Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

O fosso

22232439_8ZzTK.jpeg

 

Segundo a Wikipedia, um fosso (do latim "fossa"), em arquitectura militar medieval, é uma escavação profunda e regular, destinada a impedir ou dificultar o acesso do agressor à linha de defesa de uma fortificação. A terra, retirada durante a sua escavação, pode ser utilizada para erguer muros de defesa. Conforme o tipo de seu preenchimento, pode ser "seco" ou "molhado".

No nosso estádio temos uma coisa desse tipo, que apenas dificulta o acesso dos sócios e adeptos ao jogo, uma ideia realmente estúpida de alguém que talvez sonhasse em fazer do estádio um palco de grandes concertos. E agora lá temos aquela coisa que não serve para nada mas da qual custaria muitos milhões vermo-nos livres. Se calhar mais barato ficaria implodirmos o estádio e fazermos um novo. 

No futebol português também existe um fosso. Dois compadres construiram uma fortaleza com duas torres altaneiras, foram partilhando títulos internos e milhões de participações externas, repartindo "padres", actuais e futuros, como nos drafts da NBA, infiltrando os órgãos decisores de ex-dirigentes e adeptos, colonizando outros clubes, implantando amigos e cartilhados em tudo o que é Comunicação Social, até com a pandemia Covid conseguiram montar uma Unilabs "à maneira". Tudo limpinho, limpinho, limpinho. Ainda temos hoje árbitros que são filhos ou familiares doutros que lá andaram nos tempos dos "quinhentinhos" e dos "cafés com leite". Sem hipóteses de "mijar fora do penico" e sempre prontos a uma ajudinha nos momentos críticos. 

E o castelo foi prosperando. Ganhar traz dinheiro, dinheiro traz capacidade de montar equipas competitivas, equipas competitivas trazem capacidade de ganhar. E quando estão com dificuldade, alguém amigo do castelo dá o jeito. E nas conquistas todos aparecem. Dos pedreiros aos juízes. Claro que sempre houve um ou outro momento em que as duas torres estavam tão distraídas uma com a outra que aconteceu uma entrada furtiva. Mas logo houve um tocar a reunir, no Rei dos Leitões ou noutro sítio qualquer. 

E depois o tal fosso. Qualquer um que não alinhasse não chegaria ao castelo, árbitro inconveniente ou clube que se armasse em independente podia ter a certeza que lhe corria mal a vida. Como correu ao Sporting, muitas vezes esteve quase a ganhar mas depois uma mãozinha dum árbitro, uma azia doutro, uns jogos que pareciam oferecidos a outros, uns jogadores que pareciam estar a jogar de camisola trocada. Como no ano passado em que Palhinha recebe um amarelo inacreditável antes do jogo com o Benfica e Gonçalo Inácio é expulso em Braga. Como naquele ano distante em que perdemos com o Porto em casa com o Manuel José como treinador e ele estranhou o rendimento dum ou doutro dos seus jogadores. Se calhar por isso nunca treinou o Porto. O tal fosso.

E ao dia de hoje o tal fosso ainda lá está, mesmo que bem mais pequeno do que já foi. O fosso existe nos orçamentos e valor dos plantéis daqueles dois relativamente ao nosso clube, nas arbitragens que nos castigam duramente (na B então é mesmo à descarada), nas equipas que contra nós parece que tomaram a poção do Astérix e que contra os rivais chá de cidreira, nos adeptos doutros clubes que parecem adeptos doutro rival. Ainda agora o Porto a perder com o B-SAD contou com um jogador da outra equipa que resolveu sair dali depressa e ir tomar banho, tal era a despreocupação com que entrava aos lances, e até conseguiu ter um jogador lesionado no banco para levar um amarelo e lesionado cumprir o castigo. Outro episódio dos "chitos" à moda do Porto.

Apesar dos títulos alcançados nas últimas três épocas, 1 CN, 1 TP, 2 TL, 1 ST, para muita gente influente aqui e ali o Sporting continua a ser o terceiro clube português, algures entre os dois maiores e o Braga. E sabem bem porquê. 

Por isso entendo que Frederico Varandas esteve muito bem na última entrevista em denunciar o tal fosso e apontar para a sua extinção, num momento em que, dos dois compadres donos das torres, um já saiu de cena vergado a um conjunto de acusações que envergonham qualquer um e o outro, pela idade que tem, já se julga inimputável e se calhar tem razão, vai ser a lei da natureza a decidir do seu destino.

 

#JogoAJogo

SL

22 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D