Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Matriz - parte VI

parte I

parte II

parte III

parte IV

parte V

A história que aqui vos trago?

Terá sempre um (infinito) final feliz. Por garantia conferida pela nossa matriz, que todos aceita, todos recebe, sem reserva de proveniência, ascendência ou militância. Obedece, a não outro, que ao princípio da existência. Na sua base, e espero que para sempre, Esforço. É, orgulhosamente, a base da nossa matriz.

No príncipio, foi e será sempre (espero), Esforço. Esforcemo-nos, pois, por ser ‘cal viva’ em contacto com água.

O infinito final da história que aqui vos trago? Depende não só de cada um dos que cá está, como de todos os que estarão para chegar.

O verdadeiro Sporting Clube de Portugal, é o do Johnny. O de Pedro Santana Lopes. O dos Leõezinhos EAS asiático e caucasiano. O do Senhor Felicidades. O dos sapatos Gucci, Sebago, e do chinelo de praia. O da cal. Da cal que se dilui, para absorver e assim conseguir aglomerar.

Ei-lo, na extraordinária – porque plural – A9. O verdadeiro Sporting Clube de Portugal.

Esforço, Dedicação, Devoção e Glória? Todos aceita. Todos recebe. Agrega. É a nossa argamassa.

Quiseram-nos, não circunscritos à sua realidade, económico-social e geográfica, mas mobilizados por todo o país e, sempre, com os olhos postos bem lá no alto. Ditaram, os nossos fundadores, os deveres fundamentais que se sobrepõem a qualquer direito natural, e que asseguram Glória terrena, ponte última para a eternidade.

Esforço, Dedicação, Devoção e Glória

Voltarei – sei agora – muitas vezes, à A9. Voltarei, não apenas para (tentar) estender a mão direita ao Senhor Felicidades. Voltarei de todas as vezes que precisar ou quiser sentir-me ‘cal viva’ em contacto com água. Ou, e se preferirem, arrebatada nano peça desta maravilhosa engrenagem. Desta tão grande engrenagem, que é afinal de contas, peça de uma engrenagem maior.

Interrogo-me muitas vezes como, ou por que razão, chegámos ao ponto a que chegámos. Sei que a massa de que somos feitos resiste incólume à erosão violenta de existências madrastas. Sei que o verdadeiro Amor, o nosso amor, é paciente, bondoso, tudo perdoa, tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta, nunca perece. Sei que já soubemos ser ‘cal viva’, misturada com água, quando nos sentimos perigosamente reféns. Sei que no princípio, está Esforço. E Dedicação. Devoção e Glória.

Interrogo-me muitas vezes como, ou por que razão, chegámos ao ponto a que chegámos. Nada se perde, tudo se transforma. Se calhar, transformações há que requerem o contributo da peça que somos.

Se calhar, Sabe, de que massa somos feitos. Se calhar, Sabe que somos importante peça da engrenagem maior.

Porque filhos de Amor. O de um avô pelo seu neto. Porque espelhamos a Vida tal como ela é, heterógenea. E que é na complementaridade dessa heterogeneidade, que a vida se cumpre. Outono, Inverno, Primavera, Verão. Porque a nossa matriz todos recebe, todos aceita, agrega. Porque nos Sabe visceralmente comprometidos com Esforço. Com Dedicação. Com Devoção. Porque Sabe - que sabemos – que no final virá a Glória, ponte última para a eternidade. Porque Sabe – que sabemos –, que nada se perde, tudo se transforma (eterna e única condição). Porque Sabe – que sabemos –, que com Esforço, e tempo, todas as peças caem no lugar certo. Porque Sabe - que sabemos - que somos importante peça, de uma engrenagem maior. Porque Sabe, que assumimos e honramos a nossa condição de importante peça, de uma engrenagem maior. Que, necessária e inevitavelmente, se transforma. Porque nos Sabe visceralmente comprometidos com a criação de uma versão melhorada de quem somos, na nossa engrenagem, e enquanto peça de uma engrenagem ainda maior. Porque Sabe que soubemos ver, desde o primeiro momento, que a riqueza, está na diversidade que não exclui, mas que se complementa. Porque Sabe que nos forjámos na sua aceitação plena, sobreposta a qualquer direito natural. Porque Sabe, que sabemos, que ao forjarmo-nos na sua aceitação plena, garantimos a nossa perpétua renovação.

