Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Memórias de Peyroteo (10)

(cont.)

 

«“ENGRENAGEM” DO FUTEBOL…

- Às voltas com um contrato -

 

Entre os meus colegas de trabalho no Grémio das Carnes, em Lisboa, havia adeptos de todos os clubes e até um deles era dirigente do Clube União de Futebol.

Certo dia, um agremiado e particular amigo - Humberto Matias, “tifoso” do Belenenses - chamou-me de parte e disparou esta:

- Tu assinaste um contrato com o Sporting, não é verdade?

- Assinei. Porque o perguntas?

- Não tenhas pressa; ouve o que te digo e responde-me com calma. Se te disser que o contrato não- tem qualquer validade?

- Homem! não brinques; isso não pode ser. O contrato, depois de assinado por mim e, salvo erro, por duas testemunhas, foi enviado à Federação…

- Tu não sabes nada. És um “bom”… Dize-me: já recebeste a cópia que o Sporting te devia ter entregue, depois de sancionada pela Federação de Futebol?

- É verdade que não!

- Pois bem; aconselho-te a telefonar para a Federação a. saber o que se passa… Mas antes de mais nada, dize-me: se, na verdade, tiver havido tramoia, o que pensas fazer? Se quiseres “trintinhas” e mil e duzentos escudos por mês, mesmo que seja necessário estares uma época sem jogar, é só dizeres que a coisa arranja-se. O Belenenses também é um grande clube, fica sabendo.

- Ouve, Humberto. Se, na realidade, tudo for como afirmas, eu vou para o Belenenses.

Por uma questão de confiança, assinei o contrato quase sem o ter lido mas se fui enganado, podes ter a certeza de que o caso vai ser muito falado.

Imediatamente peguei no telefone e liguei para a Federação, donde me atendeu o amigo Mário Santos. Disse-lhe do motivo que me levou a telefonar-lhe e obtive uma informação pouco elucidativa e muito menos convincente:

- Parece-me que o seu contrato foi devolvido ao Sporting para rectificar qualquer coisa que eu não sei bem o que é. Quem trata de quase tudo isso é o senhor Capitão Maia Loureiro, nosso Director. Se, porém, o contrato está cá na Federação, deve estar fechado no cofre e o nosso Director é quem tem a chave.

- Mas o senhor pode fazer o obséquio de se informar melhor e depois…

- Está bem. Telefone amanhã porque só logo à noite estarei com o senhor Capitão Maia Loureiro.

- Muito bem e obrigado. Voltarei a telefonar amanhã.

Depois da conversa com aquele funcionário da Federação, fiquei com a impressão, ou, mesmo, com a certeza de que havia muito de verdadeiro nas afirmações do amigo Humberto Matias, ao mesmo tempo que pressentia que o Mário Santos sabia o que se estava passando, mas nada queria adiantar sem, primeiro, falar com o seu Director.

Entretanto, como estava ali próximo um dirigente de clube - o meu colega e amigo Cesário Pereira Salvador - pessoa conhecedora destes problemas - contei-lhe o sucedido e pedi-lhe um conselho. O Cesário disse-me:

- “Pelo que você acaba de contar, tenho a certeza absoluta de que aí há coisa. No seu lugar, eu não esperava para amanhã; hoje mesmo, à noite, ia à Federação saber o que há ao certo. Ora, se o Mário lhe disse que só à noite estaria com o senhor Capitão, você vai lá e encontra-o. Mas para não dar nas vistas, talvez seja melhor telefonar. Depois fale comigo, aqui no Grémio”.

Peguei no telefone às 21 horas…

- O senhor Capitão ainda não chegou.

As 21,30 ainda não estava e às 22, o Mário Santos informa:

- “Já falei com ò senhor Capitão e posso agora dizer-lhe que o seu contrato com o Sporting deu aqui entrada mas, há já quase dois meses, foi devolvido para rectificação. O período de validade do documento foi indicado por três anos, quando as normas aprovadas pela Federação e propostas pelo seu clube faziam referência a épocas de futebol. Melhor dizendo: o contrato será por três épocas e não por três anos; em vez de 1939/40/41 deve ser 1939/40, 1940/41 e 1941/42, salvo erro de Setembro a Junho ou Julho do ano seguinte. E já agora, deixe-me perguntar-lhe se o Sporting ainda o não chamou para fazer a rectificação?”

