Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Rescaldo do jogo de ontem

Não gostei

 

De mais uma derrota. Já sofremos onze nesta temporada, para várias competições. Mas esta doeu de modo muito especial: perdemos (1-2) em casa, contra o FC Porto. Pela terceira vez na época em curso. Após a derrota no Dragão, na primeira volta (0-3), e a final da Taça da Liga perdida em Leiria (0-2). Balanço vergonhoso: sete golos sofridos nestas três partidas, apenas um marcado.

 

Da segunda parte. Após o intervalo, em que se mantinha o empate a zero, a nossa equipa regressou irreconhecível do balneário. Alguns jogadores pareciam arrastar-se em campo, outros mal cumpriam os mínimos. Até alguns a quem é impossível negar competência falharam de modo inaceitável. Ugarte, num corte defeituoso, acabou por "assistir" Uribe no golo inicial dos portistas. Gonçalo Inácio, estranhamente passivo, tem culpas em qualquer dos golos - o segundo surgiu por Pepê aos 90'+5, num contra-ataque rápido. E só registámos um remate entre os 46' e os 90'. 

 

Das substituições. Inexplicável, a forma como Rúben Amorim foi mexendo na equipa. Em vez de a melhorar globalmente, conseguiu embrulhar ainda mais o nosso jogo. As trocas de Trincão por Paulinho (34'), Fatawu por Nuno Santos (46'), Bellérin por Esgaio (55'), Esgaio por Arthur (71') e Matheus Reis por Diomande (71') transmitiram uma sensação de improviso com um toque de caótico. Só alas direitos, tivemos três: Bellerín, Esgaio e Arthur. A equipa melhorou? Nem por isso. Como o resultado confirma.

 

De Trincão. Custa entender por que motivo este jogador - que peca por notória falta de intensidade - foi aposta do treinador para integrar o onze titular num clássico de alta voltagem. Grosseiro erro de avaliação que se tornou ainda mais evidente quando, após primoroso cruzamento de Bellérin, o ex-Braga, em zona frontal na área, correspondeu com um autêntico passe ao guarda-redes. A cada jornada vai perdendo oportunidades de mostrar que merece integrar a equipa principal do Sporting. 

 

De Paulinho. Foi o substituto ideal de Trincão - no sentido em que exibiu tanta mediocridade como o colega. Nem um remate à baliza, nem uma tentativa de aproximação ao golo, nem um esboço de assistência. Deu nas vistas só numa ocasião: ao sentir um toque no peito caiu ao chão agarrado à cara, confirmando ter pouca vocação para o teatro. Passou por completo ao lado do jogo. Sem surpresa.

 

De Esgaio. Substituiu o espanhol Bellerín, que estava a cumprir no essencial. Com ele em campo, voltámos a sentir o problema do costume: falta de criatividade ofensiva, nem um passe de ruptura, desposicionamento em manobra defensiva forçando o central direito a acorrer às dobras. O lance do golo inicial do FCP começa com um mau alívio seu. Permaneceu só 16' em campo. No final, o treinador pediu-lhe publicamente desculpa, algo que faz pouco ou nenhum sentido.

 

Das quatro oportunidades de golo perdidas na primeira parte. Pressionámos bem, criámos desequilíbrios, encostámos a equipa adversária ao seu reduto defensivo. Mas, como quase sempre, pecámos na finalização. Edwards a rasar o poste, Trincão anulando o remate, Chermiti em posição frontal permitindo o corte de Marcano e novamente Edwards, na conversão dum livre directo, vendo-lhe o golo ser negado num voo espectacular de Diogo Costa. Não se pode desperdiçar tanto. 

 

De termos dito adeus à entrada directa na Liga dos Campeões. Tarefa quase impossível, agora com o Benfica 15 pontos à nossa frente e o FC Porto 10 pontos acima de nós. E atenção ao Braga, que já segue com mais 8 pontos, tornando até muito difícil a nossa presença no play off da liga milionária. Convém entretanto reparar no Vitória, agora só com menos cinco pontos. O quarto lugar na Liga 2022/2023 está longe de garantido.

 

Da debandada geral no estádio. Mal o FCP marcou o segundo, milhares de adeptos levantaram-se de imediato, encaminhando-se para as portas de saída. Não foi bonito, mas é compreensível. Já tinham sofrido imenso, não sobrava paciência para mais.

 

 

Gostei

 

De Chermiti. O melhor dos nossos. Com apenas 18 anos, marcou o solitário golo leonino - estavam decorridos 90'+7, correspondendo da melhor maneira ao único cruzamento bem medido de Arthur. Já tinha sido dele a única oportunidade de golo do Sporting no tempo regulamentar da segunda parte (87') e chegou até a metê-la lá dentro pouco depois (90'), embora em fora-de-jogo. O mais novo e provavelmente menos bem pago do plantel, neste seu terceiro jogo no campeonato, mostrou a Paulinho, um dos mais experientes e bem pagos, como deve funcionar um avançado. Merecia um desfecho diferente.

 

De Fatawu. Outro jogador com idade de júnior. Lançado como ala esquerdo titular, após nem ter sido convocado para a partida anterior, deu boa conta do recado: veloz, acutilante, desequilibrador. Enfrentou com sucesso João Mário no seu corredor. Ficou por esclarecer por que motivo ficou no balneário ao intervalo, dando lugar ao apagado Nuno Santos. Será convocado para o próximo jogo ou volta a ser remetido para a equipa B, já impossibilitada de subir à Liga 2?

 

De Bellerín. À segunda, estreou-se a titular. Como lateral direito. Não ousou grande incursões no seu corredor, pois tinha o veloz Galeno pela frente. Mas cumpriu no essencial. Corte exemplar, precisamente num lance protagonizado pelo ex-Braga, aos 48'. Deu nas vistas numa acção ofensiva em que fez o mais difícil, oferecendo de bandeja um golo a Trincão, que por sua vez desperdiçou o mais fácil: metê-la lá dentro.

 

De ter havido 39.520 espectadores em Alvalade. Prova de confiança dos adeptos na equipa inteiramente defraudada pela péssima exibição da segunda parte e pela derrota contra a equipa dirigida por Sérgio Conceição. Há cinco jogos consecutivos que não conseguimos vencê-la.

92 comentários

Comentar post

{ Blogue fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D