Porque Sabe que somos da raça que nunca vergará.

Não sei a que credo responderá Sabe. Não me importo de desconhecer-lhe a proveniência. Sou, afinal de contas, Sportinguista.

história que aqui vos trago? É real, acontece ainda agora e terá sempre, um final feliz. 

Fim

Matriz - parte V

parte I

parte II

parte III

parte IV

Saio da A9, enxotada pela temível (e odiosa) coluna de seguranças. Zarpam por ali acima à velocidade da luz, raios(partam). Persistem, sem esfarelar, perante os olhares mortíferos que lhes lanço. Verdadeiramente? São raios laser verdes que me saem pelos olhos. Começo por olhá-los de cima para baixo, na vertical, imaginando-os, qual fole desconchavado, a caírem às finas fatias, para os lados. Exaspero-me perante a constatação do meu falhanço, ziguezagueio o olhar, na esperança de lhes apanhar qualquer ponto nevrálgico com sucesso. Desço – invariavelmente –, as escadas, (in)conformada, olhos semicerrados, extremidade do lábio superior esquerdo ligeiramente arqueada, a deixar ver o canino brilhante. Da próxima vez? Trago o Dodi. Quero ver só se se aproximam, ó carro vassoura do meu descontentamento. 

Cruzo-me com muitas caras ao sair. Sorrio. Sorrio sempre. Desvio-me, desviam-se. Não me vêem – nunca me vêem – mas observo-vos. Carreirinhos de formigas apressadas, em todas as direcções. Não me vêem – nunca me vêem – mas vimo-nos há instantes. Somos as caras por trás das luzes de telemóvel que se acenderam e que acenámos. Cruzo-me, sem saber quem é quem. Sei, contudo, o essencial: são Sportinguistas. Sabê-lo, é quanto basta para fazer-me sorrir(-vos).

Até à Rotunda do Leão, tento ainda perceber, sem sucesso, se seriam eslovacos ou eslovenos, alguns dos Leões de Ocasião. Os que nos devolvem a (prova empírica da) Glória (também além fronteiras) que somos. Viro à esquerda, passo pelo PJR, Loja Verde de luzes acesas e aquele Olha mãe! Está aberta! que me fez estremecer e enterneceu. Desejo, em silêncio, que a Mãe possa comprar-te o bocadinho de Sporting (físico) que a alegria da tua voz transporta já, pequenino. Chegou-te à alma, estou certa. Desejo, em silêncio, que a Mãe possa comprar-te o bocadinho de Sporting físico, que dará forma visível ao que te percorre a alma.

Enquanto saio do posto de abastecimento olho o José Alvalade atentamente, uma última vez. Conduzo agora ao seu encontro, à saída da Rotunda mergulho em direcção a casa, não sem antes passar pela casinha. Recuso-lhe maiúscula e olhá-la de frente. É na minha direita, colada à casa de todos nós, que concentro atenções. Constato-a menos povoada por capacetes e bastões azuis. Com o passar do tempo, todas as peças voltam ao seu lugar. Em retrospectiva, é sempre mais fácil perceber que somos todos peças de uma, e desta, engrenagem. E que todas as peças fazem parte da engrenagem maior. Volto à tona, recupero o sorriso momentaneamente perdido.

Voltámos à tona.

Faço a viagem de regresso à minha (outra) casa, sem a mais pequena suspeita de que dali a mais ou menos 12 horas, o João Carlos, vai (também ele) entrar a pés juntos ao meu coração. Sim, se o Senhor Felicidades no final do jogo pôs a mão no meu ombro direito e, sorridente, disparou um extraordinariamente doce Felicidades! que me deixou (dolorosamente) pregada à cadeira - quase sem reacção -, o João Carlos esmaga-me, ajuda-me a cada interacção (e sem sabê-lo) a colar os cacos em que todos ficámos. João Carlos. Ou JC. Ou Johnny. Prefere Johnny.

