Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Um ano depois e depois

O ano passado por esta altura Elias deslumbrava com a sua visão táctica; quem já arrasta o rabo pelas bancadas e Alvalade vai para uns anitos não se recordava de alguma vez ter visto um jogador com tanta arte para se esconder do jogo. Este ano vemos Adrien sempre preocupado a fugir ao guarda que lhe puseram para ir buscar o jogo onde ele estiver. Mas quem é este Adrien que nunca tinha visto e olhem que há mais de 3 temporadas que tem aparecido em campo?

O ano passado o baby iogurte Wolfscoiso era como aquela rua do Rio de Janeiro chamada Bulhões de Carvalho que o povo rebaptizou de "quase-quase". Ele quase marcava, quase chutava, quase se desmarcava, a bola ia ao primeiro poste e ele prontíssimo para o golo no segundo, a bola caía no segundo poste e ele a mergulhar de cabeça no primeiro - um ano inteiro sem se encontrarem o Wolfs e a bola, quase-quase. Este ano alguém desencantou um marmelo qualquer em Seattle, em Seattle senhores, terra dos Boeings e da Micro-mole, onde está sempre a chover - mas quem joga à bola em lugar tão improvável? Mas o que andava lá o Montero a fazer? Quem teve uma ideia tão estrambólica? Bem haja...

O ano passado jogavam o Xandão, o Jeffrén, o Viola e o Labyad, este que é tanto da seleção holandesa como o Bruma da turca. O Izmaylov fazia de conta em Lisboa antes de ir fazer de conta para o Porto, na que foi a grande contratação do FCP e o Gelson estava quase a explodir e nós a levar com os cacos do estoiro - há quanto tempo foi o ano passado?

O ano passado nenhum dos cartolas do Sporting se havia lembrado do óbvio: que uma organização, qualquer que seja, funciona de cima para baixo: se os de cima não sabem o que querem e não transmitem esse querer com clareza para os de baixo, então os de baixo nunca saberão o que andam a fazer. Bruno de Carvalho é um génio? Não, é um sensato que só fez uma coisinha óbvia - mandar. Mas como é que ninguém se tinha lembrado disto antes?

Mas tenham calma, o Natal aproxima-se. Isto quer dizer que é capaz de acontecer como há 20 anos: três derrotas bem aplicadas pelos árbitros (basta marcar um fora de jogo que não é, um penalti que não foi e um segundo cartão amarelo evidente depois de um primeiro obnóxio) para a casa abanar. Mas estamos todos à espera disto, não estamos? E para já estas alegriazitas já não nas tiram... 

Equilíbrio

Tenho um amigo que tem por hábito dizer que "o equilíbrio é a chave da vida". Desta asserção parto para a minha opinião sobre o nosso Sporting, em vésperas de iniciar mais um campeonato. Ora, retocando a frase digo que o equilíbrio é a marca deste Sporting 2012/2013. É certo que é um equilíbrio a priori, sem ter em conta os mil e um factores que o podem desmoronar ao longo da época, como a falta de rendimento, lesões em catadupa, castigos, problemas pessoais e de adaptação, etc. Dirão então que é um equilíbrio periclitante, não o vejo dessa forma, principalmente se colocarmos as coisas em perspectiva comparada. Vejamos esta equipa do Sporting e depois comparemo-la com a do ano passado ou com a de há dois anos. É notório que o ponto de partida é bem superior. O Sporting tem hoje, salvo duas excepções que apontarei adiante, pelo menos 2 jogadores com talento e valor para cada posição do campo. É a este factor que vou buscar o tal equilíbrio da equipa, pois ao contrário de anos anteriores, a equipa apresenta soluções que passam por 13 ou 14 jogadores. Provavelmente, temos cerca de 20 soluções para a equipa titular. E daqui decorre o facto de o Sporting poder amanhã dar-se ao luxo de iniciar o jogo em Guimarães com Rinaudo ou Schaars no banco.
No ano passado e há dois anos, era assustador olhar para o banco de suplentes. Quantas vezes os sucessivos treinadores dos últimos anos não devem ter olhado para trás e pensado: "Mas que raio vou fazer eu com estes jogadores?". E nós, adeptos, também tínhamos isto bem presente nas nossas cabeças quando o treinador mexia na equipa. A título de exemplo, quando Evaldo entrava em Alvalade, nas bancadas eram calafrios atrás de calafrios. Este pavor das "soluções" que a equipa tinha no banco simbolizava uma equipa desequilibrada e com falta de valor em vários sítios do campo. Hoje, penso que tal não ocorre e Sá Pinto poderá ter as ditas boas dores de cabeça quando escolher a equipa a utilizar em cada jogo. Não é uma equipa repleta de craques, apesar de também os termos, mas acredito que é uma equipa que valerá pelo valor colectivo, claramente superior ao do ano transacto. 
Não obstante este acréscimo de valor, continuo com dúvidas para duas posições. Avançado e defesa-direito. Para finalizador, penso que o Sporting tem apenas uma boa solução, Wolfswinkel, correndo o risco de ser injusto para o recém-chegado Viola, jogador que ainda não teve a oportunidade de se estrear. Teremos de rezar para que nenhum infortúnio aconteça ao nosso goleador holandês esta época. Por outro lado, e após ter tido como lateral-direito, João Pereira, confesso que ainda não estou completamente convencido com as soluções para este lado da defesa. Não que não veja valor em Pereirinha e sobretudo em Cédric (para mim, a primeira opção), mas ainda estou de pé atrás e receoso do que possa acontecer. 
Para terminar, uma equipa com mais opções feita com um orçamento curto. Ciente das dificuldades, acredito - como sempre - no Sporting para que, mais do que "em frente", o Sporting termine "na frente". Que amanhã seja o início de uma grande caminhada!

