Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

B-SAD, ser triste

22203544_gwIMY.png

22203545_lres4.png

 

É com tristeza que escrevo sobre este assunto, Pedro Correia, jpt e Cal já dissecaram, bem dissecadinho, o tema.

O postal de jpt é, especialmente, rico, faz um enquadramento do tema, fugindo à lógica do jogo de matraquilhos, dum lado está o Benfica do outro o Sporting, faz-nos pensar de uma forma mais abrangente nas leis e nos regulamentos. Nesse postal, jpt, alude, também às conquistas de Leonardo Jardim e de Abel.

A "Libertadores" conquistada por Jesus fez o pleno nos desportivos, parecia que um português tinha sido o primeiro a colocar o pé em Marte.

Abel, ontem, conquistou a segunda "Libertadores" consecutiva, de verde e branco vestido e parece que não se passou nada, é, apenas, uma pequena nota de rodapé.

Quanto ao acontecido ontem no Jamor, atentemos ao seguinte, Seferovic, Darwin e outros marcaram golos que serão somados e entrarão num total do qual se apurará o melhor marcador do campeonato, fará sentido?

Lembremos a choraminguice de Jesus na época passada, Seferovic é que merecia ser o melhor marcador, felizmente, para a verdade desportiva, o melhor marcador foi Pedro Gonçalves (na imagem acima a levitar acima dos meros humanos que se arrastam no relvado) e este ano como será?

Se o Benfica estiver de boa fé (como eu acredito que não está) pedirá para os golos obtidos no jogo de ontem não entrarem na contabilização final.

Aguardemos.

O Nosso Vice-Almirante

22201469_RBBG2.jpeg

 

Rúben Amorim tem vindo a fazer um trabalho superlativo. E a sua pertinência técnica é acompanhada - de modo que entendo até glorioso - pela total perspicácia das suas declarações. Algo tão notório após a grande vitória de ontem - ainda mais preciosa pois seguindo-se a anos tão convulsos no clube -, com a sua extraordinária, de rara e exemplar, conferência de imprensa final (já aqui colocada).

Se Gouveia e Melo - com o seu rigor, competência, ponderação e elevação - marcou este acabrunhado país durante 2021, este rumo magnífico de inteligente do nosso treinador torna-o o "nosso" Vice-Almirante. 

Devemos fruir e apoiar o seu trabalho, claro. Mas também por ele ser algo influenciados, coligir e fazer actuar as "lições aprendidas" que o nosso Vice-Almirante nos vem dando. Pelo menos nesta vertente de desdramatizar e de não "embandeirar em arco", pólos opostos tão comuns na mentalidade colectiva - e, em particular, no Universo Sporting.

Por isso também será desta forma desdramatizada que deveremos acolher esta notícia do jornal "A Bola". Não com enraivecidas invectivas ao periódico do nosso rival. Mas com um enorme sorriso, até carinhoso, animado pela iluminada postura de Rúben Amorim. Pois às 00.17 desta quinta-feira, 25.11.21, o jornal desportivo "A Bola" noticiava os apurados para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões (notícia inalterada pelo menos até às 9.13):

"Ou seja, em termos de acesso à próxima fase está tudo decidido no Grupo A (Man. City e PSG), no C (Ajax e Dortmund), no D (Real Madrid e Inter de Milão) e no H (Chelsea e Juventus). Já no B (Liverpool), E (Bayern) e F (Man. United) há apenas um apurado. Nota final para o grupo G, que parte para a última jornada sem qualquer definição no apuramento: Lille, Salzburgo, Sevilha e Wolfsburgo, qualquer um deles pode passar." Lampionice furibunda, como é óbvio. Enfim... Toca a rir. E a desejar-lhes saúde. E vacina para tamanho azedume.

Viva o nosso Vice-Almirante Amorim. E siga a Marinha...

 

Folhetim do Verão passado

img_920x5182017_11_15_18_31_39_1334511.jpg

 

31 de Julho

A Bola: «Palhinha em Inglaterra»

 

15 de Agosto

A Bola: «Palhinha "paga" Pedro Gonçalves»

 

21 de Agosto

A Bola: «CSKA está em Lisboa e sobe parada por Palhinha»

 

24 de Agosto

A Bola: «Roma e Sevilha para Acuña e CSKA para Palhinha»

 

26 de Agosto

A Bola: «João Palhinha aguarda CSKA»

 

27 de Agosto

A Bola: «Palhinha olha para Inglaterra»

 

28 de Agosto

A Bola: «Palhinha no CSKA rende 12 milhões»

 

30 de Agosto

A Bola: «Palhinha para fechar esta semana»

 

31 de Agosto

A Bola: «Palhinha fechado esta semana»

Contar a história

A página "Mentalidade Leonina" chama a atenção para a dualidade de critérios na capa do "Dia seguinte" d'A Bola.