Prefiro JC. Talvez por sentir que Cristos terrenos, serão sempre a expressão mais fiel e digna, do Divino.

Interrogo-me muitas vezes como, ou por que razão, chegámos ao ponto a que chegámos. Sei, contudo, que o verdadeiro Amor, é paciente, bondoso, tudo perdoa, tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta, nunca perece. Sei, também, que a massa de que somos feitos resiste incólume à violenta erosão de existências madrastas.

A cal, também chamada cal viva, ou óxido de cálcio, em condições ambientes, é um sólido branco e alcalino.

O principal uso da cal viva é a produção de cal hidratada (hidróxido de cálcio). Para isto, dissolve-se a cal em água. A utilização da cal hidratada é difundida, principalmente em argamassas para alvenaria. Assim como o cimento, tem características aglomerantes. O endurecimento da cal ocorre pela absorção do dióxido de carbono presente no ar. Essa reação transforma a cal hidratada de volta em carbonato de cálcio (principal componente de rochas como os calcários).

[in Wikipedia]

Não sei o que diria de Carvalho (Galopim) mas creio que talvez tenhamos que ser todos – Sportinguistas –, um bocadinho ‘cal viva’ que se mistura com água. Parece que ao misturá-la com água (diluí-la?), absorve o dióxido de carbono presente no ar, o que, pasme-se, confere-lhe características aglomerantes, tais como as do cimento.

Então e… se nos diluirmos um bocadinho? E se absorvermos um bocadinho (a parte útil d) o que nos envolve? Será que nos unimos? Talvez só assim consigamos ser argamassa que liga os tijolos da nossa comum edificação.

A nossa casa, Senhor Visconde de Alvalade, será sempre, primeiro, sua.

Disse-nos, no princípio, que queria que nos esforçássemos. Que nos dedicássemos. Que vivêssemos com Devoção. Seriam os passos para, enfim, alcançarmos Glória e sermos tão grandes como os maiores da Europa.

Pôs os olhos lá no alto, o Senhor Visconde. Pôs os olhos na eternidade.

Quis-nos, quiseram-nos na verdade, não circunscritos à sua realidade económico-social e geográfica, mas mobilizados por todo o país e, sempre, com os olhos postos bem lá no alto. Ditaram, fundadores do Sporting Clube de Portugal, os seus deveres fundamentais e que se sobrepõem a qualquer direito natural: Esforço, Dedicação, Devoção e Glória. É a nossa matriz.

A história que aqui vos trago? É real, acontece ainda agora, escrita pela mão de cada um de nós.

A história que aqui vos trago?

[continua]

Matriz - parte IV

parte I

parte II

parte III

Olho uma vez mais com curiosidade para quem me rodeia. Ali, no lugar 14, fila 22, na (improvável) A9, no último jogo da época em Alvalade. Nunca tinha estado na A9. Sei agora que voltarei muitas vezes, e em breve, à A9. Voltarei em breve à A9 na (muito vã, eu sei) esperança, de (re)encontrar o Senhor Felicidades.

Senhor Felicidades, sentado à minha direita, avô de (pelo menos) dois pequeninos a quem vestiu casacos verdes no final do jogo, entrou-me a pés juntos no coração. O Senhor Felicidades, teve-me no campo de visão o jogo todo mas apanhou-me, especial e perigosamente, as aflições da primeira parte. E o golo do capitão Fernandes. De Bruno Fernandes. E o golo dos outros, que sentenciou o resultado.

Senhor Felicidades, seguramente mais de 70, ria-se, calmo, divertidíssimo, e completamente apaixonado pelo nosso grande Amor, já na segunda parte, quando falhámos golos atrás de golos. Amorosa descontração, a contrastar com minha incontida e sofrida incredulidade. Prova viva, e antiga, de como o (verdadeiro) Amor deve ser, o Senhor Felicidades. Paciente, bondoso, tudo perdoa, tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta, nunca perece.

