Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Balanço dos prognósticos 2022/2023

Antes do arranque do campeonato nacional de futebol 2023/2024, relembro os prognósticos sobre a prestação do Sporting em cada jornada da Liga anterior feitos no És a Nossa Fé.

É um teste à vossa perspicácia que aqui recomeçará, pelo décimo primeiro ano consecutivo, mal soe o apito de saída da próxima Liga.

 

7 de Agosto (Braga, 3 - Sporting, 3): Ninguém acertou

13 de Agosto (Sporting, 3 - Rio Ave, 0): Leão do Xangai, Leão 79, Madalena Dine, Manuel Parreira e Maximilien Robespierre

20 de Agosto (FC Porto, 3 - Sporting, 0): Ninguém acertou

27 de Agosto (Sporting, 0 - Chaves, 2):  Ninguém acertou

2 de Setembro (Estoril, 0 - Sporting, 2): Cristina Torrão e Leoa 6000

10 de Setembro (Sporting, 4 - Portimonense, 0):  Jorge Luís

17 de Setembro (Boavista, 2 - Sporting, 1): Ninguém acertou

30 de Setembro (Sporting, 3 - Gil Vicente, 1):  Carlos Estanislau Alves, Horst Neumann, Leão do Xangai e Pedro Oliveira

8 de Outubro (Santa Clara, 1 - Sporting, 2): AHR, Horst Neumann e Leão do Fundão

22 de Outubro (Sporting, 3 - Casa Pia, 1): Ferreira e Leão de Queluz

29 de Outubro (Arouca, 1 - Sporting, 0): Ninguém acertou

5 de Novembro (Sporting, 3 - V. Guimarães, 0): Fernando e Paulo Batista

13 de Novembro (Famalicão, 1 - Sporting, 2): Leão do Xangai, Leão 79 e Horst Neumann

29 de Dezembro (Sporting, 3 - Paços de Ferreira, 0): Pedro Batista

8 de Janeiro (Marítimo, 1 - Sporting, 0): Ninguém acertou

15 de Janeiro (Benfica, 2 - Sporting, 2):  José Silva

20 de Janeiro (Sporting, 2 - Vizela, 1): Maria Sporting

1 de Fevereiro (Sporting, 5 - Braga, 0): Ninguém acertou

6 de Fevereiro (Rio Ave, 0 - Sporting, 1): Fernando

12 de Fevereiro (Sporting, 1 - FC Porto 2): Ninguém acertou

20 de Fevereiro (Chaves, 2 - Sporting, 3):  Roberto D

27 de Fevereiro (Sporting, 2 - Estoril, 0): João Rafael, José da Xã, Leão 79, Leoa 6000, Maximilien Robespierre e Miguel

4 de Março (Portimonense, 0 - Sporting, 1): Ninguém acertou

12 de Março (Sporting, 3 - Boavista, 0):  Fernando, Jorge Luís, José Vieira e Leão do Xangai

1 de Abril (Sporting, 3 - Santa Clara, 0): Carlos Estanislau Alves e Leão 79

5 de Abril (Gil Vicente, 0 - Sporting, 0): Ninguém acertou

9 de Abril (Casa Pia, 3 - Sporting, 4): Ninguém acertou

16 de Abril (Sporting, 1 - Arouca, 1): Ninguém acertou

24 de Abril (V. Guimarães, 0 - Sporting, 2): Leão Cabril e Paulo Batista

30 de Abril (Sporting, 2 - Famalicão, 1): Verde Protector

7 de Maio (Paços de Ferreira, 0 - Sporting, 4): Luís Ferreira

13 de Maio (Sporting, 2 - Marítimo, 1): Luís Ferreira e Sea Lion

21 de Maio (Sporting, 2 - Benfica, 2): Carlos Estanislau Alves

26 de Maio (Vizela, 1 - Sporting, 2): Leão do Fundão

 

CONCLUSÃO:

A vitória, nesta temporada, coube a um duo de felizes vaticinadores que aproveito para cumprimentar agora: o estreante Leão do Xangai e o repetente Leão 79. Cada um com quatro palpites certos nesta Liga dos Prognósticos.

Seguiram-se, com três previsões correctas, os leitores Fernando, Carlos Estanislau Alves e Horst Neumann.

 

Sintomaticamente, ninguém acertou em 12 jogos - mais de um terço do total. Bastantes mais do que os nove que bateram no poste e foram para fora no campeonato anterior. 

Até três partidas ganhas pelo Sporting ficaram em branco. O que diz alguma coisa sobre a falta de esperança que se foi instalando entre os adeptos nesta Liga 2022/2023, em que à quarta jornada já tínhamos perdido oito pontos. O destino da nossa equipa ficou logo ali traçado. Não nos recompusemos desse péssimo início.

 

Destaco ainda que este ano, ao contrário dos três anteriores, nenhum dos meus colegas de blogue triunfou nesta "Liga de Vaticínios". 

Espero que no próximo campeonato a pontaria ande mais certeira.

 

Aproveito para recordar que na Liga 2013/2014 houve por cá sete vencedoresBruno Cardoso, Edmundo Gonçalves, João Paulo Palha, João Torres, José da Xã, Lina Martins e Octávio.

No campeonato 2014/2015, apenas umLeão do Fundão.

Em 2015/2016, triunfou o Grande Artista Goleador.

Em 2016/2017, o vencedor foi novamente o José da Xã.

Em 2017/2018, venceu o leitor J. Ramos.

Em 2018/2019, destacou-se o leitor Luís Ferreira.

Em 2019/2020, a vitória isolada foi feminina pela primeira vez, sorrindo à Cristina Torrão.

Em 2020/2021, emergiu um quarteto vencedor: CAL, Carlos Correia, Pedro Batista e Ricardo Roque.

Em 2021/2022, triunfou um trio: Leão 79, Luís Lisboa e Madalena Dine.

 

Já falta pouco para começar a próxima ronda de palpites. Aberta, como sempre, a todos quantos fazem e lêem este blogue.

Pódio: Trincão, Pedro Gonçalves, Edwards

trincao.jpg

 

Em jeito de balanço, aqui fica a lista dos jogadores que receberam a menção de melhores em campo no último campeonato, em resultado da soma das classificações atribuídas pelos diários desportivos após cada jornada. Num total de 102 votos.

 

Trincão, certamente para surpresa de alguns, foi o jogador mais pontuado pela imprensa especializada em futebol ao longo da temporada que decorreu de Agosto a Maio. Ultrapassando Pedro Gonçalves, que duas épocas antes havia ocupado o primeiro lugar deste tão cobiçado pódio.

Só O Jogo não lhe atribuiu o primeiro posto, escolhendo Edwards em alternativa. Os dois canhotos, de qualquer modo, confirmaram-se como verdadeiros reforços num campeonato em que já não pudemos contar com a grande figura leonina da temporada anterior: o internacional espanhol Pablo Sarabia.

E por falar em espanhóis: vale a pena salientar que Porro, tendo saído de Alvalade logo no início da segunda volta, consegue ser o sexto mais votado. Proeza que justifica destaque, na comparação com vários jogadores que cumpriram a época inteira no Sporting.

