Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Para o ano é que é!

98_jose_alvalade.jpg

(Contrariamente ao que sempre aqui fiz - pois penso que o clubismo deve estar apartado da vida político-partidária - este postal explicita algumas posições políticas. Permito-me a isso dado que se trata de uma despedida. E como é despedida é um texto longo.)

 

Após o acidente de viação acontecido com o antigo presidente do clube Santana Lopes deixei aqui um breve postal desejando-lhe rápida e total recuperação. De imediato surgiram os comentários no tom que aqui se tornou comum há já um ano, desde a crise presidencial no clube: "Só um blog como este é que enaltece Santana Lopes e critica BDC e Carlos Vieira", diz um anónimo, tratando-me sarcasticamente por "Sr. Jpt", e (ele ou outro anónimo) completa considerando-me entre uns "groupies" do Santana", enquanto [(ele ou outro(s) anónimo(s)] aproveitam o acidente para lançar(em) críticas ao actual presidente Varandas. Isto para além de críticas à competência política de Santana Lopes e dichotes sobre o acidente que o deixou hospitalizado. Note-se que este tom é radicalmente diverso do surgido noutros locais de discussão político-partidária, nos quais a oposição ao indivíduo não se expressa com tamanho acinte. E é um tom típico dos comentários aqui no blog, seja lá qual for o tema do postal comentado, bem como do que se vem passando em inúmeros locais de debate sportinguista.

 

Sobre a questão política - excêntrica ao sportinguismo, repito - a coisa é simples: eu blogo há 15 anos, muito botei sobre esse tipo de matérias. Alguns dos co-bloguistas conhecerão (parcialmente) o que fui botando, quiçá também um ou outro dos leitores. Não sou militante nem mesmo simpatizante do partido de que PSL foi presidente, ainda que ocasionalmente nele tenha votado - mas nunca, por coincidência, em legislaturas nos quais ele tenha pertencido ou presidido ao governo. PSL lançou agora um partido novo e eu, desgostoso com as grandes forças da oposição, botei noutros blogs onde escrevo que oscilo na simpatia entre dois partidos, bem contrastantes, para estas próximas eleições, devido ao apreço que alguns candidatos dessas listas me convocam. Um desses é exactamente o partido de PSL e explicitei que a minha simpatia advém de um candidato colocado em lugar inelegível, um confrade bloguista, e isso apenas porque ele - do qual me separam perspectivas ideológicas - tem um imenso mau feitio que muito me agrada. Entenda-se, dá porrada que se farta nos poderes instituídos. Sobre a minha propalada ligação política a PSL está tudo dito.

 

Sobre a sua presidência do clube já aqui referi, e até por mais do que uma vez, um texto meu de 2008: O Sporting e o Projecto Roquette. Não julgo que esteja muito conseguido. Mas nele expressei (repito, em 2008) o meu radical desagrado com a gestão do Sporting desde a chegada a presidência de ... Santana Lopes. Mesmo sabendo que ele foi então um presidente episódico. Considerando que entre esta e a de Bettencourt ocorreu uma devastação estrutural do clube, conduzida por um grupo social, constituído por uma elite socioeconómica ligada à construção civil e à banca (por isso aparto Godinho Lopes, do qual não tenho boa memória mas que me parece proveniente de outras dinâmicas sociais). Considerei na altura que o Sporting era como que um micro-cosmos do país, como os anos subsequentes vieram a demonstrar. Mais ainda, já aqui escrevi que foi durante a sua presidência que me apartei da vida associativa do clube: ele pediu aos associados um ano de quotas adiantadas enquanto contratava um caríssimo jogador checo que nada fez. Achei que tudo isso era um despautério e neguei-me. E depois emigrei ... Sobre a minha propalada ligação à presidência clubística de Santana Lopes está tudo dito.

 

Tanto nesse postal como no imediato - um postal sobre o "A Bola", que eu tinha em rascunho e terminei hoje -, surgem comentários dizendo-me ao serviço de uma agenda, obscurecedora, defensora de Frederico Varandas. Eu não blogo por agenda, faço-o por mero prazer. Nem este blog tem agenda, a gente não combina nada, não há instruções nem contactos internos para conduzir os textos ou os temas. De vez em quando há um jantar, aparecem alguns dos co-bloguistas, a gente come um bife, fala (muito) do Sporting, bebe umas imperiais, fala (um bocado) de outras coisas. E até à próxima ... Mas continuamos, sistematicamente, a ter comentários anónimos dizendo-nos "ao serviço" de algo e de alguém. Eu desejo todos os sucessos a Frederico Varandas. Mas quando ele anunciou a sua candidatura aqui expressei o meu desagrado pelas suas declarações, pelo conteúdo cultural que veicularam.  E critiquei a demissão de Peseiro, e a forma como escolheu o treinador seguinte. E bastante resmunguei com a continuidade deste, o que chamei, se não estou em erro, uma teimosia ingénua do actual presidente. Só espero estar enganado. Mesmo assim os anónimos invectivam-me (e aos co-bloguistas) de estar(mos) "ao serviço" ... Sobre a minha propalada avença (moral que seja) da presidência de Frederico Varandas está tudo dito.

