A nossa política, a meu ver, será jogar com os diversos interesses, fazendo alianças táticas com quem nos convier no momento. Até que, com o TEMPO, possamos nos ir fortalecendo. Porque foi o tempo e foram os resultados que fortaleceram os outros dois adversários. A nossa 'política externa' não pode ser definida pelo jornal A Bola - o porta-voz e o órgão oficioso do SLB, que está a transformar-se, desde Outubro de 2012, em porta-voz de interesses ditos do Sporting. Num já bem claro apelo unionista. A nossa 'politica externa' tem de ser definida e ir sendo contruída a partir dos nossos próprios interesses, a curto, a médio e  a longo prazo. O episódio Capela é mais importante do que o episódio Adelino. Quando for para defender os seus interesses, o clube de Carnide não terá contemplações. Na direção da FPF, no CD ou no CA, há sempre um penalti que (não) espera por nós.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D