Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Jogos Olímpicos

No meu tempo chamava-se Ginástica.

Havia uma classificação qualitativa ( de Mau a Muito Bom ) e confesso que não tenho memória se afectava a classificação final geral.

De qualquer modo, era disciplina obrigatória e numa altura em que o dinheiro não abundava, e francamente não havia a qualidade e quantidade de oferta que há hoje, o equipamento, fato de treino de flanela verde incluído, era costurado pela mãe e as sapatilhas, hoje eufemisticamente apelidadas de ténis, sejam para a prática desse desporto ou não, eram as verdadeiras sapatilhas de ginástica, que serviam para tudo, até para correr. Mais tarde haveriam de chegar as Sanjo e depois as Adidas...

 

Serve o intróito para falar da importância da educação física em geral e do currículo escolar em particular.

Em todos os países onde o desporto ( e não só a corrida ) é encarado como parte essencial do desenvolvimento dos jovens e do bem-estar dos menos jovens, quando em competição os resultados positivos aparecem quase que naturalmente. Entendam como "naturalmente" um trabalho cuidado desde a pré-primária com objectivos definidos: Proporcionar uma melhor qualidade de vida aos cidadãos e por arrasto proporcionar aos que se distingam a possibilidade de se transcenderem e em competição demonstrarem as suas aptidões. Em regra, os atletas destes países têm mais possibilidades de conquistar medalhas em competições de alto nível.

É certo que o universo de escolha é importante, mas se fosse esse o caso os atletas da União Indiana, p.e., estavam carregados de medalhas e isso não acontece. Então, provavelmente, a qualidade do ensino é factor essencial para a obtenção de resultados. Basta ver as grandes potências da modalidade, como tratam a educação física e o desporto em geral. Há países que até atribuem bolsas universitárias aos melhores atletas, vejam bem! As universidades disputam os melhores atletas, coisa extraordinária.

É verdade que no meu tempo, quando a Ginástica era obrigatória, os resultados eram medíocres, exceptuando talvez uma medalha olímpica no hipismo, muitos anos antes e as vitórias no hóquei em patins, que não se percebe como não é modalidade olímpica, a propósito.

Os resultados começaram a aparecer nos finais dos anos setenta, resultado de uma democratização do desporto e porque correr não custava dinheiro.

Outros desportos foram-se desenvolvendo, fruto do investimento dos clubes e duma saudável rivalidade entre eles, o que fez com que de lá para cá, em pouco mais de quarenta anos, conquistássemos vários títulos europeus, mundiais e olímpicos a nível individual e colectivo. O palmarés do nosso país, longe de ser glorioso, enobrece quem se dedicou de corpo, alma e coração a um objectivo maior, que foi o de elevar o nome de Portugal ao mastro mais alto. Sem referência a nomes, pessoas houve que deram tudo de si a esta missão que tomaram como sua e levaram a água ao seu moínho.

 

Dizem por aí que os resultados dos portugueses nestes Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, foram fracos e muito aquém do esperado.

Discordo em absoluto! Senão, tomem lá uns números para reflexão: 

Melhor prestação de sempre em termos de resultados nos seis primeiros: Dez atletas conseguiram-no.

19 classificações no 'top 10', e mais 13 até aos 16 primeiros. Dos 91 atletas, 29 regressam a casa com diploma, 38 estão no 'top 10' e 50 na posição de semifinalistas.

Conseguiu-se uma medalha de bronze. Mas convém não esquecer que em termos de medalhas, sendo Telma Monteiro a única a consegui-lo, Portugal só conseguiu duas medalhas por cinco vezes e três em duas ocasiões.

 

Ouviram-se algumas críticas de atletas e treinadores ao Estado e à forma como apoia o alto rendimento, não tanto pela falta de apoio, pareceu-me, mas pela qualidade do apoio prestado. Há hoje novas técnicas e equipamentos auxiliares de treino que urge colocar ao dispor e que provavelmente não implicarão um investimento por aí além. Haja vontade política para dedicar ao desporto, começando pelo desporto escolar, a atenção que ele merece. A maioria dos autarcas deste país já deu o seu contributo e foram nascendo como cogumelos pavilhões, polidesportivos, piscinas, pistas de atletismo, etc, que se encontram, parte deles, às moscas. Senhores decisores, é favor encontrar forma legal de os colocar ao serviço dos atletas e procurar rentabilizar o investimento.

Uma certeza tenho, se não houver vontade política (este chavão serve para tudo), o esforço dos nossos atletas, treinadores e dirigentes, não sendo em vão, difícil e raramente atingirá o topo, como é desejo de todos, a começar por eles próprios. 

 

Por fim, em jeito de desafio, compare-se os apoios dados a estes atletas e os apoios dados às empresas, para se internacionalizarem.

Compare-se também os resultados.

 

4 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D