Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Rescaldo do jogo de ontem

Gostei

 

Da vitória em Alvalade frente ao V. Guimarães. Triunfo caseiro pela margem mínima (1-0), mas que presta justiça àquela que foi sempre a melhor equipa em campo e a única que fez por vencer o jogo. Mais três pontos amealhados numa jornada em que conquistámos outros quatro: os nossos rivais directos empataram, o que nos coloca na liderança do campeonato.

 

De Mathieu. Voltou a ser irrepreensível nas tarefas defensivas e foi um dos jogadores mais inconformados, procurando sempre lançar os colegas para a frente. Deu ele próprio o exemplo no lance capital do desafio, aos 84', quando fez de ponta-de-lança recebendo na área um bom cruzamento de Acuña ao qual deu a melhor sequência num remate de primeira. Um disparo que valeu três pontos. Foi ele o melhor em campo.

 

De Acuña. Merece destaque pela combatividade, pela garra e pela acção de constante desgaste que exerceu no bloco defensivo adversário. Após uma primeira parte menos conseguida, foi protagonista das duas melhores jogadas do desafio: um remate acrobático, à meia-volta, aos 83' que proporcionou a defesa da noite ao guardião Douglas e a assistência para o golo, no minuto imediato.

 

De Fábio Coentrão. Enquanto alguns colegas metem o pé no travão e abusam de rodriguinhos inconsequentes com a bola, parecendo jogar só para merecer elogios de comentadores como Luís Freitas Lobo, ele nunca perde o objectivo: a baliza contrária. E sabe muito bem que a linha recta é o caminho mais curto entre dois pontos. Mesmo no período de maior desacerto colectivo, sobretudo na primeira parte, soube impulsionar a equipa e dar-lhe velocidade e acutilância.

 

De ter sido mais um jogo em que não sofremos golos. A nossa defesa voltou a demonstrar solidez e segurança - duas características indispensáveis numa equipa que sonha com títulos e troféus.

 

Da arbitragem de Luís Godinho. Mal se deu pelo juiz da partida, o que é sempre um bom sinal. Se todas as actuações dos árbitros fossem assim, o futebol português andaria muito melhor.

 

Da expressiva e emocionante homenagem a um adepto que sofre de um cancro terminal. Devidamente autorizado pela Liga, Daniel Raimundo, um taxista de 43 anos, deu o pontapé de saída simbólico neste jogo, escutando uma estrondosa ovação no estádio. Um gesto tocante, que só enobrece a generosa família leonina.

 

De voltarmos a depender só de nós. Estamos no comando da Liga, à condição, com mais um ponto do que o FC Porto - que ainda tem de disputar meio jogo - e mais três do que o Benfica. Boas perspectivas para conquistar o título. Nem pensamos já noutra coisa.

 

 

 

Não gostei

 

Do resultado ao intervalo. O empate a zero mantinha-se, o que provocou clara irritação nas bancadas de Alvalade. Antevinha-se uma segunda parte em sofrimento. E assim foi.

 

Da ausência de Gelson Martins. Cada vez mais me convenço que o jovem internacional é o melhor jogador deste Sporting 2017/18. Com ele afastado, devido a lesão que promete prolongar-se, a equipa perde velocidade, intensidade e profundidade. Ninguém acelera nem estica tanto o nosso jogo como ele. Hoje sentiu-se bem a sua falta.

 

Da lesão de Bas Dost. O ponta-de-lança holandês viu-se forçado a sair logo no início da segunda parte, dando lugar a Doumbia. Teme-se que possa estar parado durante algum tempo, o que seria uma péssima notícia para o Sporting.

 

Das oportunidades desperdiçadas. Bruno César, que substituiu Battaglia aos 63', disparou ao poste onze minutos depois na sequência de um bom cruzamento de Coentrão. Antes, aos 58', já Doumbia - muito bem lançado por William - permitira a intervenção de Douglas quando se encontrava isolado frente ao guarda-redes.

 

Da má condição física de alguns jogadores, que parecem jogar no limite da exaustão. Jorge Jesus vai ter de rodar ainda mais a equipa se quiser preservar alguns daqueles que considera titulares indiscutíveis. O Sporting ainda está em todas as provas e a intensidade dos desafios vai forçá-lo a isso.

 

De Rúben Ribeiro. Adorna demasiado os lances, congela-os, não progride com a bola, abusa das fintas redundantes e de inócuos passes curtos. Não por acaso, foi substituído ao intervalo pelo segundo jogo consecutivo. Jesus deve repensar seriamente se o mantém como titular.

 

De Montero. Substituiu Rúben Ribeiro mas também ele passou praticamente ao lado do desafio. Percebe-se que lhe faltam rotinas neste Sporting, muito diferente da equipa que conhecia há dois anos.

 

Dos assobios nas bancadas. Estavam decorridos apenas 38 minutos e já soavam sonoras vaias a Bruno Fernandes, Rúben Ribeiro e William Carvalho, entre outros, acusados pelo "tribunal de Alvalade" de enrolarem o jogo, adornarem os lances e preocuparem-se "mais com o tricot" do que com o ritmo ofensivo da equipa. Entende-se a insatisfação numa partida em que demorámos demasiado a desfazer o nó inicial e tínhamos um número excessivo de jogadores a actuar de costas para a baliza, sem romper as linhas adversárias. Mas não consigo aceitar estas manifestações de desagrado do público.

44 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D