Senhor Felicidades, retirou o invólucro de plástico da caixa de pastilhas elásticas, guardou-o no bolso e distribuiu pastilhas pelos dois netinhos. O sabor? Melancia. Trident Senses, sabor melancia. Suponho que quando se aconchega e protege com casacos verdes – com tanto carinho - os netinhos (ali pelos 5 anos arrisco) e se tem um interior (visível) destes, pode-se, não se pode?

Senhor Felicidades disse-me que já tinha muitos anos disto, que já sabe como é, andamos ali, a ameaçar, a ameaçar, não marcamos, olhe, e é isto, sofremos um golo logo a seguir. Com a maior das naturalidades e sem nunca deixar esmorecer o terno sorriso que tem marcado no rosto. É Sportinguista, o Senhor Felicidades.

Mentiria, se dissesse que foi só o Senhor Felicidades que marcou indelevelmente a minha primeira presença na A9 que (também) me levou ao João Carlos.

Ali, debaixo do mesmo chapéu e à minha direita, o elevado Senhor Felicidades, têxteis modestos; à minha esquerda, a muito audível Senhora, mãe de duas adolescentes, fã incondicional – e mesmo muito vocal – do capitão Fernandes, Bruno Fernandes, sapatilha Gucci (?) e, quiçá, pulseira Cartier. Atrás de mim, outra muito vocal Senhora, cujo pé/canela/joelho/perna esquerdos quase proporcionavam um encontro imediato com o meu nariz. Depois de Petrov/c, quase CALnarizvic? Uff… Linguarejar de difícil digestão, o da referida Senhora (Alfama? Alvor? Caxinas?) e que me fez virar para trás. Não volto a virar-me para trás, estejam descansados. Até porque a Senhora (farpela que não faria prever), saiu ao intervalo, para não mais voltar. Obrigada Visconde de Alvalade, foi o Senhor que a levou dali, não foi? Desconfio que sim, sabe? Todo o aspecto de ser – compreensível – iniciativa sua. Não nos esqueçamos que a nossa casa será sempre, primeiro, sua.

À minha frente, o Leãozinho asiático, aluno EAS Aurélio Pereira. Concentradíssimo no, estou certa, também seu grande Amor. O Sporting que veste e, simultaneamente, respira e vê dentro das quatro linhas. Nos meus sonhos? Nos meus sonhos, voltarei em breve à fila 22 da A9 para vê-lo dentro das quatro linhas e aplaudi-lo. Aplaudi-lo, com especial entusiasmo e emoção. A par do Leãozinho caucasiano e português, aluno da EAS Telheiras, das pequeninas, laçarote rosa nos cabelos, projectados pelos ares por ocasião do golo que filmei, são a prova viva do que sempre intuí, pese embora a ameaça, não tão longínqua assim, de PERes.

São a prova muito viva do caminho iniciado por Estela de Carvalho e a que Maria Serrano Sancho dá novo impulso. As muitas meninas. Pequeninas, pré-adolescentes, adolescentes, crescidas. Vocais, mais contidas, griffes, zaras, boho chiques, da cidade e da serra. Ali, na A9.

O que mais ver, se não Glória, e estar entre os maiores da Europa, na presença de inúmeros cidadãos não nacionais?

O presidente Santana Lopes? Chegou atrasado, é certo, e à pressa, esgar de cansaço típico desenhado pelos lábios, para rapidamente imprimir renovado impulso ao corpo, depois de desviar o olhar dos degraus, para o alto. Tinha a garantia da (sua) eternidade, lá no alto.

Atrás de mim, lá no alto, onde os nossos olhos devem sempre estar, um outrora presidente do Sporting. Podemos estar em atraso, cansados, mas, olhamos para o alto – onde os nossos olhos devem sempre estar, onde temos, afinal, a certeza da eternidade –, e continuamos a íngreme subida. Ou, se preferirem, continuamos, Dedicados a Esforçarmo-nos.

