Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Não embandeirar em arco: as potencialidades do Benfica

mscb.jpg

É sempre bom ganhar o dérbi da Segunda Circular, melhor ainda quando na Luz. E no jogo de ontem ainda foi mais saboroso: após longos meses de desvalorização do plantel do Sporting - por ser "mais curto" (ou "menos profundo", como agora também se diz) - relativamente ao dos rivais; após a repetição - na própria semana passada a seguir à escandaleira do Jamor - da "narrativa" benfiquista de que o título de 21 foi perdido devido ao Covid, apesar dos cento e tal milhões que o clube havia gasto e de ter um treinador que prometera "jogar três vezes mais" do que o técnico anterior (actualmente bem comandando o Wolverhampton no mais difícil campeonato do mundo) fizera; e, num plano mais técnico, após a polémica do último defeso - em que tantos de nós também entrámos - com a opção de deixar sair o excelente mas caro João Mário dada a consciência de que havia no plantel suficientes opções jovens e mais baratas, sublinhando uma política financeira e desportiva virtuosa. Sob estas condições ir à Luz jogar sem Palhinha, dito por todos "insubstituível", e sem Coates, afectado pelo tal Covid da "narrativa" de Rui Costa & Jorge Jesus, e ver jogar Matheus Nunes e Ugarte e toda a defesa, esta sem dois centrais titulares (ainda para mais depois daquele descalabro do Ajax sem Coates), mostra bem a justeza do rumo na constituição do plantel. E a excelência do trabalho da equipa técnica, venha ou não a conquistar títulos neste 21/22.

E em relação a esta jornada há um outro ponto interno ao Sporting que quero realçar. Pois é uma vitória sempre saborosa, e mais significante pelo contexto que descrevo, para além de fazer recuar o velho rival (que já teve 4 pontos de vantagem sobre os actuais comandantes ex aequo e vai agora 4 pontos atrás, o que lhe fará mossa). E porque foi indiscutível, sem "casos", e mostrando uma superioridade que não foi apenas do dia, "conjuntural" - nos dérbis tantas vezes a equipa que está pior vem ao de cima para ganhar. Mas sim uma vitória que denota uma superioridade "estrutural", a vigência actual de um melhor rumo do que o do velho rival. E neste contexto, "sem espinhas", da vitória na Luz - e é esse o factor interno que muito quero realçar -, não se vê o presidente Varandas assomar, em bicos dos pés, em declarações públicas, mais ou menos abrasivas, a querer "mostrar-se para a fotografia". Forma virtuosa de presidir, em particular nas boas horas, deixar o palco para artistas e seus maestros e mestres. Tal como também não se vêem outros membros da direcção. Nem o director do futebol Hugo Viana. Nem "bocas" abrasivas de directores de comunicação do clube, tais como é habitual (e foi-o no clube) naqueles que confundem essa função necessária às grandes empresas com o exercício do trauliterismo mais rústico. Em suma, no rescaldo do jogo de ontem nota-se que não é só no futebol sénior que a atitude é a correcta, mas a sua superestrutura directiva está a marchar e pensar bem.

Mas com tudo isto de positivo é preciso não embandeirar em arco e manter a humildade atenta. Pois apesar da derrota o Benfica mostrou que tem grandes potencialidades para cruzar esta época com sucesso. Já o havia demonstrado, em particular em alguns jogos na Liga dos Campeões. Mas ontem ainda mais, afirmou-se como um clube preparado para enfrentar este futebol do Covidoceno, com as suas características especiais. Será, apesar da derrota, talvez mesmo o clube com mais potencialidades para tal, com maiores energias para soluções originais e criativas: pois estou crente que estas "máscaras brancas" mostradas a Jorge Jesus são uma solução inovadora a nível mundial, e para sempre simbolizarão esta era covidocénica no desporto-rei, no maior espectáculo mundial. E temos que estar atentos, um clube que tem no seu seio estas energias inovadoras, estas soluções criativas, poderá sempre surpreender-nos. E talvez isso demonstre que até possa encontrar outras formas de criatividade.

5 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D