Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Matriz - parte IV

parte I

parte II

parte III

Olho uma vez mais com curiosidade para quem me rodeia. Ali, no lugar 14, fila 22, na (improvável) A9, no último jogo da época em Alvalade. Nunca tinha estado na A9. Sei agora que voltarei muitas vezes, e em breve, à A9. Voltarei em breve à A9 na (muito vã, eu sei) esperança, de (re)encontrar o Senhor Felicidades.

Senhor Felicidades, sentado à minha direita, avô de (pelo menos) dois pequeninos a quem vestiu casacos verdes no final do jogo, entrou-me a pés juntos no coração. O Senhor Felicidades, teve-me no campo de visão o jogo todo mas apanhou-me, especial e perigosamente, as aflições da primeira parte. E o golo do capitão Fernandes. De Bruno Fernandes. E o golo dos outros, que sentenciou o resultado.

Senhor Felicidades, seguramente mais de 70, ria-se, calmo, divertidíssimo, e completamente apaixonado pelo nosso grande Amor, já na segunda parte, quando falhámos golos atrás de golos. Amorosa descontração, a contrastar com minha incontida e sofrida incredulidade. Prova viva, e antiga, de como o (verdadeiro) Amor deve ser, o Senhor Felicidades. Paciente, bondoso, tudo perdoa, tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta, nunca perece.

Senhor Felicidades, retirou o invólucro de plástico da caixa de pastilhas elásticas, guardou-o no bolso e distribuiu pastilhas pelos dois netinhos. O sabor? Melancia. Trident Senses, sabor melancia. Suponho que quando se aconchega e protege com casacos verdes – com tanto carinho - os netinhos (ali pelos 5 anos arrisco) e se tem um interior (visível) destes, pode-se, não se pode?

Senhor Felicidades disse-me que já tinha muitos anos disto, que já sabe como é, andamos ali, a ameaçar, a ameaçar, não marcamos, olhe, e é isto, sofremos um golo logo a seguir. Com a maior das naturalidades e sem nunca deixar esmorecer o terno sorriso que tem marcado no rosto. É Sportinguista, o Senhor Felicidades.

Mentiria, se dissesse que foi só o Senhor Felicidades que marcou indelevelmente a minha primeira presença na A9 que (também) me levou ao João Carlos.

Ali, debaixo do mesmo chapéu e à minha direita, o elevado Senhor Felicidades, têxteis modestos; à minha esquerda, a muito audível Senhora, mãe de duas adolescentes, fã incondicional – e mesmo muito vocal – do capitão Fernandes, Bruno Fernandes, sapatilha Gucci (?) e, quiçá, pulseira Cartier. Atrás de mim, outra muito vocal Senhora, cujo pé/canela/joelho/perna esquerdos quase proporcionavam um encontro imediato com o meu nariz. Depois de Petrov/c, quase CALnarizvic? Uff… Linguarejar de difícil digestão, o da referida Senhora (Alfama? Alvor? Caxinas?) e que me fez virar para trás. Não volto a virar-me para trás, estejam descansados. Até porque a Senhora (farpela que não faria prever), saiu ao intervalo, para não mais voltar. Obrigada Visconde de Alvalade, foi o Senhor que a levou dali, não foi? Desconfio que sim, sabe? Todo o aspecto de ser – compreensível – iniciativa sua. Não nos esqueçamos que a nossa casa será sempre, primeiro, sua.

À minha frente, o Leãozinho asiático, aluno EAS Aurélio Pereira. Concentradíssimo no, estou certa, também seu grande Amor. O Sporting que veste e, simultaneamente, respira e vê dentro das quatro linhas. Nos meus sonhos? Nos meus sonhos, voltarei em breve à fila 22 da A9 para vê-lo dentro das quatro linhas e aplaudi-lo. Aplaudi-lo, com especial entusiasmo e emoção. A par do Leãozinho caucasiano e português, aluno da EAS Telheiras, das pequeninas, laçarote rosa nos cabelos, projectados pelos ares por ocasião do golo que filmei, são a prova viva do que sempre intuí, pese embora a ameaça, não tão longínqua assim, de PERes.

São a prova muito viva do caminho iniciado por Estela de Carvalho e a que Maria Serrano Sancho dá novo impulso. As muitas meninas. Pequeninas, pré-adolescentes, adolescentes, crescidas. Vocais, mais contidas, griffes, zaras, boho chiques, da cidade e da serra. Ali, na A9.

O que mais ver, se não Glória, e estar entre os maiores da Europa, na presença de inúmeros cidadãos não nacionais?

O presidente Santana Lopes? Chegou atrasado, é certo, e à pressa, esgar de cansaço típico desenhado pelos lábios, para rapidamente imprimir renovado impulso ao corpo, depois de desviar o olhar dos degraus, para o alto. Tinha a garantia da (sua) eternidade, lá no alto.

Atrás de mim, lá no alto, onde os nossos olhos devem sempre estar, um outrora presidente do Sporting. Podemos estar em atraso, cansados, mas, olhamos para o alto – onde os nossos olhos devem sempre estar, onde temos, afinal, a certeza da eternidade –, e continuamos a íngreme subida. Ou, se preferirem, continuamos, Dedicados a Esforçarmo-nos.

Obrigada, senhor Presidente. Obrigada, muitas vezes. Pela presença. Pelas mensagens. Ou pela prova de que até os Deuses, descem do Olimpo. Se calhar, só lá estão por saberem  (em baixo) verdadeiramente estar. Obrigada, senhor Presidente. Obrigada, muitas vezes.

[continua]

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D