Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Rescaldo do jogo de hoje

Não gostei

 
 

Do miserável comportamento dos dirigentes leoninos. Deixaram abalar por completo o balneário, num dia totalmente dominado pela notícia de que Silas seria o quinto treinador corrido em 18 meses do Sporting por Frederico Varandas, sem a menor intervenção no espaço mediático, deixando assim a equipa entrar em campo já derrotada. Não custa adivinhar o ambiente de cortar à faca no balneário, onde um técnico que já não o era, na prática, se sentiu obviamente impotente para juntar aqueles cacos. O resultado de tudo isto viu-se em campo desde o primeiro minuto. Perdemos 1-3, no terreno do Famalicão. E vemos o acesso à Liga Europa na próxima época cada vez mais longe.

 

Desta manta de retalhos com listas verdes e brancas. A desastrada política de contratações posta em marcha por Varandas, acolitado pelo director desportivo Hugo Viana, redundou nisto: um conjunto de 11 jogadores a que mal podemos aplicar o nome de equipa. Um conjunto que em cinco meses perdeu três dos melhores titulares: Bas Dost, Raphinha e Bruno Fernandes, vitais em 2018/2019 para a conquista de dois troféus. Todos tiveram substitutos claramente inferiores, como muitos de nós alertámos aqui. O resultado está à vista.

 

De Frederico Varandas. Assiste ao naufrágio da equipa profissional de futebol do Sporting com uma passividade chocante. E prepara-se para agravar a situação trazendo do Braga, a preço insustentável, um técnico que nem treinador é: estreou-se em Dezembro na Primeira Liga, onde até ao momento só cumpriu nove jogos. Palavras como mérito, esforço e excelência, neste Sporting, parecem ter emigrado para parte incerta.

 

De Hugo Viana. O que dizer dum director desportivo que passa o tempo atrás da cortina, jamais se expondo na praça pública mesmo nos momentos de maior crise anímica da equipa, e que parece privilegiar a contratação de amigos do Braga, onde jogou, valendo-se para o efeito do claro ascendente que exerce sobre um presidente que já demonstrou nada perceber de futebol?

 

De Eduardo.  Entrou de início, na aparente tentativa - inteiramente mal sucedida - de travar as investidas ofensivas do Famalicão. Entregou a bola ao adversário, falhou passes, foi incapaz de colocar a bola a mais de cinco metros e de progredir com ela controlada. Uma nulidade. Ao ser substituído por Francisco Geraldes, aos 75', concluiu-se o óbvio sem margem para dúvidas: permaneceu 75 minutos a mais em campo.

 

De Rosier. Enquanto Ricardo Esgaio, jogador formado no Sporting, brilha como lateral direito no Braga - nosso rival directo - temos de contentar-nos com o medianíssimo Rosier, sem categoria para jogar nesta posição no Sporting. Outra "pérola" descoberta pela dupla Varandas-Viana, a preço nada módico: custou 5,3 milhões de euros, acrescidos da entrega ao Dijon do passe de Mama Baldé, outro jogador que formámos e largámos da mão. Parece que nadamos em dinheiro, não é verdade, doutor Zenha?

 

De Sporar. Tentou, mas não marcou. Nem andou lá perto. Vendo bem, mal tentou. Não é Bas Dost quem quer. Para já, podemos concluir que Sporar nem uma réplica muito longínqua de Dost consegue ser. 

 

Dos primeiros dez minutos. Foram catastróficos - prova inequívoca de que os nossos jogadores actuaram sobre brasas, arrasados psicologicamente por efeito das notícias sobre a decapitação da equipa técnica horas antes do apito inicial deste Famalicão-Sporting. Um golo sofrido logo aos 2', outro aos 8'. A sorte do jogo estava lançada.

 

Desta rendição antecipada ao Famalicão. A equipa minhota não vencia um jogo desde 11 de Janeiro. Nas últimas 13 jornadas, só tinha ganho duas partidas. Hoje desforraram-se. Levando o Sporting ao tapete, aliás à semelhança do que já sucedera na primeira mão em Alvalade.

 

De um novo recorde negativo batido. Até esta noite, nunca tínhamos perdido no estádio do Famalicão. A triste estreia aconteceu hoje.

 

Da péssima finalização. Fizemos cerca de 40 cruzamentos: nenhum deles originou golo. Só uma vez a pusemos no fundo das redes. De bola parada, num livre cobrado por Acuña, que funcionou como assistência. E foi preciso um defesa metê-la lá dentro.

 

De vermos o Braga já a quatro pontos. Mas como agora até somos um "clube amigo" deles, Varandas e Viana nem devem importar-se.

 

De termos igualado o histórico de derrotas numa temporada. Somam-se já 15 - a mesma marca que foi registada na catastrófica época 2012/2013. No campeonato, temos tantas derrotas acumuladas como o Gil Vicente, o Moreirense e o V. Setúbal.

 

 

Gostei

 

De Coates. Pareceu-me o menos mal dos sportinguistas. Por ter marcado o nosso golo solitário, aos 45'+1. E por ter feito preciosos cortes e desarmes aos 32', 60' e 63', evitando danos maiores.

 

Do apoio dos adeptos. Eram cerca de 400 concentrados numa das bancadas do estádio. Não deixaram de puxar pela equipa do princípio ao fim.

56 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D