 

Face ao balanço aqui feito em 2022, vale a pena salientar as subidas de Pedro Gonçalves (que quase triplica a votação anterior) e Gonçalo Inácio (que obtivera só uma menção). Adán sobe ligeiramente (de 5 para 7) enquanto Nuno Santos está praticamente no mesmo plano (12 votos há um ano, 11 agora). 

Paulinho cai do sexto lugar, com 7 votos, para o décimo posto, com apenas 4. Mas queda a pique é a de Coates: em 2022 era o quinto (com 8 votos), agora está no fundo da tabela. Reflexo evidente da sua quebra exibicional em campo, onde esteve longe da regularidade a que nos habituara.

Matheus Nunes obtém três votos - tendo atingido o pleno como melhor em campo logo no Braga-Sporting, jornada inaugural da Liga 2022/2023, pouco antes de rumar ao futebol inglês, onde alinha pelo Wolverhampton. Foi quanto bastou para ultrapassar o capitão leonino e o ausente Matheus Reis, desta vez sem qualquer menção.

Chermiti, nesta época de estreia na equipa A, tem uma posição honrosa: iguala Ugarte e supera Paulinho, apesar de só ter calçado entre os "adultos" a partir de Janeiro. Vale a pena reflectir neste facto - que deixo à consideração daqueles adeptos sempre prontos a denegrir os jovens da nossa formação.

 

Só no jornal A Bola a liderança de Trincão é clara. No Record, o minhoto empata com Pedro Gonçalves. 

O diário portuense faz escolhas solitárias em St. Juste e Fatawu. O jovem internacional ganês, agora dispensado pelo treinador, jogou muito pouco mas foi quanto bastou para dar nas vistas - pelo menos para os repórteres deste jornal.

De Esgaio ninguém falou.

 

Trincão: 16

Pedro Gonçalves: 14

Edwards: 13

Nuno Santos: 11

Morita: 9

Porro: 8

Adán: 7

Ugarte: 5

Chermiti: 5

Paulinho: 4

Gonçalo Inácio: 4

Matheus Nunes: 3

Fatawu: 1

St. Juste: 1

Coates: 1

 

A BOLA: Trincão (7), Pedro Gonçalves (5), Edwards (4), Nuno Santos (4), Morita (3), Chermiti (2), Paulinho (2), Adán (2), Ugarte (2), Matheus Nunes, Porro, Gonçalo Inácio.

RECORD: Trincão (5), Pedro Gonçalves (5), Porro (4), Edwards (4), Morita (3), Ugarte (3), Adán (2), Nuno Santos (2), Gonçalo Inácio (2), Matheus Nunes, Chermiti, Paulinho, Coates.

O JOGO: Edwards (5), Nuno Santos (5), Trincão (4), Pedro Gonçalves (4), Porro (3), Morita (3), Adán (3), Chermiti (2), Matheus Nunes, Fatawu, St. Juste, Paulinho, Gonçalo Inácio.

 

Há um ano foi assim: Sarabia, Porro, Nuno Santos.

Há dois anos foi assim: Pedro Gonçalves, Palhinha e Coates.

Há três anos  foi assim: Bruno Fernandes, Jovane, Vietto.

Há quatro anos foi assim: Bruno Fernandes, Raphinha, Nani.

Há cinco anos foi assim: Bruno Fernandes, Bas Dost, Gelson Martins.

Há seis anos foi assim: Bas Dost, Gelson Martins, Bruno César. 

Há sete anos foi assim: Slimani, João Mário, Gelson Martins.

Os melhores jogadores da época passada

Balanço dos jogadores do Sporting que mais se destacaram em cada desafio do campeonato 2022/2023:

 

Pedro Gonçalves: 6 (Sporting-Rio Ave: Sporting-Chaves; Chaves-Sporting; Sporting-Arouca; V. Guimarães-Sporting; Vizela-Sporting)

Trincão: 5 (Sporting-Portimonense: Famalicão-Sporting; Sporting-Estoril; Casa Pia-Sporting; Paços de Ferreira-Sporting)

Porro: 3 (Sporting-Paços de Ferreira; Marítimo-Sporting; Sporting-Vizela)

Morita: 3 (FC Porto-Sporting; Sporting-Gil Vicente; Sporting-Braga)

Nuno Santos: 3 (Boavista-Sporting; Sporting-Casa Pia; Sporting-Boavista)

Edwards: 3 (Sporting-V. Guimarães; Sporting-Santa Clara; Sporting-Famalicão)

Adán: 2 (Santa Clara-Sporting; Arouca-Sporting)

Chermiti: 2 (Rio Ave-Sporting: Sporting-FC Porto)

St. Juste: 2 (Estoril-Sporting; Gil Vicente-Sporting)

Ugarte: 2 (Benfica-Sporting; Sporting-Benfica)

Matheus Nunes: 1 (Braga-Sporting)

Paulinho: 1 (Portimonense-Sporting)

Coates: 1 (Sporting-Marítimo)

 

Na época 2014/15, os melhores jogadores foram Nani, William Carvalho e Montero.

Na época 2015/16, os melhores jogadores foram Slimani, Adrien e João Mário.

Na época 2016/17, os melhores jogadores foram Gelson Martins, Bas Dost e Adrien.

Na época 2017/18, os melhores jogadores foram Gelson Martins, Bruno Fernandes e Rui Patrício.

Na época 2018/19, os melhores jogadores foram Bruno Fernandes, Raphinha e Nani.

Na época 2019/20, os melhores jogadores foram Bruno Fernandes, Jovane e Coates.

Na época 2020/21, os melhores jogadores foram Pedro Gonçalves, Coates e Palhinha.

Na época 2021/22, os melhores jogadores foram Sarabia, Porro e Nuno Santos.

Balanço (34)

chermiti.jpeg

Alegria de Chermiti após estreia a marcar na equipa A, contra o Rio Ave (6 de Fevereiro)

 

Antes do arranque do campeonato nacional de futebol 2022/2023, relembro os meus apontamentos da época passada. Para recordar os jogadores que se evidenciaram mais em cada desafio. Esta é a terceira de quatro partes.

 

1 de Fevereiro (Sporting, 5 - Braga, 0): MORITA

«Desafio de sentido único, com avassalador domínio da nossa equipa perante um Braga irreconhecível. As ausências de Vitinha (transferido para o Marselha) e Ricardo Horta (lesionado) não explicam a abrupta quebra dos minhotos, que somaram erros defensivos e foram incapazes de progredir no terreno sem serem de imediato desarmados pelo nosso meio-campo. Ali brilhou a dupla Ugarte-Morita, reforçada por Pedro Gonçalves e Edwards, que recuavam para vir buscar a bola e mantê-la dentro do meio-campo defensivo do Braga.»

 

6 de Fevereiro (Rio Ave, 0 - Sporting, 1): CHERMITI

«Em noite de estreias, destaque - além do Chermiti goleador - para os primeiros minutos de dois reforços com a camisola do Sporting: o espanhol Bellerín e o marfinense Diomande. Prometem. Resta ver se cumprem.»

