Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Rescaldo do jogo de hoje

Screen Shot 2018-08-12 at 21.26.48[1].png

  Bas Dost Marca o segundo golo (imagem: blogue Tu Vais Vencer)

 

 

Gostei

 

De termos começado o campeonato com uma vitória concludente, num terreno sempre difícil. Triunfo por 3-1 frente ao Moreirense, com golos marcados em exclusivo por jogadores que rescindiram com Bruno de Carvalho e voltaram com Sousa Cintra.

 

De Bruno Fernandes. Foi sempre o nosso jogador mais dinâmico e esclarecido. Vital para termos saído de Moreira de Cónegos com um resultado muito positivo. Coube-lhe o golo inaugural do Sporting nesta temporada oficial, marcado aos 16' num bom lance de área em que fez tudo bem: recepção, colocação e remate. E fez a assistência para o terceiro, num excelente passe de ruptura que isolou Bas Dost. O melhor em campo.

 

De Bas Dost. O holandês regressou aos golos e festejou-os com inexcedível entusiasmo, tornando ainda mais intensos os festejos dos adeptos leoninos nas bancadas. Marcou aos 74', com uma grande penalidade apontada de forma irrepreensível aos 74', e aos 90'+2, isolado perante o guarda-redes Jhonatan, picando a bola num soberbo gesto técnico que justificou vibrantes e merecidos aplausos.

 

De Jovane.  Estreia de sonho do jovem caboverdiano formado na Academia de Alcochete. José Peseiro lançou-o em campo aos 69', substituindo o apático Acuña: três minutos depois, numa iniciativa individual, foi derrubado em falta na grande área do Moreirense, arrancando assim a grande penalidade que nos permitiu desfazer o empate que se mantinha desde o minuto 16.

 

De Salin. Chamado de emergência para a baliza leonina, por inesperada lesão de Viviano, o guarda-redes francês agarrou muito bem o lugar, com uma notável defesa aos 68'. Atento entre os postes noutros lances, aos 35' e aos 66'. Sem culpa no golo sofrido logo aos 6'.

 

Do jogo. Mexido, movimentado, muito disputado. Com menos posse mas melhor circulação de bola do Sporting do que estávamos habituados. E com a nossa equipa em crescendo à medida que o tempo decorria e o Moreirense ia quebrando fisicamente.

 

Do apoio nas bancadas.  Forte presença leonina no estádio de Moreira de Cónegos. Uma vez mais se comprova que os adeptos do Sporting são incansáveis e insuperáveis no apoio à equipa. Nos bons e nos maus momentos, chova ou faça sol.

 

De termos superado o resultado de 2017/2018.  Vai fazer um ano, na jornada 7 da Liga 2017/2018, empatámos 1-1 em Moreira de Cónegos. Para já, Peseiro está a fazer melhor do que Jorge Jesus no campeonato anterior.

 

 

 

Não gostei

 

De sofrer um golo logo aos 6'. Deixámos o Moreirense marcar na primeira iniciativa ofensiva da equipa da casa. Jogada típica de contra-ataque, com Ristovski a falhar a marcação.

 

Que o golo do Moreirense tivesse sido marcado por um ex-Sporting. Um toque de classe de Heriberto Tavares, jogador formado na Academia de Alcochete. Mais um que não soubemos aproveitar e acaba por distinguir-se ao serviço de outros emblemas.

 

Do golo anulado a Bas Dost aos 24'. O nosso ponta-de-lança introduziu a bola na baliza adversária, na sequência de um cruzamento de Jefferson. As imagens confirmam que esteve lá dentro. Nem o apitador de turno nem o vídeo-árbitro repararam: este campeonato ainda agora começou e já está a suscitar polémica.

 

De Petrovic. O elemento mais fraco do onze titular leonino. Lento, preso de movimentos, sem capacidade de organizar o ataque com abertura de linhas de passe, deixando-se ultrapassar várias vezes pelos adversários.

 

Da lesão de Viviano. O guarda-redes italiano lesionou-se minutos antes do início da partida, quando fazia o aquecimento já no campo. Lesão que forçou Peseiro a mandar equipar o suplente Salin, que por ironia esteve há dias para ser dispensado do plantel leonino.

 

Que o técnico tivesse deixado de fora Carlos Mané e Matheus Pereira. Nem um nem outro chegaram sequer a sentar-se no banco de suplentes.

 

De ver o árbitro Tiago Martins amarelar os nossos melhores jogadores logo no início. O capitão Nani aos 2' e Bruno Fernandes aos 12' foram brindados com a cartolina amarela, alegadamente por protestos. Por parte de um árbitro que ganhou fama (injusta) de arbitrar à inglesa. Ao intervalo, já tinha exibido seis cartões, como se em Moreira de Cónegos se desenrolasse alguma batalha campal. E fechou a partida mostrando nove - incluindo a mais três jogadores leoninos - Petrovic, Coates e Jefferson. Um sinal evidente de incompetência no campo disciplinar.

24 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D