Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

O dia seguinte

Foram três os lances duvidosos em que o árbitro podia ter desequilibrado a partida em favor do Sporting: o pontapé na cabeça de Coates, o pisão na perna de Slimani e a carga a Matheus Reis. Todos o árbitro deixou passar sem punição, quando já vimos penáltis serem marcados e jogadores expulsos ou duplamente amarelados por faltas bem menores. Entre o Porto-Sporting, o Moreirense-Porto e este Marítimo-Sporting a arbitragem portuguesa ofereceu o título ao Porto. Se no ano passado havia o escrutínio da FIFA e de David Elleray, este ano Pinto da Costa - depois da queda de Vieira e se calhar do "trabalho" de Rui Pinto - ficou os árbitros nas mãos, se calhar presos "by the balls". 

Foram três os lances em que não tivemos um pingo de sorte e que presumivelmente nos dariam a vitória: o centro que encontra a canela e não o pé de Slimani, o remate de Porro dos dois ferros e a cabeçada de Coates a rasar o poste mais longo. Ontem no Funchal a estrelinha da sorte esteve mesmo ausente.

Foram três também os interiores que estiveram fora da convocatória por motivos conhecidos: Pedro Gonçalves, Sarabia e Tabata. Com isso, Amorim abdicou do seu 3-4-3 para pôr em campo aquele 3-5-2 que muitos sócios andam a reclamar e que com ele nunca deu bons resultados.

 

Ontem até podia ser o sistema adequado no batatal do Funchal - o relvado de Alvalade mesmo nos piores momentos desta época não tem comparação possível com aquilo - mas a equipa entrou desconfortável, ofereceu um golo e mais desconfortável ficou. Tentava sair a jogar como habitualmente no 3-4-3 mas os posicionamentos não eram os mesmos a meio-campo. Tudo saía pastoso e previsível. Ugarte andava por ali, Matheus Nunes e Daniel Bragança (a jogar de pé contrário) perdiam passes sobre passes e eram incapazes de servir eficazmente a dupla avançada através de bolas em profundidade ou centros em diagonal. Do outro lado havia um Marítimo que acumulava asneiras a sair a jogar, com perdas de bola perigosas, pondo-se a jeito para vários contra-ataques ingloriamente desperdiçados.  

Com um Nuno Santos sempre a pensar no disparate que tinha feito, no ataque planeado eram apenas as arrancadas de Matheus Reis a criar perigo e foi preciso uma arrancada do melhor em campo para chegarmos ao golo de Slimani. 

Logo a seguir, como nos Açores, reposição da bola em jogo, a equipa a dormir e o Marítimo a marcar, felizmente um golo anulado por fora de jogo. Inacreditável.

 

Na segunda parte o jogo foi ficando cada vez mais confuso e anárquico, com as pernas a pesar e o raciocínio a faltar.

As oportunidades surgiram com o jogo cada vez mais directo, mas numa incursão dum jogador do Marítimo pela direita, três (mais uma vez) jogadores do Sporting caem em cima e deixam completamente isolado outro, do lado oposto. Milagrosamente o passe foi mal feito e chegou a Adán. Falhanço crasso julgo que de Inácio, que abandona a protecção da zona central. Inacreditável também.

 

Concluindo, muito a contribuir para que a vitória não acontecesse e algumas coisas para reflectir em termos de futuro:

1. A decisão de começar a época com Paulinho e TT foi compreensível, mas errada. Slimani (ou outro) devia ter vindo nessa altura. Santa Clara e Braga foram dois jogos perdidos com Coates lá à frente. Mudar agora de sistema de jogo é muito complicado.

2. Mais que sistema alternativo, Slimani e Paulinho podem muito bem jogar em 3-4-3 com Paulinho a fazer de interior. Importa é ter um modelo alternativo, um futebol mais directo sempre a explorar as características de combate daquela dupla e muito menos construção desde trás e rotação de flanco. 

 

Agora é esquecer o assunto e pensar em vencer o próximo jogo. 

Quarta-feira, em Alvalade, lá estaremos unidos a levar a equipa ao colo rumo ao Jamor.

 

#JogoAJogo

SL

18 comentários

Comentar post

{ Blogue fundado em 2012. }

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D