Obrigada, senhor Presidente. Obrigada, muitas vezes. Pela presença. Pelas mensagens. Ou pela prova de que até os Deuses, descem do Olimpo. Se calhar, só lá estão por saberem  (em baixo) verdadeiramente estar. Obrigada, senhor Presidente. Obrigada, muitas vezes.

[continua]

Matriz - parte III

parte I

parte II

Contei-lhe que estive na Loja Verde, que toquei nas camisolas desta época. Enquanto o faço, espreito-lhe o rosto com redobrada atenção na expectativa de vislumbrar sinal de preferência por qualquer das actuais camisolas. Mostrei-lhas dois ou três dias depois do lançamento. Aquelas que têm os Xis? As desta época, têm a data da fundação em numeração romana, sim, JC.

Suspiro, confesso, já que a ideia de empregar 80€ numa camisola que acabará rapidamente roubada do estendal do acampamento onde mora (já aconteceu), me aborrece. Aborrecem-me, preço e o mais que expectável (novo) roubo.

Tem, não se pense, uma camisola preferida: época 2017/2018. A alternativa. A preta e verde néon. Adora o verde néon. Engoli em seco, há aqui semanas, quando partilhou a inusitada preferência. Procurei, em vão, a bendita camisola, agora, que sei que faz 50+3 dia 19 de Julho – é exactamente assim que comunica a sua idade, 50+3.

Macron.com, macron.pt, Loja Verde online, telefonema para o Porto – sede portuguesa da Macron –, telefonema para o Sporting, a pedir resposta ao e-mail enviado para a Loja Verde.

Nada.

Tenho imensa pena JC, mas essa, já só encontro em tamanho muito pequeno para criança, em Itália (de onde a Macron é), e nem sequer expedem para Portugal. Então mas do Benfica há aí por todo o lado. Ah! É que os Sportinguistas esgotam logo as camisolas não são como as galinhas! Ahahah!

Acaba-se-lhe o riso e acrescenta: Eu ainda pensei comprar uma na feira, mas depois, não estava a ajudar o Clube.

Não chegou a receber a camisola que diz ter conquistado numa (arriscada) aposta. Ganhou-a e não foi varrer a rua envergando uma saia. 8, Bruno Fernandes, nas costas, mas só se ele não sair. E acredita que nem o próprio Bruno quer sair, acredita que ele é Sportinguista e que quer ser campeão pelo Sporting. Perguntei-lhe porque não o seu nome e um número que seja importante para ele. Dia, ano de nascimento, por exemplo.

O meu nome!? Sousa? Ou Johnny? Naaaã, just leave it Bruno Fernandes.

O JC, que me corrige – zangado – sempre que o trato por senhor, educadíssimo, que nunca me pediu moedas ou cigarros, todo ele pudores na hora de perguntar quanto me custaram as peças de vestuário Sporting que visto, vive as minhas (poucas) idas a Alvalade com uma alegria à qual é impossível ficar indiferente. E, sim, está atento e informado. Sabe as medalhas que os atletas leoninos conquistam; acompanha as movimentações das janelas de transferências, comenta-as e estava, ao contrário de mim, absolutamente confiante de que íamos (Portugal) ganhar a Taça das Nações.

Não sei em que momento ou por que razão o João Carlos passou a viver, pelo menos parcialmente, à margem da sociedade.

Olho para o JC, e concluo o que as sucessivas conversas tidas ao longo destes dois meses deixam claro. A massa de que somos feitos? Resiste à erosão violenta de vidas madrastas. E fá-lo, com brio.

Interrogo-me muitas vezes como, ou por que razão, chegámos ao ponto a que chegámos. Não esqueço a indiferença que passou a marcar cruzares entre Sportinguistas, outrora alegremente cúmplices, na estação de serviço de Almodôvar. Não esqueço comentários, atrás de comentários, atrás de comentários, carregadinhos de fel, nas caixas de comentários por essa blogosfera fora. Sim, fel. Veneno endógeno que todos, sem excepção, carregamos.