Por acaso, até acho que estas capas estão adequadas e retratam muito bem a realidade.
 
Vejamos:
 
1. 15 de maio de 2018 foi efectivamente o dia mais negro da história do Sporting. Nunca nada semelhante se tinha verificado e nenhum Sportinguista quer ou admite a hipótese de algo tão negro voltar a ocorrer.
 
2. No outro lado da segunda circular está tudo tranquilo, preferem jogar rapidamente o lixo para debaixo do tapete e até aplaudem o novo gestor que, como diz Ricardo Araújo Pereira, faz parte da direcção que acompanhou LFV e logo, "há as hipóteses de [ser] cúmplice, conivente e a menos grave: a de totó".
 
Eu prefiro encarar a verdade. Foi mau, foi horrível, foi o dia mais negro e desejei muito que a justiça actuasse e fosse célere para podermos recomeçar. Jamais perdoarei o que fizeram ao Sporting.
Se do outro lado assobiam para o lado e batem palmas ao líder cumplice/conivente/totó, é lá com eles. Amanhem-se e boa sorte.

 

Título ou melhor título

22016222_nJzr9.jpeg

 

Enquanto Porto, Braga e Benfica estão entretidos a potenciar concentração para conseguirem os lugares na Champions, espero que o Sporting consiga conquistar aquilo a que António Oliveira designa como:  "título", assim em letra minúscula, em caixa baixa.

Fiquem lá com a Taça (a outra, a da Liga foi nossa) com os lugares da Champions e deixem-nos o título, o titulozinho se preferirem.

Defender o indefensável

thumbnail_20210124_213742[1].jpg

thumbnail_20210124_213858[1].jpg

 

Duarte Gomes, sempre ele. Na tentativa desesperada de salvar a face dos árbitros mais incompetentes e mais impróprios para o futebol de qualidade que ambicionamos ter em Portugal, surgiu na edição de ontem do jornal A Bola elogiando em título o desempenho do seu colega Tiago Martins, que teve uma actuação péssima na final da Taça da Liga. «Tecnicamente bem» é a sentença do ex-juiz do apito.

Gomes precisa de reler o que escreve quando chega a hora de pensar num título. Sucede que, na análise de um desses lances em que Martins revelou todo o esplendor da sua incompetência, o articulista d' A Bola assinala que o lance foi «mal avaliado tecnicamente». E sem discussão: Jovane viu o amarelo aos 24' quando foi ele a sofrer a falta.

Como é que um «mal avaliado tecnicamente» se transforma no «tecnicamente bem» do título? Mistério. Talvez Duarte Gomes, um dia destes, não se importe de esclarecer.

Cartões e cartõezinhos

Há faltas e faltinhas e há cartões e e cartõezinhos.

Para os mais distraídos, para os que "tiverem que levar" com a mão de Neto e com o penalty perdoado ao Sporting (foi mão e seria penalty) vou tentar dar uma perspectiva mais geral, olhar a floresta e esquecer, por momentos, a árvore.

Nesse lance há um erro, um grande erro de arbitragem, uma entrada por trás de Joel Tagueu sobre Plata, estávamos no minuto 27, entrada por trás é vermelho, sejamos condescendentes, digamos que era só um amarelo, aos 45'+4' esse mesmo Tagueu teve mais uma entrada alaranjada e viu amarelo, o segundo amarelo, pelas leis do jogo.

Para além disso dois foras de jogo para A Bola, duvidosos, para mim, manhosos.

Fiquemos com a análise à arbitragem na pág. 3, Nuno Paralvas e na pág. 7, Duarte Gomes.

Apesar de Manuel Oliveira ter perdoado uma expulsão (cf. com vitória do Porto na Madeira, hoje. Os adversários do Porto, sim, podem levar duplo amarelo) ao tal Tagueu, Duarte Gomes acha que foi uma arbitragem razoável.

21993502_gEL3M.jpeg

21993503_n7j8y.jpeg

 

Enfim, ninguém está isento de erros.

Nem os árbitros, nem os analistas de árbitros e, se calhar, nem os analistas dos analistas dos árbitros.

Unanimidade? Qual unanimidade?

Duas opiniões insuspeitas sobre o mais polémico lance do Famalicão-Sporting - aquele em que é anulado um golo limpo da nossa equipa, marcado pelo capitão leonino aos 90'.

Ambas publicadas na edição de ontem do jornal A Bola:

 

Bagão Félix: «O golo anulado a Coates em Famalicão é de difícil julgamento. Honestamente, acho que uma vez assinalado como válido pelo árbitro, a intervenção do VAR é duvidosa, porque seja qual for o ângulo de observação não há uma infracção categórica.»