 

12 de Fevereiro (Sporting, 1 - FC Porto, 2): CHERMITI

«Não adianta iludir os factos, nem desviar a conversa nem arranjar focos de distracção em óbvia estratégia de contenção de danos: o Sporting está numa das suas piores épocas de sempre. (...) Só podemos queixar-nos de nós próprios. Nem da conjunção astral, nem de árbitros, nem de jornalistas ou comentadores, nem da vasta conspiração global contra as nossas cores. Tenham lá paciência: a culpa é toda nossa.»

 

20 de Fevereiro (Chaves, 2 - Sporting, 3): PEDRO GONÇALVES

«O nosso problema principal é hoje o modo como o treinador gere este plantel. Com vários jogadores fora das posições em que mais rendem e dois ou três favoritos sempre escalados para o onze, por pior que vão jogando.»

 

27 de Fevereiro (Sporting, 2 - Estoril, 0): TRINCÃO

«Selava-se o resultado, confirmava-se a vitória leonina numa partida que dominámos do princípio ao fim. Infelizmente, perante o mais baixo número de espectadores para um desafio deste campeonato no Estádio José Alvalade: apenas 22.303 compareceram.»

 

4 de Março (Portimonense, 0 - Sporting, 1): PAULINHO

«Estamos no bom caminho? Parece que sim. Mais vale tarde do que nunca. Continuamos a perseguir o Braga para um lugar no pódio que pode permitir-nos o acesso à Liga dos Campeões. Objectivo difícil, mas longe de ser impossível. Basta que a turma minhota tropece duas vezes e nós saibamos superar todos os obstáculos ainda pela frente.»

 

12 de Março (Sporting, 3 - Boavista, 0): NUNO SANTOS

«Quem pensava que o Sporting estava sem energia física ou anímica, após o embate em casa contra o Arsenal, três dias antes, enganou-se redondamente: esta foi uma das nossas melhores exibições no campeonato 2022/2023. Na recepção à equipa que costuma jogar de xadrez mas que anteontem envergou de amarelo, dominámos do primeiro ao último minuto.»

 

1 de Abril (Sporting, 3 - Santa Clara, 0): EDWARDS

«Há que poupar forças e não desperdiçar energia inútil. Foi o que se fez, com folha de serviço limpa. Se tivéssemos jogado sempre assim, estava já reservado para nós um lugar de acesso à próxima Liga dos Campeões.»

 

(Conclui depois de amanhã)

Balanço (33)

golo.jpeg

Pedro Gonçalves festeja marcação de golo na Luz (15 de Janeiro de 2023)

 

Antes do arranque do campeonato nacional de futebol 2023/2024, relembro os meus apontamentos da época passada. Para recordar os jogadores que se evidenciaram mais em cada desafio. Esta é a segunda de quatro partes.

 

8 de Outubro (Santa Clara, 1 - Sporting, 2): ADÁN

«É difícil explicar o que se passa com este Sporting. Vários jogadores entram em campo apáticos, sem chama, sem energia, sem vibração. Como se sofressem de cansaço crónico. Alguns arrastam-se em campo implorando banco ou bancada. Mas o treinador insiste em não lhes fazer a vontade, talvez consciente de que o plantel é curto e que os eventuais substitutos se encontram ainda em pior forma.»

 

22 de Outubro (Sporting, 3 - Casa Pia, 1): NUNO SANTOS

«Fomos para o intervalo a perder, escutavam-se sonoros assobios aos jogadores na famigerada Curva Sul, parecia iminente um novo cenário de pesadelo, digno de voltar a pôr tudo em causa neste clube tão bipolar. Mas a pausa fez bem ao Sporting. Também ao treinador, que tomou as decisões que mais se impunham.»

 

29 de Outubro (Arouca, 1 - Sporting, 0): ADÁN

«O experimentalismo do técnico, destinado a poupar meia equipa para o desafio de amanhã em Alvalade contra o Eintracht, fracassou. Não apenas derrubando as nossas últimas hipóteses de ainda sonhar com o título de campeão, ao somarmos a quarta derrota em onze jogos da Liga 2022/2023, mas também desmoralizando a equipa, que só pode sentir-se frustrada com mais este fracasso.»

 

5 de Novembro (Sporting, 3 - V. Guimarães, 0): EDWARDS

«A equipa mostrou-se veloz e acutilante, com Matheus Reis a desenhar sucessivos passes de ruptura e Arthur muito dinâmico nas transições, confirmando que tem valor para ser titular. Porro desequilibrava à direita, Morita apoiava o ataque avançando vários metros para além de Ugarte. Pequenas alterações no sistema do treinador que deram fruto.»

 

13 de Novembro (Famalicão, 1 - Sporting, 2): TRINCÃO

«O mais importante foi conseguido: três pontos. Com Trincão a sobressair num desafio em que Pedro Gonçalves, Morita e Gonçalo Inácio mereceram nota positiva. Ao contrário de Paulinho, que parece ter perdido de vez a veia goleadora.»

 

29 de Dezembro (Sporting, 3 - Paços de Ferreira, 0): NUNO SANTOS

«Acabou por saber a pouco. Com 3-0 ao intervalo, e o triunfo a começar a ser construído logo aos 3', num golo de cabeça de Porro correspondendo a primoroso passe de Nuno Santos, adivinhava-se goleada em Alvalade. Acabou por não acontecer. No segundo tempo tirámos o pé do acelerador e passámos a gerir o resultado.»

 

8 de Janeiro (Marítimo, 1 - Sporting, 0): GONÇALO INÁCIO

«Tinha tudo para dar certo. Mas deu errado. Desde o primeiro minuto. A equipa da casa, que ocupa o penúltimo lugar do campeonato e só tinha registado uma vitória (fora) até esta 15.ª ronda da Liga, encostou o Sporting às cordas, impossibilitou-nos de sair com a bola controlada, condicionou a táctica de Rúben Amorim e derrotou-nos com um golo de penálti.»

 

15 de Janeiro (Benfica, 2 - Sporting, 2): UGARTE

«Faltou sobretudo maior consistência no sector defensivo, que tem feito a diferença para melhor noutras partidas. Coates desta vez não funcionou como pêndulo na definição das linhas do fora-de-jogo. Gonçalo Inácio falhou a marcação no primeiro golo, Matheus Reis teve uma abordagem deficiente no segundo.»

 

20 de Janeiro (Sporting, 2 - Vizela, 1): PORRO

«Valeu-nos um penálti. Mais um, pelo segundo jogo consecutivo. Obtido já nessa fase do desespero, em que o mandamento táctico parecia ser "tudo lá na frente e seja o que Deus quiser". As orações foram escutadas: a grande penalidade caiu do céu ao minuto 90'+5. Mas concretizada de modo impecável, num pontapé bem terreno. Não por um avançado, mas por um defesa.»

 

(Continua amanhã)

Balanço (32)

morita.jpeg

Morita e Ugarte: grande dupla no Sporting, 3 - Gil Vicente, 1 (30 de Setembro)

 

Antes do arranque do campeonato nacional de futebol 2023/2024, relembro os meus apontamentos da época passada. Para recordar os jogadores que se evidenciaram mais em cada desafio.

