Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Hoje giro eu - O jogo da mala

olgacardoso.jpg

 

Não, não me refiro ao jogo imortalizado pela "amiga Olga" (uma querida e respeitável senhora), mas é importante despertar. Terá soado o gongo? É pagar para perder? É pagar para ganhar? O que tem a dizer o Sindicato dos Jogadores sobre as denúncias dos atletas e pronta negação dos alegados corruptores? Quem são estes empresários/alegados intermediários e quem os regula? O que têm Liga e FPF a dizer sobre a prevenção disto? O que se está a passar no futebol português? Corrupção ou contra-informação? Eu pago para ver...

5 comentários

  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 31.05.2018

    Sarin, se vir o primeiro capítulo do "Há vida para além do défice - Ideias" verificará que está lá a proposta para a criação de um código de ética que regule todos os agentes desportivos, com penalizações para os infractores, em sede de justiça desportiva, que podem ir da subtracção de pontos até à descida de divisão, para além de multas que efectivamente doam.

    De resto, nesta coisa da integridade estou como a Sarin, isto tem de ser visto de uma forma transversal aos clubes. E devem ser punidos todos os infractores, sejam eles do(s) clube(s) que forem. O que se suspeita, actualmente, é que com a introdução do vídeo-árbitro e melhorias da arbitragem em geral, um determinado sub-sistema se tenha movido para a procura de outras "soluções" e que haja uma "clientela" ávida de fazer negociatas à conta de jogadores e clubes.

    Isto só terá um fim quando o consumidor do futebol se organizar (numa Associação, por exemplo) e ameaçar boicotar a presença de público nos eventos desportivos caso não sejam criadas regras de prevenção pelos organismos a quem cabe a regulação. Sem isso, é óbvio que os reguladores desportivos não vão conseguir regenerar o futebol português e o Estado não se vai intrometer.
  • Sem imagem de perfil

    JHC 31.05.2018

    Um código de ética para agentes desportivos, como sugeriu, é o primeiro passo.
    Obrigará a uma alteração do actual dirigismo, se não de pessoas, pelo menos de actuação.
    Na minha opinião o G15, G10 ou G3 não contribuem para uma solução que vise um campeonato mais competitivo.
    Depois da decisão do Benfica em relação aos direitos televisivos há que encontrar formas de distribuição de dinheiro pelos clubes de forma a termos mais competitividade, estádios com melhores condições, clubes com mais recursos para atrair melhores jogadores.
    Olho sempre para o modelo inglês como exemplo bem sucedido.
    SL
  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 31.05.2018

    Eu começaria por alterar o modelo competitivo, com 3 Ligas, cada uma disputada numa fase regular e com play-off e play-out, com 12 clubes. Assim, os escalões profissionais teriam 36 equipas . Um primeira Liga com 12 equipas apenas e jogada em duas fases (os pontos acumulariam) seria muito mais competitiva (com reflexos na intensidade requerida nas provas europeias), permitiria melhor distribuição de receita (o mesmo dinheiro por menos equipas, melhor competitividade, aproximação dos clubes pequenos/médios aos grandes, melhor pontuação dos pequenos/grandes nas competições uefeiras, melhor ranking país). Como estamos, dentro de pouco tempo nem a presença na Champions teremos asegurada. Há pouco tempo tínhamos duas presenças asseguradas e mais um clube no play-off (última eliminatória). Agora, só temos 1 clube assegurado e o segundo vai à terceira pré-eliminatória. Isto promete terminar em lágrimas. Nada que pareça incomodar Pedro Proença. E depois, florescem os casos suspeitos de corrupção. Mas o CD da Federação está muito preocupado com a lesão de honra e de reputação. Como? Pois, quem é que parece o ministro de propaganda do Iraque? Não digam mal que afectam o produto. Pois. Já não haver um Código de Conduta ou de Ética e vivermos nesta desconfiança não é problema. Falar sobre isso é que constitui delito grave. "Get out of here"!
  • Sem imagem de perfil

    JHC 31.05.2018

    Confesso que ainda tenho alguma desconfiança numa redução tão acentuada do número de Clubes na primeira liga, mas com apenas 3 divisões profissionais e 36 equipas começo a acreditar na fórmula (não recordo se foi essa a sugestão inicial do Pedro Azevedo mas concordo). Isto também reforçaria a aposta dos clubes na formação e no campeonato Sub-23 visto que com tão poucas equipas nas três divisões não faria sentido que as equipas B ocupassem o lugar de equipas históricas e representativas de importantes zonas do país como o Farense, União de Leiria, Varzim, Leça da Palmeira, etc.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    { Blog fundado em 2012. }

    Siga o blog por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Pesquisar

     

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D