Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Hoje giro eu - Ganhar o que está à mão, perder o que está ao pé

Quando temos um treinador de andebol, de seu nome Hugo Canela, que transforma os 10(!) jogos de Champions mais a pré-eliminatória numa oportunidade para o crescimento competitivo da equipa - nunca dando relevo ao cansaço daí decorrente - , quando um treinador de voleibol, Hugo Silva, pega numa babilônia de jogadores, muito deles veteranos, cansados de duras batalhas anteriores, e fazendo das fraquezas forças se sagra campeão - nunca valorizando o facto da equipa treinar em Fiães, no Norte do país, só se deslocando a Lisboa para os jogos - , quando tudo isto acontece, dizia, acrescido do ênfase de ambos os treinadores em dar mérito aos jogadores, fica claro porque falhamos consecutivamente no futebol. É só fazer aquele passatempo de ‘descubra as diferenças‘... 

 

#savingprivateryan

15 comentários

  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 07.05.2018

    A sua análise tem os seus méritos, mas tudo isso também é transversal ao FC Porto e eles tiveram união e concentração e , bem liderados por Sérgio Conceição, foram campeões nacionais, meu caro JHC.
  • Sem imagem de perfil

    JHC 07.05.2018

    E com todo mérito, caro Pedro Azevedo.
    Num dos anos mais difíceis da sua história.
    E como vivo no Norte e tenho muitos amigos portistas, posso dizer que mesmo nos momentos mais difíceis, como na goleada sofrida com o Liverpool ou nas eliminações das Taças com o Sporting, nunca viraram a sua luta para dentro de portas.
    Não criticaram Sérgio Conceição, Marcano ou qualquer outro jogador que tenha falhado. Como disse e bem, uniram-se contra o inimigo externo para vencer. E venceram.
    Não foi Kelvin, foi Herrera e foi Tondela. Tiveram a sorte nestes momentos mas trabalharam muito para merecê-la.
    Posso também afirmar que muitos destes meus amigos torceram pelo Sporting nas competições europeias e nos jogos contra o Benfica.
  • Sem imagem de perfil

    Bosko 07.05.2018

    Caro JHC, não consigo ficar indiferente à sua frase "Num dos anos mais difíceis da sua historia"
    Admito que financeiramente o clube possa a estar a viver momentos difíceis, mas sem retirar o mérito ao treinador e jogadores, a performance desportiva nada teve de extraordinário e a performance financeira é da responsabilidade dos sócios que não hesitam em renovar mandatos aos actuais dirigentes, responsáveis pela condução do clube até ao momento actual.
    Não posso alinhar na vitimização colectiva, facilmente verificamos que o actual plantel existe um investimento bem superior ao total investido pelo Sporting nos últimos 3 ou 4 anos e para chegar a esta selecção, ao actual quadro, também muito facilmente, encontramos um investimento bem superior a 100M naquilo que vulgarmente apelidamos de flops.

    Por isso, não retirando o mérito ao Sérgio Conceição e aos jogadores, que não tenho duvidas mereceram ganhar o campeonato, mas difícil e extraordinário foi o que o Leonardo Jardim fez no Sporting, que mesmo não vencendo nada obteve uma importante conquista, sem grandes recursos montou uma equipa verdadeiramente competitiva, nesse ano e preparada para os seguinte.
  • Sem imagem de perfil

    JHC 08.05.2018

    Caro Bosko, estou de acordo consigo!
    A aposta no treinador e o investimento feito(cerca de 110 milhões na era JJ, segundo ouvi) é da responsabilidade da Direcção e mais uma tentativa de aproximar em qualidade e competitividade o Sporting dos rivais FCP(200 milhões investidos) e SLB(175 milhões), e que não trouxe o tão desejado Título de Campeão Nacional.
    Quando me refiro a um dos anos mais difíceis do FCPorto tenho em conta o garrote do fair-play financeiro e a desvalorização do plantel, algo raramente visto nos nortenhos neste século.
    Mas nada comparável à situação de pré-bancarrota em que estivemos a cinco anos!
    E concordo consigo que o trabalho do também sportinguista Leonardo Jardim foi extraordinário para os recursos disponíveis. Como se costuma dizer, fez omeletas sem ovos. E acabou a frente do FCPorto!
    SL
  • Sem imagem de perfil