 

7 de Agosto (Braga, 3 - Sporting, 3): MATHEUS NUNES

«Positivo é haver vários jogadores com vocação para a meter lá dentro. Ontem foram três, contribuindo para o excelente espectáculo futebolístico em Braga proporcionado por duas equipas com vocação ofensiva, sem momentos mortos nem antijogo. Parecia quase um desafio da Liga inglesa. Teria sido perfeito, para nós, se soubéssemos gerir a vantagem que mantínhamos até ao fatídico minuto 88. Usando outra metáfora: o pássaro esteve três vezes na mão. Mas em todas permitimos que voasse lá na Pedreira.»

 

13 de  Agosto (Sporting, 3 - Rio Ave, 0): PEDRO GONÇALVES

«Mesmo sem "avançado de referência" conseguimos ir somando golos. Já vão seis, em apenas dois jogos. Com a vantagem óbvia, na comparação com o de Braga, de neste não termos sofrido nenhum. Houve ainda tempo para cuidar de pormenores, como a troca de Neto por St. Juste para o holandês ganhar ritmo, talvez a pensar no próximo embate com o FC Porto. Também para os minutos concedidos a Fatawu, que tem boa técnica mas ainda revela insuficiências no plano táctico.»

 

20 de Agosto (FC Porto, 3 - Sporting, 0): MORITA

«Viemos do Porto com uma derrota pesada - e que podia ter sido maior ainda se o árbitro não tivesse anulado um golo limpo à turma da casa, quase ao cair do pano. Numa partida em que as oportunidades de golo até se equivaleram. Mas a diferença fundamental esteve entre os postes: Adán fez talvez a pior exibição desde que está no Sporting enquanto o jovem Diogo Costa, novo titular da selecção nacional, brilhou na baliza portista, negando por três vezes o golo aos nossos.»

 

27 de Agosto (Sporting, 0 - Chaves, 2): PEDRO GONÇALVES

«Foi a segunda derrota consecutiva, foi o nosso segundo jogo sem marcar, já levamos oito golos sofridos em quatro jornadas - quase metade (17) do registado em toda a época anterior. A defesa esteve de novo irreconhecível. O meio-campo foi inoperante. A linha avançada voltou a ressentir-se da ausência de um jogador de referência vocacionado para aproveitar os sucessivos centros, interceptados pela defesa adversária por absoluta incapacidade leonina no jogo aéreo. A equipa produziu 47 cruzamentos, todos infrutíferos. Descalabro exibicional. Que parece consequência de uma séria quebra anímica.»

 

2 de Setembro (Estoril, 0 - Sporting, 2): ST. JUSTE

«O trio móvel, lá na frente, fez a cabeça em água à defesa adversária. Dinâmica permanente ao longo desse período. Resultou no par de golos e ainda numa bola à barra. O meio-campo da equipa visitada foi estancado. Francisco Geraldes, cérebro da construção ofensiva estorilista, viu-se manietado pela dupla Ugarte-Morita - parceria muito recente mas que parece funcionar. O uruguaio e o japonês completaram-se bem, actuando em linha no corredor central, enquanto o Sporting atacava pelos flancos.»

 

10 de Setembro (Sporting, 4 - Portimonense, 0): TRINCÃO

«Primeira goleada da época. Em nossa casa, num jogo quase de sentido único em que o Sporting foi a única equipa a ambicionar a vitória perante um Portimonense que até se encontra ainda à nossa frente na classificação e que, já treinado por Paulo Sérgio, na época passada impôs uma derrota ao Benfica na Luz.»

 

17 de Setembro (Boavista, 2 - Sporting, 1): NUNO SANTOS

«Já perdemos onze pontos em 21 disputados, seguimos em oitavo lugar no campeonato (atrás de Portimonense, Boavista, Casa Pia e Estoril), temos a quinta pior defesa da Liga (pior, só Marítimo, Paços de Ferreira, Arouca e Rio Ave) e apresentamos agora a terceira pior classificação do século à sétima jornada. Já com tantas derrotas como no total dos 34 jogos disputados em 2021/2022.»

 

30 de Setembro (Sporting, 3 - Gil Vicente, 1): MORITA

«Pena o golo sofrido mesmo ao cair do pano, na última jogada do desafio. Confirmando o Sporting, neste momento, como quinta equipa com pior defesa da Liga 2022/2023. Algo que tem de ser corrigido sem demora. Com Navarro a facturar pelo conjunto de Barcelos, mostrando a quem pudesse ter dúvidas que é um dos melhores avançados do campeonato português. Confesso que não me importaria nada de vê-lo de verde e branco.»

 

(Continua amanhã)

Ainda o 18º título de Futsal do SPORTING CLUBE DE PORTUGAL

A época 2022/2023 de Futsal terminou ontem, com o tricampeonato do SPORTING CP. Foi o 18º título do SPORTING contra 8 do Benfica, 2 do Miramar, 2 do Correio da Manhã, 1 do Freixieiro e 1 do Santos Venda Nova. Clara hegemonia Sportinguista ao nível do campeonato nacional.

Mas detenhamo-nos na época que agora finda. Apesar da final se ter saldado por 3-1, quem apenas ouvisse as declarações dos encarnados capitão Coelho e técnico Silva poderia pensar que foi a arbitragem que decidiu o campeão... Amargura e ressabiamento de quem tem mau perder. Vejamos o que aconteceu ao longo do campeonato:Fase regular.jpgA diferença entre SPORTING e Benfica, na fase regular, é bem visível nos números. Também nas fases seguintes:

Quartos.jpg

Meias.jpg

Final.jpg

Tentar resumir toda uma época, sobretudo uma fase final bem elucidativa, com exaltação, ruído e tontices, não é próprio duma grande equipa. Houve muita luta e muito caráter competitivo, benefício o e prejuízo para ambos os clubes por parte das equipas de arbitragem. Não reconhecer o mérito do vencedor não só é mau perder como revelador de défice de caráter e de sã postura desportiva. O SPORTING CLUBE DE PORTUGAL foi melhor, sempre, e campeão com todo o mérito. O resto são silvos indignos...

A época acabou da melhor forma

Sporting vence Benfica na Luz e sagra-se tricampeão nacional de futsal

O Sporting terminou da melhor forma a época desportiva das modalidades colectivas principais com a terceira vitória no dérbi do futsal e a correspondente festa no pavilhão da Luz. Muitos parabéns a Nuno Dias, ao capitão João Matos, a todos os brilhantes jogadores e ao "presidente" das modalidades, o Miguel Afonso.

Foi uma época marcada pelo investimento muito forte do nosso rival, que gasta cerca de três vezes mais do que nós para um nível semelhante de ecletismo, o que significou equipas recheadas de craques estrangeiros contra as quais é muito difícil competir. No futsal ganhámos não só pela superior competência do Nuno Dias, mas muito pela estabilidade e experiência desta equipa e o seu espírito de equipa fantástico potenciado pelo peso da formação. É mesmo um exemplo interno de ADN Sporting, do caminho que com muito esforço, dedicação e devoção conduz à glória.

