Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Quem não se sente...

Durante anos, comemos e calámos. Esse tempo acabou.

 

Vejo por aí algumas santas almas muito abespinhadas pelo facto de a direcção leonina ter decidido interromper o relacionamento institucional com o Benfica. Estranhamente para mim, algumas dessas almas são do Sporting. É o caso do advogado Carlos Barbosa da Cruz, que ontem se indignava na sua habitual coluna do Record contra o "isolacionismo sistemático prosseguido pela a[c]tual gestão do Sporting", que no seu entender não contribui para a "defesa adequada dos interesses do clube". Pressupondo-se, pela mesma lógica, que os interesses leoninos ficariam mais bem preservados com permuta de galhardetes e croquetes com o clube dirigido por Luís Filipe Vieira.

Barbosa da Cruz parece desconhecer um velho adágio popular muito português: quem não se sente não é filho de boa gente. Nos últimos dias o Sporting foi repetida e continuamente desconsiderado pelo velho rival, de forma inaceitável.

Repito alguns factos: uma faixa exibida durante todo o jogo de futsal Benfica-Sporting em louvor ao assassínio do sportinguista Rui Mendes, vitimado por um very light em 1996; engenhos incendiários atirados pela claque encarnada para a nossa bancada superior norte no final do Sporting-Benfica, domingo à noite; ausência dos indispensáveis pedidos de desculpas por parte da direcção benfiquista; provocação suplementar do director de comunicação dos encarnados, chamando "folclore" aos legítimos protestos do Sporting.

 

images[9].jpg

 Bruno de Carvalho nas cerimónias fúnebres de Eusébio (Janeiro de 2014)

 

Durante anos, comemos e calámos. Esse tempo acabou, por mais que isso indigne um assumido benfiquista como o director-adjunto d' A Bola, José Manuel Delgado, que hoje - em sintonia com Barbosa da Cruz - escreve no seu jornal que "a decisão do Sporting de cortar relações com o Benfica não faz sentido".

Quanto mais alguns dizem e escrevem que isto não faz sentido, mais eu penso que faz. Por isso apoio esta decisão de Bruno de Carvalho. Tal como há um ano o aplaudi aqui quando encabeçou a delegação do Sporting que compareceu às cerimónias fúnebres de Eusébio da Silva Ferreira, que foi não só um símbolo do Benfica mas uma grande figura do futebol português. Confesso não me recordar o que na altura José Manuel Delgado e Carlos Barbosa da Cruz escreveram sobre o assunto.

 

Eusébio, jogador júnior de verde e branco em Lourenço Marques (Junho de 1958)

 

E a propósito de Eusébio: talvez muitos sportinguistas ignorem que por causa dele o Sporting - então presidido por Guilherme Brás Medeiros - cortou relações com o Benfica em 1960, situação que permaneceu inalterável até 1974, quando João Rocha entendeu restabelecê-las na sequência da Revolução dos Cravos.

O motivo para aquele corte? O Benfica desrespeitou um acordo de cavalheiros existente à época entre os dois clubes que obrigava cada um a não contratar jogadores às filiais do outro. Um pacto que os da Luz mandaram às malvas quando desviaram Eusébio do Sporting de Lourenço Marques para o Benfica, comprovando-se assim que nenhum acordo de cavalheiros é possível quando o cavalheirismo prima pela ausência.

Perdemos Eusébio, que nos teria dado muito jeito vestido de verde e branco, tal como antes dera ao Sporting de Lourenço Marques, onde o futuro King se sagrou campeão moçambicano com as nossas cores.

Mas não perdemos a dignidade. E recordo o adágio: quem não se sente...

 

Qual o balanço desportivo, em termos futebolisticos, desses 14 anos em que permanecemos de relações cortadas? Uma Taça das Taças (1964), quatro campeonatos nacionais (1962, 1966, 1970, 1974) e quatro taças de Portugal (1963, 1971, 1973, 1974).

Nove títulos, portanto. Não me parece nada mal. Imaginem se conseguíssemos algo semelhante nos anos mais próximos.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D