Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Reflexões sobre o Sporting (21)

green-carpet[1].jpg

 

 

 Autor convidado: Pedro Guerreiro Cavaco

 

 Não há voto útil nestas eleições

 

Faço desde já uma declaração de interesses. Apoio Rui Rego e faço parte da Lista E, candidata à Assembleia Geral.

Sem embargo, vou tecer algumas considerações sobre o que entendo de importante neste acto eleitoral.

 

O Sporting tem vivido há muitos anos em sistemáticos processos eleitorais. Os Presidentes que antecedem tiveram vida curta. Roquete liderou 4 anos, Dias da Cunha 5 anos, Soares Franco 4 anos, José Eduardo Bettencourt 2 anos, Godinho Lopes 2 anos e, por fim, Bruno de Carvalho 5 anos.

Em 15 anos o Sporting teve seis Presidentes enquanto Benfica e Porto apenas um. Isto tem muita importância e relevância e por aqui se compreende não apenas a instabilidade governativa como a sucessão infinita de modelos de governação sem que o sucesso desportivo se materialize e sem que a SAD dê lucros. Passam os anos e os sportinguistas, em vez de falarem de títulos conquistados e a conquistar, falam de reestruturações financeiras. E, extensivo e factual, todos os Presidentes que se sucederam prometeram o toque de Midas, a salvação, as soluções imediatas e mediatas.

Em vão, como vimos.

 

Por outro lado, e paralelamente, o Sporting tem-se revelado um clube que padece de autofagia. Impressiona a capacidade que temos de nos ferir e dividir. Os fenómenos do imediatismo com que comunicamos e dos inúmeros programas televisivos existentes com comentadores afectos aos clubes têm, na minha opinião, acentuado a questão. Mas entenda-se que o problema antecede, pois a tónica só se vislumbra no nosso clube.

Devemos todos, a bem de nós e do Clube, repensar este fenómeno e acima de tudo o conceito de Família Sportinguista que deveria imperar.

Retomando, não há muito tempo para inverter os sistemáticos ciclos de governação. Apresentam-se sete candidatos e a todos respeito profundamente pois considero-os, sem excepção, grandes sportinguistas que, na sua liberdade e sportinguismo, vão a jogo pelos superiores interesses do Sporting.

 

Ao contrário do que por aí ouvi, não há voto útil nestas eleições. Ninguém pode dizer votar em A para que B não ganhe. Se não há voto útil, todos os votos são pelo candidato e pelo projecto que se consideram melhores para dirigir nos próximos anos os destinos do Clube. É aqui, na verdade, que eu fiz a minha escolha. Escolhi um candidato desconhecido e que trouxesse novidade. Rui Rego é esse candidato. É novo, é um sócio comum do Sporting, não vem do croquetismo, tem ideias, tem visão a médio e longo prazo e acima de tudo corta radicalmente com os modelos de governance que tão maus resultados têm dado ao Clube.

É a única candidatura que se diferencia das demais com o seu modelo de gestão que, quando antes usado, deu os derradeiros  títulos nacionais ao Sporting.

É bom lembrar isto.

 

Olharia com desconfiança para um advogado, meu Colega, a dirigir a SAD de um Clube. Mutatis mutandis, olharei sempre com a mesma desconfiança para outros candidatos que assumam tal cargo porque, na vida, cada coisa a seu dono. É a minha opinião. Por isso estar tão identificado com o modelo de profissionalismo que Rui Rego propõe. Acho sensato e perfeito. Tem um homem que sabe de futebol como poucos para liderar a SAD.

A propósito de visão, destacaria indubitavelmente a proposta feita para o Estádio do Futuro, ecológico, digital, sustentável e rejuvenescido.

Isto é ter visão, é ir além de chavões.

 

No mais, todos os candidatos apresentam soluções para a gestão do futebol e Academia, umas melhores que outras, umas mais notadas que outras, mas todas válidas.

Naturalmente que dentro destas ambiciono para o meu Sporting a que tem mais mundo, mais conhecimentos, contactos e prestígio.

Falo de Roberto Carlos.

 

Por último, faço uma abordagem que me parece de absoluta importância. Falo da capacidade ou falta dela que as candidaturas têm mostrado para responder a uma simples pergunta: onde vão buscar dinheiro para o Sporting?

O Sporting precisa e muito de dinheiro para fazer face às necessidades mais imediatas mas igualmente para investir. Fique claro, sem investir no futebol não haverá títulos e seremos remetidos para a segunda divisão europeia. E isso, não queremos!

Não há um sportinguista que o queira, que o deseje.

 

Nas sete candidaturas, apenas duas apresentaram soluções deste cariz e destas apenas uma materializou com nomes concretos dos parceiros estratégicos. Este ponto é fundamental. Quiçá o mais importante.

Não menosprezo as equipas que se apresentam. Parece inconsistente as candidaturas que, ao longo de semanas, vão “encaixando” personalidades. Não tarda existirão mais pessoas que cargos e os conflitos serão uma possibilidade. Inversamente, dou maior ênfase a equipas formadas inicialmente e que vão à luta sem retoques ou cosméticas. Porque são estas que são verdadeiramente equipas e não aglomerados de pessoas.

No mais, aplauso para todas as candidaturas que pretendem que a Formação do clube volte a ser o que foi vários anos atrás, sem o desinvestimento verificado recentemente. E, por outro lado, aplauso para todos quantos pretendem que as Modalidades se mantenham na senda vencedora e com o investimento necessário mas racional.

Na conjugação das variáveis, uma lista me confere maior e melhor credibilidade para um Sporting de futuro. Futuro! E que a SAD dê lucros para fortalecer o Clube. É a lista E.

Nela irei votar porque quero um Sporting grande como os maiores da Europa.

 

 

PEDRO GUERREIRO CAVACO

Sócio n.º 34.858 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D