 

Sobre Bruno de Carvalho já repeti ene vezes o percurso. Apoiei-o desde que foi em campanha a Maputo. Até mesmo aos momentos em que a mínima razoabilidade deixou de existir no seu percurso. O Pedro Correia tem vindo a lembrar os postais do ano transacto, dia a dia. Terei sido dos últimos deste blog a esperar uma inflexão, diante do evidente desatino (disse-o com alguma ironia aqui, ainda em Fevereiro de 18, e depois já em Abril, ainda que de facto já descrente dessa possibilidade, num #Je suis Bruno). E ainda propus que se afastasse uns tempos, para repousar, recalibrar, deixando a gestão à sua equipa - então ainda em torno dele congregada. Mais ainda, quando em Setembro foi noticiada a hospitalização de Bruno de Carvalho aqui deixei um enfático postal desejando-lhe rápida melhoria do seu estado de saúde (bem mais enfático do que o agora deixado a Pedro Santana Lopes, ainda que este tenha sofrido algo fisicamente mais gravoso). Mesmo assim os anónimos apoiantes de Bruno de Carvalho aqui vêm invectivar, de modo sarcástico e insultuoso, o acto curial de desejar uma rápida e total recuperação a um antigo presidente do Sporting.

 

Este longo texto não é auto-justificativo. Com ele quero apenas sedimentar a perspectiva que esta barreira constante de comentários anónimos defendendo a anterior presidência e invectivando o(s) bloguista(s) não se relaciona com o conteúdo dos postais (seja Jovic, seja Santana Lopes ou outro tema qualquer). Desde a crise presidencial do ano passado que os comentários do És a Nossa Fé conhecem esse registo abrasivo, insultuoso e, acima de tudo, deturpador. Mas algo mudou desde então. Pois no ano passado aqui abundaram comentários cuja forma muito concordava com o que se encontra nas páginas digitais dos jornais desportivos: o uso recorrente das maiúsculas, o exagero da pontuação, a estreiteza lexical e, acima de tudo, as imensas incorrecções ortográficas e sintácticas. Nisso demonstrando que muitos dos aqui invectivadores apoiantes de BdC provinham de núcleos sociais pouco letrados, por ele e seu peculiar carisma congregados. Isto não é uma crítica, é uma constatação de um fenómeno sociológico. Ora isso desapareceu, aqui e em alguns outros locais, correspondendo ao óbvio esvair desse fenómeno, o qual, como sempre nestas questões, não se repetirá com o mesmo formato. As insatisfações e os anseios, refractados naquela "onda verde", estão aí para serem captados por alguém (partidos, igrejas carismáticas, agentes de clubes, etc.). Até um neo-brunismo poderá surgir. Mas já não aquele, com aquela personagem.

 

O que ficou neste blog, enquanto comentadores residentes e abrasivos, foi outro núcleo que já então também abundava. São todos anónimos e letrados. Uns serão adeptos daquilo. Mas outros são muito mais do que isso: já então se percebia mas a constatação surgiu há pouco. O Sporting encomendou uma auditoria. Inaceitavelmente os resultados desse trabalho surgiram na imprensa - e eu não acredito que tenha sido a empresa a provocá-lo, as empresas levam por demais seriamente o seu trabalho para se arriscarem a prejudicar a sua reputação e o seu futuro dessa forma. Mas essa indiscrição, que julgo responsabilidade interna do clube (não afianço, presumo apenas), permitiu saber os sobre-gastos com trabalhos de comunicação oficiosa. Entenda-se, a presença na internet, a "contra-informação", exercida de modo anónimo, constante. Essa actividade não foi monopólio ou invenção do Sporting, é habitual noutros clubes, existirá nas empresas, e está viçosa na política. E subsiste, pelos vistos, nos resquícios do "brunismo".

 

Creio que o que se passa neste blog é apenas isso, um total abastardamento do debate sportinguista por parte não só de alguns adeptos do antigo presidente mas também de alguns dos seus agentes. Para além daqueles que defendem essa economia paralela, que subsiste nas claques, e que enfrentam a renitência da actual presidência em continuar a financiar as suas chefias e facilitar o seu pobre fruir existencial. 

 

Cada vez que abro o És a Nossa Fé, para ler ou para blogar, encontro um rosário desses comentários anónimos. Concebo, e já o disse aqui, o bloguismo como um espaço conversacional - isto não é um órgão de comunicação social, é um ponto de encontro entre pessoas que têm interesses algo comuns e opiniões compatíveis, mesmo que discordantes. É uma mesa de tasca, uma esplanada de café, um bom balcão de bar. Locais de convívio, entre amigos, conhecidos, vizinhos ou meros desconhecidos. Mas nunca anónimos. Nós frequentamos esses locais convivenciais porque nos agrada o ambiente, porque encontramos aqueles com quem nos sentimos bem. E porque neles não somos constantemente incomodados por gente desagradável. E eu esgotei toda a paciência para estar em sítios onde sou, e os meus convivas também, sistematicamente incomodados por gente anónima, insultuosa, que utiliza este espaço não para conversar, criticamente que seja, sobre os temas abordados mas para tentar manter viva a possibilidade de obterem recursos do clube, aparentar um viço brunista que inexiste. E fazendo-o de um modo desonesto. Pois anónimo. E deturpador. Insisto no que muitas vezes botei, e aqui também: não há espaço numa sociedade democrática para a opinião anónima. Haverá para a criação literária e artística. Mas para o apoiar ou desapoiar exige-se o nome. Mesmo que seja apenas sobre a, de facto, nada importante bola. Não é aceitável o anonimato explícito ou o mero amontado de letras. E não há espaço para esta contra-informação em busca da pilhagem dos recursos das instituições para benefício próprio.

 

Ou seja, vou comer codornizes (caracóis não) para outra tasca, beber umas imperiais para um qualquer café, e um ou outro uísque (novo, que é o que posso agora) num bar da vizinhança. Onde a clientela não tenha também desta gente. Intrusiva, deturpadora, incomodativa. Anónima. A ralé letrada. 

 

Aos co-bloguistas, aos tantos comentadores simpáticos (concordantes e discordantes) deixo um óbvio "Para o ano é que é!". E desejos que tenham muita paciência para aguentar estes visitantes. Anónimos. E deixo ainda um agradecimento por me terem aturado.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D