Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Quem joga para o empate, não vence

Quando se usa a expressão "depender só de nós" é a pensar em jogos destes. No confronto directo entre adversários que poderão discutir connosco a posição final no campeonato. Há dois anos, com Jorge Jesus, recebemos o FC Porto e vencemos por 2-1. Na época passada, o clássico disputado em Alvalade terminou com empate a zero. Ontem à tarde - saúde-se a hora, 15.30, a que começou o jogo - parecíamos ter voltado aos tempos nada heróicos da última época de Jesus, treinador mais bem pago do Sporting e de toda a história do futebol português.

Parecíamos também ter regressado dois meses atrás, ao tempo em que José Peseiro ainda comandava o futebol leonino: este confronto com os portistas terminou com dois médios defensivos de verde e branco, enquanto Jovane e o reforço Luiz Phellype se mantiveram no banco e Francisco Geraldes - estrela apenas no anúncio televisivo à venda de gameboxes, que parece estar em alta na Loja Verde - voltou a não ser convocado, apesar de também ser reforço. Neste aspecto dir-se-ia novamente que a história se repete: Jesus nunca foi à bola com o talentoso médio da nossa formação.

Ao contrário das aparências, quem segura o leme é Marcel Keizer - o mesmo que há mês e meio assegurava ter o "futebol de ataque" como filosofia de jogo, inspirado no dinâmico Ajax da década de 70. Dizem-me que míster Keizer anda a aprender com rapidez a falar o nosso idioma. Também o futebol de retranca muito à portuguesa, concebido menos para marcar do que para evitar que o outro marque, é conceito que parece estar a ser assimilado de forma bem rápida pelo tecnico oriundo da Holanda.

Sob este prisma, Keizer foi bem sucedido: o clássico, que contou com mais de 45 mil espectadores nas bancadas, terminou 0-0. Problema: precisávamos muito mais do que o FCP de vencer este jogo, disputado em nossa casa. Finda a primeira volta, os portistas continuam a oito pontos de distância. E as goleadas ao Vildemoinhos e ao Qarabag já eram.

Foi bom enquanto durou. Pena ter durado tão pouco.

 

 

grüne-ampel-587274_original_R_K_B_by_Dominik-Pöp

 

SINAL VERDE

 

RENAN. Vem demonstrando a cada jogo como foi acertada a sua vinda, ainda no tempo de Sousa Cintra. O guarda-redes emprestado pelo Estoril - e que ficará em Alvalade na próxima época - voltou a ser decisivo ao parar, em cima da linha da baliza, um perigoso remate de Soares. Esta defesa, aos 56', evitou que perdêssemos o solitário ponto ontem conquistado no nosso estádio.

COATES. Um dos melhores em campo. Ajudou a secar a temível dupla Marega-Soares, apoiado - é certo - pelos colegas que recuaram linhas em conjunto. Só uma vez, com um alívio deficiente aos 60', sobressaltou os adeptos que o aplaudiram ao vivo nas bancadas. Excepção numa tarde em que primou pela concentração e pela consistência, sem temer a equipa adversária.

MATHIEU. Actuação soberba do francês, cada vez mais imprescindível no onze titular leonino. Pela forma como controla todo o espaço aéreo da nossa defesa, pela rapidez de reflexos e noção exacta do tempo nas acções de corte - e também por ser o jogador que inicia com mais eficácia a nossa construção ofensiva, com a bola bem colocada, sem recorrer ao pontapé-para-a-frente. O melhor em campo.

JEFFERSON. É o patinho feio da equipa, fazendo arrepelar os cabelos de quem assiste ao jogo no estádio, mas desta vez teve uma actuação impecável. Veloz e concentrado a atacar, sem comprometer nas acções defensivas nem temer Marega, seu adversário directo. Bons cruzamentos aos 19' e 36'. Grande passe a isolar Bas Dost aos 45'+1. Abriu muito bem para Nani aos 69'.

RISTOVSKI. Chamado a jogo devido a lesão de Bruno Gaspar, aos 47', cinco minutos depois já tinha feito mais e melhor do que o colega. Dinâmico a atacar, muito combativo a defender, cumpriu na cobertura a Brahimi, um dos mais perigosos extremos do futebol português. Num lance de insistência, aos 77', cruzou para a cabeça de Bas Dost, que falhou o momento da impulsão. Merece a titularidade.