Vítor Serpa: «É possível garantir, através de imagens paradas ou até mesmo de uma sucessão de frames, que houve irregularidade? Não me parece. Quanto muito seria possível interpretar como tal, mas nunca com absoluto rigor. O que nos remete para a possibilidade de uma invasão inapropriada do VAR no jogo.»

 

Cai definitivamente por terra a tese que alguns andam desde domingo a propagar sobre a pretensa "unanimidade", entre todos quantos não são adeptos do Sporting, relativamente à decisão assumida nesse jogo pelo árbitro Luís Godinho, sob pressão do vídeo-árbitro Artur Soares Dias.

Bagão Félix e Vítor Serpa juntam-se assim a António Oliveira, Manuel Cajuda e outros observadores isentos de devoção leonina mas dotados de honestidade intelectual.

 

ADENDA: O conceituado árbitro espanhol Eduardo Iturralde também se pronuncia: «É um golo legal e não tinha de ser revertido pelo VAR. Não há falta clara sobre o guarda-redes dentro da pequena área. Fora dela, o guardião é só mais um jogador. Ele vai disputar a bola, o jogador do Sporting também e não há nada. Há braço com braço, mas não é falta. Para mim, trata-se de um golo legal.» Desfeito de vez o mito da "unanimidade" em torno deste lance.

Palhinha do Verão ao Outono

21956974_i35U4.jpeg

 

1

 

«Palhinha em Inglaterra»

Título d' A Bola, 31 de Julho

 

«Palhinha "paga" Pedro Gonçalves»

Título d' A Bola, 15 de Agosto

 

«CSKA para Palhinha» 

Título d' A Bola, 25 de Agosto

 

«João Palhinha aguarda CSKA»

Título d' A Bola, 26 de Agosto

 

«Palhinha olha para Inglaterra»

Título d' A Bola, 27 de Agosto

 

«Palhinha no CSKA rende 12 milhões»

Título d' A Bola, 28 de Agosto

 

«Palhinha para fechar esta semana»

Título d' A Bola, 30 de Agosto

 

«Palhinha fechado esta semana»

Título d' A Bola, 31 de Agosto

 

............................................................

 

2

 

«Tenho esse sonho [ser campeão pelo Sporting], mas não é algo com que viva completamente obcecado. Fazendo-se as coisas com calma, trabalho e responsabilidade, tem tudo para chegar a bom porto.»

 

«Se o for [capitão do Sporting], é com grande orgulho e extrema motivação, dados os anos da formação que conto. Tenho contrato com o Sporting há muitos anos. Não é para qualquer um ser capitão do Sporting, é uma grande responsabilidade. Se acontecesse, era mais um momento de felicidade que teria na minha carreira.»

 

«Temos muito bom balneário, com união. A estrutura arranjou um misto de experiência e juventude. As pessoas olhavam para a nossa equipa como miúdos, mas acabamos por ser um misto das duas coisas.»

 

«É normal todo o ruído que se tem feito porque estamos a fazer bem o nosso trabalho. Quando se ganham jogos como temos ganho, com esforço e sacrifício, é normal que as pessoas na televisão comentem e que os jornalistas façam capas a valorizar o nosso trabalho.»

 

«Quero é fazer um bom trabalho no Sporting, evoluir como jogador, fazer o máximo de jogos possível pelo clube. Quanto ao resto, é deixar as coisas acontecerem.»

 

João Palhinha em entrevista ao Record, 21 de Novembro

O alívio

thumbnail_20200919_140824[3].jpg

 

Andavam a ser dias de pesadelo na Travessa da Queimada.

Com o Benfica a perder, banido do acesso à Liga dos Campeões pelo PAOK, clube com um orçamento oito vezes inferior. Pelo menos 40 milhões de euros atirados janela fora quando a equipa agora orientada por Jorge Jesus foi ao tapete em Salónica, vergada pelo onze de Abel Ferreira, ex-treinador da equipa B do Sporting. 

Com Luís Filipe Vieira - de longe o dirigente desportivo favorito do jornal A Bola - indiciado e já acusado em dois processos-crime, enquanto continua a ser investigado noutras frentes judiciárias. De tal maneira desprestigiado que até levou o Presidente da República a «forçar» o primeiro-ministro a retirar o apoio à recandidatura do ainda líder benfiquista, como hoje revela o semanário Expresso.

Eis que, de repente, o Benfica vence em Famalicão. E logo A Bola transborda de júbilo, com uma manchete bem reveladora da linha editorial deste diário: «Agora sim!» Com ponto de exclamação pintado de vermelho, para que não restem dúvidas. 

Um verdadeiro alívio. É nestes momentos que se percebe tudo.

