Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

És a nossa Fé!

Leituras

«[Dimitri Dmitrievich Chostakovich] gostou sempre de futebol a vida inteira. Sempre sonhara compor um hino para o jogo. Era árbitro qualificado. Tinha um caderno especial onde apontava os resultados da época. Nos dias de juventude apoiara o Dínamo e uma vez voou milhares de quilómetros até Tbilissi, para assistir a um jogo. Essa era a questão: tínhamos de lá estar quando acontecia, no meio a multidão, no meio de todas as pessoas em delírio e a gritar. Hoje em dia as pessoas viam o futebol na televisão. Para ele, era como beber água mineral em vez de vodka Stolichnaya, de qualidade extra para exportação.

O futebol era puro, por isso é que sempre lhe agradara. Um mundo construído de esforço honesto e momentos de beleza, com as questões do certo e do errado resolvidas num instante pelo apitar de um árbitro. Sempre o achara muito distante do Poder e da ideologia da linguagem vácua e do saque da alma humana. Mas – gradualmente, ano após ano – foi vendo que era só a sua fantasia, a sua idealização sentimental do jogo. O Poder servia-se do futebol, tal como se servia de tudo o resto. Logo: se a sociedade soviética era a melhor e a mais avançada da História do mundo, então esperava que o futebol soviético o refletisse. E, se não podia ser sempre o melhor de todos, então devia ao menos ser se melhor do que o futebol dessas nações que tinham desprezivelmente abandonado a verdadeira via do marxismo-leninismo.

Lembrava-se das Olimpiadas de 1952 em Helsínquia, quando a URSS defrontara a Jugoslávia de Tito, o brutamontes revisionista da Gestapo. Para surpresa e consternação geral, os jugoslavos ganharam por 3-1. Todos esperavam que ficasse abatido com o resultado, que ouviu na rádio em Komarova, logo pela manhã. Em vez disso, correra até à datcha de Glikman e juntos despacharam uma garrafa de brandy fine champagne.

Mas havia mais a dizer sobre o jogo, além do resultado; ele encerrava um exemplo da imundice que invadia tudo, sob a tirania. Bashashkin e Bobrov: ambos com menos de trinta anos, ambos bastiões da equipa. Anatoli Bashashkin, capitão e médio; Vsevolod Bobrov, garboso marcador e cinco golos nos três primeiros três desafios da equipa. Na derrota frente à Jugoslávia, um dos golos do opositor resultara de um erro crasso de Bashashkin – era verdade. E Bobrov gritara-lhe, no campo mais tarde: “Pau-mandado de Tito!”

Todos tinham aplaudido o comentário, que poderia ser brutalmente divertido, não fosse Bobrov o melhor amigo de Vassili, o filho de Estaline. O pau-mandado de Tito contra Bobrov, o grande patriota. A farsa enojara-o. O decente Bashashkin foi demitido de capitão, enquanto Bobrov acabou por se tornar um herói nacional do desporto.»

 

BARNES, Julian - O ruído do tempo. 1.ª ed. Lisboa : Quetzal, 2016. p. 171-172

{ Blogue fundado em 2012. }

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D