    Leão da Estrela 08.05.2018

    Caro JHC pelos meus cálculos, só na era de Jorge Jesus foram contratados 39 jogadores e só 3 estão no plantel desde da primeira época. É inacreditável a má gestão do plantel nestes últimos 3 anos.
    Se esta é a gestão magistral do tão afamado rei da tática pura e simplesmente é miserável e os resultados desportivos e financeiros assim o demonstram.
  • Sem imagem de perfil

    JHC 08.05.2018

    As contratações do passado foram de acordo com os constrangimentos financeiros, desde empréstimos de jogadores a tentarem voltar a ribalta até jogadores sem currículo.
    No entanto BC conseguiu em muitos dos casos recuperar o investimento.
    Desportivamente é que foi pior.
    As saídas dos craques por milhões eram inevitáveis. Os jogadores que ingressaram esta época(e na anterior) foram caros mas já ninguém põe em causa o valor de Coates, Mathieu, Piccini, Acuna, Battaglia, Bruno Fernandes, Dost, Ristowski, etc...
    SL
  • Sem imagem de perfil

    Leão da Estrela 08.05.2018

    Caro JHC, os únicos craques que sairam foram 3: Slimani, João Mário e Adrien. Os custos com eles foram irrisórios, porque dois eram da nossa formação e o outro foi um negócio das "arábias", só pesando financeiramente o valor dos ordenados. Ahhh e muito importante, nenhum deles foi criado ou inventado por Jorge Jesus.
    De todas as contratações feitas até agora só meia dúzia entre 39 é que fazem realmente a diferença, mas uma diferença que pouco se nota nos resultados desportivos. Estou em crer que estes jogadores com outro "maestro" tocariam outra música. Provavelmente, se tivéssemos um "Sérgio Conceição" com os jogadores que temos nos nossos quadros seriam campeões e até poderíamos fazer o pleno.
    Os campeonatos ganham-se com trabalho, inteligência e empenho não com bazófias egocêntricas.

    S. L.
  • Sem imagem de perfil

    JHC 08.05.2018

    Apenas mencionei os que saíram por fazerem parte da base com que JJ contou na primeira (e melhor) época de Sporting, e porque não houve possibilidade de um maior esforço financeiro para verdadeiramente substitui-los. Markovic? Campbell? Castaignos? Rossell? Como costuma dizer um amigo meu, quem paga em amendoins só recebe macacos(ou algo do género)!
    Em relação a sua última frase, ganhamos 2 Campeonatos em 40 anos. Só empenho, trabalho e inteligência não chegam. É preciso qualidade. E quando não a temos dentro de casa(defesa esquerdo por exemplo) temos de pagar o preço. E já não há pechinchas nem em Portugal! SL
  • Sem imagem de perfil

    Leão da Estrela 08.05.2018

    Caro JHC a inteligência é fundamental para "descobrir" bons jogadores e nem tudo o que é caro é bom e nós no Sporting temos muitos exemplos desses.
    Concordo consigo quando diz que não temos algum tipo de jogadores e por isso temos de os encontrar fora de portas. O problema é quando temos os jogadores dentro de portas e simplesmente não são aproveitados e Jorge Jesus é pródigo nisso.
    Provavelmente das 39 contratações feitas nestes 3 anos pelo menos o valor que se gastou em metade poderia e deveria ter sido bem empregue em 3 ou 4 jogadores de qualidade inquestionável. Isto também é a inteligência e o trabalho que é necessário para se ser campeão.
  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 08.05.2018

    Bela troca de impressões neste blogue, com opiniões muito válidas. Vou só dar uma achega em termos de investimento. O Sporting investiu 63,7 milhões nesta época despirtiva. Como parte foi antes de 30 de Junho, outra em Julho e a última em Janeiro vão encontrar esse valor disseminado em 3 R&C, de Jun17, Dez17 e Jun18, nas rubricas de Activos intangíveis, no Balanço e em amortizações (dividido pelo nr anos dos contratos) , na Demonstração de Resultados. É muito dinheiro, a que acrescem mais de 75 milhões de euros em custos com pessoal. No entanto, jogadores como Bruno Fernandes, Battaglia é Acuña já cobrirão esse investimento. Depois ainda temos William, Patricio ou Gelson com mercado. Não compreendo é como se vai buscar RR tendo Geraldes, a razão pela qual Bryan não iniciou a época, o que correu mal com Doumbia, um caso de sub-aproveitamento ( para isso tínhamos Dala), ou jogadores como Matheus Oliveira. Devo dizer que esta época foi mais bem preparada. A anterior é que foi um desastre, pois só Dost é hoje titular entre mais de uma dezena de contratações. A Direcção minorou os estragos nas vendas, como disse e bem o JHC, mas os ordenado firam pagos e custaram-nos algum dinheiro no exercício de 2016/17. Um abraço a ambos e, mais uma vez, reforço a excelente troca de pontos-de-vista.
  • Sem imagem de perfil

