Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

O triolho

Lion-with-Three-Eyes-120674.jpg

 

Blogo há muitos anos. E facebuco (uso o FB para ecoar os textos blogais). Nisso muitas vezes me acusam de "violência verbal". Não muito para as coisas da bola, pois as minhas irritações dedicam-se muito mais a outras facetas deste rame-rame da vida, essas que não são nada para aqui, este És a Nossa Fé, chamadas. Percebo as acusações, muita gente considera errado aquilo que reclamo, a utilização extensiva do léxico, aquilo a que se pode chamar, em termos da moda actual, a "gentrificação" do calão, do jargão. Do palavrão. Parece-lhes errado e, em particular para os que me conhecem, parece-lhes nada condizente com o meu estatuto, aquele do doutorzeco classe média vulgar de Lineu. Insisto, repetidamente, nessa necessidade do recurso ao português amplo, na insubstituibilidade dos vitupérios. Entenda-se, os cemitérios estão cheios de insubstituíveis. Mas não de termos insubstituíveis. Estes são, mesmo que em desuso, sempre recuperáveis para descrever e/ou atingir os malvados alvos que por aí pululam. Reclamo, pois, não só o direito à imprecação e ao insulto - que nunca calúnia, e é essa a única fronteira - mas, acima de tudo, o dever cidadão do insulto. 

 

Meto este preâmbulo para que não me digam "visconde" das teclas, "amaneirado" das letras ou coisa similar a este propósito, o que me conduz o postal. Que é o da interrogação: qual a economia discursiva, qual o objectivo ético, qual a estratégia comunicacional, qual o horizonte político, que conduz um presidente de um grande clube português a convocar uma conferência de imprensa, coberta pela quase totalidade da comunicação social portuguesa, devido ao ambiente de crise auto-provocado, para anunciar aos sportinguistas e à esmagadora maioria dos portugueses, que "Eu não sou daqueles que dormem com um olho aberto. Eu quando durmo tenho os três olhos fechados"?

 

Alguém que me explique, sff. Porque caso contrário eu fico-me nesta ideia. A de que isto nem demencial é. É patético. Ou melhor dizendo, e que me desculpem os co-bloguistas deste És a Nossa Fé pela minha quiçá deselegante liberdade de linguagem, é uma merda. Inútil.

34 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D