 

Como foi a temporada no que às principais modalidades de pavilhão diz respeito? O maior indicador é a posição final nos campeonatos respectivos. Se atribuirmos 5 pontos ao 1.º lugar, 3 ao 2.º lugar, 1 aos lugares restantes e 0 à não participação, temos o seguinte:

2022/2023 SportingBenficaPortoBraga
      
Futsal 5301
Andebol 3150
Basquetebol  3510
HóqueiPatins 3510
Voleibol M 1500
Voleibol F 3150
      
  1820121

 

No ano passado foi assim :

2021/2022 SportingBenficaPortoBraga
      
Futsal 5301
Andebol 3150
Basquetebol  1530
HóqueiPatins 1350
Voleibol M 3500
Voleibol F 1050
      
  1417181

 

Ou seja, o Braga manteve, o Benfica melhorou mas o Sporting também, quem perdeu foi o Porto.

 

E como tem sido a evolução do Sporting nos últimos anos pelo mesmo critério (excluindo o ano da covid)?

Sporting201720182019202120222023
       
Futsal553555
Andebol553333
Basquetebol 000533
HóqueiPatins151533
Voleibol M053131
Voleibol F000113
       
Total112010201818

 

Ficam aqui os dados para discussão. Comentários idiotas de trolls, comentários com nicks roubados da tasca seguem directamente para o lixo.

PS: Por algum motivo o último quadro não apareceu todo, pelo que corrigi a situação acrescentando também o ano de 2017.

SL

Estatísticas da Liga- Época 22/23

Agora que acabou realmente a 1ª Liga 2022/2023, com a subida do Estrela da Amadora, após vencer o Play-off com o Marítimo, deixo-vos com algumas curiosidades estatísticas sobre a mesma.

Estatísticas do Sporting

Entre parênteses o comparativo com a época anterior:

  • Classificação: 4º lugar ( 2º lugar)
  • Pontos: 74 (85)
  • Golos marcados: 71 (73)
  • Golos sofridos: 32 (23)
  • Cartões amarelos: 87 (98)
  • Cartões Vermelhos: 3 (7)
  • Jogador mais indisciplinado: Ugarte, 11 Amarelos, 9º jogador mais indisciplinado da Liga (Paulinho, 10 amarelos, 11º jogador mais indisciplinado da Liga)
  • Melhor marcador: Pedro Gonçalves, 15 golos, 5º melhor goleador da Liga (Pablo Sarabia, 15 golos, também o 5º melhor goleador)
  • Mais assistências: Pedro Gonçalves, 12, foi o rei das assistências da Liga (Pedro Gonçalves com 9, o 6º jogador com mais assistências)
  • Mais influência em golos: Pedro Gonçalves, 15 Golos + 11 Assistências, 2º mais influente da Liga (Pablo Sarabia, 15 Golos + 7 Assistências, 5º mais influente da Liga)
  • Mais minutos em campo: Pedro Gonçalves, 2818 minutos, 15º no geral (Adán, 2970 minutos, 1º no geral)

 

Estatísticas da Liga

Entre parênteses o comparativo com a época anterior:

  • 1º classificado: Benfica, 87 pontos (Porto, 91 pontos)
  • Melhor ataque: Benfica, 82 golos (Porto, 86)
  • Melhor defesa: Benfica, 20 golos (Porto, 22)
  • Equipa mais indisciplinada: Vitória SC, 112 Amarelos e 10 Vermelhos (B-SAD, 117 A, 11 V)
  • Equipa mais disciplinada: Benfica, 62 A, 2 V (Benfica 81 A, 3 V)
  • Jogador mais indisciplinado: Ricardo Guima (Chaves), 17 Amarelos e 2 Vermelhos (Lucas Possignolo (Portimomense), 13 A,1 V)
  • Maior nº de vitórias seguidas: Benfica, 10 (Porto, 16)
  • Maior nº de jogos seguidos sem perder: Sporting, 14 (Porto, 30) 
  • Mais golos: Mehdi Taremi, 22 (Darwin Nuñez, 26)
  • Mais assistências: Pedro Gonçalves, 11 (Rafa Silva, 16)
  • Mais influência em golos: Mehdi Taremi 22 golos + 7 assistências (Mehdi Taremi 20 Golos + 13 assistências)
  • Mais minutos em campo: Vlachodimos, 3059 minutos (Adán, 2970 minutos)

 

Uma nota final para o número de Distritos e Regiões autónomas representados nesta 1ª Liga, relembrando que Portugal tem 18 distritos e 2 Regiões Autónomas.

Na época que findou o total era 8: Vila Real( 1 clube), Braga (5), Porto( 4), Aveiro (1), Lisboa (4), Faro (1), RA dos Açores (1) e RA da Madeira (1)

Na época de 23/24 serão apenas 6: Vila Real(1), Braga (6), Porto (3), Aveiro (1), Lisboa (5) e Faro (2).

Braga terá um terço dos clubes da 1ª Liga. 

Braga + Porto + Lisboa + Faro têm 16 dos 18 clubes, ou seja 89% dos clubes da 1ª Liga serão de apenas 4 distritos.

A impaciência

mw-1920.webp

 

De repente, noto imensa impaciência à minha volta. De adeptos do Sporting, que esteve 19 anos sem vencer o título de campeão nacional. Durante os mandatos integrais dos presidentes Filipe Soares Franco, José Eduardo Bettencourt, Godinho Lopes e Bruno de Carvalho.

O maior jejum da nossa história secular.

Em muitos desses períodos, não vi tanto nervosismo como detecto agora.

Agora a impaciência acontece porque não vencemos esse título... há dois anos.

É um excelente sinal. Significa que o patamar de exigência subiu imenso.

Ponto de situação nas camadas jovens

Agora que vários escalões já acabaram a época e estamos quase no final dos restantes, vamos fazer outro ponto de situação.

Fazendo um balanço muito rápido, estamos na iminência de um ano com zero títulos nacionais nas camadas jovens.

 

Youth League

Perdemos na meias-finais, no desempate por grandes penalidades, com o AZ Alkmaar, a equipa que acabaria por vencer a competição, ganhando na final ao Hadjuk Split por 5-0. Fica a sensação que, tendo passado na lotaria dos penalties, os croatas estariam ao nosso alcance. 

Ainda assim foi uma prestação bastante positiva e a única de realce nas camadas jovens.

 

Equipa B

A competição acabou, tendo a equipa obtido o 1º lugar no grupo 2 de manutenção

    Pontos Jogos Vitórias Empates Derrotas
1 Sporting B 16 6 2 2 2
2 FC Oliv. Hospital 15 6 3 0 3
3 Vitória FC 15 6 3 2 1
4 Real SC 8 6 2 0 4

 

Apesar de termos partido para esta fase como a equipa com mais pontos do grupo, fruto da performance na fase regular, tivemos de chegar ao último jogo para garantir a manutenção, obtida por uma vitória pela margem mínima (2-1) frente ao Real SC, com um grande golo de Fatawu.

Um época muito má. Foi referida a ambição de subir à 2.ª Liga mas quase se desceu ao Campeonato de Portugal.

 

Sub-23

A competição acabou, ficando o Sporting em 4.º lugar no grupo dos que não foram apurados para disputir o campeonato. 

O campeão foi o Estrela da Amadora.

Das 14 equipas que ainda disputam este escalão, o Sporting foi a 5ª pior.

