Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Peço desculpa…

… por não falar sobre a realidade do nosso clube.

 

 

A propósito do lançamento do livro/disco da gravação - inédita - de dois concertos de Zeca Afonso, ouvi na TSF uma entrevista feita ao jornalista Adelino Gomes e a outros responsáveis por este trabalho.

Nessa entrevista Adelino Gomes referiu-se a um outro concerto de José Afonso ocorrido nas Grutas de Lapas (Torres Novas) no dia 28 de Dezembro de 1968. Uma descrição desse espectáculo, organizado por um grupo de jovens ligados à Igreja, foi feita por uma jovem e publicado jornal Almonda, tendo – pasme-se a falta de atenção – passado no crivo da censura.

Não vou o adjectivar, simplesmente gostei do que li e transcrevi-o para vocês. Peço desculpa por alguma eventual gralha.

 

Peço, mais uma vez, desculpa por não falar do Sporting.

 

 

«Maravilhoso Espectáculo

NAS GRUTAS DE LAPAS

na noite de 28 de Dezembro

 

[CONVITE

Intimamos você a largar 30 paus e a comparecer pelas 21 horas (ameaçamos ser pontuais) de sábado 28/12/68, nas Grutas das Lapas, para ouvir o José Afonso, o José Amaro, o Jorge Vala.

Companheiros e paróquia das Lapas querem proporcionar-lhe uma noite basto gira.]

 

Recebi o convite ontem. O programa era tentador, por isso fui.

 

Grutas das Lapas, maravilhosas, iluminadas com luzes indirectas, cadeiras por todo o lado, que apesar disso não chegaram; não houve problema, sentámo-nos no chão.

Apesar de no programa o Padre Tiago ameaçar ser pontual, o José Amaro só começou a cantar às nove e meia. Cantou mais ou menos bem, mas foi um desapontamento ouvi-lo cantar o «Embuçado» — lembrei-me do João Ferreira Rosa. Acabou de cantar e logo nos surge o Jorge Vala, tal como o José Amaro, vestido sem preconceitos: umas calças velhas, uma camisola e uns sapatos de todos os dias. Escândalo para os mais velhos, faltava a gravatinha; para nós agradou, porque vimos que não era cenário, que era mesmo próprio da maneira de ser deles, marimbando-se do que os outros pensassem.

Recitou poesias do José Régio, Manuel Alegre e vários outros. Bem, nada exagerado, mas sentindo o que dizia. Relevo para a poesia «Rosas Vermelhas, dia 12 de Maio às 10 horas e 15 minutos».

O momento máximo aproxima-se e com ele surge José Afonso, sem preconceitos de espécie alguma, não se importando de ferir, de magoar, mas transmitindo-nos verdadeira poesia, nas suas baladas tão simples e ao mesmo tempo tão complexas.

Pediu desculpa, porque estava rouco, mas quando abriu a garganta e começou a cantar o «Menino do Bairro Negro», houve uma mudança total nas pessoas; as tosses e ruídos acabaram; nós, sentados no chão, em cadeiras, espalhados um pouco por toda a parte, ganhámos um pouco do mistério, da beleza, do sórdido, do que existia de inconformista na sua canção. O silêncio só era interrompido para cantarmos com ele o estribilho da canção. As nossas vozes não eram nossas,

eram as de todos aqueles meninos de Bairros Negros, existentes em todo o mundo.

E o Zeca Afonso continuou a cantar baladas tristes todas elas, mas tão belas, tão brutalmente reais: «Catarina», «No Tribunal» (adaptado de uma peça), «O Comerciante». «O Criado», «O Menino de Ouro».

O menino de ouro que é ainda mais abstracto do que o do Bairro Negro, mais difícil de atingir; «A Menina dos Olhos Tristes». E o José Afonso terminou com a «Balada dos Caídos», magnífica, dura, cruel, brutal. Choca-nos, acorda-nos do turpor em que as suas baladas anteriores, talvez mais fáceis, nos tinham feito cair.

Faz-nos vibra [sic], viver, nas grutas ouvia-se fazendo eco pelas abóbodas um cântico imenso, a reunião de todas as nossas vozes, vozes duras, que não podiam, mas exigiam, não éramos nós, mas sim todos os que tinham sofrido, que gritavam e gemiam.

