Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Os lamentos de Rúben

Naquela noite de 12 de Abril, uma semana depois das calamidades no relvado e no Facebook que marcaram a visita ao Atlético de Madrid, o caldo verde e branco estaria irremediavelmente entornado?

 

Cheguei a crer que não, mesmo sem poder estar em Alvalade - acreditei até às sete e pouco que conseguiria acabar aquilo que tinha em mãos a tempo, mas optei pelo realismo e emprestei a gamebox a uma colega de redacção. Montero marcou cedo, redimindo-se do tardio falhanço em Madrid que teria minorado os erros de Mathieu e de Coates, e bastava outro golo para levar o acesso às meias-finais da Liga Europa para uma decisão através de grandes penalidades que permitiria a Rui Patrício amargar Griezmann, ao melhor estilo da final do Europeu de 2016.

 

Só que a rapaziada perdeu o fôlego, o intervalo nada melhorou, os minutos esgotaram-se, e Jorge Jesus olhou para o banco, fazendo entrar o irreverente júnior Elves Baldé para o lugar de Bryan Ruiz... Mas não, não foi assim que aconteceu. Quem entrou em campo, aos fatídicos 70 minutos de jogo, foi Rúben Ribeiro, que nada acrescentou à modorra que ainda assim permitiu a única vitória caseira da temporada (até àquela data, pois ainda foi possível derrotar o FC Porto na segunda mão da meia-final da Taça de Portugal, obtendo nos pénaltis o infausto salvo-conduto para o Jamor) do Sporting contra os muitos tubarões que o visitaram.

 

Temo ser injusto, mas a entrada de Rúben Ribeiro naquela altura daquele jogo foi terrivelmente simbólica por tudo o que representou de previsível no esgotado consulado de Jorge Jesus. Nunca saberemos se Elves Baldé teria o desplante e a destreza para dinamitar a defesa do Atlético de Madrid, mas já o extremo contratado no mercado de Inverno ao Rio Ave foi igual a si próprio: para mal dele, e para mal do clube, demasiado pequeno para o Sporting.

 

Na entrevista exclusiva hoje publicada pelo ‘Record’, aquele que terá sido o único jogador do anterior plantel a alegrar a maioria dos adeptos ao avançar para a rescisão, alegando justa causa, lamentou-se por não poder jogar, tal como se lamentou por a comissão de gestão e pelos novos dirigentes terem exigido um ou mais milhões pelo seu passe a clubes interessados em contar consigo. E por terem travado a disponibilidade que demonstrou de regressar ao Sporting, seguindo os passos de Bas Dost, Bruno Fernandes e Battaglia...

 

Quanto à tristeza de Rúben Ribeiro por não estar a fazer aquilo de que gosta, e que é a sua profissão, compreendo-a - por mais do que um motivo. Mas nem assim admito voltar a vê-lo de leão ao peito, nem desejo que o clube abdique de ser devidamente ressarcido pelo investimento que fez neste futebolista, a quem desejo, sinceramente, o melhor futuro possível. Bem longe de Alvalade.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D