    P
J
V
E
D
1 Gil Vicente 35 14 8 2 4
2 Portimonense 34 14 8 3 3
3 Farense 32 14 7 3 4
4 Sporting 31 14 7 4 3
5 Rio Ave 21 14 4 3 7
6 Leixões 20 14 4 4 6
7 Marítimo 19 14 3 4 7
8 CD Mafra 15 14 2 3 9

 

Sub-19 (Juniores)

Faltam disputar duas jornadas, estando o Sporting praticamente arredado do título, com 3 clubes à sua frente.

A estocada final ocorreu no passado sábado, com uma derrota por 2-1 com o Porto, numa derrota muito à Sporting: depois de conseguir o empate aos 76 minutos, a equipa estava a ir atrás do segundo golo, quando entra Henrique Arreiol aos 86 minutos, que consegue ser expulso por ver um amarelo aos 91 minutos e logo outro aos 92, ambos justos. Três minutos depois, aos 95, o Porto faz o golo da vitória.

    P J V E  
1 FC Famalicão 25 12 8 1  
2 Benfica 23 12 7 2  
3 FC Porto 21 12 6 3  
4 Sporting 19 12 5 4  
5 SC Braga 18 12 4 6  
6 Estoril Praia 16 12 5 1  
7 FC Vizela 12 12 4 0  
8 FC Alverca 1 12 0 1  

 

Sub-17 (Juvenis)

Quando faltam três jornadas o Sporting está em 4.º lugar, com um jogo a menos que os adversários. Ganhando esse jogo em atraso fica em 2.º, a 6 pontos do Benfica.

Os jogos que faltam são com Estoril, Sp. Espinho, Torreense e Sp. Braga.

Resta ganhar os seus jogos e esperar que o Benfica perca 2 dos 3 jogos que lhe faltam, o que à partida é pouco provável, no entanto esses jogos são com Porto, Braga e Vitória SC. 

As esperanças são ténues mas ainda existem.

1 Benfica 40 15 13 1 1
2 FC Porto 33 15 10 3 2
3 SC Braga 33 15 11 0 4
4 Sporting 31 14 10 1 3
5 Vitória SC 26 14 8 2 4
6 Feirense 15 14 4 3 7
7 Estoril Praia 13 15 4 1 10
8 Torreense 10 15 3 1 11
9 SC Espinho 9 16 3 0 13
10 Académica OAF 6 15 2 0 13

 

Sub-15 (Iniciados)

É a competição que está mais atrasada, já que ainda faltam 6 jornadas, mas o nosso destino já está mais ou menos traçado. Estamos em 3.º lugar a 10 pontos do 1.º, o Benfica, mas se calhar temos é de ter atenção aos que estão atrás de nós, pois estamos apenas 3 pontos acima do 7.º classificado.

 

    P J V E D
1 Benfica 32 12 10 2 0
2 FC Porto 26 11 8 2 1
3 Sporting 22 12 7 1 4
4 Vitória SC 21 12 6 3 3
5 SC Braga 19 11 6 1 4
6 Vitória FC 19 12 6 1 5
7 Boavista 19 12 6 1 5
8 Belenenses 7 12 2 1 9
9 Académica OAF 3 12 0 3 9
10 CD Tondela 1 12 0 1 11

As aquisições de Frederico Varandas

Em tempos tinha feito aqui um balanço das aquisições ou empréstimos do tempo de Frederico Varandas. Venho actualizar essa avaliação, conhecendo agora mais sobre o valor desportivo e financeiro dos mesmos. Na lista mais ou menos cronológica assinalei com (A) aqueles que vieram com Rúben Amorim.

Excelentes:

  1. Matheus Nunes
  2. Pedro Gonçalves (A)
  3. Nuno Santos (A)
  4. Porro (A)
  5. Ugarte (A)
  6. Sarabia (A)
  7. Edwards (A)
  8. Fatawu (A)
  9. Diomande (A)

Boas:

  1. Adán (A)
  2. Feddal (A)
  3. Matheus Reis (A)
  4. Paulinho (A)
  5. Morita (A)
  6. Trincão (A)
  7. Tanlongo (A)

Razoáveis:

  1. Neto 
  2. Luiz Phellype 
  3. Plata
  4. João Pereira (A)
  5. Antunes (A)
  6. Esgaio (A)
  7. André Paulo (A)
  8. João Virgínia (A)
  9. Tabata (A)
  10. Slimani (A)
  11. St.Juste (A)
  12. Marsà (A)
  13. Arthur Gomes (A)
  14. Diogo Abreu (A)
  15. Gonçalo Esteves (A)
  16. Marco Cruz (A)
  17. Alcantar (A)
  18. Israel (A)
  19. Bellerin (A)

Falhadas:

  1. Doumbia
  2. Vietto
  3. Rosier
  4. Sporar
  5. Borja
  6. Bolasie
  7. Rochinha (A)
  8. Sotiris (A)

Fiascos totais:

  1. Ilori
  2. Camacho
  3. Eduardo
  4. Fernando
  5. Jesé
  6. Vinagre (A)

 

Obviamente que poderão discordar da classificação dum ou doutro, mas o que me interessa é analisar o conjunto.

Foram 49 jogadores para 5 épocas, uma média pouco superior a 9 jogadores novos por temporada. Note-se que, ao contrário do que acontecia no tempo de Bruno de Carvalho, não existem nas equipas B e sub23 jogadores contratados ou emprestados especificamente para essas equipas sem perspectivas de chegar à equipa principal. Todos estão ali em regime de teste para eventual chegada à equipa A.

Então, desses jogadores, considero nove excelentes contratações, cerca de 20% do total e 16 excelentes/boas, cerca de 30% do total. Todos menos um vieram com Rúben Amorim, a excepção é Matheus Nunes.

Quem são e de onde vieram esses 16?

Portugueses - 5

Espanhóis - 3

Africanos - 3

Argentinos / Uruguaios - 2

Brasileiros - 1

Japoneses - 1

Ingleses - 1

Quantos desses vieram ou andaram na 1.ª Liga Portuguesa ou em Ligas secundárias portuguesas?  A grande maioria, 10 em 16.

 

Alguns repetem que com Varandas, Viana e Amorim o recrutamento é uma vergonha e o "scouting" não existe, no tempo do Bruno é que havia competência e se compravam Slimanis por meia dúzia de euros. Do que me recordo dos cinco anos dele e Inácio/Jorge Jesus, os números são bem diferentes, à volta de 100 jogadores contratados/emprestados para as equipas A e B. Desses, quantos podemos considerar contratações excelentes? Coates, Slimani, Acuña, Bas Dost e Bruno Fernandes. Não recordo mais nenhum. Mathieu tinha problemas físicos recorrentes, como tem St.Juste. Do Brian Ruiz vimos 80 numa época e 8 na época seguinte. Teo Gutiérrez foi passar férias à Colômbia em pleno campeonato. Algum mais de que não me recorde?

Por último, curiosamente ou talvez não, nos fiascos totais encontramos três jogadores que passaram pela formação de Alcochete, forçosamente velhos conhecidos de Varandas e Viana. Não foi preciso scouting nenhum para chegar até eles. Isso não justifica os erros cometidos mas explica alguma coisa. Se calhar, e no que às contratações diz respeito, ser Sportinguista e/ou ter passado por Alcochete não garante coisa nenhuma.