- Não senhor, e, portanto, não tenho nenhum contrato com o Sporting?

- Oficialmente, não!

- Obrigado, Mário Santos, pela preciosa informação que me prestou”.

Desligámos. No dia seguinte fui mais cedo para o Grémio e contei ao Cesário Salvador o que se passava.

Tão irritado como eu estava, disse:

- “Não está certo fazerem-lhe uma coisa dessas. Todos os clubes podiam errar o texto de um contrato, menos o Sporting. Habilidades, meu amigo, habilidades!

- Não acredito Cesário, que tivesse havido intenção de me prejudicarem…

- “Pois não! Quisesse o Sporting, neste momento, - por lesão grave ou outro motivo qualquer - deixar de lhe pagar e você estava comido! Para quem recorreria para fazer valer os seus direitos?

- Talvez tenha razão…

- Passe-me você uma procuração e deixe a meu cargo a regularização do assunto. Continuará no Sporting mas com um bom par de contos na algibeira. Como garantia do que lhe afirmo, fique você com o meu automóvel. Faça a procuração e deixe o resto comigo. Você não merece semelhante partida…

Não aceitei a proposta e, entretanto, apareceu o Humberto a quem contei a história. Demais sabia ele quando me falou a primeira vez.

Igualmente, rejeitei a proposta para ingressar no Belenenses.

Para mim, deixar o Sporting, representava morrer para o futebol. Mas impus a mim próprio tomar uma atitude.

Não garanto ter sido eu a procurar o senhor Francisco Franco - pessoa que me entregara, para assinar, o célebre contrato - ouse foi ele a mandar-me chamar para se fazer a rectificação. Se não me falha a memória, foi o senhor Franco que solicitou a minha comparência na sua livraria, ali à Rua Barros Queiroz. Duma maneira ou doutra, o certo é que manifestei o meu desagrado e, até, desgosto pelo acontecido.

- “Acredita que não houve a menor intenção de te prejudicar ou enganar”.

- No entanto, senhor Franco, há já quase dois meses que a Federação devolveu o contrato e só agora se faz a rectificação! Quase todos os dias, depois do almoço, aqui venho conversar consigo e o senhor nada me disse!

- Tens razão; é verdade, mas acredita que foi por esquecimento. Eu seria incapaz de te enganar, pois sabes que sou teu amigo.

Concordo. Só lhe devo atenções e finezas mas gostava de saber quando fazemos a rectificação!?

- Amanhã, depois do almoço, quando aqui vieres.

E assim foi. Voltei a não ler o novo contrato; assinei-o. Como testemunhas figurou, salvo erro, o amigo Jacinto Leal - ainda hoje funcionário do Sporting - e outro que não recordo.

Quando tudo estava pronto, o senhor Franco ofereceu-me cem escudos para eu comprar… chocolates, de que muito gostava e gosto. Claro está que não aceitei a oferta!

Pode, de tudo isto, concluir-se que troquei trinta ou quarenta mil escudos e mil e duzentos por mês, por… cem escudos que não quis receber!

Para mim valeram sempre mais os actos do que o dinheiro.

Hoje, porém, as coisas estão profundamente modificadas. As atitudes bonitas só podem ser tomadas com… dinheiro adiantado!

Se muito tens, muito vales - diz o Povo - e a voz do Povo é a voz de Deus!

Repare-se: “anos” em vez de “épocas”.

Como uma troca aparentemente insignificante, poderia ter feito com que eu, em vez de, durante quase três épocas, ter envergado uma camisola às riscas verdes e brancas, vestisse uma azul com a Cruz de Cristo, continuando, embora, a ser sportinguista, mas a dar o melhor esforço à equipa de Belém!

Preferi continuar no Sporting porque sempre fui e sou sportinguista e, também, porque não acreditei ter havido maldade. Foi um erro involuntário.

Se esta história não tiver outro mérito, que sirva de aviso e lembrança, para se não cometerem outros enganos semelhantes.

Ao contá-la, não me moveu outro propósito que não seja o de referir mais um episódio “curioso” da minha vida de futebolista. Nada mais do que isso.»

 

In: Peyroteo, Fernando - Memórias de Peyroteo. 5ª ed. Lisboa : [s.n.], 1957 ( Lisboa : - Tip. Freitas Brito). pp. 90 - 94

1 comentário

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D