 

 

sinal[1].jpg

 

SINAL AMARELO

 

GUDELJ. Dá a sensação de actuar na posição errada. Não é médio defensivo de raiz e isso nota-se na falta de automatismos, própria de quem não está habituado a movimentar-se naquela zona do terreno. Muito recuado, sempre a curta distância dos centrais, ajudou a neutralizar o caudal ofensivo portista. Isolou Diaby aos 15' com excelente passe. Melhor momento: o tiro que desferiu aos 77', a 35 metros da baliza, para grande defesa de Casillas.

WENDEL. Actuação de formiguinha no miolo do terreno, a ligar sectores, por vezes demasiado agarrado à bola e sem sombra de ousadia no passe longo. Foi um elemento útil até as forças lhe começarem a faltar e se tornar evidente que, vindo de lesão recente, está ainda longe do fulgor físico exigido na posição. Saiu tocado, aos 90', mas devia ter sido substituído mais cedo.

NANI. Tarde pouco inspirada do capitão leonino, que parece longe da melhor forma física. Ainda assim, protagonizou bons momentos neste clássico, com destaque para um remate bem colocado aos 33', que Felipe desviou por instinto, e na precisão do seu passe curto. Foi decaindo no segundo tempo, terminando o jogo exausto. Percebe-se mal porque se manteve em campo até ao apito final.

BRUNO FERNANDES. Quando lhe deram espaço, teve os seus habituais momentos de qualidade, capazes de decidirem a sorte de um jogo. Sobretudo ao nível do passe cruzado a longa distância, desmarcando Diaby ou Nani aos 36', 40' e 52' - sempre de modo infrutífero. Muito menos eficaz nas bolas paradas, sobretudo na cobrança de livres e cantos. Também liderou, de longe, o nosso vasto caudal de passes falhados.

RAPHINHA. Talvez a equipa ganhasse com ele no onze titular, em vez do desastrado Diaby. Mas o extremo que veio de Guimarães ainda parece longe de aguentar mais de 45 minutos em plena forma. Desta vez entrou demasiado tarde, aos 81', e numa fase em que a equipa já agia mais por impulsos do que por convicção táctica. Limitou-se a incutir algum dinamismo ao flanco direito.

PETROVIC. Chamado a render Wendel já no tempo extra, a sua entrada em campo confirmou à equipa que o técnico estava satisfeito com o empate a zero. Ajudou a tapar linhas de ataque reeditando o duplo pivô com Gudelj que tantas críticas mereceu dos adeptos no tempo de José Peseiro. Cumpriu no essencial, sem brilho nem desacerto táctico.

 

 

semaforo[1].jpg

 

SINAL VERMELHO

 

 

BRUNO GASPAR. Bruno de Carvalho foi despedido pelos sócios a 23 de Junho, Bruno César regressou ao Brasil e este Bruno também não parece fadado para permanecer muito tempo em Alvalade. É certo que enfrentou Brahimi, mas sempre muito retraído, sem nunca conseguir canalizar jogo pelo seu flanco. Jefferson, do outro lado, fez muito mais. Saiu tocado, aos 47'.

DIABY. O jovem maliano vindo da Bélgica, uma das contratações mais caras do defeso, tarda em mostrar utilidade. Move-se muito mas trabalha pouco para o colectivo. E parece deslocado tanto no eixo do ataque (como ficou bem evidente na derrota em Tondela) como no flanco direito, onde jogou este clássico. Incapaz de municiar Dost, desperdiçou passe de bandeja de Gudelj aos 15' e rematou frouxo aos 63'. Substituído aos 81', já saiu tarde.

BAS DOST. Tarde para esquecer do avançado holandês, que parece apagar-se nestes jogos de alta pressão e continua sem conseguir marcar ao FC Porto. Três vezes bem servido à frente, nunca preocupou Casillas: aos 36' e aos 77', cabeceou sem força e ao lado; isolado perante o guarda-redes aos 45'+1, parecia um defesa a atrasar-lhe a bola. Aos 49', centrou rapidamente para ninguém, como se a redondinha lhe queimasse os pés na área.

22 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D