Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Sporting: o meu «Bolero de Ravel»

«Amor é exclusividade

 

Conheço uma moça que, em matéria de football, é de uma ingenuidade enciclopédica. Não sabe o que é um «chute» e ignora se a bola é quadrada ou redonda. Outro dia, ela vai à Tijuca. E, de repente, vê, mais adiante, uma coisa grande, uma coisa imensa. No seu pânico, aponta e pergunta: «O que é aquilo? Tiveram que explicar que «aquilo» era o Maracanã, o maior estádio do mundo etc., etc.

Posteriormente, tenho sabido de coisas singulares a respeito da minha conhecida. Por exemplo: não lhe falem em «tabuleiro da Baiana», porque ela cairá na mais atra e torva perplexidade. Em suma: uma flor de moça. Pois bem. Um dia desses, ocorre na vida de minha amiga (se assim posso chamá-la) uma experiência curiosa: ela encontra em cima da mesa um exemplar do Jornal dos Sports. Balbucia, com a sua inocência maravilhada: «Cor-de-rosa!»

Graças à cor, e só à cor, dispôs-se à leitura. E acaba descobrindo, num canto da página, esta coluna. Viu a minha assinatura e seu interesse aumentou. É doce ler um conhecido! Foi até o fim de minha crônica e, como falava em football, não entendeu patavina. Dois ou três dias depois, ela encontra em cima da mesma mesa o mesmo Jornal dos Sports. Nova leitura. Mais tarde ela bate o telefone para mim. Pergunta: «Você só escreve sobre o Fluminense?»

Eis o que acontecera: ela só conhecia, deste colunista, duas crônicas. E, por coincidência fatal, em ambas o tema principal, ou melhor o tema único era o Tricolor. E a moça não entendia que pudesse existir jornalista de um assunto só. Com o maior descaro, e não sem doçura, respondi-lhe: «Eu só escrevo sobre o Fluminense!»

Amigos, o que a amiga não aceita, e ninguém aceita, é esta verdade eterna: cada escritor, cada cronista, cada poeta tem o seu «Bolero de Ravel», ou seja: o assunto obsessivo e triturante, em torno do qual ele gravita, obtusa e teimosamente. Ai daquele que é incapaz de uma fixação! Coitados dos que pulam de um assunto a outro, com uma frivolidade irresponsável. «É preciso variar», dizem. Mentira. É preciso, inversamente, não variar. Nada é mais estúpido e vazio do que a variedade. Assim, no jornalismo como na literatura, na literatura como no amor.

No amor, o grande sujeito é o camarada de uma só mulher. Ele agarra a sua e não a larga mais. Repito: o verdadeiro Don Juan é o sedutor de uma conquista única, para sempre. No football, é preciso gostar, obviamente, do mesmo clube. E assim por diante. Nada mais justo, pois, do que o jornalista especializado que também só escreve sobre um único clube, eternamente único. Essa fidelidade exasperada é de uma beleza completa.

Jornal dos Sports, 22/9/1961»

In. .RODRIGUES, Nelson- Brasil em campo : crónicas. 1ª ed. Lisboa : Tinta da China, 2018. pp. 187-188.

 

Através da leitura do texto «A censura nas escolas do Brasil», do colega de blog “jpt”, podemos chegar a esta «Relação dos livros a serem recolhidos», uma directiva da Secretaria de Estado da Educação de um estado brasileiro com títulos «para serem recolhidos das escolas por conterem o que foi definido como "conteúdos inadequados" a crianças e adolescente.». Nela consta o nome deste autor: Nélson Rodrigues, com outros títulos («Beijo no asfalto» e «A vida como ela é».

 

Não vou fazer qualquer consideração sobre isto – este não é o espaço. Deixo somente esta crónica, deliciosa.

3 comentários

Comentar post

{ Blogue fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D