Como é que o nosso grande Amor, nos trouxe tanto desamor? Uns pelos outros e ao ponto de a convivência tornar-se insuportável. Para não dizer insustentável. Foi a Senhora – consócia com 35 anos de vida associativa – que se apartou, ao conhecer-nos a orientação de voto. A minha e a de outra Senhora, conhecida também ali na fila de acesso ao PJR, favorável à expulsão mas assumida tia de um Sportinguista de 26 anos contrário à expulsão. Entreolhamo-nos, desconcertadas.

Pergunto-me se alguma vez voltaremos a conviver pacificamente.

[continua]

Matriz - parte I

Manda a regra que chegados a um qualquer espaço, nos apresentemos. Adiarei no tempo essa obrigação por confessa dificuldade actual em alinhavar ideias e traduzi-las em palavras. Impõe-se honrar a generosidade do convite, dar-lhe corpo sem demoras, por isso, enquanto organizo ideias, pensei deixar-vos um texto escrito a pedido, originalmente publicado na íntegra em LadosAB, o blogue de José da Xã. Não revela quem sou, mas parte substantiva dos alicerces do meu Sportinguismo, está ali espelhada. Poderá não parecer claro no início, mas é do Sporting, do meu Sporting, que o texto trata.

Dada a extensão do texto original, optei por segmentá-lo na expectativa de que facilite a leitura. Nos próximos dias, às 19:06, estarei por aqui. Deste outro lado. 

Ao caríssimo, que muito admiro, Pedro Correia, o meu agradecimento sincero e comovido.
Ao gentil José da Xã, renovado agradecimento pelo incentivo.
A todos quantos estão por aí, e com quem tenho tanto gosto em interagir, deixo o convite à partilha alargada.

Concordaremos, creio, que precisamos de PAz. Nas caixas de comentários destas publicações, acolherei contraditório. Proponho, contudo, exigência na hora de diferenciá-lo de enxovalho. 

Até já, Saudações Leoninas e... Sporting Sempre. 

 

Haverá dois anos? Três? Descobri-lhe o cartão de cidadão no meio de um relvado. Reconheci-lhe o rosto, registei – mentalmente - o seu nome e pedi aos colegas que o guardassem até que pudessem devolvê-lo ao titular.

Não mais me esqueci do seu nome. Não mais com ele falei, após confirmar que recebera o que lhe pertence, excepto, nos costumeiros cumprimentos de circunstância, enquanto deposito o lixo ou passeio o Dodi. Sei que, normalmente, aparece pelo Carnaval, Páscoa e Verão. Foi num Verão que o conheci.

João Carlos. Ou Johnny. Ou JC.

Fui eu quem o convocou, pelo nome, para uma reunião de improviso entre moradores do prédio e patrulha da PSP, ali mesmo, na rua em que o encontro em modo (eficaz) sinaleiro de lugares disponíveis para estacionamento. Era preciso encontrar uma solucção, idealmente pacífica, para o cão sem trela de um dos seus colegas. Reagiu com muita surpresa e indisfarçável medo. Tratei-o pelo nome, sei afinal de contas o seu nome. É fácil detectar-lhe ‘medo’. Aproxima-se cabisbaixo e de mãos atrás das costas. Participa activamente na troca de impressões, mas de olhos predominantemente no chão. Revelou proactividade e, falo por todos, deu-se por concluída a mini assembleia de ocasião, com a certeza de que o problema seria resolvido sem transtorno de maior e, claro, com a pronta e activa colaboração do João Carlos.

Vestia (ainda) a alternativa 2018/2019. Tenho sempre dificuldade em desligar-me de elementos visíveis de Sportinguismo, depois de ir a Alvalade. Algumas horas antes aplaudira aquele que, desconfio, foi (terá sido?) o último golo do capitão Fernandes, Bruno Fernandes, em Alvalade. Estreei-me em grande na A9.

Mentiria se dissesse que lhe vi alguma reacção que denunciasse que partilhamos amor clubístico. Mentiria se dissesse que sequer supunha que estava mesmo ali ao lado, quem mais revisse mentalmente golos de Bruno Fernandes, com a tristeza própria de quem antecipa que tão cedo não o verá repetir – uma e outra vez – tão maravilhosos movimentos, de verde e branca do Leão Rampante.

