Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Modelo de Governação de Samuel Almeida

Sporting com Rumo

Screenshot_20200623-104530.png

 

No dia 17 de junho, reuniram-se José Manuel Barroso (moderador), Samuel Almeida, Luís Filipe Menezes, José Braz da Silva, João Duque e António Pires de Lima em torno do tema modelos de governação, que já no dia anterior reuniu outro painel.

De entre todas as participações, destacaria parte da intervenção de Samuel Almeida - a que ocorreu a partir das 2:17:23 até sensivelmente as 2:24:18 - por duas razões muito simples, por um lado, é um modelo desenvolvido e sustentado por alguém que é frontalmente contra a perda da maioria do capital da SAD e, por outro lado, foi apresentado de uma forma estruturada, aspecto que facilita a organização da informação para este efeito: o da (eventual) troca de impressões entre Sportinguistas que frequentam o És a Nossa Fé

Transcrição das ideias principais contidas em cada diapositivo:

 

Screenshot_20200623-104645.png

 

«Defendo que o clube tem de ter uma estrutura profissional, permanente e duradoura e que ultrapasse claramente o mandato dos órgãos sociais; este princípio de base materializa-se no ir ao mercado buscar os melhores para as diversas funções de gestão e materializa-se num determinado organigrama [a imagem acima]

Saber se o modelo é presidencialista ou não depende da figura que encabeçar, ou não, esse projecto e esse modelo, não sendo para mim relevante se o presidente da SAD é o mesmo do Clube; depende muito do perfil das pessoas;

Em relação ao organigrama, não vou falar sobre outros órgãos sociais, sendo que o conselho fiscal e disciplinar devem ser separados, uma coisa é o conselho fiscal outra coisa é conselho disciplinar, até por razões óbvias e naturais, um tem uma função mais jurídica e outro é um órgão claramente de auditoria;

Em relação ao Clube: um Conselho Directivo, que é não executivo e que é o representante dos sócios e que tem os pelouros - não se afasta muito daquilo que é a realidade hoje - que é secundado dentro da estrutura por um Director Geral, que tem como função a coordenação de todas as áreas de gestão e a sua interligação com os órgãos sociais e com a estrutura profissional do Clube;

Um estrutura permanente em baixo, com todas as áreas de gestão e depois proponho duas coisas, que já proponho há muito tempo, que é, por um lado, um Conselho verdadeiramente Estratégico, e que permita dentro desse conselho estratégico – que nada tem a ver com o Conselho Leonino – que permita a representação de várias sensibilidades do Clube e nomeadamente que tenha assento, nesse conselho estratégico, várias entidades, desde patrocinadores e sponsors, que devem estar claramente envolvidos na política do Clube (não é só alguém que investe, que investe muitos milhões, tem o direito de ser ouvido e uma palavra a dizer sobre o caminho que o clube está a seguir) mas também, terem assento nesse conselho estratégico, por exemplo, os núcleos, - que têm um papel completamente desprezado dentro do Clube – e mesmo os G(rupo) O(rganizado) de A(deptos), para os quais devem ser claramente definidas novas regras, um protocolo claro e que seja aprovado por todos os sócios;

Democracia não é só participarmos nas Assembleias Gerais, é dar voz às várias sensibilidades do Clube e permitir-lhes uma participação activa, naquilo que é a definição da estratégia do Clube;

E por outro lado um Conselho composto pelos Presidentes que se reúne de acordo com a disponibilidade do Presidente do Clube; acho que todos, e são todos, os Presidentes do Clube, devem ter uma palavra e devem ser ouvidos ocasionalmente, porque todos eles são um activo do Clube; todos eles, todos eles tiveram uma experiência, passaram por determinadas circunstâncias, independentemente de gostarmos da pessoa, foram presidentes do Sporting Clube de Portugal; a figura do Presidente do Sporting Clube de Portugal, merece-me respeito institucional;

 

Screenshot_20200623-091627.png

 

Quanto à SAD:

Basicamente, o que defendo é um modelo que não é diferente do que existe hoje na SAD, que é uma comissão executiva e um conselho de administração, mas com uma organização completamente diferente; aqui, sim, já poderia acontecer o Conselho de Administração ter um CEO e um Chairman, depende até da entrada ou não de um Investidor;

Eu não defendo a falta de entrada de um Investidor, eu sou é total e frontalmente contra a perda da maioria do capital da SAD; são coisas distintas, o caminho das pedras que eu defendo, não defendo sem capital, defendo com capital, mas com determinadas regras e, sobretudo, que o Clube jamais perca aquele que é o seu maior activo;

Proponho um Conselho de Administração alargado na SAD, em que têm assento a estrutura de Gestão do Clube, e isso passa por ter presente o Director, membros do Conselho de Administração, que seria um órgão não executivo, o Director Geral, o Director da Formação – é impensável a SAD não ter um Director de Formação presente nas tomadas de decisões estratégicas da SAD -, o Director do Futebol, eventualmente, um representante ou mais dos investidores, o Presidente do Clube se for ou não a mesma pessoa, que é o Presidente do Conselho de Administração da SAD, um CFO – alguém que tenha a responsabilidade financeira – alguém que tenha a responsabilidade jurídica e, eventualmente, o presidente da Comissão Executiva, se não for a mesma pessoa que preside ao Conselho de Administração;

 

Screenshot_20200623-091616.png

 

Comissão Executiva: composta por 3 pessoas: o presidente dessa mesma comissão executiva, o CFO e o Director do Futebol;

- é impensável que o Director do Futebol, o Director da Formação, o Director Geral do clube não tenham assento até por uma razão muito simples: Clube e SAD, não são realidades separadas, quando o Sporting Clube de Portugal entra em campo, os adeptos não olham e dizem:”Olha, lá vai a SAD do SCP entrar em Alvalade, é o Sporting Clube de Portugal”.

Devemos ter uma política harmonizada, uma estrutura profissional e uma gestão que perdure para além dos órgãos sociais. Este meu modelo, passa por uma mudança completa daquele que é o modelo operacional do Clube.»

Samuel Almeida, jurista, esclareceu não ser candidato às próximas eleições em virtude de as suas obrigações familiares e profissionais não lho permitirem mas deixou claro que no dia em que for candidato, afirmá-lo-á antecipadamente e de viva voz.

 

Adenda: No dia de hoje, realizar-se-á debate sobre os Estatutos (Revisão Estatutária). Programa e informações sobre como ver e participar, aqui.

57 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D