Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Sobre as propostas de Poiares Maduro

image.jpg

 

Miguel Poiares Maduro, ao que parece representando um grupo alargado de sócios, vem agora propor um conjunto de alterações estatutárias a que o jornal Record dá destaque na edição de hoje, com chamada de capa e uma página inteira no interior. 

Há quem considere que este não é o momento para promover grandes alterações aos estatutos leoninos. Penso o contrário. Se há ocasião indicada, é esta mesmo. Terminou uma temporada desportiva, o próximo campeonato de futebol só começa na segunda quinzena de Setembro, não concebo melhor altura para debatermos estas questões. Antes de a bola começar novamente a rolar.

Tudo deve ser debatido. Sem tabus.

 

Li com atenção as propostas de Poiares Maduro e confesso alguma decepção. Salvo erro de interpretação da minha parte, o documento é omisso num tema fundamental: a adopção tendencial do princípio "um sócio, um voto". Não adianta empurrar com a barriga: este é um assunto que não deixará de figurar na agenda leonina dos próximos anos.

Porque não começar a debatê-lo já?

 

O antigo ministro rejeita o voto electrónico à distância, que já defendi aqui, optando por uma solução muito conservadora, quase imobilista: quer manter o voto presencial em exclusivo, forçando todos os sócios a deslocarem-se a Lisboa, embora admitindo que "quatro núcleos" possam funcionar também como futuras mesas eleitorais. Não especifica, no entanto, por que motivo só abre a excepção a quatro núcleos nem menciona em que zona do País se situarão, o que não adianta grande coisa ao debate.

Mas o que me merece mais reservas, entre as propostas agora apresentadas por Poiares Maduro, é a criação de dois novos órgãos na estrutura directiva leonina. Um Conselho de Ética e Disciplina, que funcionaria apenas no âmbito do Clube, para «avaliar, sanar e punir situações relacionadas com falta de transparência», e um Conselho Geral e de Supervisão, em exclusivo para a SAD, com a missão de «garantir o cumprimento dos princípios e das regras previstos e reportar aos associados do Clube sobre aspectos estratégicos da sociedade».

 

Isto parece replicar o pior das instituições políticas: quando há um problema por resolver, cria-se mais uma comissão. Ou duas.

Ora, salvo melhor opinião, o Sporting não carece de novas estruturas orgânicas, que acabariam por colidir com as já existentes, conduzindo à paralisia dos processos de decisão.

O Sporting necessita, simplesmente, de dirigentes mais competentes e de órgãos que funcionem melhor. Multiplicar conselhos e comissões, numa espécie de fuga para a frente, não resolverá nenhum problema actual e poderá desencadear outros. É a última coisa de que precisamos.

 

ADENDA: Propostas detalhadas aqui.

20 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D