Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

O que nos vale é o Sporting!

Saímos cedo de Macedo de Cavaleiros, em direção à fronteira, debaixo de um nevoeiro cerrado e temperaturas negativas. A geada cobria a paisagem, nem as árvores escapavam. Ao passar em Bragança, o termómetro do carro mostrou cinco graus negativos.

Do lado espanhol, a coisa não melhorou: Zamora, Toro e Valhadolid pareciam estar encarceradas numa arca congeladora. Em Burgos, enfim o sol! Fizemos uma pausa e, ao contrário de em Toro, pudemos passear a cadela sem tiritar. Nas montanhas bascas, vivemos uma primavera antecipada, mas depressa escureceu e, como se não bastassem os dias pequenos de inverno, chegámos a Bordéus debaixo de uma chuva miudinha.

O quarto do hotel estava quente demais e não se podia regular o aquecimento. O sono não foi tranquilo. Passámos o dia seguinte debaixo de chuva. A temperatura descia e a tempestade aumentava de intensidade, à medida que nos aproximávamos de Paris. Pudera! Vivemos tempos bizarros, em que se executam caricaturistas!

Deixámos para trás as convulsões da capital francesa e pernoitámos em Valenciennes, junto à fronteira belga. Desta vez, a temperatura do quarto era mais agradável, mas, a meio da noite, alguém resolveu festejar, com música alta. Não chegámos a saber se era no hotel, se fora dele.

Partimos às seis e meia da manhã, mais mortos do que vivos, tendo ainda setecentos quilómetros pela frente. Atravessámos uma Alemanha fustigada por ventanias e saraivadas, por vezes, a visão era mínima. E já nem falo nos passeios com a cadela...

Chegar, descarregar o carro, arrumar as coisas, tentar estabelecer a ordem no meio do caos. Quando pude, liguei o computador, li os mails, vagueei um pouco pela blogosfera… Eram cerca das nove e meia (na Alemanha, é uma hora mais tarde), quando o meu marido me veio dizer: «A RTP Internacional está a transmitir o Braga-Sporting. 0:0 ao intervalo».

Já não me demorei na internet. Fui ver a segunda parte. O Sporting começou bem, mas as oportunidades falhadas sucediam-se. Na parte final, o Braga cresceu e eu já rezava que não marcassem, que se salvasse, pelo menos, o empate.

Em tempo de descontos, a entrada violenta de Matheus sobre Tanaka. O guarda-redes só levou o cartão amarelo. «Haviam de marcar este golo», disse o meu marido, «sempre se fazia justiça por o Matheus não ter visto o vermelho».

E não é que o Tanaka marcou mesmo? O Tanaka marcou um golaço!

O que nos vale é o Sporting! Para nos abençoar o sono e nos fazer esquecer as agruras de atravessar meia Europa de carro em pleno inverno!

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D