Ao final da tarde? Foi ele que me chamou. Senhora. A medo. E o medo, não me pareceu ser (só) do Dodi, ou, se preferirmos, dos 38kgs de puro charme canino e caninos, todos eles prontos a atestar (instinto de) protecção, defesa e contra-ataque. Mãos atrás das costas, outra vez, o branco dos olhos mais vermelho do que lho vira de manhã. Desculpou-se, a medo, pelo interpelo e explicou que de manhã não fora capaz de me dizer uma coisa que queria muito partilhar.

Ali? Na presença da polícia? É melhor nãoA sua camisola é tão bonita! É a mais bonita..! Já tive uma do Figo. E já apertei a mão ao Oceano.

Isto tudo, enquanto refugia, uma vez mais, os olhos no chão. A intensidade da luz dispensava ainda o uso dos óculos escuros com que, agora, se protege quase todos os dias.

Depois deste dia, a larga maioria dos passeios do Dodi e das idas à ilha ecológica, deixaram de se pautar por meros cumprimentos de circunstância. São agora acompanhados pela partilha de pontos de vista, alegrias e carpires de mágoas verde e brancos. Tem umas quantas, o João Carlos. Ou Johnny. Prefere Johnny. Reage com fúria se me ouve tratá-lo por senhor. Eu, não sou senhor [danado, que intriga]. Sou o Johnny. Luso-americano. And, yes, his accent quite proves it. Sentiu a sagração do campeão da época passada, com redobrado pesar, porque frente ao Santa Clara que o faz luso. É que eu, não vi só as galinhas sagrarem-se campeãs, foi logo frente ao Santa Clara… Sempre ouvi dizer que um azar não vem só, JC, toda a razão.

Diz-me, desde que se conhece a data do jogo para a Taça Cândido de Oliveira, que dia 4 de Agosto, vamos depenar a galinha, e comer arroz de cabidela! Ahahaha

Ri-se, e rimo-nos.

Conta-me como o patrão lhe refreava os ânimos, sempre que tentava interpelar os jogadores. Estás aqui para trabalhar, rapaz, não podes ir com essa fome toda aos homens. Jogava-se ainda no antigo José Alvalade, o único que conhece, e o JC participava na construção das piscinas. Mas eles estavam mesmo ali...

[continua]

Declaração de interesse

Ontem, inesperadamente, fui brindado com o convite do Pedro Correia para fazer parte do És a Nossa Fé e hoje acordei com um auto-imposto objectivo de escrever o primeiro texto.

Entre documentos de word com frases meio escritas, com meias frases escritas, com a Banca de Jornais do Sapo aberta na parte dos jornais desportivos, com várias outras páginas de internet sobre o Sporting abertas, quando, de repente, me ocorre ir a um dicionário consultar o significado da palavra fé. Leio no dicionário: “Adesão absoluta do espírito àquilo que se considera verdadeiro”. Adesão absoluta. É assim mesmo que me declaro em relação ao Sporting, em adesão absoluta.

 

O Sporting é um clube que sempre quis ser diferente, pioneiro, correcto, generoso e universal. E é-o de facto. Paralelamente sempre me considerei um romântico do futebol, sempre me identifiquei e preocupei com o espectáculo, com a qualidade de jogo, com as movimentações colectivas e não unicamente com a obtenção da vitória a todo o custo, ou exclusivamente. Foi precisamente esse romantismo que encontrei no Sporting e que, acompanhado de um certo misticismo (serão dissociáveis?), me consolidou a paixão pelo clube.

 

(Ainda na última edição do Jornal do Sporting, Juskowiak, quando lhe perguntaram o que faltou ao Sporting para ter sido campeão no seu tempo, respondeu: “O Sporting só se preocupava em dar espectáculo e jogar bonito…”.)