Este Sporting preocupa

Esta temática é de difícil abordagem pelo eminente consciencioso conflito entre o sentimento e o realismo. Não pretendo ser injusto para com Ricardo Sá Pinto - não obstante nunca ter sido um fã fervoroso seu, mesmo enquanto jogador - mas também não me é possível ignorar a precária evolução da equipa até este momento. Não sei que Sporting vai comparecer no domingo frente ao Olympiacos na primeira edição do Troféu Cinco Violinos e, mais relevante, diante do Vitória de Guimarães na primeira jornada da Liga, mas desagrada-me sugerir que quaisquer das versões que vimos nesta pré-época dão causa para preocupação. Acima de tudo, sinto enorme dificuldade em digerir as reflexões do treinador: «Fizemos um jogo de qualidade», e de Daniel Carriço: «Deixámos uma boa imagem», após o último embate do torneio de Huelva. Amistoso ou não, relvado ou não relvado, o Sporting afigurou-se mediocremente perante adversários de questionável qualidade. Pior do que isso, continua a exibir uma aflitiva insuficiência de consistência de jogo, ligação entre sectores, criatividade, profundidade e fluidez nas manobras ofensivas. A ingrata realidade é que a equipa, indiferente dos onze em campo, só esporodicamente tem exibido o calibre de futebol que lhe permitirá aproximar-se dos seus mais directos rivais e com condições para poder lutar pelo título.

O «coração de leão» de Ricardo Sá Pinto sempre foi uma «faca de dois gumes» e é por de mais evidente que o espírito de luta e entreajuda que ele incutiu nos jogadores na época passada terá de ser complementado por algo muito mais substancial para o Sporting tornar-se verdadeiramente competitivo - a não esquecer a final do Jamor. A pré-época é o período das experiências, de introduzir novos elementos ao grupo e de consolidar relações e sistemas, mas com o passar dos dias e dos jogos, também envolve a gradual implementação e aperfeiçoamento de um sistema fundamental - estratégico, tático e nuclear - que permita catapultar a equipa para a competição oficial que se aproxima, nas devidas condições. Para ser sincero, não vejo isto neste Sporting e é essa a causa da minha maior perturbação. Verifico já tendências pouco salutares - tanto no modelo de jogo como no que a opções concerne - um sistema tático que não poderá dar frutos com regularidade - especialmente perante a maioria dos adversários que se vão apresentar num enquadramento ultra-defensivo - e, sobretudo, um meio campo recheado de talentos, mas sem um aparente genuíno líder.

Por desgostar de individualizar quando é o colectivo que não está bem, permitam-me apenas dois ou três reparos neste contexto. Parece-me óbvio - por muito que aprecie o talentoso jovem - que André Martins ainda não possui a maturidade competitiva para ser um titular indiscutível, em princípio, especialmente, na posição número dez. Pereirinha oferece maior consciência e experiência defensiva do que Cédric Soares, mas fica muito aquém deste quanto a profundidade ofensiva. Quase me custa admitir, mas Adrien Silva tem que constar nos onze, embora com função exacta ainda por definir. Um outro ajustamento terá de ser efectuado com os cinco centrais do plantel. Não faz sentido insistir em Daniel Carriço, em detrimento de Onyewu, salvo existir alguma agenda não esclarecida por parte da SAD. Viola é ainda uma incógnita, mas tenho grande fé de que Labyad vai ser a estrela do meio campo, não obstante não ser um natural número dez. O Ricky é um excelente jogador que se vai tornar ainda num melhor goleador, desde que seja bem apoiado e servido. Perante as probabilidades do futebol de hoje, é injusto e irrealista exigir que em duas ou três oportunidades por jogo, se tanto, ele as concretize todas. Por fim, Ricardo Sá Pinto terá que evoluir, como treinador, mais rápido ainda do que os seus jovens pupilos. Muito por uma equipa de futebol não se posicionar e movimentar como pedras do xadrez, ele terá que aprender que o actual 4x3x3 rígído que prefere perante a vasta maioria dos adversários não resulta, pela sua ineficácia e vulnerabilidade. Opto por não adiantar sugestões específicas - o que não seria difícil - e limitar-me-ei a explanar que o «segredo» reside no meio campo. Terá forçosamente de ter capacidade polivalente para reforçar a defesa e suplementar o ataque e, para esse fim, os atletas de eleição terão que ter essas exactas caracterísicas dentro de um enquadramento que se movimente em simultâneo. É imprescindível um médio versátil à frente da defesa - e não me refiro ao notório «trinco» - um médio com capacidade grande-angular e um criativo em apoio ao ponta-de-lança, todos em linha, complementados pelos alas/extremos a partir de uma posição mais recuada. Se fosse no xadrez, isto quase seria um 4x1x1x1x2x1, salvo em movimento. É imperativo que os três médios em linha sejam bons recuperadores de bola e com instintos e habilidade para a rápida impulsão ofensiva. Reconheço, desde já, que esta tese, como qualquer outra, é discutível, até porque nem todos nós temos a mesma leitura do jogo e, idem, para treinadores. De qualquer modo, indiferente dos detalhes do sistema, o meio campo é a chave do sucesso e é sobre ele que as maiores atenções devem recair. Dito tudo isto, ninguém mais do que eu deseja estar errado quanto às apreciações da equipa sob a liderança de Ricardo Sá Pinto, mas até provas em contrário as dúvidas residem.

 

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D