SL

102 golos já marcados em 50 jogos

Já temos mais golos marcados esta época, em todas as competições (50 jogos), do que nas duas anteriores - incluindo na de 2020/2021, em que fomos campeões.

Quando ainda falta disputar três jogos, temos 102 golos contabilizados. Mais dos que os 100 marcados em 2021/2022.

Mais do que isso, na última década, só nas épocas de 2014/2015 (105 golos, com Marco Silva), 2017/2018 (108 golos, com Jorge Jesus), 2015/2016 (111 golos, com Jorge Jesus) e 2018/2019 (um total de 113 golos, com José Peseiro e Marcel Keizer).

Alguém aposta em que lugar ficaremos? E quantos golos marcaremos ainda até ao fim?

Cu para duas cadeiras

cader.jpeg

Penso que a expressão acima foi do húngaro judeu Béla Guttmann, aquele treinador do Benfica dos anos 60 da célebre maldição, de que "nem nos próximos cem anos" aquele clube voltaria a ganhar títulos europeus. E já não falta muito para isso.

O maior problema do Sporting nos últimos anos talvez seja mesmo esse, não ter cu para duas cadeiras, capacidade para na mesma época conseguir bons desempenhos nas Ligas Europeias e nas competições internas.

Vejamos o que aconteceu nos últimos dez anos comparando o que aconteceu na Champions com a posição final na Liga interna :

 

2013/2014, Leonardo Jardim - Sem Champions, 2.º na Liga

2014/2015, Marco Silva - 3.º lugar no grupo Champions + 1 eliminatória Liga Europa, 3.º na Liga

2015/2016, Jorge Jesus - Sem Champions, 2.º na Liga

2016/2017, Jorge Jesus - 4.º lugar no grupo Champions, 3.º na Liga

2017/2018, Jorge Jesus - 3.º lugar no grupo Champions + 3 eliminatórias Liga Europa, 3.º na Liga

2018/2019, Peseiro/Keizer - Sem Champions, 3.º na Liga

2019/2020, Keizer/Silas/Rúben Amorim - Sem Champions, 4.º na Liga

2020/2021, Rúben Amorim -  Sem Champions, 1.º na Liga

2021/2022, Rúben Amorim - 2.º lugar no Grupo Champions + 1 eliminatória Champions, 2.º na Liga

2022/2023, Rúben Amorim -  3.º Lugar no Grupo Champions + 3 eliminatórias Liga Europa, 4.º(?) na Liga

 

Resumindo, das quatro vezes nos últimos dez anos que ficámos em 1.º ou 2.º na Liga apenas com Rúben Amorim estivemos na Champions. Mais atrás no tempo, Paulo Bento conseguiu 2.º na Liga disputando a Champions, em três anos consecutivos, 2006/2007, 2007/2008 e 2008/2009, mas o Benfica não tinha o poderio no campo que tem hoje, chegando a ficar em 4.º lugar atrás do V. Guimarães.

 

No que respeita a esta época, que para mim está longe de se poder considerar fracassada ou deprimente como querem alguns, seria interessante analisar o resultado dos jogos dois ou três dias depois dos jogos pela Champions. 

Eintracht F - Vitória 

Tottenham C - Derrota (Boavista)

Marselha F - Vitória

Marselha C - Derrota (Varzim)

Tottenham F - Derrota (Arouca)

Eintracht C - Vitória 

Midtjylland C - Vitória

Midtjylland F - Vitória

Arsenal C - Vitória

Arsenal F - Vitória

Juventus F - Empate (Arouca)

Juventus C - Vitória

Resumindo: foram três derrotas e um empate contra equipas menores em jogos imediatamente a seguir aos jogos da Champions.

Foram sete pontos perdidos na Liga, o que nos colocaria em vantagem relativamente ao Sp.Braga, que não vai à Champions, saiu esta época da Liga Europa com uma cabazada sofrida com a Fiorentina (0-4 em casa, 2-3 em Florença) e nos jogos com eles o Sporting conseguiu 2V e 1E, 13-3 em golos. 

 

Disputar a Champions dum ano e conquistar um lugar na Liga que permita assegurar que estamos lá na época seguinte é essencial para o futuro do Sporting. Por isso, assegurar o acesso para a época seguinte será sempre o principal objectivo da época. Tudo o que possa ocorrer de melhor, óptimo.

Mas como é possível atingir esse objectivo época a época?  Através de plantéis mais adultos e extensos, que possam incluir alguns "Netos" que, não sendo titulares na Champions, possam ajudar a resolver os jogos subsequentes, em vez de obrigar o treinador a recorrer aos titulares mais esgotados ou atirar às feras os mais novos.

 

PS: O melhor exemplo duma época deprimente com Champions é o de 2016/2017. Reforços foram BetoDouglasPetrovicMeliEliasMarkovicAndréCastaignosCampbellAlan Ruiz e Bas Dost, e apenas Bas Dost triunfou. Deprimente desportivamente e deprimente pela guerra aberta que o presidente da altura resolveu travar com treinador e plantel, com o episódio lamentável ocorrido no balneário de Chaves, que conheceu o clímax na época seguinte e lhe custou a presidência. Nada disso aconteceu esta época, nem o falhanço quase completo dos reforços, nem qualquer guerra entre presidente e treinador e plantel. 

SL

Sporting 2022/23 - Fim de linha e pensar a nova época

A (paupérrima...) época 2022/23 encaminha-se do fim. Mais do que isso, e para que na próxima a equipa volte a encontrar o caminho dos títulos, é um fim de linha para alguns dos protagonistas.

Não creio que seja fim de linha para Ruben Amorim - treinador com títulos, com futuro e carismático. 

Para mim, o fim de linha é para vários jogadores que estiveram muito aquém daquilo que se exige a um clube como o Sporting Clube de Portugal. Incluo-os abaixo numa lista de dispensas. Fim de linha também para jogadores que têm qualidade, mas que por isso mesmo entram nas contas do encaixe que o Clube precisa fazer "tapar buracos". Dado que a nova temporada será de vacas magras, creio que a substituição dos jogadores que saem deve ser feita a partir dos jovens que emergiram na excelente equipa que chegou às meias finais da Youth League.

Eis as minhas escolhas para a próxima época (que deveria começar já a ser preparada no jogo de amanhã...):

Guarda-Redes: Callai, Israel, André Paulo

Defesas: Coates, Diomande, Mateus Reis, Inácio, St. Juste, Quaresma, Muniz, Gonçalo Esteves

Médios: Morita, Daniel Bragança, Essugo, Diogo Abreu, Mateus Fernandes, Marco Cruz

Avançados: Edwards, Nuno Santos, Trincão, Fatawu, Chermiti, Paulinho, Rodrigo Ribeiro, Tiago Tomás, Afonso Moreira 

 

Vendas: Pote, Ugarte, Jovane Cabral

Dispensas: Esgaio, Bellerin, Rochinha, Artur Gomes

Reforma: Adan (34 anos), Neto (35 anos)

 

Notas finais: 

1. Callai deve ser aposta já esta época. Tem tudo para dentro de 1 ano estar na selação A. E até a equipa ganharia em ter um GR com mais garra e rápido a repor a bola em jogo. 

