Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Furacão Amorim no futebol português

Texto de Carlos Falcão

image.jpg

 

Tenho 63 anos e dos que acompanhei Rúben Amorim é o melhor treinador de todos.

Melhor que ele só fez Mário Lino em 1973-1974: ganhou campeonato e Taça de Portugal e foi às meias-finais da Taça das Taças, mas o trabalho não teve continuidade porque João Rocha despediu-o, já nem sei porquê, e tinha...Yazalde!

 

Malcolm Allison fez a dobrinha em 1981-1982, mas no estágio de pré-época do ano seguinte, creio que na Bulgária, meteu uma menina no quarto, além dos problemas que já apresentava com a bebida, e João Rocha despediu-o. Na época em que foi campeão apresentava os mesmos sintomas, aquelas conferências de imprensa "entremeladas" com Magos (um vinho péssimo que se vendia nos anos 80) já eram um sinal mais que evidente que o Big Mal era um homem fora da caixa. Tinha Oliveira, Manuel Fernandes e Jordão e um jovem lateral chamado Mário Jorge on fire (que saudades!).

Bobby Robson era um treinador de mão-cheia, que tinha feito óptimo trabalho por todos os sítios por onde tinha passado. Na primeira volta do campeonato de 1993-1994 íamos à frente, mas uma eliminação na Taça UEFA às mãos de uma equipa austríaca, creio que o Casino Salzburgo, levou Sousa Cintra a despedi-lo em pleno voo de regresso e a contratar o seu treinador fetiche, Carlos Queiroz. Resultado: levámos 6-3 do Benfica em Alvalade, ficámos em terceiro e perdemos a Taça de Portugal para o Porto de... Bobby Robson! Que nos dois anos a seguir começou a construir o penta do Porto e foi contratado pelo Barcelona.

 

Rodrigues Dias, Inácio e Laszlo Bölöni foram campeões, mas não deixaram mais qualquer marca no clube, além desse facto importante.

 

Menções honrosas para Fernando Vaz (campeão em 1969-1970) e Paulo Bento.

 

Rúben Amorim foi campeão sem vedetas: oito dos 16 mais utilizados tinham menos de 23 anos! No segundo ano continua a desenvolver um trabalho magnífico, sempre fiel às suas ideias.

O director-adjunto do Record, Sérgio Krithinas, escreveu após o derby da Luz o que muita gente pensa, mas não se atreve a dizer em voz alta: o furacão Amorim vai ter o mesmo efeito no futebol português que Mourinho teve há 20 anos. E acho que ele tem razão.

 

Texto do leitor Carlos Falcão, publicado originalmente aqui.

42 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D