Cavani cavou

jornal_a_bola_17082020[1].jpg

17 de Agosto

a-bola-2020-08-22-6b51d4[1].jpg

22 de Agosto

 

Durante um mês, o País andou entretido com um patético folhetim em torno de um jogador que prometia "dar brilho" ao campeonato português: o internacional uruguaio Edinson Cavani, que noutros tempos foi estrela dos relvados mas que agora, aos 33 anos, entrou na fase crepuscular da carreira, aliás reflectida nos números: na época passada, ainda ao serviço do PSG, participou apenas em 22 jogos, tendo marcado sete golos - tantos como o nosso Sporar em meia época de verde e branco.

Foram semanas de crescente descrédito dos órgão de comunicação social que deram estatuto de notícia ao rumor, tornando-se assim meros instrumentos - conscientes ou não - do aparelho benfiquista posto ao serviço da recandidatura de Luís Filipe Vieira. Acossado pela justiça, enfrentando o evidente descontentamento de uma parte significativa dos sócios, o presidente do SLB terá em Outubro a eleição mais complicada do seu longo consulado, iniciado em 2003. O instinto diz-lhe que necessita mais que nunca do "escudo protector" das funções que ainda desempenha para evitar problemas mais sérios nos tribunais.

 

É neste contexto que nasce a novela Cavani. Certos títulos jornalísticos, mandando às malvas o resto de credibilidade que lhes sobrava, fizeram deste não-assunto uma questão muito mais relevante do que a pandemia, infelizmente sem fim à vista. Capa após capa, manchete após manchete, abertura após abertura de "espaços de comentário" na televisão com opinadores travestidos de jornalistas sem possuírem título profissional para o efeito.

Deu jeito a Vieira, claro. Durante semanas ninguém falou na oposição benfiquista, feita a várias vozes: o uruguaio funcionou como trunfo eleitoral do antigo lugar-tenente de Pinto da Costa, único dirigente do futebol português que chegou a ser sócio em simultâneo dos três principais clubes. Até que Cavani decidiu cavar: deu à sola antes de chegar. Dando origem a situações caricatas, como aquela que aqui surge representada por duas capas do diário A Bola com apenas cinco dias de diferença.

Na primeira, a 17 de Agosto, gritava-se com incontido júbilo: «Cavani está a chegar.» O subtítulo tinha tons épicos: «Uruguaio deixou ontem Montevideu numa viagem que terminará na Luz.» Na segunda, a 22 de Agosto, a euforia dava lugar à decepção: «Cavani já não vem.» Só faltou o matutino da Queimada vir de luto, em vez de estar pintado com o habitual vermelho.

 

Todos os dias os jornais perdem credibilidade. Por vários motivos, mas sobretudo por este: cada vez menos gente os leva a sério.

O descrédito de uns acaba por contaminar os restantes, afectando até aqueles que evitam insultar a inteligência dos leitores, cada vez mais exigentes e capazes de separar o trigo do joio. Quem recusa pagar para consumir folhetins disfarçados de notícia faz muito bem.

Adrien: a queda de um ‘anjo’

F9087E0C-0DA8-4473-B560-BE2AA52296CF.jpeg

 

Confesso, estou chocado. Adrien Silva escolheu o jornal "A Bola", conhecido por ser próximo dos adeptos encarnados, para dizer que estabeleceu contactos para regressar ao Sporting Clube de Portugal e que Frederico Varandas e Rúben Amorim lhe fecharam a porta na cara. Não o quiseram. Mas diz pior e oferece-se completamente ao SLB e a Jorge Jesus. Isto vindo de um ex-capitão do clube, formado em Alcochete, internacional e campeão europeu enquanto jogava em Alvalade, é o quê? Alta traição? É a realidade. E temos que reagir e procurar que no futuro outros não repitam o que Adrien fez hoje.

 

Não encontro palavras para definir esta atitude de Adrien, mesmo sendo um profissional de futebol. E também aproveito para perguntar: este 'defeso' será para ver os nossos rivais históricos e as outras equipas fortes da liga fazerem contratações explosivas enquanto nós discutimos questões menores, laterais e olhamos para o infinito? O Sporting precisa de um rumo, de estratégia e de arregaçar as mangas!

Ai que saudades, ai ai

O jornalista (e sportinguista) Nuno Ramos de Almeida escreve no seu facebook, e eu aqui transcrevo com a devida vénia:

"Antigamente o jornalismo era a procura da verdade sobre aquilo que era notícia. Agora em muitos sítios é a procura de um efeito político."

Antigamente, "A Bola" era um jornal. Agora é uma página web que decide que a melhor forma de apurar a verdade sobre o diferendo entre o Sporting e Mihajlovic é abrir um inquérito online.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D