Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Prognósticos só no fim do caminho do Rúben



O Sporting de Rúben Amorim é muito mais que um caso de sucesso no mundo estrito do futebol. Para lá dos resultados em campo, sublinhados outra vez na sexta-feira, há todo um modo de as coisas serem feitas que estamos a testemunhar e que devemos notar para poder aprender.

Gostamos muito de falar em lideranças porque somos uma cultura que gosta de homens providenciais e isso tem sido apodado também ao jovem treinador do Sporting. Ele é um bom líder. Também gostamos de histórias bonitas de fracos que vencem fortes e por isso se repete que o Sporting tem menos dinheiro e jogadores menos valiosos. Por último, na nossa cultura e enquadramento mental coletivo, parece-nos importante sublinhar a aplaudir a cultura do trabalho e da transparência, ainda que possa não ser essa a nossa doutrina. 

É como se se o repetíssemos muitas vezes e assim também nós e os que nos rodeiam passassem a fazer mais e a falar menos, cromados pela tal dimensão de humildade e franqueza hábil que Amorim faz transparecer de cada vez que é obrigado a falar pelos regulamentos (as conferências de imprensa antes dos jogos e as declarações a seguir são obrigatórias).  Não digo que este triunvirato de qualidade não pese, mas não explica tudo.

O que temos visto ser menos referido - talvez porque nos seja estranho - é a alquimia perfeita que Amorim faz entre competência, determinação e confiança no seu processo. Para todos os efeitos, o sucesso do Sporting de Amorim até à data, onde a percentagem de vitórias é até superior à dos tempos de glória de Mourinho no Porto, não é por causa do carisma, por ele ser ungido ou porque fala bem. É a prova provada de que a competência, a determinação e a fidelidade a um modelo e uma ideia compensam. Mesmo quando corre mal, verificamos que Amorim não transige e por isso Plata ou Joelson não têm lugar nem nos suplentes. Por isso, não quer craques em fim de carreira a preço de saldo. Por isso, escrevo eu, nem sequer quereria quase todos os jogadores na nossa selecção (talvez apenas Bernardo, Cancelo e Félix).  

O que os sportinguistas devem aspirar, acima de qualquer outra coisa, é que fique qualquer coisa desta fórmula tão simples como difícil de atingir, no dia em que Amorim saia do clube.  

9 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D