Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Quente & frio

Gostei muito que o Sporting tivesse assegurado esta noite a qualificação para os quartos-de-final da Liga Europa. Num jogo sofrido, desgastante, no deplorável relvado do estádio do Viktoria Plzen. A equipa checa, que partiu para esta segunda mão com uma desvantagem de dois golos, equilibrou a eliminatória com um par de disparos certeiros - o primeiro logo aos 6', o segundo aos 65', deixando o onze leonino intranquilo. Mas conseguimos aguentar o 0-2 até ao fim do tempo regulamentar, forçando o prolongamento. E só nestes 30 minutos suplementares fomos superiores ao campeão checo. No conjunto da eliminatória merecemos a passagem à fase seguinte. Onde somos o único representante português nas competições organizadas pela UEFA.

 

Gostei da capacidade de resistência dos nossos jogadores num ambiente adverso e num terreno quase impraticável, com o desgaste da viagem até à quarta maior cidade da República Checa somado às muitas partidas já efectuadas em diversas frentes nesta temporada. Não viraram a cara à luta e tiveram talento suficiente para superar a eliminatória. Destaco os desempenhos de Rui Patrício (o melhor do Sporting), novamente decisivo ao impedir o golo checo numa excepcional defesa aos 107', Battaglia, que nos valeu a presença nos quartos de final com o golo marcado aos 105'+2, e Gelson Martins, sempre o elemento mais acutilante do nosso ataque, capaz de criar bons lances para a finalização de Bas Dost, como aconteceu aos 19' e aos 109' - infelizmente sem aproveitamento por parte do holandês, que hoje foi o rei dos perdulários.

 

Gostei pouco das inovações de Jorge Jesus para esta partida. Desde logo a colocação de Battaglia como lateral direito, quando estavam no banco Piccini e Ristovski, jogadores rotinados nesta posição. Decisão absurda do técnico, que pareceu apostar na marcha-atrás: só aos 67' o argentino avançou para médio posicional, rendendo o inútil Petrovic, com a entrada de Piccini para o quarteto defensivo. Esta simples mudança operou um duplo benefício na equipa, até aí demasiado passiva: tornou a ala direita mais operacional e o nosso corredor central mais compacto, pois com Petrovic parecíamos jogar só com dez e com Battaglia fora da posição em que mais rende jogávamos com nove e meio. Resta saber por que motivo demorou Jesus tanto tempo a corrigir o erro. E também porque insiste em colocar Bryan Ruiz no onze, apesar da total falta de dinâmica do costarriquenho.

 

Não gostei das ausências de Coates e William Carvalho, impedidos de participar neste jogo por acumulação de cartões amarelos: ficou bem evidente a falta que fazem ao onze leonino. Também não gostei da meia hora suplementar de fadiga física da nossa equipa, que volta a jogar já no domingo, num difícil desafio frente ao Rio Ave para o campeonato. Vários jogadores terminaram esta partida na República Checa com notórios sinais de exaustão - com destaque para Mathieu, Fábio Coentrão e Bruno Fernandes. Não admira: o Sporting tem sido, de longe, a equipa com calendário mais desgastante das três que aspiram à conquista do título de campeão nacional, com 48 jogos disputados desde o início da época e 20 consecutivos já em 2018.

 

Não gostei nada de perder este jogo por 1-2, em grande parte devido ao conjunto de falhas inacreditáveis dos nossos jogadores à beira da baliza, em nova roleta de golos desperdiçados. Desde logo um penálti muito mal convertido por Bas Dost, aos 90': o holandês rematou frouxo e à figura do guarda-redes, com Bruno Fernandes a falhar a recarga, ao tentar um chapéu com a baliza aberta. Foram as perdas mais clamorosas, mas houve outras. Bryan Ruiz - para não fugir à regra - conseguiu atirar para fora com o seu melhor pé quando se encontrava isolado, aos 39'; aos 54', muito bem servido por Dost, rematou ao lado; e aos 98', de novo isolado, permitiu a defesa, desperdiçando mais um golo quase certo. Por sua vez Acuña, hoje um dos piores em campo, conseguiu falhar duas vezes aos 49', em recargas sucessivas: primeiro acertou no poste, depois mandou-a para a bancada. Um autêntico festival de golos falhados no batatal de Plzen.

42 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D