2. Quaresma e TT são campeões nacionais, agora com experiência internacional, e devem voltar a ser aposta.

3. Diogo Abreu não estar já na equipa principal para mim é um mistério insondável. Tem qualidade de passe muito acima da média, capacidade de variar flancos rapidamente (qualidade muito importante no futebol moderno, que nos tem faltado desde a saída de Matheus Nunes) e é um grande marcador de livres (que não temos na equipa principal)

4. Pote e Ugarte foram provavelmente os jogadores mais influentes da equipa desta época. São dois craques. Mas vamos ter que fazer vendas e são os jogadores que mais podem render. Só por isso os incluo. No lugar de Ugarte apostaria em Essugo (que até dá mais força física ao MC) e no de Pote poria Edwards a pisar terrenos mais centrais (Fatawu a extremo). Edwards seria para mim, nesta fase, inegociável. Seria também de ponderar a contratação de Nani para o lugar de Pote (está na fase declinante da carreira mas é um símbolo, campeão europeu e tem garra que nos falta)

5. Ruben Amorim daria um grande sinal de capacidade de aprender dispensando Esgaio, que não acrescenta nada à equipa a não ser erros individuais. É um jogador para um clube de meio de tabela, não mais do que isso. Mais uma época seria o que os ingleses chamam de "escalation" - prejudicar-se a si, ao jogador e, sobretudo, ao Clube.

 

Poker de ases ou poker de duques?

Foi seguramente a pior conferência de imprensa de Rúben Amorim ao serviço do Sporting. Irritado, frustrado, assumindo o fracasso, trazendo para a conversa nomes que nada têm a ver com o assunto e sugerindo um divórcio que não faz o menor sentido.

Caso o quarto lugar se confirme, o Sporting ficará fora da Champions da próxima época, o que vai ter custos directos e indirectos elevados. Falhará assim aquele que considero ser o principal objectivo de qualquer época. Um passo atrás na construção duma grande equipa.

Mas não é a primeira vez na história do Sporting que isso acontece. Nos últimos dez anos, apenas em cinco estivemos presentes.

Desde o início da época temos aqui alertado para situações e decisões do próprio Amorim que nada auguravam de bom: um plantel curto e desequilibrado, falho de altura e peso no eixo central, uma ideia de ataque móvel condenada ao fracasso pela forma como jogam as equipas pequenas em Portugal, uma equipa B a funcionar num modelo de jogo diferente da A e sem plantel fixo. Mas não podíamos adivinhar que os pilares da equipa cedessem como cederam. E com os pilares a ceder, a ponte não se aguenta.

Adán, Coates, Esgaio, Paulinho (e podia acrescentar Neto), os pilares do plantel, pela idade, experiência, peso no balneário, não conseguiram render o seu melhor. Ainda agora, nesta eliminatória, Adán oferece o golo fora, Coates falha dois golos feitos ao cair do pano, Esgaio isolado remata para a bancada e Paulinho estava mais uma vez lesionado. Talvez existam questões na sua vida privada ou no seu estado físico que ignoramos, só conhecemos as viagens intercontinentais de Coates ao serviço da sua selecção.

 

O maior problema do Sporting actual não é a falta dum Fran Navarro qualquer. É a falta do melhor rendimento deste quarteto.

Poderão dizer que o problema é de solução bem simples. Sentar os quatro no banco e alinhar com Israel, Inácio, Arthur e Chermiti nos seus lugares. Mas a diferença entre o melhor de uns e o de outros é enorme.

Esteve mal Amorim na gestão desta situação? O que poderia fazer de diferente senão insistir na confiança nestes quatro jogadores a quem devemos muito, que sentem o clube e deixam tudo em campo?

SL

Ugarte, Pedro Gonçalves, Nuno Santos

Faz hoje um mês, perguntei aos leitores quem elegeriam como os três melhores jogadores do Sporting.

Houve quem questionasse por que motivo seriam apenas três. Respondi que a lógica das escolhas é sempre esta. É o que nos leva, por exemplo, a contestar as escolhas dos seleccionadores - sujeitas a um número máximo, portanto sem nunca gerarem aplauso unânime. Seria impossível.

Além disso, pretendia três lugares para preencher um pódio. Que ficou assim ordenado: 

Ugarte 21 votos

Pedro Gonçalves 20

Nuno Santos 6

Gonçalo Inácio 5

St. Juste 5

Adán 3

Coates 3

Edwards 3

Morita 3

Diomande 2

 

Revejo agora estas escolhas. Que justificam os seguintes comentários:

- O mais popular é um médio defensivo, sem um só golo marcado nesta época 2022/2023. Talvez seja um bom símbolo do actual Sporting, tão carente de golos e de vitórias.

- Há um fosso enorme entre os dois mais mencionados e o último do pódio. Um desequilíbrio que, francamente, não corresponde ao que se passa em campo. 

- Edwards, que não hesito em considerar um dos melhores talentos do plantel leonino (anteontem isso voltou novamente a ver-se em campo), é relegado para o fundo da lista. Algo que tenho dificuldade em entender.

- Morita, que não hesito em considerar o melhor reforço do Sporting nesta temporada, tem votação residual. Também algo incompreensível, na minha opinião.

- Coates, único elemento do plantel que chegou ainda na era pré-Varandas, vai perdendo gradualmente relevância e popularidade junto dos adeptos.

- Adán recebe aplausos muito mitigados, o que talvez se justifique pelo facto de ter comprometido em alguns dos jogos mais importantes nesta época.

- St. Juste, apesar do historial de lesões (vai na quinta desde que chegou ao Sporting), merece consideração e simpatia: tem tantos votos como Gonçalo, que jogou muito mais.

- Matheus Reis, nem um voto para amostra. Trincão, idem. Esgaio, igualmente omisso. Sem surpresa.

- Ausência total de Paulinho. Sem surpresa também.

O pecado original

Como era previsível, o Sporting caiu hoje, frente à Juventus, nos quartos-de-final da Liga Europa, ao empatar 1-1. Com quase enchente em Alvalade: 45.900 espectadores, grande parte dos quais a puxar pela equipa.

Voltámos a marcar à equipa que segue em terceiro na Liga italiana e é um dos nomes históricos do futebol europeu. Mas, de novo, só conseguimos isso de penálti - desta vez por Edwards, aos 20'. Em lance de bola corrida continuámos incapazes de a meter lá dentro, apesar de não terem faltado oportunidades. Por Trincão (que aos 17' visou o poste), Diomande (35'), Esgaio (75') e duas vezes por Coates quase no fim (87' e 90'). 

Eis o problema estrutural que se tornou mais notório nesta época: falta-nos um matador na área. De modo a evitar que necessitemos de 41 remates para conseguir um golo.

Não ter um artilheiro de referência é péssimo. Fazemos o mais difícil - dois grandes jogos com a Juve - e fracassamos no mais elementar: não converter em golos o domínio claro que mantivemos em largos períodos destas duas partidas. É o pecado original desta época em que falhámos todos os objectivos.

Nada de novo. Nada que não tivesse sido afirmado aqui em tempo útil. Nada que não possa ser rectificado.

Infelizmente, só no mercado de Verão. Até lá, resta isto: mais do mesmo.

{ Blogue fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D