    Leão da Estrela 08.05.2018

    Caro Pedro e no meio desses números não consta o que se perde em abstrato. Se as apostas nestes 3 anos tivessem sido as mais corretas provavelmente teríamos tido melhores prestações nas provas em que entrámos com o respectivo retorno financeiro.
    Vender um jogador de uma equipa campeã certamente é mais vantajoso financeiramente do que um de uma equipa com poucos sucessos.
  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 08.05.2018

    Sim, acredito que o todo acabará por melhorar o valor individual de cada um. Seca equipa valer menos, os jogadores também valerão menos. De qualquer forma, haverá sempre aqueles que terão o seu valor de mercado de forma exógena ao plantel. Essa regra que enuncia é mais para um ‘middle market’ de jogador, aqueles 6 que referi estarão acima dessa bitola, até porque todos têm exposição via seleções(excepto Batta), outro factor de potencial valorização. SL
  • Sem imagem de perfil

    JHC 09.05.2018

    Só para concluir que não estou em desacordo com a conclusão do Leão da Estrela no mau investimento que foi feito em jogadores que não resultaram. Já em outra ocasião referi que apesar de não custarem tanto como outros consagrados, acabaram por ser caros pelo fraco rendimento desportivo.
    Há uma visão muito particular de Jorge Jesus na gestão do plantel, na utilização da formação e dos reforços, que foge a filosofia adoptada pela generalidade dos treinadores.
    Um núcleo duro em que confia, a aposta na formação dentro do seu entendimento de jogo (sejam nacionais ou estrangeiros) e reforços para quando estes estão indisponíveis. Vi as mesmas queixas quando treinou o rival. E a verdade é que apesar de voltarmos a ser competitivos, bater outra vez recordes de jogos e pontos, foi insuficiente para conquistarmos o Título (também por mérito do Porto).
    Cabe ao presidente determinar a política da próxima época e que, na minha opinião, terá de passar pela entrada de jogadores da nossa formação (os emprestados e talvez Ivanildo Fernandes e Rafael Barbosa) e contratações cirúrgicas para as saídas de alguns dos nossos craques, dos jogadores emprestados ou em fim de contrato. Gostaria que Mathieu e Coentrao continuassem mais uma época. E que houvesse alguma possibilidade de trazer Slimani por empréstimo. Penso que com o equilíbrio entre juventude e experiência, formação e contratações cuidadas poderíamos ter a competitividade para fazer uma época como os Sportinguistas desejam. Mesmo porque prevejo que os rivais, por diferentes razões, irão revolucionar os seus plantéis.
    Hoje ouvi outra vez que Conceição poderá abandonar o Porto e a opção poderá passar por... Jorge Jesus!
    Alguns portistas acreditam que poderá ser uma espécie de Bob Robson ou melhor, Mourinho! Outros que é um risco pior que Lopettegui e que deixarão de ir ao estádio... SL
  • Sem imagem de perfil

    Leão da Estrela 09.05.2018

    Caro JHC, ainda sobre as contratações dois ou três exemplos antagónicos. Bruno Fernandes, possivelmente uma das melhores contratações dos últimos anos, que trouxe um toque de magia e classe como já não víamos há muito tempo. Um jogador bom e barato.
    Alan Ruiz um fetiche do treinador que não trouxe nada de novo a não ser um irmão atrelado. Um jogador banal e caríssimo para a qualidade que mostrou.
    Por fim Ruben Ribeiro. Se a aposta era em jogadores que viessem trazer mais qualidade e alternativas ao plantel, os dados saíram trocados, porque como esse despachamos nós às pazadas. Não passou mais uma vez de um fetiche do iluminado como mais um quarteirão deles no último triénio.
    Por fim. Se o Jorge Jesus se tornar seu vizinho não vou ficar nada triste, antes pelo contrário. Afinal à amores que não se esquecem e Pinto da Costa anda num verdadeiro turbilhão amoroso nos últimos tempos. Só não pode esquecer-se de uma coisa: Jorge Jesus a comandar uma equipa é um verdadeiro teste à resistência cardíaca dos associados e adeptos e todos sabemos que o presidente do FCP é assombrado com alguns problemas cardíacos.

    S.L.
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    { Blog fundado em 2012. }

    Siga o blog por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Pesquisar

     

    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D