Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Leio este ’post’…

do Edmundo, um abraço, e ocorre-me texto.

 

«Real Madrid Republicano

O meu bom amigo e óptimo colega Guillermo Cabrera Infante detesta futebol, (…), e sempre que me ouve falar dele com naturalidade ou vê que lhe dedico um artigo põe-se a mirar com aquele olhar terrivelmente destruídor e não se priva de me criticar a falta de gosto e conduta irresponsável.

Agora o clube dos meus amores de infância ridicularizou-se diante de toda a Europa. Uns machões derrubaram uma baliza, e não só havia nenhuma suplente em Chamartín, como demorou uma hora e um quarto a trazer outra, de uma forma incompetente e atoleimada. A imprensa alemã cevou-se (o adversário era o Borussia Dortmund), a europeia neutral gozou, a barcelonense deitou sal na ferida sem escrúpulos nem dissimulação. Está bem, tudo mais ou menos merecido. Que o clube dos meus amores de infância continue a sê-lo na minha idade adulta não significa que eu seja cego aos seus defeitos: a actual direcção não me inspira confiança, para falar de uma forma suave; o actual treinador, Heynckes, parece-me sem prespuicácia; e um bom número dos seus adeptos é do pior que há na nossa sociedade, com os seus cânticos e símbolos racistas e nazis e as suas bandeiras franquistas, que não espanholas. Estes iletrados deveriam saber, é claro, que meteram a pata na poça quando se tornaram adeptos do Real Madrid. Como é do conhecimento daqueles que têm memória e há pouco tempo recordou um ressabiado jornalista que dá muitos ares de «vermelho», as pessoas de esquerda e republicanas, os derrotados da Guerra Civil, preferiam o Madrid ao Atlético, apesar do adjectivo «Real» aparentemente contraditório. O Madrid tinha no seu nome o da cidade sitiada e bombardeada, enquanto o Atlético Aviación (como se chamava na sua origem o Atleti) era a equipa dos pilotos franquistas, justamente daqueles que se tinham dedicado a bombardear a capital com sanha. Entre os nossos jogadores houve não pouco «avermelhados», como Del Bosque, ou o guarda-redes Miguel Ángel, ou Breitner o abissínio, ou Pardeza, ou Valdano, e só os triunfos europeus dos anos 50 e 60 levaram o regime ditatorial, com o seu oportunismo, a aproximar-se dele e não o inverso. Que o saibam então os ultras: apoiam a equipa que foi dos perdedores bélicos, mais vale que se inscrevam todos no Frente Atlético.

Mas ao que ia: toda a gente perorou sobre a baliza mas ninguém assinalou até que ponto foi milagroso e admirável que os quase cem mil espectadores reunidos no estádio, a maioria em estado de alta tensão como eu estava em minha casa diante do ecrã quando se iniciava uma semi-final dos Campeões Europeus obrigados a esperar durante setenta e cinco minutos, muitos milhares de pé, sem ter a certeza de que o jogo acabaria por se realizar, em dia de trabalho, com a irritação e a frustração lógicas perante semelhante anticlímax; admirável, digo, é que entre essas cem mil pessoas não acontecesse nenhum incidente em tão longo e oneroso tempo; que as pessoas não se puseram a lutar nem fossem à procura dos ultra sur culpados para lhes aplicar uma sova ou expulsá-los de Chamartín de uma vez por todas; que esperassem pacientemente, limitando-se a assobiar esse fundo sul e a direcção incompetente. Em suma, que não sucedesse nenhuma desgraça como a Heysel e tantos outros lugares. Porque o que eu costumo responder a Cabrera é que o perigo não está no futebol, mas na massa enclausurada, seja qual for o espectáculo. Tendemos a assinalar o pior de nós, e nesta ocasião havia pouco. Mas também houve alguma coisa de bom, e até hoje não li um único comentário como o que agora faço, que alguém se felicitasse pelo alto grau de serenidade e civilidade demonstrado pela maioria dos adeptos da equipa dos meus mais constantes amores.

 

1998»

 

MARÍAS, Javier - Selvagens e sentimentais : histórias do futebol. 1ª ed. Lisboa : Dom Quixote, 2002. p. 109-111

6 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D