Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Hoje giro eu - A gesta de ser sportinguista

Quase tudo na vida é transitório e, nesse sentido, conjuga-se com o verbo "estar": eu estou vivo, eu estou casado, eu estou administrador de uma empresa, et cetera e tal. 

A paixão por um clube de futebol é algo único, de diferente, de permanente, semelhante às relações de sangue, de parentesco. Nesse sentido, aplica-se o verbo "ser". Eu sou do Sporting. Até morrer o serei e, depois de partir, quem me conheceu dirá que eu "era", não que eu "estava", sportinguista.

Como diria o MEC, começar é fácil. Há um grupo de amigos que se junta e, com o apoio do avô de um deles (o Visconde de Alvalade), sonha fazer um clube. Terrenos são doados, dinheiro é avançado e, em 1906, é dado o arranque. José de Alvalade, o neto, não faz a coisa por menos e sentencia "queremos que o Sporting seja um grande clube, tão grande como os maiores da Europa". Coisa pequena para quem cá ficou...

E começa a verdadeira gesta de dar prosseguimento a essa iniciativa, de ser fiel ao lema do nosso fundador. Aí é que reside a dificuldade. Criar, embora não ao alcance de todos, não é difícil. Basta sonhar! Manter, bom, manter é ser guardião da continuidade, depositário dos sonhos de outrém, conservador de um espólio de glórias, assente no esforço, dedicação e devoção de todos os que serviram o clube no passado.

É mais fácil preservar em tempos de glória. Era simples, descomplicado, ser do Sporting no tempo dos "Violinos". Ver ganhar sete títulos em oito possíveis. Cavalgar o sucesso, montado às costas de Peyroteo (ou Martins), Jesus Correia, Vasques, Travassos e Albano. Mais complicado é fazer parte de uma geração que, em 35 anos, venceu por apenas duas vezes.

Cada pessoa tem a sua idiossincrasia, a sua ideia, a sua forma de estar. Mas, quando servimos o Sporting não podemos pensar só nas nossas características, temos de ter presente a tradição, o nosso passado e, a partir daí, contruir o nosso futuro. Ao contrário do que se possa pensar, ser revolucionário é simples. Entra-se em ruptura, olvida-se o que está para trás, refunda-se. Mais complicado é saber ler a nossa história, observar e conseguir descortinar as nossas escolhas pela bruma da memória, absorver a nossa tradição e ser capaz de reformar.

O Sporting precisa que a energia e determinação postas em evidência no desempenho das suas funções pelo actual presidente sejam acompanhadas pela paciência de um artesão de filigranas, o cuidado de um arqueólogo, a temperança canónica.

Na vida e nas empresas, tão importante como saber o caminho que se quer seguir é ter presente os caminhos que não queremos percorrer. O Sporting saiu dos cuidados intensivos há 4/5 anos, mas a nossa história não é essa pequena estória de dois ou três mandatos que não correram bem. É tudo o que está para trás. Que o necessário corte com tempos não tão distantes não nos ponha nunca em rota de colisão com "o que" somos e "como" fazemos. E que os timoneiros do actual Sporting tenham sempre presente o "porquê" de sermos Sporting, o mais importante, a razão de estarmos aqui. Viva o Sporting Clube de Portugal!

 

P.S. Em boa verdade, o Sporting é o único clube que "é". Os outros só o "são" quando "estão" a ganhar, quando isso não acontece desligam-se como os lampiões, como se denota pelas assistências nos estádios em tempo de derrotas. Enquanto outros "ganham, logo existem", a nossa existência não está dependente de vitórias, mas sim da resiliência que nos moldou o carácter, do facho que vamos passando de geração em geração.

sportingportugal.jpg

12 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D