 

Um verdadeiro romântico dará sempre mais valor ao processo de conquista do que à conquista em si. No entanto, tal como no caso de um romântico, em que o objectivo da conquista só faz sentido se existir o processo, também no futebol, sem vitórias não haverá bom futebol que resista. Em todo o caso, não duvido que uma equipa de futebol terá tanto mais sucesso (vitórias) quanto melhor for a sua capacidade de pensar, movimentar, decidir e executar colectivamente. A qualidade do jogo colectivo parte destas premissas, que deverão ser potenciadas pelas qualidades individuais dos jogadores. Não basta haver duas ou três individualidades para que uma equipa seja melhor que outra, ao contrário do que é a opinião generalizada. Não são as estatísticas que definem a qualidade dos jogadores, mas antes as potencialidades dos próprios jogadores aplicadas aos processos colectivos em que estão inseridos.

 

Esta forma como analiso o jogo faz com que considere Balakov o melhor jogador que vi com a verde e branca vestida, seguido de nomes como Figo, Paulo Sousa, André Cruz, Stan Valcx, João Pinto, Pedro Barbosa e Hugo Viana. Sou daqueles para quem Postiga foi o melhor avançado que passou nos últimos anos pelo Sporting, porque era o mais inteligente nas suas acções colectivas, porque todos os movimentos que fazia advinham da sua pura inteligência de jogo. Sou daqueles que acreditam que Carriço foi o melhor trinco que passou no Sporting depois de Duscher e simultaneamente o melhor central depois de André Cruz, simplesmente porque entende o jogo de forma mais rápida que os outros e define uma abordagem aos lances quase sempre correcta, não obstante algumas características físicas limitativas, como a velocidade. Considero que o melhor lateral direito que tivemos nos últimos anos foi Pereirinha, mesmo que não tenha tido a possibilidade de jogar consistentemente nessa posição, mas a forma criteriosa como ocupa o espaço e como decide diz tudo sobre a inteligência que tem. Foi um orgulho ter tido a oportunidade de ver Romagnoli jogar de verde e branco.

Actualmente,  considero Rui Patrício, André Martins e Eric Dier os três melhores jogadores do plantel, simplesmente porque são os que melhor decidem, os mais inteligentes nas suas acções e os que melhor interpretam as necessidades colectivas.

 

Romantismos e considerações pessoais à parte, desejo que o És a Nossa Fé continue a mostrar as qualidades que tem evidenciado até aqui, nomeadamente, a pluralidade de ideias, a qualidade literária dos seus autores e, a mais importante de todas, a grande devoção e dedicação ao Sporting Clube de Portugal. A Nossa Fé.

Resta-me agradecer ao Pedro Correia o convite. Espero estar ao nível de tamanha honra.

 

Saudações Leoninas.

 

P.s. Alonguei-me um pouco neste primeiro texto porque considero importante que fiquem desde já alguns esclarecimentos sobre a forma como vejo e interpreto o jogo. Por isso quando me virem por aí a defender o André Martins em futuros textos não se admirem.

Pura alegria!

Já não me lembro do jogo, já não sei o dia, nem adversário, nem resultado. Devia ter pouco mais de três anos – ela, não eu. Foi comigo à bola. Tudo o que retenho desse dia cristalizou-se pelo meu espanto ao vê-la eufórica ao primeiro vislumbre do relvado. Quis o destino que lhe visse o rosto iluminar-se no preciso instante em que o pano verde lhe surgiu no horizonte, espreitando por uma das muitas bocas de cena que fazem de nós atores e plateia. Pulou, pulou, correu, simulou um mergulho na relva, fez todas as cabriolas que conhecia e voltou para trás puxar-me pela mão. “Anda pai, é o Sporting!”.
Ela não é fanática, hoje adora as pipocas de ir ao estádio e vai começando a querer saber os porquês da joga, mas naquele dia, naquele instante, sem que o esperasse minimamente, uma singela imagem iluminada converteu-a em plena alegria vibrante, de uma energia que me acompanhará para sempre.
Amanhã vai voltar a ser o primeiro dia. Não seremos dois mas três, acompanhados de mais uma infante.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D