Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Rescaldo do jogo de ontem

 

Gostei

 

De derrotar o FC Porto, em Alvalade, por-2-0. Quem disse que este Sporting de Rúben Amorim era incapaz de vencer equipas do seu escalão, como o SLB e a turma portista, equivocou-se. Como já se enganou em tantas outras matérias. Não triunfámos apenas: superámos largamente a equipa adversária, que no campeonato anterior nos tinha derrotado em casa por 1-2. Desta vez nem sequer fizeram nada para estar ao nosso nível: este clássico foi dominado em toda a linha pelo onze leonino.

 

De Gyökeres. Que gigante! Voltou a ser a figura do jogo, voltou a ser o melhor em campo. Marcou o primeiro, logo aos 11', com assistência de Matheus Reis: leva já mais golos marcados nesta temporada do que todo o ataque do FC Porto. Além disso assistiu Pedro Gonçalves no segundo, aos 60'. E ainda interveio em outros dois que acabaram anulados sem motivo válido: é ele quem a mete lá dentro aos 44' e constrói o lance que culmina com Paulinho a marcar aos 90'+2. Pepe tentou anulá-lo, sem conseguir.

 

De Morten. Outro excelente jogo do internacional dinamarquês, que funcionou como pêndulo colectivo, neutralizando o caudal ofensivo portista no corredor central. Impecável nos desarmes, utilíssimo nas recuperações. De jogo para jogo, vai dando cada vez mais consistência à nossa equipa.

 

De Diomande. Rúben Amorim apostou num trio de jovens centrais: à esquerda, Gonçalo Inácio (22 anos); à direita, Eduardo Quaresma (21 anos); ao meio, Diomande (20 anos). Ninguém diria que o internacional marfinense é tão novo, dada a maturidade que exibe em campo, tendo ocupado neste clássico a posição habitual do capitão uruguaio. Ganhou todos os lances aéreos, foi decisivo para banalizar o ataque portista.

 

De Eduardo Quaresma. Foi a grande surpresa do nosso onze: há três anos que não actuava como titular no Sporting. A súbita lesão de Coates proporcionou-lhe esta oportunidade - e o central formado na Academia de Alcochete correspondeu à aposta que o treinador fez nele, exibindo-se em grande nível. Venceu quase todos os confrontos com Galeno, o melhor extremo portista. Oportunos cortes e desarmes aos 14', 15', 22' e 24'. No corredor esquerdo, protagonizou magnífico lance individual que culminou lá na frente com assistência para golo de Gyökeres, anulado por indicação do VAR Tiago Martins. Injustiça manifesta: não havia motivo para esta invalidação. Já amarelado, saiu aos 61', sob forte e merecida ovação.

 

Do 1-0 registado ao intervalo. Resultado provisório que só pecava por escasso - e também injusto, pelo segundo golo anulado a Gyökeres sem motivo válido. Mas merecido, numa partida em que soubemos fechar bem os corredores e fomos claramente superiores no jogo interior. Com apenas uma intervenção de Adán, aliás decisiva: aos 45'+4, defendendo por instinto, com os pés, um remate de Galeno que levava selo de golo.

 

Da expulsão de Pepe. Já amarelado pelo árbitro Nuno Almeida, viria a receber ordem de saída aos 51'. Não com segundo amarelo mas com vermelho directo por óbvia agressão a Matheus Reis, que ficou a sangrar do rosto. Passámos a jogar com mais um durante os 50 minutos finais (incluindo 9 de tempo extra).

 

De ver o estádio cheio. Melhor casa até agora, nesta época 2023/2024: 44.385 espectadores nas bancadas. Condimento fundamental para a festa do futebol. 

 

De não sofrer golos. Tem sido facto raro, daí merecer destaque: mantivemos as redes intactas pelo segundo jogo consecutivo após a vitória contra o Sturm Graz, por 3-0, também em Alvalade. 

 

De ver o Sporting novamente isolado no comando do campeonato. Conservamos a liderança, mas agora sem nenhuma outra equipa em igualdade pontual. Com mais um ponto do que o Benfica (que ainda terá de jogar em Alvalade), mais três do que o FC Porto ontem derrotado e mais cinco do que o Braga. Rumo à conquista do campeonato: sempre acreditei que iríamos conseguir, acredito agora mais que nunca.

 

Do Natal verde. Quem disse que esta quadra festiva não é doce para nós? Enganou-se redondamente.

 

 

Não gostei

 

Da lesão de Coates. Uma súbita mialgia na perna esquerda, mesmo no fim do último treino antes do clássico, forçou o nosso capitão a ver o jogo da tribuna de Alvalade. Baixa de vulto que preocupou alguns adeptos. Mas sem necessidade. Diomande deu boa conta do recado.

 

De Pedro Gonçalves. É certo que marcou um golo, construído com Gyökeres, em que ele quase só teve de encostar. Mas falhou escandalosamente outros dois, revelando uma displicência que o torna irreconhecível para quem se lembra das suas exibições da saudosa época 2020/2021. Aos 64', permitiu a defesa de Diogo Costa. Aos 82', novamente muito bem servido pelo sueco, rematou ao lado. Nem parece o mesmo jogador.

 

Dos amarelos a Gonçalo Inácio e Morten. Estavam tapados com cartões, ficarão impedidos de participar na próxima jornada, em que visitamos o Portimonense. Duas baixas importantes no onze titular.

 

Dos dois golos anulados. Gyökeres aos 44', Paulinho aos 90'+2: ambos por intervenção do vídeo-árbitro, sem que se vislumbrasse qualquer justificação. Só assim o FC Porto evitou sair goleado de Alvalade.

 

Do comportamento rufia do FCP. Pepe agrediu Matheus Reis à cotovelada, acabou expulso. Taremi fez o mesmo com Gonçalo Inácio, ficando impune. Exemplos evidentes de conduta antidesportiva da turma portista, à imagem e semelhança do treinador Sérgio Conceição. Alguns adeptos do Sporting, totalmente baralhados, atrevem-se a chamar "intensidade" a coisas destas. Andam a ver o filme errado: isto nada tem a ver com desporto.

 

Dos "olés" nas bancadas, no segundo tempo. Não gosto nada destas manifestações de arrogância, por vezes vindas dos mesmos que logo rasgam a equipa ao menor desaire. Ganhámos um jogo importante, sim. Vencemos um clássico. Mas ainda não vencemos nada: apenas cumprimos a jornada 14. Convém ter o sentido das proporções. Toda a arrogância é má conselheira.

 

De Navarro. Jogou uns minutos pelo FC Porto, sem fazer nada. Inútil, uma vez mais. É o tal jogador que alguns exigiam, aos berros, que Frederico Varandas e Rúben Amorim trouxessem para o Sporting. Ainda bem que não veio.

64 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

{ Blogue fundado em 2012. }

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D