E o José Afonso foi-se embora no meio de palmas loucas de nós que o admiramos, a ele que tem a coragem de lutar contra tudo e todos, contra o que julga que está mal; talvez ele às vezes esteja errado, talvez o seu ideal não seja o mais válido, talvez a política o domine e arraste, talvez, talvez, talvez... talvez... talvez... Há tantos talvez que ficam no ar e que não têm importância alguma. O que tem importância é que ele luta, ele grita, ele cria baladas, tentando construir um mundo melhor, tentando encontrar lugar nesse mundo para o criado, para todos os meninos de Bairros Negros que existem.

Nessa medida ele é grande, é um gigante e, além de tudo as suas baladas são belas, impressionam-nos porque a sua maior beleza reside na sua extrema simplicidade.

Em seguida Padre Fanhais, não estava sequer no programa, apareceu e, como todos sabemos que canta maravilhosamente, pedimos-lhe para o fazer.

É preciso ter ciasse e humildade, para cantar depois do Zeca Afonso; o Padre Fanhais fê-lo.

Com o Padre Fanhais — momento para o «Amor», para a compreensão. O José Afonso canta a guerra, a fome, o ódio. tenta construir um mundo mais válido; mas deixa-nos na interrogação, na dúvida. «É possível construir esse mundo em que há lugar para os que têm uma fome de estômago, uma fome fisiológica?» (J. A.) — ele já só pergunta e pede isso.

O José Afonso não nos diz se esse mundo é possível, leva-nos até a crer que a ambição, o egoísmo dos grandes, o impedem. Ele é assim inconformista, chora, grita por um mundo que sonha e não sabe se é realizável.

Ora o Padre Fanhais tem algo que falta ao José Afonso, tem fé.

Nas suas canções ele mostra-nos o que está mal, mas mais do que isso ele deixa-nos a sua mensagem, diz-nos que se nós quisermos poderemos mudar o mundo inteiro. E isso que noutros se tornaria caricato, um homem pensar que pode mudar o mundo — parvo. Nele, com ele, nós sabemos que é a verdade, ele sente o que canta, ele responsabiliza-se da esperança que nos dá.

E nós ainda inquietos, insatisfeitos contra tudo e todos, que julgávamos que o nosso ideal era irrealizável, sentimo-nos mais leves, mais sem problemas; porque um homem com fé, nos transmite a sua mensagem, mensagem essa nem sempre fácil, antes pelo contrário, mas na qual ele nos diz que se nós acreditamos de algo mas com todas as nossas forças, com todo o nosso Amor, nós consegui-lo-emos.

O Padre Fanhais cantou entre outras uma canção na qual o homem segue na noite, em busca de uma estrela, o seu ideal.

O estribilho não pode ser mais significativo e é:

Dura noite, noite bela / A caminho da estrela / Dura noite, noite bela / A caminho da estrela.

Cantou depois uma balada maravilhosa, uma balada de esperança, em que nos diz que o mundo é grande de mais, mas se todos os jovens do mundo derem as mãos, rodearão o mundo numa roda imensa.

E o Padre Fanhais cantou, cantou... e acabou com «Avisa-se», uma canção diferente das outras; o Padre Fanhais compô-la quando da morte de Luther King e Bob Kennedy. Como disse o P. Fanhais, o poema e a música há muito que bailavam na sua ideia, mas tinha de surgir uma ocasião para aparecer, nascer.

O P. Fanhais avisa toda a gente que por cada flor estrangulada, há milhares de flores hesitantes, mas que um dia se levantarão. Avisa-se por fim angustiadamente que é preciso mais flores, mais flores, mais flores.

Obrigámos o P. Fanhais a cantar três vezes o «Avisa-se». Ao fim quase chorávamos.

Portanto «Avisa-se» que tu deves ser uma flor, nós temos falta de flores.

Gritamos queremos um mundo em que todos os meninos de ouro e de Bairros Negros não passem fome de barriga.

Queremos um mundo melhor. Para isso não podemos estar parados esperando que os outros modifiquem o mundo, somos nós que temos de o fazer. Eu falo por mim, eu quero também fazer qualquer coisa na construção de um mundo novo; mas eu tenho medo de que me arrastem, confundindo-me e ao que quero para movimentos políticos. Eu quero, nós queremos, sabemos o quê? Mas os outros sabem-no?

E até poder descobrir o caminho a seguir eu só poderei cantar — Dura noite, noite bela a caminho da estrela.

Como eu desejo um dia encontrar essa estrela!

 

[Assinatura]

Madrugada de 29 de Dezembro/68»

 

In: Jornal O Almonda, n.º 2889 de 11 de janeiro de 1968

1 comentário

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D